Othelino Neto faz avaliação positiva das eleições e agradece votação

O presidente da Assembleia fez também uma saudação aos novos deputados eleitos e aos reeleitos

O presidente da Assembleia Legislativa, deputado Othelino Neto (PCdoB), fez, nesta terça-feira (9), uma avaliação positiva das eleições e aproveitou para agradecer a votação expressiva que recebeu (60.386 votos), assegurando-lhe a reeleição como o quinto mais votado.

“Quero agradecer ao povo do Maranhão pela minha reeleição. Foi o reconhecimento do trabalho que fizemos nos últimos quatro anos. Além disso, o povo deu uma maiúscula vitória ao nosso campo político, com a reeleição do governador Flávio Dino (PCdoB), no primeiro turno, e com a eleição dos senadores Weverton Rocha (PDT) e Eliziane Gama (PPS). Foi uma sinalização objetiva e clara de quem está gostando desse novo modelo político que vem sendo implantado no Estado”, assegurou.

“O Maranhão está mudando para melhor e agora os maranhenses avalizaram isso”, enfatizou.

Othelino Neto fez um agradecimento especial aos seus eleitores. “Eu fico muito grato pela minha vitória. A votação foi muito boa e agradeço a cada um dos meus eleitores, dos municípios que tive mais votos aos que tive menos. Fico feliz que o povo do Maranhão tenha reconhecido o meu trabalho, me permitido continuar na Assembleia”, afirmou.

O presidente da Assembleia fez também uma saudação aos novos deputados eleitos e aos reeleitos. “Tenho certeza de que os novos deputados que vão chegar aqui vão somar muito e ajudar muito o Maranhão, como os atuais estão fazendo”, manifestou.

Sobre a bancada feminina na Assembleia Legislativa, Othelino disse que é preciso aumentar mais a representação da mulher na política. “Torço para que isto aconteça nas próximas eleições, tanto na Assembleia quanto na Câmara Federal. Esperamos que as mulheres ocupem mais espaço na vida pública maranhense. A boa notícia é a eleição da senadora Eliziane”, finalizou.

No Maranhão, Bolsonaro venceu em Imperatriz, Açailândia e S. Pedro dos Crentes; Em São Luís, diferença foi pouca

A diferença entre Haddad e Bolsonaro também foi mínima nas cidades de Balsas, São José de Ribamar, Caxias e Santa Inês, grandes colégios eleitorais do Estado

O candidato Jair Bolsonaro (PSL) saiu da eleição do primeiro turno com um número de votos bem expressivo no Maranhão em relação a eleições presidenciais passadas. Com 817.511 votos, ele foi destaque em dois grandes colégios eleitorais no Estado, inclusive na capital onde teve contra si uma diferença de apenas dez mil votos. O resultado é bem positivo, se comparado com 2014.

Naquele ano, o candidato Aécio Neves (PSDB) obteve pouco mais de 600 mil votos e somente no segundo turno das eleições.

Um dos destaques na votação de Bolsonaro no Maranhão foi a cidade de São Pedro dos Crentes. Ele teve lá a segunda maior vitória proporcional em todo o Nordeste brasileiro, ficando atrás apenas da cidade baiana de Luís Eduardo Magalhães (54.55%). Em São Pedro dos Crentes, Bolsonaro atingiu 50.93% dos votos válidos contra 37.53% do petista Fernando Haddad.

Jair Bolsonaro também se destacou nos maiores colégios eleitorais da região Tocantina. Em Açailândia, Bolsonaro teve vantagem de 10 pontos percentuais contra o candidato do PT. Ele ficou 47.12%, contra 37.37% de Haddad.

Já em Imperatriz, segundo maior colégio eleitoral do Maranhão, Bolsonaro foi ainda mais vencedor. O candidato saiu das urnas com uma diferença de quase 20 pontos em relação a Fernando Haddad. Bolsonaro teve 48.38% e o petista teve apenas 29.36%.

Na capital São Luís, Jair Bolsonaro obteve de 200.990 mil votos. A distância em relação a Fernando Haddad foi de menos de 10 mil votos. O petista alcançou 38.35%, enquanto Bolsonaro obteve 36,59%.

A diferença entre Haddad e Bolsonaro também foi mínima nas cidades de Balsas, São José de Ribamar, Caxias e Santa Inês, grandes colégios eleitorais do Estado.

O segundo turno das eleições de 2018 está marcado para o dia 28 de outubro.

Grupo Sarney e prefeito de Imperatriz saem derrotados no segundo maior colégio eleitoral do Estado

A excelente votação de Flávio Dino em Imperatriz, que obteve 87.517 mil votos, 69,65% da votação, evidencia a força do grupo comunista no município. E as articulações para 2020 já começaram

Mesmo administrando a prefeitura de Imperatriz, o MDB, juntamente com o prefeito Assis Ramos, foram os maiores derrotados destas eleições no segundo maior colégio eleitoral do Estado.

Assis Ramos viu todos seus candidatos sendo derrotados na cidade em que administra e passa a olhar seu projeto a reeleição em 2020, prejudicado pelos números de 2018.

A candidata Roseana Sarney (MDB), correligionária de Assis obteve apenas 14 mil votos em Imperatriz, ficando atrás de Maura Jorge (PSL), que obteve 20.017 mil votos.

O prefeito de Imperatriz também viu seus dois candidatos a deputados saírem derrotas das urnas. Fátima Avelino (MDB), candidata a deputada estadual obteve apenas 7.784 mil votos na cidade, ficando em terceiro lugar, atrás de Marco Aurélio (PCdoB) e Rildo Amaral (SD). O candidato a deputado federal do prefeito, o médico Daniel Fiim teve apenas 12.923, ficando em quarto lugar.

Para o Senado, Edison Lobão (MDB) ficou em quinto lugar em Imperatriz e Sarney Filho (PV), em sexto lugar.

A excelente votação de Flávio Dino em Imperatriz, que obteve 87.517 mil votos, 69,65% da votação, evidencia a força do grupo comunista no município. E as articulações para 2020 já começaram.

Base de apoio de Flávio Dino elege 32 deputados estaduais

O apoio da maioria absoluta na Alema garante ao governador a aprovação de projetos de leis e assuntos que são do interesse do Executivo

A apuração das urnas eleitorais do último dia 7 mostrou que o governador Flávio Dino (PCdoB) foi o maior vencedor desta eleição. O resultado para a Assembleia Legislativa reafirma o bom desempenho do grupo governista nas eleições 2018.

O governador garantiu sua reeleição para o governo do Estado, terá o apoio de Weverton Rocha (PDT) e Eliziane Gama (PPS) no Senado Federal e no Legislativo estadual, o governador terá o apoio de, no mínimo, 32 deputados estaduais que foram eleitos nos partidos que deram sustentação ao projeto governista na eleição deste ano.

Apenas 10 deputados estaduais de outras coligações foram eleitos.

O apoio da maioria absoluta na Alema garante ao governador a aprovação de projetos de leis e assuntos que são do interesse do Executivo.

Bolsa tem recorde de negociações e sobe 4% após 1º turno com vantagem de Bolsonaro

Nas mesas de negociação, a vitória de Bolsonaro no segundo turno, em 28 de outubro, é dada como certa, e analistas do mercado financeiro destacam que o capitão reformado do Exército provavelmente terá maioria no Congresso para aprovar reformas, algo que até então era motivo de preocupação

Folha de São Paulo

A larga vantagem de Jair Bolsonaro (PSL) sobre Fernando Haddad (PT) no primeiro turno e os resultados expressivos de apoiadores do deputado no Congresso levaram a Bolsa brasileira a subir mais de 4% nesta segunda-feira (8) e atingir volume recorde de negociação. O dólar recuou mais de 2% e agora ronda o patamar de R$ 3,75.

O Ibovespa avançou 4,57%, a 86.083. O volume financeiro no pregão somou R$ 28,9 bilhões de reais, recorde para um dia em sessão sem vencimento de opções. O giro recorde, de 17 de dezembro de 2014, foi de R$ 44 bilhões, em dia de exercício de opções. Excluindo-se o exercício, o volume no mercado à vista naquela data somou R$ 26 bilhões de reais, máxima histórica anterior. Além disso, o real foi a moeda emergente que mais ganhou força ante o dólar nesta segunda. A moeda americana caiu 2,35%, a R$ R$ 3,7670. Na mínima, foi negociada a R$ 3,7110.

Nas mesas de negociação, a vitória de Bolsonaro no segundo turno, em 28 de outubro, é dada como certa, e analistas do mercado financeiro destacam que o capitão reformado do Exército provavelmente terá maioria no Congresso para aprovar reformas, algo que até então era motivo de preocupação.

“O primeiro turno da eleição presidencial deixou Bolsonaro em uma surpreendente boa posição para se tornar o próximo presidente brasileiro. Bolsonaro é o candidato mais pró-mercado, defendendo reformas necessárias e privatizações no país. Enquanto continuamos acreditando que a economia brasileira seguirá em recuperação lenta apesar do resultado da eleição, o resultado do primeiro turno será positivo”, escreveu Alejandro Hardziej, analista de renda fixa do Julius Baer.

No domingo, eleitores deram 46,04% dos votos válidos a Bolsonaro, enquanto o petista Fernando Haddad, que vai disputar com ele o segundo turno, ficou com 29,26%. O PT ficou com 57 cadeiras na Câmara dos Deputados, a maior bancada, e o PSL, com 51.

“A principal dúvida que existe é a governabilidade. Quando tem Congresso com essa surpresa positiva, do PSL com bancada maior, começa a apontar para governabilidade maior do que se diria”, diz o analista chefe da XP Investimentos, Karel Luketic.

“O PSL fez a segunda maior bancada da Câmara, agora o mercado começa a ver possibilidade de governo”, acrescenta Victor Candido, da Guide, que projeta ainda uma aproximação de políticos dos partidos tradicionais, como DEM, MDB e PSDB, de um eventual governo Bolsonaro após a redução de suas bancadas.

“Independentemente de quem vença, o novo presidente terá que formar alianças no Congresso que permitam a aprovação de reformas fiscais —especialmente a da Previdência— para que se encaminhe uma fragilidade fundamental no perfil de crédito do Brasil”, disse Samar Maziad, vice-presidente e analista sênior da Moody’s em nota.
Investidores abraçaram a candidatura de Bolsonaro sob a fiança do economista liberal Paulo Guedes depois que perceberam que o tucano Geraldo Alckmin não conseguiria decolar na preferência dos eleitores.

No domingo (7), Bolsonaro gravou um vídeo em que comentou o resultado do primeiro turno ao lado de Guedes (e não seu vice, General Mourão, ou dos filhos), o que foi destacado pelo mercado como mais um sinal de comprometimento com a agenda liberal do economista. O otimismo também tem feito com que corretoras e bancos elevem suas apostas de alta do Ibovespa. Em relatório a clientes, o BTG Pactual escreveu que o favoritismo de Bolsonaro pode levar o índice a 90 mil pontos enquanto uma vitória do deputado abriria espaço para chegar aos 105 mil pontos (alta de 28% em relação aos atuais patamares). A Guide projeta Ibovespa a 94 mil pontos, enquanto a XP também chega perto dos 100 mil pontos.

Ações do Banco do Brasil sobem quase 40% em uma semana

A alta deve vir do desempenho das estatais, que puxaram os 10% de ganho do Ibovespa na última semana. Os papéis do Banco do Brasil acumulam ganho de quase 40% em uma semana, negociados a R$ 39,27. A valorização da Petrobras supera os 25% no período, enquanto papéis da Eletrobras têm 50% de alta.

“Petrobras é um papel que vinha barato comparado com pares internacionais. E aí teve sinalização positiva do ponto de vista política, o que fez o mercado olhar para o Brasil. Outras ações são mais por euforia. [A alta da] Eletrobras não tem fundamento nos números da empresa”, diz Nicolas Takeo, analista da Socopa.

FHC afirma que não apoia nem Haddad nem Bolsonaro no segundo turno

Por meio de publicações no Twitter, FHC afirmou que não apoiará nem Fernando Haddad (PT) nem Jair Bolsonaro (PSL)

O ex-presidente Fernando Henrique Cardoso (PSDB) afirmou nesta segunda-feira, 8, por meio de publicações no Twitter, que não apoiará nem Fernando Haddad (PT) nem Jair Bolsonaro (PSL), que disputam o segundo turno da eleição presidencial. “Nem o PT nem Bolsonaro explicitaram compromisso com o que creio. Por que haveria de me pronunciar sobre candidaturas que ou são contra ou não se definem sobre temas que prezo para o país e o povo”, escreveu em um dos posts.

Nesta tarde, Haddad havia sinalizado, após visitar o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT), que buscaria apoio do PSDB, rival histórico do PT em disputas presidenciais, ao chamar Geraldo Alckmin (PSDB), nome tucano derrotado na eleição, de “candidato que respeito”.

O petista também disse que estava disposto a adaptar o seu plano de governo para buscar alianças mais ao centro. “Tenho total tranquilidade em ajustar parâmetros do programa para que ele seja o mais representativo dessa ampla aliança democrática que pretendemos fazer”, disse Haddad.

Nos seus posts, FHC não deixou claro a quais temas estava se referindo, mas citou sua discordância com o “reacionarismo cultural” – uma aparente menção às ideias de Bolsonaro -, e com “corrupção sistêmica” e “ao arbítrio na Venezuela, em referências ao PT.

No dia da eleição, domingo, FHC também fez um post no Twitter pedindo que os candidatos que disputam o segundo turno digam ao povo o que pensa “sem demagogia nem sectarismo”.