Marco Aurélio detona críticas da oposição: “desespero”

Ele criticou o fato da oposição sarneysista querer criminalizar tudo, até mesmo coisas que são absolutamente legais

O deputado estadual Marco Aurélio (PCdoB) foi direto ao ponto após críticas, completamente, absurdas da deputada Andréa Murad sobre a presença de servidores na Conferência Estadual do PCdoB, na última sexta-feira (20). “Talvez o maior desespero deles, ao ver a grandiosa conferência do PCdoB, as milhares de pessoas lá, foi ver partidos que historicamente marcharam com eles e agora já disseram ‘não’, porque agora vão com Flávio Dino para a reeleição”, destacou o parlamentar.

Em seu pronunciamento na Assembleia Legislativa rebatendo o discurso tresloucado de Andrea, Marco Aurélio citou os casos do PR e PRB, que até pouco tempo estavam no campo oligárquico e que escolheram marchar em Flávio Dino em 2018.

“Isso dá um desespero danado. Vão procurar achar algum defeito. Faça um exame de consciência, oposição. O grupo da oligarquia de fato, de direito, está perdendo. Está perdendo, primeiro, pela ineficiência, pelo que deixaram de fazer. Em segundo lugar, pela liderança do Governador Flávio Dino. Em terceiro lugar, o povo não quer mais voltar mais ao atraso. O povo quer dias melhores e, assim, terá”, enfatizou.

Marco Aurélio desmontou o discurso de Andrea Murad, que criticou o fato de na Conferência haver vários servidores públicos. “O evento não era expediente de trabalho, o evento era à noite, logo todos podiam ir: cargo comissionado ou não, efetivos ou não, ali tinham milhares, centenas de professores, por exemplo, com cargos efetivos e estavam lá por livre espontânea vontade. Quem estava lá estava por livre e espontânea vontade”, defendeu.

Ele criticou o fato da oposição sarneysista querer criminalizar tudo, até mesmo coisas que são absolutamente legais. “Eles vão porque acreditam no Governo para que eles estão trabalhando. Eles acreditam de fato. Eles não estão ali por acaso. Eles acreditam de fato que o Governador Flávio Dino está fazendo um trabalho revolucionário e que esse grupo que antes dominou e tanto massacrou o Maranhão não volta nunca mais”, explicou Marco Aurélio.

Para membros da oligarquia que detonou o estado durante 50 anos, realmente é difícil entender que as pessoas trabalhando, com amor, por um projeto que está transformando o Maranhão. É por isso que estrebucham tanto!

Andrea Murad e a “dor de cotovelo” com a inauguração do Hospital de Traumatologia e Ortopedia…

A líder da Oposição na Assembleia Legislativa do Maranhão, deputada estadual Andréa Murad (PMDB), demonstrou “dor de cotovelo” ao falar da inauguração do Hospital de Traumatologia e Ortopedia pelo governador do Maranhão, Flávio Dino (PCdoB), durante pronunciamento na tribuna, na sessão desta quarta-feira (11).

Na verdade, a oposição torcia o tempo todo pelo insucesso do HTO. Por várias vezes, os parlamentares foram à tribuna para questionar as adaptações, que estavam sendo feitas no prédio que abriga o novo hospital do Estado em São Luís, especializado no tratamento de pacientes que sofrem com problemas de saúde, relacionados à traumatologia e à ortopedia. Queriam também que as instalações fossem reformadas pelo governo, sem que o espaço estivesse alugado.

Como o pai da deputada, Ricardo Murad (PMDB), foi secretário de Saúde, no período em que Roseana Sarney (PMDB) estava no poder, qualquer ação ou obra do governo Flávio Dino, nesta área, principalmente, faz com que a parlamentar atinja picos de irritabilidade tamanhos, capazes de a colocar contrária a benefícios que atendem, sobretudo, pessoas carentes do Estado que não têm acesso à rede particular de hospitais.

A expectativa do governo é que, com o HTO, a rede pública estadual, na capital, passe das atuais 80 cirurgias por mês para 400. Ou seja, a capacidade é multiplicada por cinco, o que deve desafogar a fila por cirurgias. Em 2014, eram apenas 30 por mês.

O novo hospital fica no Jardim Eldorado e vai atender pacientes, tanto da Grande Ilha como de outros municípios do Maranhão. As instalações passaram um período em reforma para as adaptações necessárias que exigem um hospital desse porte.

Cadê o argumento, Andréa Murad?

Na hora H com Carlos Lula faltaram argumentos a Andrea Murad

A deputada estadual, Andrea Murad (PMDB), filha do ex-secretário de Saúde, Ricardo Murad, levou três perguntas para uma audiência na Comissão de Saúde da Assembleia Legislativa do Maranhão com o atual titular da pasta, Carlos Lula.

Ao começar a ler os questionamentos, a peemedebista imaginou que brilharia. Ledo engano. As perguntas foram as mais frágeis entre as levadas pelos quatro deputados da oposição: Wellington do Curso (PP), Souza Neto (PROS), Edilázio Júnior (PV) e a própria Murad.

Andrea Murad viu e ouviu Carlos Lula derrotar a sua retórica muradista-sarneista com extrema facilidade. O secretário o fez com um debate franco e classudo.

Se por algum instante, alguém imaginou que haveria confrontação de ideias… faltou a Andrea Murad ideias do que perguntar, do que questionar, do que confrontar.
Ela imaginou que pudesse “desmascarar” a atual gestão da Saúde. Enganou-se.

Por algumas vezes, Andrea sacudiu a cabeça em concordância ao que disse seu “oponente”. Caso o deputado estadual Levy Pontes, presidente da Comissão de Saúde,  não tivesse cumprido o protocolo, encerrando a reunião, o secretário Carlos Lula teria sido capaz de convencê-la – até a ela – que a Saúde no atual governo Flávio Dino é muito melhor.

Ficou para trás o tempo das fraudes na Saúde, diz Márcio Jerry em resposta a ataques de Andrea Murad

Os secretários estaduais de Comunicação e Articulação Política, Márcio Jerry, e de Saúde, Carlos Lula, reagiram, por meio de sua conta no Twitter, nesta terça-feira (15), ao que consideraram “mentira”, “calúnia”, “devaneios” da deputada oposicionista Andrea Murad (PMDB), filha do ex-todo poderoso do governo Roseana Sarney, Ricardo Murad (PMDB) sobre o processo de instalação do Hospital de Traumatologia e Ortopedia do Maranhão, no que diz respeito, sobretudo, ao aluguel do prédio que sediará o HTO.

Márcio Jerry “cutucou” forte ao dizer que ficou pra trás o tempo das fraudes na Saúde pública, fazendo menção à gestão do ex-super secretário Ricardo Murad. “A saúde avançando no Maranhão e os que foram acusados de desviar recursos do setor, milhões de reais, esperneiam, mentem, caluniam. O  Estado  está em processo de mudança e vai continuar mudando”, afirmou o secretário de Articulação Política.

Para Márcio Jerry, a deputada Murad se contorce porque vê sendo feito, agora, aquilo que a oligarquia não fez: cuidar bem da saúde de nosso povo. O secretário sugeriu, via Twitter, que a deputada explique aos maranhenses as graves acusações e denúncias de desvio, supostamente, cometidos pelo pai dela na saúde do Estado, durante o governo Roseana Sarney.

 

“É triste notar que a oposição não quer o HTO”, diz Carlos Lula

Segundo Carlos Lula, também por meio do Twitter, esse “escândalo”, projetado por Andrea Murad, não merece ser alvo de atenção, pois não há ilegalidade no caso.

Carlos Lula disse que o Hospital de Traumatologia e Ortopedia do Maranhão representa a duplicação do número de leitos ortopédicos oferecidos pelo Estado em São Luís.

“É triste notar que a oposição não quer o HTO, sabe-se lá por qual motivo. Reafirmo: o debate no Estado pode ser muito mais qualificado”, mandou Carlos Lula.

Print do dia! Jornal de Sarney “decreta” a “prisão” de Andréa Murad…

A edição de hoje (24) do Jornal O Estado do Maranhão, de propriedade da família Sarney, escorregou na revisão e terminou “decretando” a “prisão” da deputada estadual Andréa Murad (PMDB), no último parágrafo de matéria sobre a operação Lava Jato que cita o envolvimento da família Neves com a delação premiada da JBS.

No último parágrafo, o jornal, ao invés de escrever Andréa Neves, grifou, por equívoco, “Andréa Murad”. E quem leu o texto até o final, não aguentou.

Deputada Andréa Murad, não fique zangada, erros acontecem nos melhores jornais.

Deputado “empareda” Andrea Murad e desafia ex-secretário de Saúde…

Marco Aurélio disse que deputada teve campanha bancada por fornecedores da Saúde e que Ricardo Murad está sob investigação. Andrea desafiou professor a convocar ex-secretário  para se defender.

Em um embate sobre Saúde Pública, o deputado estadual Marco Aurélio (PCdoB) emparedou, na segunda (06) e nesta terça-feira (07), a líder da Oposição, Andrea Murad (PMDB). Depois que a mesma tentou levantar polêmica em torno do processo de compra do medicamento Temozolomida pelo Estado, a mesma passou a atacar a pessoa e a imagem do governo com palavras agressivas, de uma forma bem destemperada, e terminou levando, pelo menos, duas enquadradas fortes do parlamentar num duelo que dominou as duas primeiras sessões desta semana na Assembleia Legislativa do Maranhão.

Na sessão de segunda, Marco Aurélio disse, com todas as letras, que a campanha de Andrea Murad fora bancada, em 2014, por fornecedores da Saúde e que o ex-secretário Ricardo Murad enfrenta investigação por desvios de mais de R$ um bilhão. A deputada não gostou e, nesta terça-feira (07), voltou à tribuna “fervendo” para descontar no colega a quem chamou de “analfabeto” abaixo. O nível baixou mesmo e a parlamentar se mostrou destemperada ao fato do nome do pai ter sido citado, de forma negativa, no plenário.

Andrea desafiou Marco Aurélio a convocar Ricardo Murad no plenário para responder por sua gestão na Saúde. Mas o deputado disse, em tons bem claros, que não é a Assembleia que precisa convocá-lo, pois ele não é mais deputado, autoridade e nem mais secretário de Estado; e sim a Polícia para que possa dar as devidas explicações sobre uma série de denúncias contra ele e sua administração que estão sendo investigadas.

“Eu vou novamente reafirmar, pela milésima vez aqui, nesta Assembleia. Qualquer deputado que falar de qualquer familiar meu, e isso vai de minhas irmãs, minha mãe a meu pai, não ficará sem resposta. Se quiser falar do meu pai, tenha a coragem e seja homem para chamá-lo aqui para se defender”, disse uma destemperada  e raivosa Andrea em tom bastante autoritário.

Descontrole e feridas

Marco Aurélio comentou que o descontrole de Andrea é muito claro  quando alguém toca nas “feridas que não têm como cicatrizar”, sobretudo as que tiraram diretamente direitos e até vida de pessoas. Segundo ele,  há investigação de desvios no valor de mais de um bilhão de reais de conhecimento de toda a população maranhense.

“Eu não vou chamá-lo aqui não, pois cabe à polícia chamá-lo. Eu não vou chamá-lo. Qual é a autoridade que ele tem hoje para que eu o convoque? Qual é a representatividade que ele tem? Ele é secretário? Ele é deputado? Não é. Para que vou chamá-lo? Quem vai chamá-lo é a polícia, quem vai chamá-lo é a Justiça. Se ele conseguir provar que é inocente, está provado…”, desafiou Marco Aurélio.

Ao criticar o destempero e exageros de Andrea Murad que surtou, ou melhor mentiu mesmo,  ao dizer que o governador Flávio Dino (PCdoB) estaria fazendo farras com bebidas no Palácio os Leões ou investigado pela operação Lava Jato,  o deputado a enquadrou, lembrando-a que ela teve a campanha, grande parte, bancada pelos próprios fornecedores da Secretaria Estadual de Saúde.

“Está lá e pode olhar as prestações de contas de quem foram os financiadores, grande parte dos fornecedores, e isso já foi discutido aqui nesta Casa. O pagamento era feito, doações eram feitas, isso que é ridículo”, afirmou Marco Aurélio.

MP acusa Andréa Murad e Sousa Neto por doações desviadas de hospital fantasma em Rosário

Por Raimundo Garrone

A inclusão de Andréa Murad e Sousa Neto na denúncia de improbidade deve-se ao grau de parentesco com Ricardo Murad

Os deputados Andréa Trovão Murad (PMDB) e Francisco de Sousa Dias Neto (PROS) foram incluídos na ação Civil Pública por Ato Lesivo ao Patrimônio Público, Improbidade Administrativa e Lavagem de Ativos (dinheiro) promovida pelo Ministério Público contra o ex-secretário de saúde no governo Roseana Sarney, Ricardo Murad e outras oito pessoas, entre funcionários públicos e empresários (veja lista abaixo), acusados de desviar R$ 4,8 milhões pagos pela construção de um hospital fantasma de 50 leitos no município de Rosário.

Segundo O MP, a construtora Ires Engenharia – vencedora da licitação onde foi a única licitante, no valor que ela mesmo propôs – se limitou a fazer os serviços de terraplanagem calculados em R$ 591 mil, considerados superfaturados e totalmente desnecessários.

“E não visavam o interesse público, mas sim os interesses dos gestores”, diz a ação assinada pelos promotores Lindonjonson Gonçalves de Sousa (18º Promotor de Justiça de Substituição Plena Respondendo pela 28ª Promotoria de Justiça Especializada), João Leonardo Sousa Pires Leal (Promotor de Justiça Titular da 29ª Promotoria de Justiça Especializada na Defesa do Patrimônio Público e da Probidade administrativa) e Maria Cristina Lima Lobato Murilo (Promotora de Justiça da 1ª Promotoria de Justiça de Rosário/MA).

Os promotores anexaram à acusação fotografias onde consta atrás das placas da obra, um terreno vazio, com um aterro com indícios de terraplanagem já erodidos, sem compactação.
Doações eleitorais

A inclusão de Andréa Murad e Sousa Neto na denúncia de improbidade deve-se ao grau de parentesco com Ricardo Murad, que subscreveu o contrato da obra, e a doação de R$ 40 mil reais da Iris Engenharia para a campanha eleitoral da dupla em 2014, na mesma semana em que recebeu R$ 3,1 milhões pagos pela Secretaria de Estado da Saúde.

O Ministério Público entende que as doações e o laço familiar representam uma violação aos princípios constitucionais administrativos de honestidade, imparcialidade, legalidade, e lealdade às instituições, o que os torna responsáveis pelos prejuízos ao erário.

“Também se inserem os atos de responsabilização na presente ação os beneficiados com o recebimento de “doações eleitorais”, quando os contratantes dos atos administrativos que geraram o dispêndio são: ascendente em primeiro grau, servidores nomeados por este e subordinados do mesmo, ou seja, o Secretário de Estado Ricardo Murad “, argumentam os promotores.

No documento protocolado na Justiça, o MP ressalta que os pagamentos foram efetuados a partir das medições fraudulentas da Proenge Engenharia, como parte de um processo claramente “montado para sangrar o Erário, tendo como consequência a lavagem de ativos, dos valores ilegalmente despendidos, como se fosse a execução de uma obra, que na verdade nunca existiu, beneficiando o gestor e seus familiares, destinatários de “doações” eleitorais”, típicas de lavagem de dinheiro.

Ainda na ação, os promotores lamentam que o Hospital de Rosário infelizmente não é o único nessa situação, e nem o pior, “pois há várias outras unidades do projeto megalomaníaco e lesa-pátria do Governo Roseana que resultou na disseminação de obras inviáveis”.

“O endividamento de quase quatro bilhões (empréstimo junto ao BNDES) feito pelo Governo do Maranhão escorreu pelo ralo dessas obras desnecessárias, muitas delas fantasmas, como o Hospital de Rosário. Endividamento que terá que ser pago pelo contribuinte maranhense”, diz o MP.
Bloqueio de bens

Em caráter liminar os promotores pedem que seja concedido o bloqueio dos bens dos onze acusados até o valor de R$ 4,8 milhões para garantir, no caso de condenação, o ressarcimento do prejuízo acusado, devidamente corrigido e acrescido de juros legais de 1% ao mês, desde a data do pagamento da obra fantasmagórica.

Além de devolver o que foi desviado, a condenação por improbidade ainda inclui a perda da função pública, suspensão dos direitos políticos de cinco a oito anos, pagamento de multa civil de até duas vezes o valor do dano e proibição de contratar com o Poder Público ou receber benefícios ou incentivos fiscais ou creditícios, pelo prazo de cinco anos.

Mas não impede a proteção do Tribunal de Justiça do Maranhão, a quem devem recorrer caso sejam considerados culpados em primeira instância; na certeza de que por lá caia na mesma vala do recurso do ex-prefeito João Castelo, que manteve o seu mandato de deputado federal até a sua morte, depois de ser condenado em 2015 a perda dos seus direitos políticos.

O mesmo TJ que impediu que a Murad e o Sousa Neto fossem acusados na ação penal, por questão de foro privilegiado e por determinação da desembargadora Nelma Sarney, que mandou suspender as investigações, também protocolada pelo MP sobre o caso.

Aliás, a Vara da Fazenda Pública até hoje não se manifestou se aceita ou não a denúncia protocolada pelo parquet em 4 de outubro de 2016.

Funac desmente deputada e esclarece procedimento para visitas em ofício a Andrea Murad

Presidente da Funac respondeu a Andrea Murad

A presidente da Fundação da Criança e do Adolescente (Funac), Rosangela Correia Cardoso, encaminhou ofício à deputada estadual Andrea Murad (PMDB) esclarecendo os procedimentos para visita na instituição por questões de segurança, já que se trata de uma unidade que abriga menores infratores.
“No caso de visita inesperada, ela deve ocorrer após ser traçado um roteiro básico de segurança, prevendo-se as alterações na rotina que se demonstrem necessárias, os remanejamentos de pessoal já anteriormente designados para outras funções ou à espera da chegada daqueles convocados em regime de urgência para realizar o devido acompanhamento, bem como a comunicação à presidência da Funac”, diz o ofício.
Andrea Murad tentou criar um fato político ao forçar a barra para entrar sem agendamento na unidade da Funac da Aurora, na última segunda-feira (09), acompanhada de equipe da TV Mirante/Sarney. Ela penava, que ainda estava no mundo do “eu mando, eu posso…do grupo Sarney” e quebrou a cara.
A mídia sarneysista agora explora o “espetáculo” de garota mimada com fins, meramente, politiqueiros.
Ofício da Funac à Assembleia Legislativa do Maranhão
Ofício nº 008/2016 – GP/FUNAC São Luís, 10 de janeiro de 2017.
Sua Excelência a Senhora Andrea Murad
Deputada Estadual do Maranhão
Assembléia Legislativa do estado do Maranhão, Palácio Manoel Beckman Av. Jerônimo de Albuquerque, Sítio do Rangedor – Calhau, s/nº
Assunto: Visita à Unidade da FUNAC no bairro da Aurora – São Luís – MA
Prezada deputada,
Cumprimentando-a cordialmente, esclarecemos a V. Exa. que a gestão da Fundação da Criança e do Adolescente (Funac) em nenhum momento se opõe à visita às dependências das unidades de atendimento a adolescentes infratores. Contudo, por questões de segurança, conforme previsto no Plano de Segurança, é necessário atender protocolos, in litteris: “No caso de visita inesperada, ela deve ocorrer após ser traçado um roteiro básico de segurança, prevendo-se as alterações na rotina que se demonstrem necessárias, os remanejamentos de pessoal já anteriormente designados para outras funções ou à espera da chegada daqueles convocados em regime de urgência para realizar o devido acompanhamento, bem como a comunicação à presidência da Funac”
(disponível no sítio www.funac.ma.gov.br e instituído pela Portaria nº 962/2016 – GP/FUNAC Publicado no Diário Oficial do Estado no dia 04 de agosto de 2016)
Outrossim, cabe esclarecer que a Fundação tem conhecimento e respeita as prerrogativas parlamentares. No entanto, em face da missão institucional da Funac em zelar pelos direitos dos adolescentes em cumprimento de medida, não autorizaremos a entrada de terceiros, que não gozem de tais prerrogativas, assim como não é permitida a entrada de câmeras, celulares e eletrônicos em geral.
Colocamo-nos assim à sua disposição para as visitas que se fizerem necessárias, atentando sempre para as regras de segurança dos servidores, adolescentes em cumprimento de medida socioeducativa, comunidade e visitantes.
Respeitosamente, 
Elisângela Correia Cardoso 
Presidente da FUNAC

Mais um factoide politiqueiro de Andrea Murad e Rose Sales…

Andrea Murad tenta tirar proveito político da questão da Funac

Clodoaldo Correa

Na sanha para desgastar a qualquer custo a imagem do governo Flávio Dino, a deputada Andréa Murad (PMDB) e a ex-vereadora Rose Sales (PMB) protagonizaram mais um espetáculo politiqueiro ao tentaram invadir o Centro de Juventude Aurora, na tarde de ontem.

Acompanhados de meia dúzia de manifestantes e das câmeras da TV dos Sarney, Andrea e Rose queriam entrar na unidade colocando a segurança dos adolescentes infratores em risco.

O acesso a autoridades é garantido legalmente, mas com o devido agendamento e atendendo aos protocolos de segurança estabelecidos em regimento interno da Fundação da Criança e do Adolescente (Funac), publicado no Diário Oficial do Estado.

Para que sejam feitas imagens, por exemplo, deve haver prévia autorização da direção da unidade e dos adolescentes.

“Todo acesso deverá ser precedido de comunicado ao Coordenador de segurança, com antecedência mínima de 48h. (quarenta e oito horas),indicados o dia, o horário de entrada e de saída, o número de voluntários, a natureza do trabalho e o local onde será realizado”, diz trecho do regimento interno.

Mas, obedecer a legislação não parece ser uma das especialidades da deputada Murad.