Vídeo: Jornalista Sílvia Tereza participa do Programa Conexão Cidadania

#ConexãoeCidadania jornalista, Silvia Tereza, diretora adjunta do Complexo de Comunicação da ALEMA. A jornalista que já tem uma trajetória como executiva no seguimento da comumicacao. vai falar dessas conquistas e experiências.

Posted by Rádio Assembleia Maranhão on Friday, March 8, 2019

A editora do Blog Sílvia Tereza participou, nesta sexta-feira (8), do Programa Conexão e Cidadania, apresentado por Marina Sousa, na rádio web da Assembleia Legislativa. Jornalista e diretora adjunta do Complexo de Comunicação da Assembleia Legislativa do Maranhão, Sílvia falou de sua trajetória e suas experiências na área da comunicação, além de ter feito uma análise sobre o Dia Internacional da Mulher.

falou de sua trajetória e suas experiências na área da comunicação, além de ter feito uma análise sobre o Dia Internacional da Mulher

Ministro da Infraestrutura vistoria BR-135

A visita é um desdobramento da agenda liderada pelo vice-governador, e que contou com a participação da Bancada Federal do Maranhão

O vice-governador Carlos Brandão acompanhou, durante toda esta sexta-feira (8), o ministro da Infraestrutura, Tarcísio de Freitas, em vistoria à BR-135, estrada federal que passa por uma série de problemas estruturais. A visita é um desdobramento da agenda liderada pelo vice-governador, e que contou com a participação da Bancada Federal do Maranhão e outras lideranças políticas maranhenses, em janeiro deste ano, em Brasília, após Tarcísio Freitas assumir o Ministério da Infraestrutura.

O Governo do Estado se colocou à disposição do Governo Federal para ajudar na resolução dos problemas atinentes à continuidade das obras da BR-135. Durante toda a manhã, Carlos Brandão, Tarcísio de Freitas e os representantes da Bancada Federal do Maranhão percorreram o trecho que vai da Estiva, em São Luís, até a cidade de Bacabeira. Eles também vistoriaram a situação da duplicação que será realizada até a cidade de Miranda.

O vice-governador agradeceu a presença do ministro e enfatizou a união da Bancada Federal do Maranhão, formada por deputados e senadores. Ele classificou a agenda como muito proveitosa e reiterou que o Governo do Estado está de prontidão para auxiliar no que for possível. “Teremos resolvido todas essas pendências até o mês de maio e quando acabar as chuvas, as obras serão retomadas. Espero isso com muita ansiedade”, disse Brandão sobre a BR-135.

O ministro Tarcísio de Freitas se reuniu com Carlos Brandão e os deputados e traçou um plano de trabalho para o prosseguimento das obras na BR-135. Ele classificou como “uma vergonha” e “inaceitável” a atual condição da estrada, principal via de acesso para a capital São Luís. “Pactuamos uma série de providências que a gente conta com o apoio da Bancada Federal. Inicialmente vamos exigir das empresas o refazimento dos trechos”, explicou.

Em relação aos outros dois lotes de duplicação da BR-135, que dizem respeito aos trechos Bacabeira/Entroncamento e Entroncamento/Miranda do Norte, Tarcísio de Freitas explicou que problemas ambientais acabaram atrapalhando o prosseguimento das obras por se tratar de área de quilombolas, mas que as soluções estão em andamento.

“Na questão ambiental tivemos excelentes entendimentos com a Secretaria de Estado do Meio Ambiente (SEMA) e a fundação Palmares sobre área de impacto. Haverá uma reunião de conciliação no dia 29. Estamos otimistas com o desfecho dessa situação”, esclareceu o ministro.

Em relação aos trechos degradados, Tarcísio de Freitas anunciou que a duplicação do trecho que vai da Estiva até Bacabeira será completamente refeito. Já a parte da BR-135 de Miranda até Caxuxa será completamente recuperada após a passagem do período de chuvas no Maranhão.

No Dia da Mulher, Maranhão cria oportunidades de capacitação e emprego para vítimas de violência doméstica

governador Flávio Dino e equipe de secretários assinaram termos de parceria e decretos que ampliam e criam novas oportunidades para a população feminina

O Dia da Mulher foi celebrado com novas conquistas e políticas públicas para as mulheres maranhenses. Nesta sexta-feira (8), em solenidade realizada na Casa da Mulher Brasileira, em São Luís, o governador Flávio Dino e equipe de secretários assinaram termos de parceria e decretos que ampliam e criam novas oportunidades para a população feminina. Uma delas foi a oferta de cursos de capacitação e empregos para mulheres vítimas de violência doméstica.

“Hoje muitos atos importantes serão assinados. Todos os anos fazemos questão de aqui nesse espaço, a Casa da Mulher Brasileira, mostrar uma atitude concreta de apoio a iniciativas de várias áreas de governo”, disse o governador Flávio Dino.

Entre as ações implementadas, estão a ampliação da Patrulha Maria da Penha, que na capital agora será realizada em parceria com a Prefeitura de São Luís; a parceria entre a Secretaria da Mulher (SEMU) e a Caema que vai oferecer 10% das vagas do curso de capacitação e vagas de empregos para mulheres vítimas de violência doméstica; lançamento de edital para ofertar vagas de capacitação para mulheres vítimas de violência por meio do IEMA; do termo de compromisso para realização de campanhas de valorização da Mulher, além do anúncio do aplicativo Salve Maria.

“É uma programação extensiva que reúne aqui ações integradas do único governo do país que no cenário atual continua desenvolvendo e ampliando ações, políticas públicas para as mulheres e que tem muitas metas, como a criação da Casa da Mulher Maranhense, que em breve criaremos”, destacou a secretária da Mulher, Ana Mendonça.

Susan Lucena, diretora da Casa da Mulher Brasileira, destacou a rede de apoio e as ações integradas oferecidas para as maranhenses. “Essa é uma das cinco casas que funcionam no Brasil e aqui, atualmente, realizamos mais de 2 mil atendimentos por mês. Temos aqui a Vara da Mulher, Promotoria, Delegacia, e, neste dia, que marca um dia de lutas, temos no Maranhão o anúncio de muitas outras ferramentas”, afirmou a diretora.

Na solenidade, também foi anunciado o aplicativo Salve Maria, ferramenta digital que permitirá a mulheres acionar a polícia diretamente do celular em casos de ameaça ou perigo iminente.

O governador Flávio Dino também recebeu secretárias de Estado e presidentes de autarquias no Palácio dos Leões, nesta sexta-feira (8). “Mulheres que são líderes no nosso governo: secretárias de Estado e presidentas de autarquias. Dirigem importantes políticas públicas em várias áreas e têm meu respeito pelas profissionais que são. Ainda faltaram 2 secretárias de Estado que não puderam vir hoje à nossa reunião”, disse Flávio.

Ligue 180 recebeu 17,8 mil denúncias de violências contra mulheres nos dois meses de 2019

No mesmo período do ano passado, foram computadas pela central 11.263 denúncias

O Ligue 180, central do governo federal que recebe denúncias de violações contra os direitos das mulheres, recebeu, nos primeiros dois meses do ano, 17.836 notificações, 36,85% superior ao constatado em 2018, segundo o Ministério da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos (MMFDH).

No mesmo período do ano passado, foram computadas pela central 11.263 denúncias, um pouco menor na comparação com 2017, quando 12.368 violações contra as mulheres foram comunicados ao Ligue 180.

Em nota, a pasta esclareceu que, este ano, considerou os registros feitos até último dia 26, e que os episódios envolvem cárcere privado, feminicídio, trabalho escravo, tráfico de mulheres e violências física, moral, obstétrica e sexual. O ministério informou ainda que os estados com maior incidência de casos foram Rio de Janeiro (3.543), São Paulo (3.263), Minas Gerais (2.122), Bahia (1.232) e Rio Grande do Sul (1.033).

No ranking anual, fechado em 2018, aparecem no topo São Paulo (16.802), Rio de Janeiro (15.178), Minas Gerais (9.810), Bahia (6.716) e Distrito Federal (5.836).

Ao final de 2018, o Ligue 180 havia recebido 92.323 denúncias. Já no ano anterior, a central encerrou os trabalhos com um total de 73.669 casos reportados.

Para a secretária Nacional de Políticas para Mulheres, Tia Eron, a central contribui para que o governo possa definir quais políticas públicas devem ser priorizadas. “A Secretaria Nacional de Políticas para Mulheres tem como prioridade elaborar e implementar políticas públicas para o enfrentamento da escalada da violência contra as mulheres, com ações eficazes que propiciem a promoção da autonomia feminina e a segurança necessárias à garantia dos seus direitos. O Ligue 180 tem papel imprescindível por se tratar de um importante canal de coleta de dados para a formulação de políticas públicas e para a articulação da Rede de Proteção às Mulheres em Situação de Violência”, disse a secretária.

Gratuito, o Ligue 180 funciona 24 horas por dia, todos os dias da semana, no Brasil e em outros 16 países: Argentina, Bélgica, Espanha, França, Guiana Francesa, Holanda, Inglaterra, Itália, Luxemburgo, Noruega, Paraguai, Portugal, Suíça, Uruguai e Venezuela e nos Estados Unidos, em São Francisco e Boston. O serviço, que também pode ser acionado por meio do aplicativo Proteja Brasil, além de registrar denúncias de violações contra mulheres, encaminhá-las aos órgãos competentes e realizar seu monitoramento, dissemina informações sobre direitos da mulher, amparo legal e a rede de atendimento e acolhimento.

Dia Internacional da Mulher tem marchas por todo o país

A maior parte da agenda que motiva a mobilização no Brasil coincide com os pleitos que levam às ruas mulheres de outros países nesta data

Agência Brasil

Em pelo menos 45 cidades brasileiras, incluindo 17 capitais, protestos marcam hoje (8) o Dia Internacional da Mulher. Os atos da Marcha Mundial das Mulheres defendem o fim da violência, o respeito aos direitos civis e direitos reprodutivos e sexuais.

As imigrantes e refugiadas, as mulheres com deficiência, a questão da representatividade política, além do respeito aos direitos do público LGBTQIA+ estão entre as bandeiras das manifestações que ocorrerão ao longo do dia. A vereadora Marielle Franco (PSOL-RJ), cujo assassinato completa um ano sem solução no dia 14, será homenageada.

A maior parte da agenda que motiva a mobilização no Brasil coincide com os pleitos que levam às ruas mulheres de outros países nesta data.

No caso brasileiro, o movimento também contesta a reforma da previdência. Ganha destaque ainda a luta pela democracia, pelos direitos dos povos indígenas e por uma educação não sexista, princípios defendidos, no final do mês passado, pela então representante da Entidade das Nações Unidas para a Igualdade de Gênero e o Empoderamento das Mulheres (ONU Mulheres), Nadine Gasman, pilares da igualdade de gênero.

Relatórios recentes, produzidos  por diferentes fontes, mostram que, embora as bandeiras da marcha sejam idênticas de um ano para o outro, é necessário manter os temas em discussão. De acordo com levantamentos condensados no site Violência contra as Mulheres em Dados, pelo Instituto Patrícia Galvão, a cada minuto, nove mulheres foram vítimas de agressão, em 2018.

De acordo com informações da segunda edição do estudo Visível e Invisível – A Vitimização de Mulheres no Brasil e do 12º Anuário Brasileiro de Segurança Pública, em 2017, a cada nove minutos, uma mulher sofreu estupro. Além disso, diariamente, 606 casos de lesão corporal dolosa – quando é cometida intencionalmente – enquadraram-se na Lei Maria da Penha (Lei nº 11.340/2006).

O elevado número de estupros envolve um outro crime multiplicado na sociedade brasileira: o assédio sexual. Dados de 2015 da organização não governamental (ONG) Think Olga, as brasileiras são sexualmente assediadas, pela primeira vez, aos 9,7 anos de idade, em média.

Em 2013, a pesquisa Percepção da Sociedade sobre Violência e Assassinatos de Mulheres, elaborada pelo Data Popular Instituto Patrícia Galvão, revelou que quase metade dos homens (43%) acreditava que as agressões físicas contra uma mulher decorrem de provocações dela ao ofensor. A proporção foi menor entre as mulheres: 27%.

De janeiro de 2014 a outubro de 2015, informou a ONG Think Olga, as buscas por palavras como “feminismo” e “empoderamento feminino” cresceram 86,7% e 354,5%, respectivamente.

São Luís tem queda no número de homicídios durante o carnaval

Na Região Metropolitana, que inclui os municípios de São José de Ribamar, Raposa e Paço do Lumiar, a redução de homicídios foi de 63%. Também não houve ocorrências de estupro no período

Nos circuitos carnavalescos, bairros ou nas estradas, o resultado das operações de segurança pública em todo o Maranhão foi positivo. De acordo com o relatório apresentado pela Secretaria de Segurança Pública (SSP), só em São Luís, a redução de homicídios chegou a 87,5% no período de Carnaval no comparativo com o ano anterior.

“Foi o maior e mais seguro Carnaval que já tivemos”, afirmou o secretário de Segurança Pública, Jefferson Portela.

Os números divulgados compreendem as operações integradas entre Polícia Militar, Polícia Civil, Corpo de Bombeiros, Detran, Polícia Rodoviária Federal e Secretaria Municipal de Trânsito e Transportes (SMTT) no período de 1 a 6 de março.

“Mesmo com uma grande concentração de pessoas em locais públicos (mais de 500 mil no Circuito Beira Mar) podemos destacar que em seis dias de Carnaval tivemos um homicídio na capital, que ocorreu fora do circuito de carnaval”, frisou Jefferson Portela.

Na Região Metropolitana, que inclui os municípios de São José de Ribamar, Raposa e Paço do Lumiar, a redução de homicídios foi de 63%. Também não houve ocorrências de estupro no período.

Além disso, foram apreendidas cinco armas de fogo, registradas 159 ocorrências e 188 pessoas foram conduzidas às delegacias, o que resultou em 43 prisões em flagrante.

Nas rodovias estaduais e federais que cortam o estado, os números resultantes da fiscalização e prevenção também são positivos. No período, foi zero a ocorrência de acidentes com morte nas MAs. Nas BRs, onde a Polícia Rodoviária Federal realizou operações em parceria com o Detran-MA, caiu pela metade o número de acidentes com mortes.

“Estamos felizes com esses números, nós tivemos um decréscimo de 50% e, ainda que sintamos as vidas perdidas, comemoramos esse decréscimo bastante significativo, temos que elogiar também a Polícia Rodoviária Federal, que tem sido parceira constante do Detran e todas suas Ciretrans”, afirmou Larissa Abdalla, presidente do órgão estadual.

Além das atividades realizadas no pré-carnaval, apenas entre os dias 1 e 6 de março, as ações educativas e preventivas realizadas pelo órgão compreenderam as 34 cidades com maiores carnavais do estado.

Tradicional em São José de Ribamar, o Carnaval Lava-Pratos também contará neste fim de semana com as operações integradas da Secretaria de Segurança Pública, que na cidade receberá ainda o reforço da Guarda Municipal.

“Todas as vias de acesso de São Luís para lá serão monitoradas, seja pela Maioba, Retorno da Forquilha, Paço do Lumiar. Nós vamos fazer o controle real nos municípios todos da Ilha. Teremos a presença de um grande efetivo integrado ao Sistema Municipal de São José de Ribamar, um corporação grande com 382 integrantes que já trabalha em conjunto conosco”, informou Portela.