Novos nomes, antigos partidos

Com uma crise moral e ética na política, partidos buscam novas estratégias de marketing e de comunicação para conseguirem conquistar os votos dos eleitores

Faltando pouco mais de 100 dias para as eleições gerais de 2018, os brasileiros se preparam para escolher seus novos representantes no executivo e no legislativo.

Com uma crise moral e ética na política, partidos buscam novas estratégias de marketing e de comunicação para conseguirem conquistar os votos dos eleitores.

Muitos desses “antigos” partidos chegam a 2018 com novos nomes. Na lista, entram o “PTN” que trocou o nome para “Podemos”, o “PP” agora “Progressistas”, o “PTdoB” que trocou para “Avante” e o “Patriotas” – antigo “PEN -.

O partido do presidente Michel Temer tirou o “P” do nome do partido e agora se chama MDB.

Partidos políticos também foram registrados após as eleições de 2014 e chegam a 2018 como opções para os eleitores, entre eles a Rede Sustentabilidade – da ex-ministra Marisa Silva – e o Novo, do presidenciável João Amoêdo.

Outros partidos trabalham para trocar seus nomes no Supremo Tribunal Eleitoral. O “PPS” tenta oficializar seu novo nome para “Movimento 23” e o “PSDC” para “Democracia Cristã”.

Falta um mês para o início das convenções partidárias

De acordo com o calendário das eleições de 2018, publicado pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE), as convenções poderão ser iniciadas no dia 20 julho e vão até o dia 5 de agosto. Nelas também serão escolhidas as coligações

As eleições gerais de 2018 estão chegando e os preparativos para o pleito já começam a ser planejados. As convenções partidárias definirão os candidatos ao Governo do Estado, ao Senado Federal, à Câmara dos Deputados e à Assembleia Legislativa.

De acordo com o calendário das eleições de 2018, publicado pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE), as convenções poderão ser iniciadas no dia 20 julho e vão até o dia 5 de agosto. Nelas também serão escolhidas as coligações.

O atual governador e pré-candidato à reeleição, Flávio Dino (PCdoB), encaminha-se para realizar a maior convenção deste ano no Maranhão. Ele já tem o apoio do PDT, PSB, PT, PPS, DEM, PP, PR, PRB, PTB, PROS, PTC, PEN, Solidariedade, além do próprio PCdoB.

A ex-governadora Roseana Sarney conta com o apoio do seu partido MDB, além do PSD, PV e PMB.

A pré-candidata Maura Jorge já tem declarações de apoio do PRTB, PSDC, Podemos, além do PSL, seu partido.

O senador Roberto Rocha, até o momento, conta apenas com o PSDB. Ele espera a convenção tucana no estado para definir seu nome na disputa ao governo do estado.

Professor Odívio Rezende teve seu nome definido pelo PSOL, o pré-candidato terá ainda o apoio do PCB.

Outros dois pré-candidatos seguem indefinidos. O deputado estadual Eduardo Braide (PMN) e o ex-secretário Ricardo Murad (PRP) terão, nas convenções partidárias, a oportunidade para definirem seus destinos.

Alguns partidos também seguem indefinidos. São eles: Avante, Rede, Novo, PSC, PHS, PPL, PSTU e PCO.

Eleições 2018: João Amoêdo cumpre agenda em São Luís

O pré-candidato cumpriu agenda em São Luís, nesta terça-feira (19), e foi acompanhado do seu vice Bernardinho, o ex-técnico da seleção brasileira de vôlei

João Amoêdo, representante do partido Novo, foi quinto presidenciável a visitar o Maranhão. O pré-candidato cumpriu agenda em São Luís, nesta terça-feira (19), e foi acompanhado do seu vice Bernardinho, o ex-técnico da seleção brasileira de vôlei.

Amoêdo participou de um jantar e conversou com representantes da Associação Comercial do Maranhão (ACM), a Câmara dos Dirigentes Lojistas de São Luís (CDL), a Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado do Maranhão (Fecomércio) e a Federação das Indústrias do Estado do Maranhão (FIEMA).

O presidenciável começou sua carreira como trainee no Banco Citibank, foi diretor executivo do Banco BBA Creditanstalt, presidente da Finaústria CFI, vice-presidente e membro do conselho de administração do Unibanco, membro do conselho de administração do Banco Itaú BBA e membro do conselho de administração da empresa João Fortes Engenharia.

Em 2011, fundou o NOVO, um partido composto por membros da sociedade civil, que faz processo seletivo para escolher seus candidatos e o único que se mantém apenas com doações voluntárias de seus apoiadores e não faz uso do Fundo Partidário e Eleitoral.

“O que a gente quer é trazer mais eficiência para máquina pública, novas lideranças, cortar privilégios, cortar benefícios do setor público, colocar mais dinheiro de volta no bolso do cidadão e facilitar a vida de quem quer empreender”, disse Amoêdo em entrevista à emissora de televisão.

Abaixo-assinado exige desculpas de brasileiros que insultaram russa

Frame de vídeo em que brasileiros insultam jovem russa

No rastro da polêmica detonada pelo vídeo de torcedores brasileiros cercando uma mulher com gritos obscenos em Moscou, o primeiro episódio de mau comportamento de fãs a viralizar nesta Copa, uma ativista russa acaba de criar um abaixo-assinado denunciando os homens vistos nas imagens.

A petição registrada no site Change.org por Alena Popova, jurista e ativista que atua numa série de causas, entre elas a da defesa da mulher, já reuniu quase 300 assinaturas.

Em seu documento, Popova exige um pedido de desculpas dos torcedores que gritavam “essa é bem rosinha” em alusão à cor do sexo de uma jovem loira, lembrando que o comportamento viola leis russas como questões de ordem pública e respeito ao próximo.

Três dos torcedores que aparecem no vídeo já foram identificados – o pernambucano Diego Valença Jatobá, advogado e político, e o piauiense Luciano Gil Mendes Coelho, um engenheiro civil, além do policial catarinense Eduardo Nunes.

Um quarto rapaz que aparece nas imagens deu entrevista à Folha, mas não se identificou e era chamado por seus amigos em Moscou de Josué.

Popova quer encaminhar seu abaixo-assinado às autoridades russas e à embaixada do Brasil em Moscou. O caso dos torcedores brasileiros também já foi noticiado pela imprensa russa e começa a despertar debates nas redes sociais do país sede da Copa.

Desde o início da Copa, policiais do país conhecidos pela atitude linha dura, vêm fazendo vista grossa para flagrantes violações da lei, como beber em público, por exemplo, e qualquer repreensão mais enérgica dos torcedores poderia ir na contramão de interesses do governo de criar um clima de paz com os estrangeiros durante o evento.

Há outro vídeo machista circulando na internet que mostra o brasileiro Felipe Wilson com russas durante a Copa. A companhia aérea Latam confirmou a identidade do rapaz e seu desligamento do quadro de funcionários da empresa.

TSE determina novas eleições municipais em Bacabal

Zé Vieira aguarda aguarda a publicação da decisão do TSE, que determinará ao presidente da Câmara Municipal de Bacabal que assuma a prefeitura e convoque nova eleição dentro de 30 dias

O Tribunal Superior Eleitoral decidiu afastar em definitivo Zé Vieira do cargo de prefeito. Na decisão, também foi determinado que o município de Bacabal, passará por novas eleições ainda este ano. O relator do caso foi o ministro Luiz Fux e a decisão foi unânime. A data do novo pleito ainda será divulgada.

José Vieira Lins, mais conhecido como Zé Vieria, do partido Progressistas, foi eleito com 20.671 votos em 2016, mas já entrou na disputa eleitoral condenado por improbidade administrativa e enriquecimento ilícito em julgamento feito pelo Tribunal de Justiça do Maranhão, em 2016, antes da eleição. A decisão foi confirmada pelo Superior Tribunal de Justiça (STJ) em 2017. O segundo colocado foi o deputado estadual Roberto Costa (MDB), com 18.330 votos.

No dia 18 de outubro de 2017, o Supremo Tribunal de Justiça (STJ) condenou Zé Vieira por improbidade administrativa e danos ao erário público, sem direito a recurso. Essa foi primeira decisão do caso, que também suspendeu os direitos políticos de Zé Vieira por três anos.

Porém, no dia 31 de outubro de de 2017 a desembargadora Cleonice Freire concedeu tutela cautelar favorável a Zé Vieira, mesmo com a decisão do Superior Tribunal de Justiça (STJ). No entendimento da magistrada, a alternância administrativa causaria instabilidade política e social em Bacabal.

Como era uma decisão de Cleonice era liminar, foi necessário passar pelo relator do caso, desembargador José Ribamar Castro. No dia 01/11, o desembargador derrubou a liminar da desembargadora Cleonice Freire.

Em 03 de novembro de 2017 a desembargadora Nelma Sarney recolocou Zé Vieira no comando da prefeitura mais uma vez. Na decisão, ela afirma que o desembargador José de Ribamar Castro não tinha competência para julgar a questão, de acordo com o regimento interno da corte.

No dia 10 de novembro, o vice-presidente em exercício do Tribunal de Justiça do Maranhão, desembargador Antônio Fernando Bayma Araújo, determinou que deveria prevalecer a decisão do desembargador José Ribamar Castro.

Em 1º de dezembro, o desembargador Raimundo Melo determinou o retorno de José Vieira Lins à prefeitura da cidade, cassando os efeitos da decisão anterior.

No começo de 2018, no dia 5 de janeiro, a Câmara Municipal de Bacabal determinou o afastamento imediato de Zé Vieira. A decisão foi expedida pelo presidente da casa, Edvan Brandão de Farias. À época, o vice-prefeito de Bacabal, Florêncio Neto (PHS), quem assumiu.

Zé Vieira aguarda aguarda a publicação da decisão do TSE, que determinará ao presidente da Câmara Municipal de Bacabal que assuma a prefeitura e convoque nova eleição dentro de 30 dias. Nesse intervalo, Zé Vieira deve recorrer ao Supremo Tribunal Federal (STF).

Gasolina cai nas refinarias e sobe nas bombas dos postos

Preocupação do governo desde o início do ano, a falta de repasses de cortes dos preços dos combustíveis se tornou foco dos órgãos de defesa do consumidor

Com alívio nas cotações internacionais do petróleo, o preço da gasolina nas refinarias da Petrobras acumula queda de 9,22% desde o dia 22 de maio, quando atingiu o maior valor desde que a Petrobras começou a anunciar reajustes diários. Nas bombas, porém, ainda não houve repasse.

Nesta terça (19), a estatal vendia o combustível a R$ 1,8941 por litro, mesmo valor que será praticado na quarta (20). Em 22 de maio, com as cotações do petróleo em torno de US$ 80 por barril, a gasolina saía das refinarias da estatal por R$ 2,0867 por litro. Nesta terça, a cotação do Brent, tipo de petróleo negociado em Londres e usado como referência pela estatal, fechou em US$ 75,09 por barril.

De acordo com dados da ANP (Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis), porém, o preço de bomba da gasolina no país subiu 3,08% entre a semana encerrada em 26 de maio e a semana passada.

Na média, o combustível era vendido no país a R$ 4,572 por litro na última semana, contra R$ 4,435 por litro três semanas antes. Nesse meio tempo, chegou a subir a R$ 4,614 durante a greve dos caminhoneiros, quando os preços dos combustíveis dispararam em resposta à crise de abastecimento.

Neste último caso, porém, a margem é menor do que a verificada nas duas semanas anteriores, quando os preços dispararam na sen1ana encerrada no dia 2 de junho, a margem de lucro dos postos chegou a R$ 0,621 por litro, de acordo com os dados da ANP.

Preocupação do governo desde o início do ano, a falta de repasses de cortes dos preços dos combustíveis se tornou foco dos órgãos de defesa do consumidor após a concessão de subvenções ao preço do diesel, como parte de acordo para encerrar a greve dos caminhoneiros. O governo prometeu corte de R$ 0,46 por litro no preço de bomba, mas até agora a redução média no país é de apenas R$ 0,15 em relação aos valores vigentes antes da paralisação.

Retiradas do PIS/Pasep batem recorde no primeiro dia de saque

Pelas contas do governo, 28,7 milhões de pessoas serão beneficiadas. Em cifras, são R$ 34,3 bilhões disponíveis para saque no Banco do Brasil e na Caixa Econômica Federal

As retiradas das cotas dos Programas de Integração Salarial (PIS) e de Formação do Patrimônio do Servidor Público (Pasep) bateram recorde no primeiro dia de saques para trabalhadores com mais de 57 anos. Segundo o Ministério do Planejamento, 144.409 cotistas sacaram R$ 196,2 milhões ontem (18). O número é o maior para um dia, desde que começou a flexibilização dos saques, em setembro do ano passado.

Desse total, R$ 162,6 milhões foram sacados de 119,6 mil cotas na Caixa Econômica Federal, que administra o PIS (destinado a trabalhadores da iniciativa privada). No Banco do Brasil, responsável pelo Pasep (servidores públicos e trabalhadores de estatais), as retiradas somaram R$ 33,6 milhões em 24.809 cotas.

Entre 14 e 28 de setembro, a autorização será ampliada para todas as idades, diferentemente do que ocorria até então, quando o saque total só podia ser feito quando o trabalhador completasse 70 anos, se aposentasse, tivesse doença grave ou invalidez ou fosse herdeiro de titular da conta.

Pelas contas do governo, 28,7 milhões de pessoas serão beneficiadas. Em cifras, são R$ 34,3 bilhões disponíveis para saque no Banco do Brasil e na Caixa Econômica Federal. Isto porque 3,6 milhões de pessoas já resgataram R$ 5 bilhões em recursos dos dois programas.

Têm direito ao saque servidores públicos e pessoas que trabalharam com carteira assinada de 1971, quando o PIS/Pasep foi criado, até 1988. Quem contribuiu após 4 de outubro de 1988 não tem direito ao saque.

Isso ocorre porque a Constituição, promulgada naquele ano, passou a destinar as contribuições do PIS/Pasep das empresas para o Fundo de Amparo ao Trabalhador (FAT), que paga o seguro-desemprego e o abono salarial, e para o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES).

Para saber se tem direito ao benefício, o trabalhador pode acessar os sites www.caixa.gov.br/cotaspis e www.bb.com.br/pasep.

Max Barros desiste de disputar reeleição…

Deputado Max Barros usou tribuna para se despedir da Assembleia

O deputado Max Barros (PMB) ocupou a tribuna, na manhã desta terça-feira (19), no tempo do grande expediente, para anunciar que tomou a decisão de não disputar as próximas eleições.

“Subo a esta tribuna com a mesma emoção e entusiasmo que a utilizei ao longo destes 16 anos que faço parte deste Poder. Ao mesmo tempo, possuído por um sentimento de serenidade, de tranquilidade d’alma, de efetivar uma decisão já há muito tempo amadurecida e tomada que espelha, de certa forma, o meu modo de ver a vida e a política”, com esta frase, Max Barros iniciou seu pronunciamento.

Ele fez um relato de toda a sua vida pública e citou fatos ocorridos ao longo do exercício de funções de gestor público no Poder Executivo estadual. Lembrou de sua trajetória como dirigente do Departamento de Estradas de Rodagem (DER-MA), como pró-reitor de Ensino da Universidade Estadual do Maranhão (Uema), diretor da Cemar, gerente metropolitano de São Luís e secretário de Infraestrutura do Estado.

“Olhei para mim, os caminhos percorridos como filho, como marido, como pai, como político, como gestor público, como cidadão simplesmente. Este olhar e essas reflexões como um filme de magias passaram diante de mim e mostraram as mutações, as muitas vicissitudes que a vida atravessou em meus caminhos, mas me mostraram também as diversas formas que me utilizei para contorná-las para atingir os meus propósitos que sempre contiveram subjacentes à ética, à moral, à responsabilidade, à fidelidade e à sinceridade”, discursou o deputado.

Ele frisou que, investido em importantes cargos públicos, teve a chance de realizar inúmeras obras, como a recuperação da BR-135, no trecho de Colinas a Orozimbo, que possibilitou integração norte sul do Maranhão; a BR-203, de Balsas a Barão de Grajaú, que assegurou o polo agrícola do Sul do Maranhão; a implantação da BR-402, viabilizou polo turístico dos Lençóis e ajudou a consolidação também da pesca naquela região.

Dentre as obras, Max Barros citou ainda a Avenida dos Holandeses, a Avenida Ferreira Gullar, a Avenida da Forquilha ao Maiobão, a Avenida Luís Eduardo Magalhães, a Avenida Litorânea no trecho da Ponta d’Areia, o Viaduto da Cohab, o canal da Raimundo Corrêa, a Avenida Expressa, a Avenida Orlando Araújo ligando o Olho d’Água ao Araçagi, a revitalização do Centro Histórico em 50 hectares, as construções de estação de tratamento, a revitalização do Castelão e outras obras, muitas delas, como no Bairro Legal e no Projeto Viva, com a participação das lideranças comunitárias.

Max Barros acentuou que, ao chegar à Assembleia Legislativa do Maranhão para o exercício de sucessivos mandatos que o povo lhe concedeu, estava tomado de júbilo. “Estava, sim, orgulhoso pela honra de ter sido escolhido entre os 6 milhões de maranhenses, um dos 42 a representá-los. Ali estava a despeito da grave crise de representatividade que já atravessava o nosso país, crise em grande parte fruto do nosso sistema político eleitoral que favorece o poder econômico, a forma em detrimento do conteúdo”.

Além de discorrer sobre suas proposições legislativas, ao longo de quatro mandatos, Max Barros aproveitou para frisar razões de cunho pessoal que o levaram a tomar a decisão de não concorrer à reeleição. E frisou também seu gesto de gratidão e respeito às pessoas com quem conviveu ao longo de sua trajetória. “Tudo em mim é esperança e vida. Sou grato a Deus, que me deu a vida e palmilha o meu destino. Sou grato aos meus pais, Maria e José Barros. Sou grato à Cristiane, minha esposa, e a meus filhos, Gustavo e Maurício. Sou grato a Aníbal Pinheiro, quem primeiro me convidou a ocupar um cargo público”.

Max Barros acrescentou que também é muito grato à ex-governadora Roseana Sarney, “que me incentivou a entrar na política e me honrou convidando-me a participar dos seus governos. Sou grato também aos líderes políticos municipais e às lideranças comunitárias”.

“MISSÃO CUMPRIDA”

Em apartes, os deputados presentes à sessão destacaram os 16 anos de Max Barros na Assembleia Legislativa, ao longo de quatro mandatos.

O presidente da Casa, Othelino Neto (PCdoB), Wellington do Curso (PSDB), Nina Melo (MDB), Levi Pontes (PCdoB), Vinicius Louro (PR), Raimundo Cutrim (PCdoB), Graça Paz (PSDB), César Pires (PV), Júnior Verde (PRB), Rafael Leitoa (PDT), Eduardo Braide (PMN), Fábio Braga (SD), Sérgio Frota (PR), Edson Araújo (PSB) e Neto Evangelista (DEM) fizeram questão de parabenizar o deputado Max Barros por sua brilhante trajetória na vida pública.

Othelino Neto observou que Max Barros não vai disputar a eleição deste ano, “mas vai estar aqui conosco. O seu legado fica, os seus ensinamentos ficam, os amigos também e vai continuar na política como cidadão, como conselheiro e, certamente, como alguém que vai estar sempre pronto a servir o Maranhão”.

Depois de receber os parabéns de todos os deputados presentes, em razão de sua trajetória de servidor público e de parlamentar, o deputado Max Barros explicou que cumprirá o seu atual mandato até o último dia “com a mesma retidão, com o mesmo empenho com que o fiz todos os dias ao longo da minha passagem por este Poder”.

Ao encerrar seu pronunciamento, disse que a vida pública continuará sendo sua forma de expressar as convicções que formou ao longo do tempo para uma São Luís, para um Maranhão e para um Brasil melhor.

“Vencendo os meus abismos e minhas turbulências, trago um sentimento de missão cumprida. Estou mais maduro e experiente. E me pergunto: valeu a pena? Respondo com os versos de Fernando Pessoa, no poema Mar Português: ‘Tudo vale a pena se a alma não é pequena, Deus ao mar o perigo, o abismo deu, mas nele é que espelhou o céu’. Minha alma não é e nem nunca será pequena, ela tem a dimensão dos meus sonhos, do meu caráter, da minha formação e da minha história”, ressaltou Max Barros.

Flávio Dino reúne multidões em quatro cidades no interior do Maranhão

Lajeado Novo, São João do Paraíso, Campestre do Maranhão e Ribamar Fiquene receberam o governador Flávio Dino com muita festa

O governador Flávio Dino percorreu as cidades de Lajeado Novo, São João do Paraíso, Campestre do Maranhão e Ribamar Fiquene e realizou a inauguração de obras emblemáticas para os municípios, como a Escola Digna que substituiu o antigo “Morcegão”, as vias asfaltadas, incentivos à produção, além das assinaturas de ordens de serviço para mercados, praças e outros investimentos.

A agenda de entregas começou por Lajeado Novo, onde, além dos mais de 700 fardamentos escolares dados aos estudantes da rede estadual, da assinatura de convênio para construção de construção de praça pública com internet gratuita para a população e das vias asfaltadas pelo programa Mais Asfalto, foi inaugurada a agora Escola Digna Centro de Ensino Prof. Carlos Alberto Monteiro Macedo.

Lajeado Novo, São João do Paraíso, Campestre do Maranhão e Ribamar Fiquene receberam o governador Flávio Dino com muita festa

Para incentivo da agricultura no município de São João do Paraíso, foram entregues um caminhão aberto para produtores de banana da região e uma patrulha agrícola. Além disso, houve entrega de fardamentos escolares, assinatura de ordem de serviço para reforma e adequação do Centro de Ensino Delfino Aguiar de Azevedo e a inauguração de vias contempladas com o Programa Mais Asfalto.

Além da entrega das obras de pavimentação asfáltica pelo Mais Asfalto, no município de Campestre do Maranhão, o governador Flávio Dino também assinou convênio para iluminação da Avenida Palmeirinha, entregou fardamentos escolares e fez vistoria às obras do Centro de Ensino Valentin da Silva Aguiar, escola que há mais de 30 anos aguardava uma reforma.

Lajeado Novo, São João do Paraíso, Campestre do Maranhão e Ribamar Fiquene receberam o governador Flávio Dino com muita festa

Na quarta visita a municípios desta segunda-feira, o governador Flávio Dino esteve em Ribamar Fiquene, onde visitou o Hospital Municipal de Ribamar Fiquene, recém-reformado com o apoio do Governo do Estado. Ele também vistoriou a obra de reforma do Centro de Ensino de Ribamar Fiquene, prédio de seis salas de aula, sala de professores, laboratório, banheiros, entre outros.

Flávio Dino está em sua melhor fase, após mais de três anos de mandato, o governador é aprovado por mais de 65% da população. Por onde chega, Flávio é abraçado pela população, a exemplo das cidades de Lajeado Novo, São João do Paraíso, Campestre do Maranhão e Ribamar Fiquene.

A passagem do governador foi comparada com as visitas da ex-governadora Roseana Sarney em cidades da Baixada Maranhense. Sem o apoio da classe política e sem a presença da população, Roseana viu seus eventos se tornarem em pequenas reuniões.