Em um ano, governo Flávio aumentou efetivo de policiais e reestruturou Segurança

Governo Flávio aumentou, significativamente, o quadro de policiais do Estado

Governo Flávio aumentou, significativamente, o quadro de policiais do Estado

Um problema agravado ao longo dos anos no Maranhão e que vem sendo combatido com as ações do governo Flávio Dino (PCdoB) é a questão do baixo efetivo de policiais militares no Maranhão, que era o menor das unidades federativas em comparação ao número de habitantes. Em um ano da nova gestão, segundo dados da Secretaria de Comunicação do Estado (Secom),  foram incorporados 1.500 policiais – militares e civis – ao quadro atual, com início das atividades neste mês de dezembro e em janeiro.

No sistema penitenciário também houve avanços substanciais revertendo o quadro caótico dos anos anteriores. Com o processo de reestruturação, ações de ressocialização e maior controle e ordem no sistema carcerário, houve redução de 76,5% dos homicídios nos presídios e redução de 74% das fugas. Em 2015, foram registradas quatro mortes e 24 fugas, enquanto em 2014 foram 17 mortes e 92 fugas.

Pela primeira vez em cinco anos, houve redução de homicídios na Grande São Luís. Os dados da Secretaria de Segurança Pública mostram uma redução de 12% dos homicídios de janeiro a novembro de 2015 em relação ao mesmo período de 2014, superando a meta estipulada pelo Ministério da Justiça, de 5%..

Segundo o governo Flávio Dino, a incorporação dos novos policiais integra o plano de recomposição do efetivo no Sistema de Segurança Pública. A meta é dobrar o quadro de policiais militares e civis até 2018. Além disso, o Estado está reaparelhando as forças policiais, com a compra de mais 150 viaturas, 100 motocicletas e a nova rede de comunicação integrada entre a Polícia Militar, Polícia Civil e Corpo de Bombeiros.

Nome de Clodomir Paz é vetado para a Sema…

Marrapá

rocha e clodomir

Após transitar por quase todos os grupos políticos do Maranhão, o ex-pedetista Clodomir Paz ensaiou aderir ao governo Flávio Dino (PCdoB) para assumir o comando da Secretaria de Meio Ambiente do Maranhão.

Pelo menos era o que queria Roberto Rocha, mas o político acabou vetado pelo próprio governador, e continuará pendurado no gabinete do senador do PSB, em Brasília.

Um dos secretários mais criticados do executivo estadual, o jornalista Marcelo Coelho, também indicado de Roberto, deve deixar a pasta no início do ano, quando Dino anunciará os novos nomes de seu secretariado.

Flávio Dino sanciona lei que destina vagas para negros em concursos públicos no Maranhão

Governador Flávio Dino sanciona lei que destina vagas para negros em concursos públicos no Maranhão

Governador Flávio Dino sanciona lei que destina vagas para negros em concursos públicos no Maranhão

O governador do Maranhão, Flávio Dino (PCdoB), sancionou, nesta terça-feira (29), a lei que destina 20% das vagas dos concursos públicos estaduais para negros. O projeto de lei de autoria do Executivo Estadual foi aprovado pela Assembleia Legislativa, fruto do diálogo entre a sociedade civil e os poderes Executivo e Legislativo.

“O diálogo permanente, a abertura construtiva e fraterna existente entre os atores sociais e institucionais permitiu que chegássemos a este momento histórico. Essa lei é um marco que contribui para que o nosso estado seja mais justo, com menos desigualdades e mais oportunidades para todos”, declarou o governador na solenidade de sanção da lei.

Em cidades como Imperatriz, Codó, Bacabal, Santa Inês, Viana e São Luís, a Secretaria Estadual de Igualdade Racial (Seir) apresentou o projeto de cotas à sociedade maranhense para um público composto por professores, políticos, quilombolas, representantes de matriz africana, igrejas e movimentos sociais. Nas audiências, a proposta foi amplamente analisada e recebeu novas proposições, que foram absorvidas, consolidando o projeto final.

Os parlamentares maranhenses aprovaram o projeto de Lei nº 285/2015, de autoria do Executivo Estadual, defendido em uma série de audiências públicas realizadas, este ano, pela Secretaria de Igualdade Racial (Seir). Após sancionada, a lei entra em vigor em 90 dias, destinando aos negros 20% das vagas oferecidas nos concursos públicos para provimento de cargos efetivos e empregos públicos no âmbito da administração pública estadual, das autarquias, das fundações públicas e das sociedades de economia mista controladas pelo Estado do Maranhão.

Senador pede desculpas públicas às mulheres por postagem desrespeitosa em grupo de WhatsApp

Screenshot_2015-12-28-12-41-56

Após post do blog intitulado “Roberto Rocha deve desculpas à mulher brasileira e não apenas a um grupo de WhatsApp…”, o senador maranhenses,  Roberto Rocha ( PSB), veio a público, nesta segunda-feira ( 28), por meio de nota e do seu perfil no Facebook, pedir desculpas por ter disparado, segundo ele por erro, um meme desrespeitoso de uma mulher nua com as pernas abertas para dar “bom dia” em um grupo de WhatsApp do município de Santa Luzia do Tide.

O ocorrido repercutiu negativamente no whatsApp, em blogs e nas redes sociais de um modo geral. Provocou diversas críticas e reações.

“Lamento profundamente por esse engano, ofensivo às mulheres e a todos que querem uma sociedade livre de expressões de sexismo. A postagem não reflete os valores que professo e o uso interativo que privilegio nas redes sociais”, disse o senador na nota pública.

Acho que as desculpas deveriam ter sido extensivas à família brasileira, que também foi agredida, por conta do cargo público que o senador ocupa. Mas, de toda forma,  o pedido de desculpas públicas tornou o ocorrido, digamos, menos feio. É digno reconhecer erros. É grandeza pedir perdão.

NOTA DE ROBERTO ROCHA*
Venho pedir desculpas públicas às mulheres por um erro, inteiramente não intencional, que cometi ao fazer uso das redes sociais no último dia 26 de dezembro.
Recebo centenas de imagens diariamente. Inadvertidamente, ao invés de apagar a imagem em questão, reenviei para um grupo que tinha me adicionado recentemente. Imediatamente pedi desculpas pelo equívoco, e saí do grupo.
Todos os dias recebo dezenas de convites para entrar em grupos, mas infelizmente é inviável aceitar todos os pedidos. As ações de administração que eu e minha equipe precisamos fazer diariamente relativas a esses convites e outras interações nas redes sociais estão sujeitas a erros.
Lamento profundamente por esse engano, ofensivo às mulheres e a todos que querem uma sociedade livre de expressões de sexismo. A postagem não reflete os valores que professo e o uso interativo que privilegio nas redes sociais.
*Nota do senador Roberto Rocha sobre o episódio da imagem enviada equivocadamente para um grupo de WhatsApp

Roberto Rocha deve desculpas à mulher brasileira e não apenas a um grupo de WhatsApp…

Postagem feita pelo senador Roberto Rocha, em grupo de WhatsApp, provocou discussões e reações

Postagem feita pelo senador Roberto Rocha, em grupo de WhatsApp, provocou críticas, discussões e fortes reações

rocha zapdois2812

Uma postagem feita pelo senador maranhense Roberto Rocha (PSB), no grupo de WhatsApp “Tribuna Livre” de Santa Luzia do Tide, neste final de semana – onde colocou um “bom dia” (saudação) com uma mulher  nua de pernas abertas e a entrada da vagina simbolizando um “I” – gerou polêmica nas redes sociais acerca da banalização, violência e desrespeito à liberdade, ao direito de sensualidade, às partes íntimas e sensuais femininas. O parlamentar se desculpou no momento e até teve que sair por conta das fortes reações dos participantes, mas ficou claro e evidente que ele mantém esse tipo de meme em seu smartphone e estava tentando passá-lo a um outro destinatário, no que errou o direcionamento.

O fator da discussão que trago em torno dessa atitude de banalização não é apenas pelo fato de um senador, representante do povo, ter disparado a publicação por descuido, por engano, erro ou por estar tentando enviá-la a um outro destinatário. Esse gesto é repugnante partindo de qualquer outra pessoa, outro homem, etc pelo desrespeito e agressão. Não faço aqui exploração política da situação. Neste post, estou repudiando a tentativa violenta de vulgarização da mulher maranhense e brasileira, no contexto geral, que vem se dando, principalmente, nas redes sociais.

Eu não iria nem explorar esse assunto pelas circunstâncias em que ele se deu, mas já que tomou grandes dimensões em determinados blogs que formam opinião no Maranhão, sinto-me no dever de sair em defesa das mulheres. A sensualidade é algo inerente à alma feminina. No entanto, mentes poluídas e machistas não respeitam essa liberdade e, com isso, infelizmente, banalizam, subjugam, violentam e prostituem a mulher, de uma forma geral, em sua essência.

“Eu não mereço ser estuprada”, campanha defendida por Nana Queiroz em 2014

Em 2014, nana Queiroz posou de forma sensual para repudiar o preconceito contra a sensualidade feminina, na campanha "Eu não mereço ser estuprada"

Em 2014, a jornalista Nana Queiroz posou de forma sensual para repudiar o preconceito contra a sensualidade feminina, na campanha “Eu não mereço ser estuprada”

O fato de mulheres usarem minissaias, roupas curtas e sensuais, um fio dental ou posarem nuas não significa um convite à zombaria, chacota, prostituição ou ao estupro, etc. Isso já foi explorado até em uma recente campanha, intitulada  “Eu não mereço ser estuprada”, defendida pela jornalista brasiliense Nana Queiroz, que virou meme nas redes sociais, em 2014, ao repudiar pesquisa divulgada pelo Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada que informou um resultado machista, sinalizando, erradamente, que 65% dos entrevistados haviam concordado com a afirmação de que mulheres com roupas curtas e sensuais mereceriam ser atacadas.

Em campanha de repúdio à pesquisa do Ipea – que também indicou que 58,5% dos entrevistados concordariam com a ideia de que “se as mulheres soubessem como se comportar, haveria menos estupro” – Nana Queiroz postou fotos sensuais, sem roupa, em Brasília, com a frase “Eu não mereço ser estuprada”, no que foi seguida por milhares de outras mulheres na rede social Facebook.

Vejo que a essência feminina, o direito à sua sensualidade sem preconceitos, a mulher em si precisam ser mais respeitados no Maranhão e no Brasil. Mesmo quando aparecem em fotos insinuantes ou nuas, isso não quer dizer que as mulheres estão pedindo para ser zombadas, usadas, abusadas ou estupradas.
Considero, sinceramente, uma brutalidade a atitude de ridicularizar a essência feminina, a sensualidade e a imagem da mulher da forma como tem se visto no Brasil, também por meio das redes sociais. Acho que o senador Roberto Rocha deveria pedir desculpas à mulher brasileira, à mulher maranhense pelo meme agressivo que disparou por meio de seu smartphone, provocando diversas críticas, reações e discussões.

#ProntoFalei.

Flávio Dino anuncia cortes, mudanças na equipe e ausência nas eleições

Jornal Pequeno

Flávio Dino admitiu que poderá fazer mudanças em sua equipe de governo, logo no início do ano

Flávio Dino admitiu que poderá fazer mudanças em sua equipe de governo, logo no início do ano

O governador do Maranhão, Flávio Dino (PCdoB), em entrevista exclusiva ao Jornal Pequeno, anunciou que fará cortes orçamentários para que o Maranhão possa fazer frente à crise econômica do país:

“O nosso empenho, o nosso esforço agora é exatamente no que se refere ao custeio. Nós vamos ter que, em 2016, adotar medidas restritivas em relação ao custeio; conter, por exemplo, a expansão de gastos com servidores públicos, para com isso manter as finanças públicas em condições razoáveis”, afirmou.

Flávio Dino admitiu que deverá fazer mudanças em sua equipe de governo, logo no início do ano, mas ressaltou que a prioridade absoluta será manter a política de austeridade iniciada logo após a sua posse no Palácio dos Leões.

“Em 2015, já economizamos mais de R$ 300 milhões em regalias, gastos abusivos e imorais, e conseguimos fazer com que esse dinheiro pudesse ser aplicado em programas sociais importantes, como o programa Bolsa Escola – que vai em janeiro dar a famílias de baixa renda a possibilidade de comprar material escolar para seus filhos, – e o programa Escola Digna, que começa a substituir as escolas de taipa por novos prédios decentes e adequados”.

O governador enfatizou que a honestidade e a transparência são ferramentas para construir mais justiça social, o objetivo central da ação política transformadora de seu governo. Eis a íntegra da entrevista:

Jornal Pequeno – De que forma estão se refletindo, no Maranhão, a crise econômica e a crise política do país?

Flávio Dino – A nossa observação é exatamente esta: temos duas crises que estão diretamente embricadas. Uma sobrevive em razão da outra. Em verdade, se nós olharmos os fundamentos macroeconômicos do país, nós temos uma situação difícil, mas também não é desesperadora.

Uma vez que a gente tem uma taxa de juros que deve diminuir, porém esta taxa de juros hoje de 14% já foi 40%, já foi 25%, precisa cortar, ainda mais. Porém é uma taxa que o País já sobreviveu a ela. A desvalorização do real ajuda as exportações, portanto, ajuda também investimentos estrangeiros diretos. Então, é também um dado positivo.

Nós temos 380 bilhões de dólares de reservas internacionais no Brasil. Em suma, nós temos caminhos de recuperação da nossa economia. Infelizmente, exatamente a segunda crise embricada à crise econômica, que é a crise política, tem impedido os passos na direção correta para que esta crise seja superada. E isto impacta muito fortemente as finanças públicas, uma vez que nós temos uma diminuição da atividade econômica, uma recessão, o que impacta na arrecadação tributária. No caso do Maranhão, tanto no que se refere às transferências constitucionais federais também no que se refere à arrecadação tributária própria.

Então o que o horizonte oferece neste instante é muita nebulosidade em razão da dimensão da crise política que hoje é alimentada por um fator externo à política, que é a Operação Lava Jato. Enquanto não houver uma equação política para restabelecer o diálogo entre os vários partidos, e com isso restabelecer a governabilidade institucional, seja do governo – Poder Executivo – seja do Congresso Nacional, vai ser difícil a gente sair da crise econômica. E aí exatamente nós temos um cenário para 2016 de grave constrangimento nas finanças públicas federais e também nas finanças públicas estaduais.

JP – As finanças públicas do Estado estão equilibradas?

Flávio Dino – Nós, em 2015, tomamos todas as medidas para evitar que o Maranhão sofresse, tanto que chegamos ao fim do ano com a folha de remuneração dos servidores já com data fixada para pagamento, o que hoje é quase uma exceção, em relação a vários Estados. Porém, estamos muito preocupados com o ano de 2016.

JP – Pode haver mudança na previsão ou na política de investimento?

Flávio Dino – Vamos continuar no caminho de aplicar bem o pouco dinheiro disponível. Foi o que nós fizemos em 2015. As economias que nós fizemos com gastos supérfluos, ou gastos ilegais, chegaram à ordem de R$ 325 milhões, segundo dados da Secretaria de Transparência e Controle.

Estes recursos que foram economizados é que nos permitiram manter um nível de investimento, com recursos próprios, como por exemplo o Programa Mais Asfalto, além evidentemente de cuidarmos da aplicação de recursos do BNDES. Então estas são as vertentes de investimento para o ano que vem. Nós vamos continuar a procurar cortar gastos que podem ser cortados, para manter investimentos e obras com recursos próprios e do BNDES.

O nosso empenho, o nosso esforço agora é exatamente no que se refere ao custeio. Nós vamos ter que, em 2016, adotar medidas restritivas em relação ao custeio; conter, por exemplo, a expansão de gastos com servidores públicos, para com isso manter as finanças públicas em condições razoáveis.

JP – Quais os maiores avanços do atual governo?

Flávio Dino – Eu cito em primeiro lugar esta forma transparente e honesta de governar. É uma conquista. Nós saímos de nota zero, no ranking da CGU, para nota 10, no ranking da CGU. Isto significa dizer que nós temos uma certificação que nos tirou do último lugar e nos colocou no primeiro, numa governança honesta, proba.

O segundo aspecto que eu gostaria de destacar é o foco em políticas sociais para os mais pobres. Isto abrange o Programa Mais IDH, abrange o fato de hoje, neste momento que concedemos esta entrevista, as primeiras 1.300 famílias do Programa de Sistemas Integrados de Tecnologias Sociais (Sistecs) estarem recebendo a primeira parcela de R$ 1.200 de crédito para investimento em alimentos. Isto abrange programas como o Bolsa Escola, que vai ser pago agora no mês de janeiro, e outros tantos programas voltados à promoção dos direitos dos mais pobres.

E o terceiro ponto que eu gostaria de destacar são exatamente as obras. Nós temos hoje centenas de obras em andamento. Chegam seguramente a 500 obras em andamento, entre o Programa Mais Asfalto, obras do governo federal de reforma de escolas que estão, por exemplo, em andamento, mais as obras do BNDES tem garantido inclusive que o nosso setor privado possa manter um funcionamento que em muitos Estados não tem sido possível. Por isso a gente contabiliza muitos acertos. Evidente que nós temos pontos sensíveis a aprimorar como, por exemplo, a temática da segurança pública.

JP – Um eventual impeachment da presidente Dilma Rousseff atrapalharia ou causaria algum tipo de embaraço ao Governo do Maranhão?

Flávio Dino – Isto seria desastroso para o País, em primeiro lugar, porque longe de resolver a crise institucional isto, se ocorresse, iria aprofundá-la, na medida em que existem segmentos sociais expressivos que não aceitariam um caminho inconstitucional.

Portanto, se teria uma luta social muito intensa e nós teríamos um paradoxo. Porque se houvesse o impeachment da presidente Dilma, logo em seguida deveria haver o impeachment do hipotético presidente Michel Temer, porque os mesmos decretos que ela editou, que foram adjetivados como “pedaladas fiscais”, o próprio vice-presidente, no exercício da Presidência, também editou.

Então se ela houvesse, por hipótese, cometido crime de responsabilidade, que não cometeu, por conta destes decretos, ele também cometeu; então nós teríamos que ter um outro impeachment logo em seguida. De modo que isto, evidentemente, é insensato, falta bom senso para este caminho. E na medida em que o Brasil sofre, o Maranhão então teria este problema.

JP – Haveria um retrocesso no Maranhão?

Flávio Dino – Nós experimentamos aqui, nos governos Zé Reinaldo e Jackson Lago, o que significa governar o Estado de modo independente, com o poder federal forte contra nós. E nós lutamos muito para conseguir neutralizar isto. E se houvesse este hipotético impeachment nós iríamos ter um cenário indesejado, porque exatamente nós voltaríamos, em certo sentido, às políticas de boicote e de sabotagem que hoje não existem. Mas que infelizmente, num retrospecto atinente aos governos Zé Reinaldo e Jackson, fazem crer que aconteceriam. Por isso eu reafirmo a minha crença de que o impeachment é inconstitucional e é nocivo aos interesses do País e do Maranhão.

JP – Como o seu governo vai lidar, do ponto de vista político, com as eleições municipais de 2016?

Flávio Dino – O governo não vai participar das eleições, porque a tarefa do governo é governar. Nós não teremos recursos públicos financiando campanhas. Isto é inclusive uma revolução no Maranhão. Mas o governador vai participar intensamente, porque tem compromissos assumidos em 2014, e este vai ser um parâmetro fundamental.

Todos aqueles que estiveram comigo na campanha serão respeitados. E os compromissos que eu fiz em 2014 serão honrados. Então, como governador, como militante político, estarei sim presente nas eleições municipais, buscando em primeiro lugar unificar ao máximo o quanto possível o nosso campo, os nossos partidos que fizeram com que eu estivesse aqui no governo e, quando isto não for possível, buscando acordos de procedimentos entre os vários partidos, a fim de permitir que nós mantenhamos esta unidade estadual.

JP – E nos municípios onde não houver esta possibilidade de acordo?

Flávio Dino – Em algumas situações, em que nada disto for possível, aí a tendência é que eu guarde uma posição de neutralidade como, por exemplo, o caso de São Luís, em que se desenha uma disputa polarizada entre dois candidatos que participaram diretamente da minha campanha em 2014, que é o prefeito Edivaldo Holanda Júnior e a deputada Eliziane Gama. Então, neste caso, eu devo manter os acordos de 2014 e, por isso, manter uma posição pessoalmente equidistante em relação a estes candidatos. Não obstante, o meu partido, é claro, irá tomar uma posição partidária, mas não significa o meu envolvimento pessoal.

JP – Estão sendo cogitadas mudanças na composição de sua equipe de governo?

Flávio Dino – Estão sendo cogitadas, sim, e serão feitas. Porque a mudança é uma lei da vida. Nós sempre temos de estar nos adequando aos novos desafios. Nós temos neste momento um processo de debate em relação a alguns casos, envolvendo não só a figura do secretário, mas também as equipes. Porque eu considero que a atividade de governar é necessariamente coletiva. Então nós estamos debatendo simultaneamente. Alguns casos vão resultar em mudança de secretários e, em outros casos, vão resultar apenas em mudanças de equipes.

JP – Em resumo, que avaliação se pode fazer deste seu primeiro ano de governo?

Flávio Dino – Que somos um governo honesto, um governo dedicado, um governo corajoso, um governo que tem muito mais acertos do que erros. Claro, evidentemente, não é um governo perfeito, porque a perfeição não é um atributo humano, infelizmente. Então nós reconhecemos que há pontos em que nós temos que evoluir mais, e eu estou lutando para que isto aconteça.

Mas é um governo aprovado pela sociedade. Eu sempre me guio menos pela minha avaliação, e mais pela avaliação da sociedade. Porque a minha costuma ser muito rigorosa comigo mesmo, porque eu sou perfeccionista ao extremo.

Então eu tenho como parâmetro aquilo que as pesquisas estão mostrando: que de um modo geral há um reconhecimento deste nosso trabalho, tanto que agora mesmo recebi pesquisas de Pinheiro e de Vargem Grande, e o nosso governo com aprovação superior a 60% quase 70%. São dados que nos animam bastante.

LAVA JATO – Banco Schahin emprestou para operador da família Sarney

Antagonista

Doleiro Alberto Youssef confirmou que pagou propina a João Abreu

Ziegert estava com Alberto Youssef no Maranhão no dia em que a Polícia Federal prendeu o doleiro

Como o Antagonista publicou com exclusividade, o empréstimo de R$ 12 milhões do Banco Schahin para o PT por meio de José Carlos Bumlai integra uma lista de 24 operações de crédito irregulares que estão sendo rastreadas pela Lava Jato.

Dois desses empréstimos foram concedidos à Florida Importação e Exportação, num total de R$ 21,2 milhões. A empresa foi presidida pelo corretor Marco Antônio de Campos Ziegert, que também ocupou os cargos de vice-presidente e diretor comercial.

Ziegert já foi pego na Lava Jato por outra operação.

Ele estava com Alberto Youssef no Maranhão no dia em que a Polícia Federal prendeu o doleiro. Ambos foram indiciados pelo pagamento de R$ 3 milhões em propina ao então secretário da Casa Civil de Roseana Sarney, João de Abreu, para a liberação de um precatório de R$ 134 milhões da Constran-UTC, de Ricardo Pessoa.

Ziegert, que intermediou a operação, é considerado pela PF o elo entre Youssef e a família Sarney, com quem tem uma antiga relação. Fernando Sarney, filho de José Sarney, foi padrinho de casamento do corretor.

Está claro que o Banco Schahin serviu ao PT e ao PMDB.

“Réveillon de Todos” oferece programação diversificada na Avenida Litorânea

FB_IMG_1451153209504

Blocos Tradicionais farão a festa na Avenida Litorânea

FB_IMG_1451153044426

A Avenida Litorânea será palco de uma grande festa na noite do Réveillon (31). Com uma programação que valoriza o artista e a cultura local, a festa ainda se estenderá por mais três dias para dar boas-vindas ao Carnaval, que já se aproxima. O governo do Estado organiza uma grande estrutura para comemorar o ano de mudanças, transformações sociais e grandes resultados e receber 2016 que se inicia, que promete novas conquistas.

Na noite do dia 31, na Avenida Litorânea, serão dois pontos de acesso e um ponto central, na região do parquinho (praça da alimentação), onde será montado um grande palco com bandas e apresentações. Em um dos pontos de acesso, que fica próximo da extensão da Litorânea, ficará a concentração de mais de 50 blocos, entre tradicionais, alternativos e organizados, blocos afros, turma de samba, bumba-meu-boi e tambor de crioula. A partir das 20h, os blocos saem em cortejo em direção ao ponto central.

Para completar a festa tipicamente maranhense, será montada uma tenda na areia para as rodas de tambor de crioula e participação dos povos de terreiros que queiram fazer oferendas para Yemanjá.

À meia noite, acontecerá a tradicional contagem regressiva no palco, com queima de fogos de artifício dando um show à parte. A queima de fogos, com duração de 15 minutos, acontecerá simultaneamente nas praias da Litorânea, Araçagy e Olho D’água. Após os fogos, será dado o primeiro grito de carnaval, com um cortejo com baterias das 12 Escolas de Samba do carnaval de São Luís, e mais os blocos.

Pós-revéillon

O governo do Estado resolveu estender a programação cultural por mais três dias, com show de diversos artistas maranhenses.

Sempre a partir de meio dia, os freqüentadores da Litorânea terão diversão garantida. No dia 1º, será o Show da Paz, com a apresentação de 28 artistas maranhenses; o Reggae de Todos Nós, no dia 2, com 15 atrações; e no último dia (3), o Samba de Todos Nós levará mais 15 grupos de samba para fazer a festa.

Em 2015, governo do Maranhão investiu R$ 173 milhões no “Mais Asfalto” e R$ 835 milhões em rodovias

Ações 2015: Governo investe na ampliação da infraestrutura do Estado e em parcerias com as Prefeituras em prol dos maranhenses

Governo investiu na ampliação da infraestrutura do Estado e em parcerias com as Prefeituras em prol dos maranhenses

Em 2015, o governador Flávio Dino investiu fortemente na infraestrutura do Maranhão. Recuperação de vias quase intrafegáveis, construção de novos trechos rodoviários e estruturação de espaços públicos marcaram a agenda de ações do primeiro ano de gestão. Além de São Luís, o ‘Mais Asfalto’ chegou em cidades como Imperatriz, Caxias, Timon, Lagoa Grande, Açailândia e Raposa. No total, foram investidos R$ 173 milhões no programa.

Os investimento também chegaram nas rodovias estaduais. Se conservadas e de boa qualidade, as estradas levam desenvolvimento econômico e social aos municípios, garantindo acesso de pessoas e escoamento de produtos. Em 2015, o governo do Estado investiu R$ 835 milhões para o asfaltamento em 935 km. Foram inauguradas cinco rodovias, iniciado o trabalho em outras 12 e estruturado o projeto para licitação de outras sete obras.

Ainda no início do mandato, o governo do Estado implementou o programa ‘Mais Asfalto’, que tem por objetivo melhorar as vias urbanas das cidades, que são de responsabilidade dos gestores municipais. A partir de parcerias firmadas com as prefeituras, foi possível entregar aos municípios, neste ano, 723 km de pavimentação, beneficiando 107 municípios.

“Estamos com obras de estradas e pontes em execução em todas as regiões do estado. São obras públicas importantes para o desenvolvimento do nosso Estado e que ajudam a gerar emprego e renda para melhorar a vida das pessoas”, disse o governador Flávio Dino.

As obras rodoviárias da MA-381 (Joselândia-Pedreiras, trecho entre Predreiras-Povoado Pacas e Joselândia-Povoado Pacas), MA-334 (Riachão- Feira Nova), MA-138 (Fortaleza dos Nogueiras- São Pedro dos Crentes), MA-034 (Baú-Matões) foram concluídas neste primeiro ano de gestão. Já as obras entre km 50 e o povoado Batavo, Lagoa Grande – Lago da Pedra, Itaipava do Grajaú – BR 226, Barra do Corda – Fernando Falcão, Presidente Médice – Centro do Guilherme, Barão de Grajaú – São Francisco do Maranhão, Bom Jardim – São João do Carú, Lagoa do Mato – Gavião, Entrocamento BR 010 – Cidelândia, Balsas – Povoado Ouro, Povoado Ouro – km 50 e Coelho Neto – Afonso Cunha estão em andamento.

OBRAS RODOVIÁRIAS ENTREGUES EM 2015
TRECHO EXTENSÃO
Pedreiras – Povoado Pacas 30 km
Joselândia – Povoado Pacas 26 km
Riachão – Feira Nova 60 km
São Pedro dos Crentes – Fortaleza dos Nogueiras 51 km
Matões – Baú 71 km
R$ 159, 6 Milhões Investidos

 

OBRAS RODOVIÁRIAS EM ANDAMENTO
TRECHO EXTENSÃO
Km 50 – Povoado Batavo 85 km
Lagoa Grande – Lago da Pedra 65 km
Itaipava do Grajaú – BR 226 70 km
Barra do Corda – Fernando Falcão 112 km
Presidente Médice – Centro do Guilherme 32 km
Barão do Grajaú – São Francisco do Maranhão 67 km
Bom Jardim – São João do Carú 86 km
Lagoa do Mato – Gavião 33km
Entroncamento BR 010 – Cidelândia 57 km
Balsas – Povoado Ouro 50 km
Povoado Ouro – Km 50 67 km
Coelho Neto – Afonso Cunha 42 km
R$ 676,2 Milhões Investidos

 

OBRAS EM FASE DE PROJETO E LICITAÇÃO
OBRA INVESTIMENTO
Ponte sobre o Rio Pericumã R$ 72 milhões
MA-034 – São João dos Patos – Passagem Franca R$ 42,7 milhões
Acesso à ponte sobre o rio Parnaíba, em São Bernardo R$ 7,1 milhões
MA-034, trecho São João dos Patos-Passagem Franca R$ 30,9 milhões
MA-012 – Trecho São Raimundo do Doca Bezerra – BR 226 R$ 43 milhões
Corredor entre a MA-210 – Av. Jerônimo de Albuquerque R$ 10,4 milhões
Urbanização do córrego em vias urbanas de São Roberto R$ 4,3 milhões