Feliz Ano Novo e adeus ao tempo que não volta mais…

A pureza de um beija-flor para esse novo ano que se inicia

A pureza de um beija-flor para esse novo ano que se inicia

Sim, é feliz ano novo o que se deseja para nós mesmos e para o nosso próximo. É com esse desejo de que tudo seja maravilhoso em nossas vidas que se começa mais um ano, que não se pode decifrá-lo, pois o amanhã, o futuro não nos pertence e isso é bíblico. Não adianta cartomantes e búzios tentarem dizer o contrário e adivinhar o que nos reserva 2014.

A certeza que temos é a de que 2013 não retornará mais, o que tinha que acontecer, aconteceu e quem deixou passar momentos especiais, oportunidades únicas e desejos latentes não tem mais como recuperá-los da forma como foram concebidos em sua essência. O tempo que passou já era! Ele não volta atrás.

Eu costumo dizer que não gosto de lamentar inutilmente ou me arrepender do que tanto desejei e não o fiz…

Prefiro agir no momento certo e realizar  o que está em mente, coisas boas claro, conforme o meu desejo, porque, caso contrário, posso ter perdido uma grande chance, talvez a maior da minha vida, uma oportunidade única que não mais voltará. E um dos piores traumas é lamentar inutilmente e se arrepender do que não se fez por puro medo de ser feliz, por preconceito, barreira pessoal, falta de coragem e de ousar…

Para me referir a essa questão do tempo que não volta mais, costumo citar o poema do escritor Mário Quintana: “O tempo” – sábio na maneira de nos ensinar a viver.

Momentos intensos

Mas 2013 foi um ano de momentos intensos na minha vida. Muitas vezes até esqueci das horas, porque há ocasiões em que elas não importam mesmo ou nem deveriam existir, principalmente quando se vive situações felizes.

Neste ano que passou, aceitei desafios, ousei, entreguei-me ao trabalho, aos sentimentos, aos amores, mas sempre repeitando que o amanhã não me pertence…

2014 e os muitos anos que ainda virão, se Deus quiser,  são para mim como caixas de surpresa. Não acredito em premonições, adivinhações, previsões, feitiçarias, bruxarias que possam mudar o tempo que ainda estar por vir.

Só posso desejar que eles (esses anos) nos reservem coisas boas, oportunidades, realizações, prosperidades, enfim…e que possamos vencer a barreira do preconceito, do medo e da falta de coragem para poder ousarmos e evitarmos de lamentar inutilmente e nos arrepender do que queríamos, desejamos e não o fizemos por nossas fraquezas, pois o tempo, o tempo não volta atrás…

Reflita “O tempo” de Mário Quintana

O tempo

A vida é o dever que nós trouxemos para fazer em casa.

Quando se vê, já são seis horas!

Quando de vê, já é sexta-feira!

Quando se vê, já é natal…

Quando se vê, já terminou o ano…

Quando se vê perdemos o amor da nossa vida.

Quando se vê passaram 50 anos! Agora é tarde demais para ser reprovado…

Se me fosse dado um dia, outra oportunidade, eu nem olhava o relógio. Seguiria sempre em frente e iria jogando pelo caminho a casca dourada e inútil das horas…

Seguraria o amor que está a minha frente e diria que eu o amo…

E tem mais: não deixe de fazer algo de que gosta devido à falta de tempo. Não deixe de ter pessoas ao seu lado por puro medo de ser feliz.

A única falta que terá será a desse tempo que, infelizmente, nunca mais voltará.. (Mário Quintana)

Edivaldo Jr, o primeiro ano de governo e a perseguição da mídia sarneysista…

Sistema cobra, no primeiro ano, planos e projetos marcados para acontecer em quatro anos e “persegue” prefeito de São Luís que enfrenta ainda a barreira do governo Roseana Sarney

Edivaldo Holanda Jr enfrenta a fúria do governo Roseana que cria barreiras, visando às eleições de 2014 e 2016

Edivaldo Holanda Jr enfrenta a fúria do governo Roseana que cria barreiras, visando às eleições de 2014 e 2016

A imprensa sarneysista resolveu, neste finalzinho de ano, intensificar, de forma “enlouquecedora”, o bombardeio, que já vinha fazendo desde o início de 2013 contra o prefeito de São Luís, Edivaldo Holanda Jr (PTC), com cobranças extremas, como se ele já estivesse no comando da Prefeitura da capital maranhense há pelo menos quatro governos, o que é o caso, sim, da governadora Roseana Sarney – que está esse tempo todo no poder – e não  conseguiu ainda tirar o Maranhão do estado de pobreza, miséria e de outras mazelas em que se encontra.

Blogs e demais modalidades midiáticas do Sistema  Sarney estampam índices de rejeição fantasiosos para o prefeito, cobram a execução de planos e projetos marcados para ocorrer durante os quatro anos de governo de Edivaldo Holanda Jr, mas “não sabem dizer” ou escondem que o prefeito não tem, por perseguição política, nenhuma forma de apoio do governo do Estado que também atrapalha a vinda de recursos federais para São Luís por questões já conhecidas por quem acompanha o dia-dia maranhense.

Com o bombardeio em cima de Edivaldo Holanda Jr, o grupo Sarney visa “ganhar terreno” nas eleições de 2014 e também de 2016. A estratégia é tentar enfraquecer o prefeito de São Luís para atingir, neste momento, o presidente da Empresa Brasileira de Turismo (Embratur)  e pré-candidato do PCdoB ao governo do Maranhão, Flávio Dino, para “cavar” votos ao pré-candidato sarneysista, seja o secretário de Infraestrutura, Luís Fernando, ou quem quer que seja.

A mídia sarneysista tenta confundir o cidadão ludovicense. 2013 foi apenas o primeiro ano do governo Edivaldo Holanda Jr, período para organizar a casa, fazer adaptações, encaminhar projetos e preparar o terreno para os próximos três anos. Mesmo assim, realiza diversas obras de pavimentação, de drenagem, iluminação, etc, em São Luís, livrando a cidade de problemas cruciais..

O que a mídia sarneysista esconde?

Mesmo com dificuldades financeiras, Edivaldo Holanda Jr realiza  uma série de obras de infraestrutura em São Luís

Mesmo com dificuldades financeiras, Edivaldo Holanda Jr realiza uma série de obras de infraestrutura em São Luís

Grandes obras de pavimentação acontecem em diversos bairros de São Luís

Grandes obras de pavimentação acontecem em diversos bairros de São Luís

A mídia sarneysista esconde que o prefeito Edivaldo Holanda Júnior encerra o primeiro ano de gestão com saldo positivo, apesar das dificuldades financeiras, a partir de planejamento, modernização e qualidade dos serviços prestados à cidade de São Luís, mesmo sem contar com nenhum grão de poio do governo Roseana Sarney, que administra conforme seus interesses políticos, deixando os anseios da população de lado.

As dificuldades financeiras encontradas estão sendo saneadas. São Luís foi a única capital do país, onde a Prefeitura pagou 14 folhas de pessoal. Além dos salários dos 12 meses e 13º, o prefeito Edivaldo honrou o pagamento dos vencimentos de dezembro de 2012, atrasados pela gestão anterior.

Na educação, a regularização do calendário escolar foi o ponto de partida. O ano letivo estava comprometido. Em doze meses, um novo modelo de Educação foi instalado em São Luís. Foram implantadas as três primeiras escolas com educação integral e garantidos recursos junto ao governo federal para a construção de 10 escolas e 25 creches, das quais 13 tiveram contratos assinados e a construção começará nos próximos dias.

Para valorizar os profissionais da educação, a Prefeitura de São Luís reforçou os canais de negociação com os sindicatos e garantiu um reajuste salarial de 9,5% aprovado pela categoria, um dos maiores dos últimos anos, além de outros benefícios há muito reivindicados pela categoria, como 1/3 de hora atividade, titulações e progressões.

A Saúde foi outra área essencial onde ocorreram avanços. No início do ano, após a constatação do colapso no sistema público da capital, a administração iniciou a ampliação do sistema de retaguarda de leitos para restabelecimento dos atendimentos no Hospital da Mulher e Socorrões I e II. Reestruturou o SAMU (Serviço de Atendimento Móvel de Urgência), ampliando o número de ambulâncias. Estão adiantadas as reformas dos Hospitais da Criança, da Mulher e das Unidades Mistas do Coroadinho e Residencial Alexandra Tavares, além do Centro de Saúde do Sacavém.

Na área de infraestrutura, estão em andamento as obras do sistema de esgotamento sanitário em 30 bairros da região Itaqui Bacanga. Serão realizadas de 31 mil ligações e pavimentação de ruas. Um investimento de R$ 42 milhões, que vai beneficiar mais de 110 mil pessoas.

A requalificação asfáltica de ruas a avenidas foi intensificada para reestruturar a malha viária. No Polo Coroadinho, mais de 400 ruas estão sendo pavimentadas, contemplando 20 bairros da região e beneficiando milhares de moradores.

Os serviços de iluminação pública e de limpeza foram melhorados. Este com a redução do contrato em cerca de R$ 4 milhões/mês.

Estão em ritmo acelerado as obras de construção do Centro de Esporte e Cultura, no Coroado, do Circo da Cidade, na Cidade Operária, além da aceleração para entrega das obras de canais Cohab/Cohatrac, Gangan, Rio das Bicas e Salina do Sacavém. Na Vila Embratel, mais de 30 mil metros de encanamento de água estão sendo instalados para levar água potável para todas as casas.

Em São Paulo, Haddade enfrenta dificuldade mesmo com apoio de Dilma. Imagina Edivaldo em São Luís!

Prefeito de São Paulo governa com dificuldades mesmo com apoio da presidenta Dilma

Prefeito de São Paulo governa com dificuldades mesmo com apoio da presidenta Dilma

Não é só o prefeito de São Luís, Edivaldo Holanda Jr, que  administra, com esforços próprios, sem apoio do governo federal, aqui por questões políticas que passam por interesses do grupo Sarney. O prefeito de São Paulo, Fernando Haddad (PT), petista de carteirinha, sem dinheiro para investimentos e com dificuldades na seara política, foi abandonado pela presidenta Dilma Rousseff, considerada sua mais forte aliada.

Matéria publicada pela Agência Estado revela que,  até agora, porém, não há sinais de que a presidenta, candidata à reeleição, vá ajudar Haddad a recuperar as finanças da Prefeitura a curto prazo. E imagina se não fosse um aliado petista?

E se o prefeito de São Paulo, maior cidade brasileira, que é aliado do grupo da presidenta Dilma, está encontrando dificuldade financeira e falta de apoio e recursos para administrar, imagina só o prefeito de São Luís que governa com a perseguição do governo do Estado, da mídia sarneysista e com poucos recursos do governo federal.

Mas mesmo assim, é preciso dizer que o prefeito Edivaldo Holanda Jr está dando a volta por cima, equilibrando as finanças do município e realizando obras…

Segurança em penitenciárias do Maranhão tem reforço de militares por tempo indeterminado

Agência Brasil

Militares reforçam Segurança na Penitenciária de Pedrinhas

Militares reforçam Segurança na Penitenciária de Pedrinhas

Diante da crise prisional no Maranhão, os 60 policiais militares destacados para reforçar a Segurança nas oito unidades penitenciárias do Complexo de Pedrinhas, em São Luís, devem permanecer no local por tempo indeterminado. De acordo com a assessoria de imprensa do governo maranhense, o efetivo está atuando, desde o fim de semana, principalmente na intensificação das vistorias das celas do complexo, que é o maior do estado.

Além disso, para reforçar a segurança noturna, a Cavalaria da Polícia Militar fará rondas constantes nos presídios. A ação é coordenada pela Diretoria de Segurança dos Presídios do Maranhão, criada pelo governo para aumentar a segurança interna nos estabelecimentos penitenciários.

A atuação dos policiais nos presídios também está sendo acompanhada pela Comissão de Investigação, criada pelo governo maranhense após denúncias feitas pelo Conselho Nacional de Justiça (CNJ). Segundo a assessoria de imprensa do governo, o organismo está apurando as situações descritas no relatório divulgado pelo CNJ no fim de semana, segundo o qual, somente em 2013, foram registradas 60 mortes nos presídios maranhenses, incluindo três decapitações.

O documento, produzido com base em inspeções feitas por integrantes do CNJ e do Conselho Nacional do Ministério Público (CNMP), também indica que as unidades estão “superlotadas e já não há mais condições para manter a integridade física dos presos, seus familiares e de quem mais frequente os presídios de Pedrinhas”. De acordo com a Secretaria Estadual de Justiça e Administração Penitenciária do Maranhão, atualmente há 2.196 detentos no local, que tem capacidade para 1.770 pessoas.

Facções criminosas comandam penitenciária

O relatório, assinado pelo juiz auxiliar da presidência do CNJ, Douglas de Melo Martins, foi encaminhado ao presidente do Conselho, ministro Joaquim Barbosa. O documento ressalta que o acesso a alguns pavilhões depende de negociação com os líderes de facções criminosas e que os “chefes de plantão e diretores das unidades não eram capazes de garantir a segurança da equipe que inspecionava a unidade, sob o fundamento de que as facções poderiam considerar a inspeção em dia de visita íntima como um ato de desrespeito”.

O texto também aponta que em algumas unidades, em dias de visita íntima, as mulheres dos presos são levadas para os pavilhões e as celas são abertas. “Os encontros íntimos ocorrem em ambiente coletivo. Com isso, os presos e suas companheiras podem circular livremente em todas as celas do pavilhão, e essa circunstância facilita o abuso sexual praticado contra companheiras dos presos sem posto de comando nos pavilhões”.

O documento do CNJ enfatiza, ainda, que “a extrema violência é a marca principal das facções que dominam o sistema prisional maranhense”, e cita um vídeo enviado pelo sindicato dos agentes penitenciários em que aparece um preso com a pele de uma das pernas dissecada, expondo músculo, tendões, vasos e ossos, antes de ele ser morto nas dependências do Complexo Penitenciário de Pedrinhas.

A crise prisional no Maranhão veio à tona em outubro, quando houve uma rebelião no Complexo de Pedrinhas, deixando nove mortos e 20 feridos. O episódio assustou parte dos moradores de São Luís em razão da suspeita de que a rebelião tivesse sido provocada por uma disputa entre facções criminosas e que o conflito pudesse ganhar as ruas da capital maranhense.

Estado de emergência e mortes em Pedrinhas

Após a rebelião, a governadora Roseana Sarney decretou estado de emergência no sistema prisional e pediu ao Ministério da Justiça que enviasse efetivos da Força Nacional de Segurança para garantir a segurança no presídio. Ainda em outubro, o Ministério Público Federal (MPF) e a Defensoria Pública da União (DPU) encaminharam representação ao procurador-geral da República, Rodrigo Janot, pedindo a intervenção federal na administração penitenciária do Maranhão.

Há duas semanas, Janot solicitou à governadora informações sobre o sistema carcerário no Maranhão para subsidiar um eventual pedido de intervenção federal no estado devido à situação dos presídios. Na mesma época, também em razão das mortes provocadas este ano por brigas entre facções rivais no Complexo Penitenciário de Pedrinhas, a Comissão Interamericana de Direitos Humanos (CIDH), órgão da Organização dos Estados Americanos (OEA), pediu ao governo brasileiro a redução imediata da superlotação das penitenciárias maranhenses e a investigação dos homicídios ocorridos.

Em nota, divulgada em seu site, o governo do Maranhão reafirma que “sempre agiu em conjunto com todos os setores que atuam na defesa dos direitos humanos e daqueles que promovem a garantia da justiça e segurança” e enfatiza que, por meio do Programa Viva Maranhão, o governo está investindo R$ 131 milhões na construção e no reaparelhamento do sistema penitenciário do estado.

Os recursos servirão para equipar as unidades com armamentos, portais detectores de metal, esteiras de raio X, estações de rádio, coletes, algemas e veículos. O comunicado ressalta também que o sistema prisional do estado terá o reforço de sete novos presídios e que mais dois, construídos com recursos do Departamento Penitenciário Nacional (Depen), do Ministério da Justiça, estão com aproximadamente 80% dos serviços concluídos.

Ex-prefeito de São Luiz Gonzaga é acionado por improbidade administrativa

Promotoria de Justiça de São Luís Gonzaga

Promotoria de Justiça de São Luís Gonzaga

O ex-prefeito de São Luís Gonzaga, Luiz Gonzaga Muniz Fortes Filho, é alvo de uma Ação Civil Pública por ato de improbidade administrativa proposta pelo Ministério Público do Maranhão no último dia 17. A ação é de autoria do promotor Lindemberg do Nascimento Malagueta Vieira.

Em 2003, quando estava à frente da administração municipal, Fortes Filho concedeu aforamentos de forma ilegal. Aforamentos ou enfiteuses são concessões de domínio de imóveis feitos pelo Município em benefício de particulares.

De acordo com o Código Civil, esse tipo de concessão só poderia ser feito até 11 de janeiro de 2003, mas em São Luís Gonzaga houve uma série de concessões em data posterior. Dessa forma, a concessão ilegal dos domínios causou lesão aos cofres municipais, além de atentar contra os princípios da legalidade, moralidade e impessoalidade na administração pública, configurando improbidade administrativa por parte do gestor.

Na ação, além da condenação por improbidade administrativa, o Ministério Público pede que Luiz Gonzaga Muniz Fortes Filho seja condenado ao pagamento de R$ 100 mil por danos morais difusos. De acordo com o promotor Lindemberg Vieira, “o comportamento ímprobo do requerido macula a imagem do município de São Luís Gonzaga, com inegável repercussão negativa perante toda a sociedade”.

Além disso, como medida Liminar, foi pedida a indisponibilidade dos bens do ex-prefeito em valor equivalente a R$ 100 mil, buscando-se, com isso, garantir o ressarcimento dos danos causados aos cofres públicos.

RÉVEILLON – Rio Poty Hotel celebrará chegada de 2014 com mistura de ritmos

Rèveillon cheio de atrações no Rio Poty Hotel

Réveillon cheio de atrações no Rio Poty Hotel

Atrações para todos os gostos

Atrações para todos os gostos

Forró, Sertanejo e muita animação  durante a ‘virada’ de ano em hotel sofisticado de São Luís 
O WH Rio Poty Hotel oferecerá uma grande festa para celebrar a chegada de 2014 em grande estilo, nesta terça-feira (31), na virada do ano. Com a mistura mais envolvente dos principais estilos musicais, o réveillon do WH Rio Poty vai reunir um seleto grupo de convidados em um dos hotéis mais sofisticados e com vista paradisíaca de São Luís.
“Nosso réveillon será muito mais que uma virada de ano. Vamos vivenciar uma noite ímpar e incrível, com muita alegria e descontração”, declarou Joseildo Itamaraty, sócio da Empresa PP Produções.
Para receber as boas vibrações de 2014, os convidados terão as melhores atrações da ilha. Passarão pelo palco do WH Rio Poty Hotel as bandas Zero Hum, Forró Top, Jhonatan e Jardel, Stanley e Cristian e o DJ Flávio Pastel.  Um verdadeiro encontro com os grandes destaques musicais da atualidade.
Um réveillon jovem e agitado, assim promete ser à ‘virada de ano’ no WH Rio Poty Hotel, com assinatura da ‘PP Produções’. O hotel vai oferecer uma deliciosa gastronomia que será preparada pelo cheff exclusivo do WH Rio Poty, com uma estrutura impecável de som, luz e palco, oferecendo charme, conforto e requinte durante toda a festa.
“Estamos preparando uma noite inesquecível para os nossos convidados, inspirada nas principais festas de réveillon do Brasil. Todos os ambientes contarão com decorações exclusivas, deixando os espaços com muito mais brilho com direito a um festival de fogos que será produzido na própria praia que fica em frente do WH”, revelou.
Espaços com serviços exclusivos
O público tem a chance de escolher um dos três espaços para celebrar com os amigos e familiares, entre eles, temos: Espaço Super com open bar de gelados e open food de salgados e frios.
A área é com mesas e o convidado fica no melhor ângulo do hotel para acompanhar todas as apresentações. Se preferir mais privacidade, tem o espaço ‘Cuba’ que promete ser um grande diferencial desde os serviços à decoração. 
Saiba mais:
Espaço Super – Open Bar e Open Food de Frios e Caldos, wisky 8 anos.
Espaço Premium – Open Bar e Open Food buffet do Hotel, wisky 12 anos.
Espaço Cuba – Open Bar e jantar 12 opções, wisky 12 anos.
Vodka, cerveja, água e refrigerante em todos os espaços.
 
Os convites estão disponíveis na recepção do hotel, Loja Lacoste (Avenida dos Holandeses) e no site www.dringresso.com.br.  Os interessados poderão também parcelar nos cartões em até 03 vezes sem juros.
 
Valores:
 Espaço Super: R$ 250,00 Individual
 Espaço Premium: R$ 350,00 Individual
 Mesa p/ 8 pessoas: R$ 2.600,00
 Espaço Cuba: R$ 400,00 Individual
 Mesa p/8 pessoas: R$ 3.000,00
 
Mais Informações: (98) 3311-1516

RÉVEILLON – Café de La Musique São Luís monta cenário de grandes baladas para celebrar 2014

São Luís respira o clima das grandes baladas do Centro/Sul do Brasil

São Luís, finalmente, respira o clima das grandes baladas do Centro/Sul do Brasil

Grandes atrações movimentam a temporada do Café de La Musique em São Luís

Grandes atrações movimentam a temporada de verão do Café de La Musique em São Luís

São Luís, enfim, respira o clima das grandes baladas que movimentam o Centro/Sul do Brasil e pistas internacionais. A galera vip da ilha tem ao seu dispor, durante a temporada de pré, réveillon e pós, simplesmente, a versão maranhense das atrações do grande e moderno Café de La Musique, conceituado em São Paulo, Florianópoilis, Goiânia, Búzios, Trancoso, Ibiza (Espanha), etc.

O Café de La Musique Beach Club foi montado em uma mega estrutura, em São Luís, na conhecida Casa dos Smiths, na beira da praia do Calhau. A programação, recheada de grandes atrações, começou na última quinta-feira (26) e segue até o dia cinco de janeiro, destacando o dia 31 da virada (réveillon), celebrando 2014 em baladas para lá de vips. Esta editora conferiu a novidade, de perto, no sábado (28), a convite da direção e produção.

A casa foi instalada em São Luís pelos produtores Teté Vieira, Rodrigo Klamt e Paulo Siqueira. A partir das 17H deste domingo (29), o som fica por conta do DJ Gui Boratto (SP), considerado o número um do país, e de Daniel Kuhnen (Floripa), e mais, Caio Massuci e Giona Guidi.

Réveillon diferenciado no La Musique

A produção disponibilizou convites e mesas para o diferenciado Réveillon que terá como atração principal o DJ e ator global Bruno Gissoni. E mais: Pepê Jr, Parceiro Paz & Forró Society, Diego Polary, Giona Guidi (Café Armani – Itália) e Váculo Live (SP).

Nesta noite, será disponibilizado o All Inclusive com Absolut, Old Parr, Cerveja, Red Bull, rodada de Chandon na virada, além de muito refrigerante e água. terá ainda buffet do Kitaro com ilha de massas, canapés e caldos para garantir a energia de todos até o sol raiar.

Para o réveillon, os primeiros lotes de ingresso para venda antecipada estão sendo comercializados a R$ 350 (mulheres) e R$ 450 (homens).

Os ingressos para o réveillon e demais noites do Café De La Musique São Luís estão sendo vendidos, antecipadamente, nas Óticas Diniz (Tropical e Shopping da Ilha) e no Dr. Ingresso (Rio Poty Hotel). Mais informações e reservas de mesas, bangalôs e piscinas pelo telefone (98) 3199 1054.

Programação do Café de La Musique

Dia 29.12 (Domingo): A partir das 17H, o som fica por conta do DJ Gui Boratto (SP), considerado o número um do país, e Daniel Kuhnen (Floripa). E mais: Caio Massuci e Giona Guidi.

Dia 31 – virada – DJ e ator global Bruno Gissoni. E mais: Pepê Jr, Parceiro Paz & Forró Society, Diego Polary, Giona Guidi (Café Armani – Itália) e Váculo Live (SP). Nesta noite, haverá o bar All Inclusive com Absolut, Old Parr, Cerveja, Red Bull, rodada de Chandon na virada, além de muito refrigerante e água. Buffet do Kitaro com ilha de massas, Canapés e Caldos para garantir a energia de todos até o sol raiar.

Dia 02.01 (5ª): A partir das 22H. DJ´s Mary Olivetti, Nalin, Klinger e Giona Guidi (Café Armani – Itália)

Dia 03.01 (6ª): A partir das 22H. Gabiru (Pânico na Band). Stanley e Cristian. Parceiro Paz & Forró Society, Jr. Bulacha e Giona Guidi (Café Armani – Itália).

Dia 04.01 (Sábado): Sunset à partir da 17H. DJ´s Mário Fischeti e Rodrigo Vieira. E ainda, Lucas Neiva e Giona Guidi (Café Armani – Itália).

Dia 05.01 (Domingo): Sunset de Encerramento, a partir da 17H. Matheus Fernandes, Pepê Jr. & Ailana Lee, Forró Top, DJ´s Flávio Pastel, Claudionho Polari e Giona Guidi (Café Armani – Itália).

PESQUISA CONCEITO – Flávio Dino segue liderando e Hilton Gonçalo encosta em Eliziane Gama

Flávio Dino tem 53,4% segundo instituto Conceito

Flávio Dino tem 53,4% segundo instituto Conceito

Ex-prefeito de Santa Rira, Hilton Gonçalo, já aparece em empate técnico com Eliziane

Ex-prefeito de Santa Rita, Hilton Gonçalo, já aparece em empate técnico com Eliziane

O Jornal Pequeno publicou, na edição deste domingo (29), a última pesquisa do  Instituto Conceito deste ano sobre o cenário da disputa pelo governo do Maranhão em 2014. Segundo os números, o presidente da Empresa Brasileira de Turismo (Embratur), Flávio Dino (PC do B), lidera a disputa, na  estimulada, com 53,4% dos votos, seguido pelo candidato do grupo Sarney, o secretário de Infraestrutura, Luís Fernando Silva (PMDB), que aparece com 20,5%.

Na pesquisa do Conceito, a deputada estadual Eliziane Gama (PPS) aparece com 7% dos votos, empatada tecnicamente com o ex-prefeito de Santa Rita, Hilton Gonçalo (PDT), com 6,2%. É a primeira vez que isso acontece, em um quadro favorável ao pedetista.

Votos nulos contabilizam 4,1% e outros 8,8% ainda não sabem em quem votar ou não responderam ao questionário. A margem de erro estimada é de 3 pontos percentuais, em um intervalo de confiança de 95%.

A pesquisa foi realizada entre os dias 06 e 12 de dezembro. O Instituto Conceito adotou amostra estratificada por cotas, com o total de 1940 entrevistas, para obter representatividade para o conjunto de 38 municípios escolhidos de forma aleatória, porém incluindo as quinze cidades mais populosas do Estado.

cenarioeleitoral

Cenário se repete na pesquisa espontânea

Na espontânea, quando o eleitor não é estimulado a optar por nenhum nome, Flávio Dino também lidera  com 37,5%, seguido por Luís Fernando com 10,1%,  Eliziane Gama aparece com 2,8% e Hilton Gonçalo tem 1,4%.

Foram votados também na espontânea: Edson Lobão (PMDB) 1%; João Castelo (PSDB) 0,6%; Zé Reinaldo (PMDB), João Alberto (PMDB) e Tadeu Palácio (PPS) todos com 0,3%,  Marcos Silva (PSTU) com 0,2% e Dutra e Roberto Rocha com 0,1%. Nenhum: 0,6% e Não sabem ou Não responderam 39,7%.

Luís Fernando tem maior rejeição 

Luís Fernando Silva, o candidato da governadora Roseana Sarney, lidera o índice de rejeição nas eleições 2014 de acordo com a pesquisa do Instituto Conceito.

O levantamento aponta que na pesquisa estimulada, quando a pergunta é “Em qual destes candidatos você não votaria de jeito nenhum para governador do Maranhão?”, Luís Fernando aparece com 38,9% da rejeição, seguido de Flávio Dino com 21,6%; não sabem ou não responderam somam 39,5%.

Aprovação do governo Roseana é de apenas 44,3%

O Instituto Conceito ainda mediu o índice de aprovação do governo Roseana Sarney que se encerra em 2014.

Entre os entrevistados, 45,7% aprovaram a administração estadual, enquanto que 44,3% reprova. Não sabem ou não responderam somam 10%.

Sarney festeja fato de violência no Maranhão estar no presídio e não na rua

Josias de Souza

Senador José Sarney

Senador José Sarney

Nos últimos 12 meses, foram executados nos cárceres do Maranhão 59 presos. Desde outubro, por decisão da governadora Roseana Sarney, o sistema prisional maranhense encontra-se em “estado de emergência”. O procurador-geral da República, Rodrigo Janot, cobra explicações e ameaça requerer ao STF uma intervenção federal. Em meio a esse cenário caótico, o senador José Sarney encontrou algo para celebrar.

“Aqui no Maranhão, nós conseguimos que a violência não saísse dos presídios para a rua”, disse o pai da governadora. “Por exemplo: o Espírito Santo não teve Carnaval no ano passado, porque as rebeliões nos presídios… eles [os presos rebelados] determinaram que não poderia ter Carnaval. E não se fez, porque tocaram fogo em ônibus, tocaram fogo na cidade, quabraram tudo. E nós temos conseguido que aqui essa coisa não extrapole para a própria sociedade.”

Pronunciadas numa entrevista à Rádio Mirante AM, uma das emissoras que compõem o império estadual de comunicação da família, as declarações de Sarney ajudam a entender por que as cadeias brasileiras abandonaram o ideal da ressocialização para virar centros de violação dos direitos humanos. O que o senador disse, com outras palavras, foi o seguinte: a carnificina nas cadeias é um mal menor, desde que não perturbe “a própria sociedade”. É como se na cabeça de políticos como Sarney os presos não fizessem parte da sociedade.

Veiculada no dia 24 de dezembro, a entrevista de Sarney teve como pretexto a divulgação de uma mensagem natalina do senador. A alturas tantas o entrevistador perguntou ao patrono da rádio se ele acredita na hipótese de decretação de intervenção federal no Maranhão. O pai da governadora evitou dar uma resposta direta, do tipo sim ou não. Preferiu vaguear ao redor do tema. Espremendo-se as digressões conclui-se: 1) para Sarney, a encrenca é nacional, não maranhense. 2) há múltiplos culpados, nenhum deles se chama Roseana.

Uma das mazelas que convulsionam o maior presídio do Maranhão, o complexo penitenciário de Pedrinhas, é a guerra entre facções criminosas rivais. Juiz auxiliar da presidência do Conselho Nacional de Justiça, Douglas de Melo Martins afirma que isso acontece porque o cadeião de Pedrinhas, localizado em São Luís, recebe presos de todo o Estado. Os detentos do interior disputam poder no xadrez com os criminosos da capital.

Alheio às observações do doutor Douglas, Sarney agarra-se a uma tese própria. Para ele, a culpa é da eficiência da polícia dos Estados desenvolvidos. “Quando se aperta no Sul do país, que tem mais dinheiro, eles apertam as quadrilhas, elas vêm pra cá, pro Norte. E começam, então, a agir aqui nos termos que agem no Sul, formando nos presídios grupos, comandos, um enfrentando o outro, um querendo liquidar o outro…” No linguajar simples do sertanejo, “o Sul” engloba sobretudo Estados como São Paulo e Rio, ambos do Sudeste. O “Norte” são todos os pedaços pobres do mapa brasileiro, a maioria localizada no Nordeste.

A certa altura, Sarney olhou para o problema com uma “visão estrutural”. Foi quando afirmou: “…A violência não cresceu só no Maranhão. Ela cresceu assustadoramente no Brasil inteiro.” Citando dados que disse ter lido num relatório oficial, o senador informou que 70% dos responsáveis por homicídios têm entre 18 e 24 anos. “Quer dizer: os moços estão se matando e estão matando. Por quê? Quase todos por drogas.”

A grande motivação dos homicidas, prosseguiu Sarney, é ter acesso às drogas, principalmente o crack, que é mais barato. “Antigamente, a maconha não chegava a dar essas loucuras que o crack dá… Ela era cara. A cocaína, num Estado como o Maranhão, nem se fala. Era muito cara.” No dizer de Sarney, o crack “tem uma influência direta na parte de segurança e na criminal.”

Problema de difícil solução

O problema é “de difícil solução”, afirmou Sarney, tropeçando no óbvio. Mas Roseana faz o que pode. Ao isentar a filha de culpas, Sarney se expressa no plural. “Eu acredito que estamos fazendo tudo o que podemos com o recursos que temos. O Maranhão é um Estado pobre. Estava vendo hoje o nosso orçamento: R$ 14 bilhões. Esse orçamento do Maranhão equivale a um quinto do orçamento da cidade de São Paulo, que não tem 217 municípios, não tem 217 redes hospitalares, não tem nada disso.”

Em matéria de segurança pública, o Maranhão é o Estado mais extraordinário que Sarney já viu. Espécie de ex-tudo da política nacional —de deputado estadual a presidente da República— Sarney retoma o singular para jactar-se de ter sido o governador que colocou o Maranhão no que chama de caminho certo: “Eu posso ficar feliz porque eu vi que nós tínhamos que abrir a estrada e construímos tudo o que era necessário.”

Com sua desconversa, Sarney transita entre o duvidoso e o indelicado. É duvidoso ao afirmar que a guerra na cadeia não atinge a rua. “Rebelião em presídio espalha medo entre os moradores de São Luís”, informava em 10 de outubro de 2013 notícia veiculada pela Agência Brasil, estatal vinculada ao governo companheiro de Dilma Rousseff. Sarney é indelicado quando arrasta para a encrenca doméstica o longínquo Espírito Santo, Estado que se encontra sob águas.

O Carnaval de 2012, que Sarney diz ter sido revogado pela bandidagem capixaba, transcorreu normalmente. A escola de samba Boa Vista sagrou-se campeã com o enredo ‘Vida em Poesia – a Lira que é Lucinda.” Em segundo lugar ficou a Mocidade Unida da Glória.

CAOS NO SISTEMA PENITENCIÁRIO – Procuradoria dá mais 20 dias para governo do Maranhão se explicar

Josias de Souza

Deputada Eliziane Gama visitou Penitenciária de Pedrinhas

Deputada Eliziane Gama visitou Penitenciária de Pedrinhas

A Procuradoria-Geral da República deu mais 15 dias de prazo para que a governadora do Maranhão, Roseana Sarney, preste informações sobre a situação do sistema prisional do Estado. A decisão foi tomada por Eugênio José Guilherme de Aragão, que ocupa interinamente a chefia do Ministério Público Federal. Na semana passada, o titular do posto, Rodrigo Janot, dera um prazo mais curto a Roseana: três dias. Mas a governadora pediu mais tempo.

Há duas Roseanas na praça. Com mais prazo, será possível verificar qual delas deve ser tomada a sério. Reunida em 24 de outubro com representantes do Conselho Nacional de Justiça (CNJ) e do Conselho Nacional do Ministério Público (CNMP), a governadora queixara-se da escassez de verbas para as cadeias. Dizia dispor de R$ 53 milhões, que usaria para levantar 11 novos presídios. Hoje, ela acena com investimentos de R$ 131 milhões em obras e equipamentos.

Entre uma Roseana e outra há o agravamento da crise nas prisões maranhenses e a ameaça do procurador-geral Janot de requerer ao STF a decretação de intervenção federal no Maranhão.

A primeira Roseana está retratada num relatório do CNMP, órgão que é comandado por Janot. O documento tem 13 páginas não numeradas. Pode ser lido aqui. Relata os achados de uma inspeção nas cadeias do Maranhão e traz uma espécie de ata do encontro com a governadora. Contando-se de trás para a frente, a descrição da conversa com Roseana começa na terceira folha.

Lê-se na peça que a governadora, “após discorrer sobre as dificuldades orçamentário-financeiras que o Estado enfrenta para ampliar os onvestimentos no sistema penitenciário, bem como relatar as razões técnicas que impediram a utilização de verbas federais, anunciou que o governo estadual investirá R$ 53 milhões no sistema carcerário. Detalhou que os recursos são do BNDES e serão utilizados para a construção de 11 penitenciárias –dez no interior e uma na capital, São Luís.”

A segunda Roseana veio à luz em nota distribuída por sua assessoria nesta quinta. Está disponível no site do governo maranhense. Trata-se de resposta a uma notícia veiculada aqui. Afirma que o governo maranhense “tem recursos no valor de R$ 131 milhões para investimento na construção e reaparelhamento do sistema penitenciário nas 32 unidades prisionais do Estado.” Não esclarece se a verba do BNDES está incluída no bolo.

No documento do CNMP, aquele que retrata a Roseana de três meses atrás, informou-se que o diretor do Departamento Penitenciário do Ministério da Justiça revelara o seguinte: verbas federais destinadas à construção de novos presídios no Maranhão “foram devolvidas sem utilização.”

Na pasta da Justiça, diz-se que o Maranhão absteve-se de aplicar R$ 22 milhões. Na nota da nova Roseana, diz-se que só retornaram R$ 6,3 milhões. Em duas semanas vai-se saber qual das duas Roseanas deve ser tomada a sério.