Número de pobres cresce a 52,8 milhões de brasileiros durante governo Michel Temer

De acordo com a pesquisa, em 2016 havia no país 52,8 milhões de pessoas em situação de pobreza no país. Este contingente aumentou para 54,8 milhões em 2017, um crescimento de quase 4%. Foto: Edésio Ferreira

Em apenas um ano, o Brasil passou a ter quase 2 milhões de pessoas a mais vivendo em situação de pobreza. A pobreza extrema também cresceu em patamar semelhante. É o que mostra a Síntese de Indicadores Sociais (SIS), divulgada nesta quarta-feira (5) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

De acordo com a pesquisa, em 2016 havia no país 52,8 milhões de pessoas em situação de pobreza no país. Este contingente aumentou para 54,8 milhões em 2017, um crescimento de quase 4%, e representa 26,5% da população todal do país, estimada em 207 milhões naquele ano (em 2016, eram 25,7%).

Já a população na condição de pobreza extrema aumentou em 13%, saltando de 13,5 milhões para 15,3 milhões no mesmo período. Do total de brasileiros, 7,4% estavam abaixo da linha de extrema pobreza em 2017. Em 2016, quando a população era estimada em cerca de 205,3 milhões, esse percentual era de 6,6%.

Segundo o IBGE, é considerada em situação de extrema pobreza quem dispõe de menos de US$ 1,90 por dia, o que equivale a aproximadamente R$ 140 por mês. Já a linha de pobreza é de rendimento inferior a US$ 5,5 por dia, o que corresponde a cerca de R$ 406 por mês. Essas linhas foram definidas pelo Banco Mundial para acompanhar a pobreza global.

O rendimento médio mensal domiciliar per capita (a soma das rendas de todos os moradores do domicílio, dividida pelo número de pessoas) obtido no país foi de R$ 1.511 em 2017.

Distribuição da pobreza

Dos estimados 54,8 milhões de pessoas vivendo abaixo da linha da pobreza, mais de 25 milhões estão nos estados do Nordeste. Nessa região, 44,8% da população estava em situação de pobreza em 2017.

Já na região Sul viviam 3,8 milhões de pessoas em situção de pobreza – o equivalente a 12,8% dos quase 30 milhões de habitantes dos três estados. No Sudeste, eram 15,2 milhões de pessoas, o equivalente a 17,4% da população total da região.

O levantamento mostra também que em 2017 havia no país 26,9 milhões de pessoas vivendo com menos de ¼ do salário mínimo, o que equivale a R$ 234,25, já que o salário mínimo era de R$ 937 naquele ano. Este contingente aumentou em mais de 1 milhão de pessoas na comparação com o ano anterior. Em 2016, eram 25,9 milhões de brasileiros nesta condição.

No mesmo período aumentou em 1,5 milhão o número de brasileiros com renda domiciliar per capita inferior a R$ 85 por mês. Em 2016 eram 8,2 milhões de pessoas nesta condição, contingente que saltou para 9,7 milhões em 2017 – um aumento de 18,3%.

“A pobreza teve uma mudança significativa neste período. Todas as faixas de rendimento usadas para classificar a pobreza tiveram aumento”, enfatizou o analista da Coordenação de População e Indicadores Sociais do IBGE, Leonardo Athias.

Dentre os motivos que levaram ao aumento da pobreza no Brasil, Athias destaca a crise no mercado de trabalho, com aumento do desemprego e da informalidade, a recessão econômica intensa dos dois anos anteriores, além do corte de investimentos no Bolsa Família, programa de transferência de renda voltado justamente para as classes mais pobres.

“Quem já era pobre ficou mais pobre. Mas teve gente que ficou pobre e não o era antes”, disse o pesquisador.

Desigualdade segue em alta

A pesquisa divulgada nesta quarta-feira pelo IBGE mostrou ainda o quão desigual permanece a distribuição de renda no Brasil. Na média nacional, os 10% mais ricos chegam a receber 17,6 vezes mais que os mais pobres. Na divisão por capitais, essa diferença chega a 34,3 vezes – patamar alcançado por Salvador.

De acordo com o levantamento, o grupo dos 10% com os maiores rendimentos concentrava 43,1% de toda a massa rendimento, que é a soma de toda a renda do país. Já o grupo dos 40% com os menores rendimentos detiveram apenas 12,3% da massa.

Brasil perde por 2 a 1 da Bélgica e está eliminado da Copa

Gol contra de Fernandinho abriu caminho pata vitória da Bélgica

Projeto hexa adiado. Mais uma vez. A seleção brasileira acabou prejudicada por um mau primeiro tempo e foi superada pela eficiência de Bélgica nesta sexta-feira, em Kazan. A derrota por 2 a 1 pelas quartas de final da Copa do Mundo da Rússia encerra o sonho de título e acaba com a expectativa de uma população que, quatro anos depois da traumática goleada por 7 a 1 sofrida para a Alemanha, voltava a acreditar em uma conquista.

Se em 2014 o Brasil pagou por uma pane contra os alemães, desta vez foi punido por um primeiro tempo de falhas na marcação e contra-ataques perigosos. A badalada seleção de Bélgica fez um jogo inteligente e mostrou o quanto desta vez está mais preparada. A equipe depois de 32 anos está de volta à semifinal de uma Copa e em grande estilo, ao impor ao técnico Tite a primeira derrota em jogos oficiais.

A Bélgica ofereceu de uma vez só dificuldades jamais enfrentadas pela seleção na era Tite. Além de criar ao Brasil uma inédita desvantagem de dois gols no primeiro tempo, a equipe europeia conseguiu desfrutar de uma marcação enfraquecida pela ausência de Casemiro, suspenso. De Bruyne e Hazard tinham grande liberdade para armar jogadas, em especial contra-ataques. Nenhum adversário teve tanto espaço assim contra o Brasil nos últimos anos.

O começo da partida pareceu promissor para o Brasil. Com sete minutos, o time acertou a trave com Thiago Silva e logo depois conseguiu uma sequência de ataques perigosos. O jogo parecia favorável até os belgas chegarem ao gol aos 13, quando, em um escanteio pela esquerda, Fernandinho fez contra ao cabecear para o gol. A partir disso os chamados Diabos Vermelhos conseguiram preparar a armadilha perfeita.

Em uma dessas jogadas, aos 30 minutos, os belgas ampliaram. Marcelo ficou com dois adversários na sua frente e sem ter muito a fazer, viu De Bruyne conduzir e chutar cruzado no canto de Alisson. O Brasil se viu em uma quartas de final de Copa em um panorama desastrosamente inédito na era Tite: a então melhor defesa da Copa dava espaços, o ataque não conseguia marcar e a derrota parcial desafiava o equilíbrio emocional.

Leia mais: São Luís é a terceira cidade do Nordeste que mais se desenvolveu

O intervalo exigiu atitude. Tite tirou Willian para colocar Firmino e tentar empurrar os adversários. Teve reclamação de dois pênaltis, chutes perigosos e mais contra-ataque belga. Hazard quase fez o terceiro. Ao Brasil, não restava mais alternativa a não se arriscar mais conforme o tempo passava. A seleção colocou Douglas Costa em campo e tentou não esmorecer, embora o tempo fosse um cruel inimigo.

A Bélgica se armou em uma linha defensiva de cinco jogadores no segundo tempo. Atravessar a barreira era difícil. Então, foi preciso arriscar o modo menos óbvio, pelo alto. Coutinho ergueu para Renato Augusto desviar de cabeça e diminuir, aos 31 minutos da segunda etapa. Era um respiro e tanto para quem quase já perdia o fôlego por tanto atacar e não ver resultado.

O prejuízo tinha caído pela metade. Precisava resolver o restante para buscar a prorrogação. O Brasil quase empatou com Renato Augusto, Firmino, Coutinho e Neymar, que obrigou o goleiro a um milagre nos acréscimos. Não houve o abatimento de 2014, a fraqueza emocional de 2010 ou a passividade de 2006. O Brasil saiu da Copa brigando muito e de cabeça erguida. Pena que volta para casa, mais uma vez, de mãos vazias.

 

Leia mais: Flávio Dino e as cidades do Leste Maranhense…

Leia mais: Ibope: nova pesquisa mostra Bolsonaro e Marina empatados tecnicamente

Saiba como fica o atendimento de bancos, órgão públicos, Judiciário e comércio nesta sexta-feira (06)

Veja como fica o atendimento de bancos, órgão públicos, Judiciário e comércio

A Seleção Brasileira enfrentará a Bélgica pelas quartas de final da Copa da Rússia, nesta sexta-feira (06). Veja como fica o atendimento de bancos, órgão públicos, Judiciário e comércio:

Governo do Estado

A Secretaria de Estado da Gestão, Patrimônio e Assistência dos Servidores (Segep) informa que o expediente nas repartições públicas estaduais será de 8h às 13h nesta sexta-feira (6). A medida será obedecida por todos os órgãos do Estado, sendo mantidos os serviços considerados de natureza essencial.

Prefeitura Municipal de São Luís

De acordo com a Prefeitura de São Luís, nos dias que houver jogo do Brasil pela tarde o expediente na administração direta, indireta, autárquica e fundacional do poder executivo municipal será em turno único, das 8h às 13h.

Justiça

O horário de funcionamento do Poder Judiciário nesta sexta-feira (05), será das 8h às 12h. Para atendimento das demandas urgentes, ficará em funcionamento o Plantão de 2° Grau com o telefone (98) 98815-8344 disponível.

Bancos

Por conta do jogo entre Brasil e Bélgica, às 15h, pelas quartas de final, as agências bancárias de todo o país vão funcionar apenas das 9h às 13h nesta sexta-feira (6). Segundo informou a Febraban (Federação Brasileira de Bancos), o horário de atendimento foi reduzido a quatro horas nos dias dos jogos da Seleção Brasileira na Copa da Rússia em respeito a uma circular emitida pelo Banco Central (BC), que recomenda o corte por motivos de segurança das agências e de transporte de valores.

Comércio

A Câmara de Dirigentes Lojistas de São Luís (CDL) informou que não há acordo entre o sindicato patronal e dos comerciários em relação a fechamento de estabelecimentos comerciais nos dias de jogos da seleção brasileira e o horário de funcionamento fica a critério do empresário.

Seleção Brasileira chega a Samara para jogo contra o México

Com Neymar de visual novo, Seleção Brasileira chegou a Samara (Foto: Lucas Figueiredo/CBF)

Depois de realizar um treino com portões fechados pela manhã, a Seleção Brasileiraviajou para Samara, onde chegou no final da tarde deste sábado e enfrenta o México na segunda-feira. A recepção foi calorosa, já que uma legião de brasileiros esperavam a chegada da delegação na porta do hotel.

O avião com os atletas e a comissão técnica pousou na cidade por volta das 23 horas local (16 horas de Brasília), e os jogadores foram direto para o hotel. O trajeto entre aeroporto e o local da hospedagem brasileira levou cerca de uma hora.

No desembarque, o visual de Neymar chamou a atenção. Com os cabelos de volta a cor normal, o atacante parou para atender duas crianças que furaram o cordão de isolamento feito pelos seguranças. O restante do elenco passou rápido.

Para a partida diante dos mexicanos, Danilo, recuperado de lesão no quadril, volta a ser opção. Porém, Fagner, que teve boas atuações contra Costa Rica e Sérvia, deve seguir na equipe titular. Sem estar 100% recuperado de um problema na coluna, Marcelo também chegou junto dos jogadores, mas é dúvida para o duelo.

Depois de sequer viajar para Moscou, onde a equipe enfrentou a Sérvia, Douglas Costa foi para Samara, mas está vetado. Com isso, a provável escalação do Brasil para enfrentar o México é: Alisson; Fagner, Thiago Silva, Miranda e Filipe Luís (Marcelo); Casemiro; Willian, Paulinho, Coutinho e Neymar; Gabriel Jesus.

A Seleção Brasileira fará sua última atividade antes do embate válido pelas oitavas de final da Copa do Mundo no palco da partida, na Arena Samara, neste domingo. Antes disso, porém, o técnico Tite e o capitão da equipe, ainda não divulgado, concederão entrevista coletiva, seguindo o protocolo da Fifa.

Brasil vence a Sérvia por 2 a 0 e passa em primeiro no Grupo E

Agora, o Brasil volta a campo na próxima segunda-feira (2), às 11h, diante do México

Brasil e Sérvia entraram em campo para definir quem avançaria às oitavas de final deste Mundial pelo grupo E. O começo de jogo foi bastante estudado por ambas as equipes, sem grandes chances de gol para ambos os lados.

Aos 16 minutos da primeira etapa o lateral Marcelo sentiu uma lesão na lombar e foi substituído por Filipe Luís. Aos 36, o gol enfim saiu. Após grande lançamento de Coutinho, Paulinho encobriu o goleiro suíço e abriu o placar para o Brasil.

Com o segundo tempo em andamento, a primeira chance brasileira aconteceu aos 11 minutos. Coutinho lançou Neymar, que dominou dentro da área e finalizou, fazendo o goleiro Stojkovic trabalhar novamente. Aos 15, Alisson rebateu um cruzamento para o meio da área e Mitrovic teve a chance de empatar, mas Thiago Silva salvou o que seria o Brasil de levar o gol.

Apesar de não conseguir empatar, os sérvios se animaram na partida e deram alguns minutos de pressão na Seleção Brasileira, obrigando o técnico Tite a colocar Fernandinho em campo no lugar de Paulinho.

Mas aos 23 minutos Thiago Silva escorou cobrança de escanteio de Neymar ampliando o placar para o Brasil.

A Seleção seguiu em cima e quase fez mais um. Filipe Luiz acertou bonito chute de fora da área e obrigou novamente o goleiro sérvio a trabalhar. Aos 37 minutos foi a vez de Neymar tentar seu gol, mas chutou mascado e a bola passou por cima do gol adversário.

Agora, o Brasil volta a campo na próxima segunda-feira (2), às 11h, diante do México.

Comentário de Flávio Dino sobre partida entre Brasil e Costa Rica é destaque na Veja

Chamado de “O governador comentarista”, Flávio Dino deu sua contribuição e sugeriu mudanças na escalação para o confronto com a Sérvia

O governador Flávio Dino foi destaque no site da Veja, desta sexta-feira (22). O comentário sobre a partida do Brasil contra a Costa Rica, pelo Grupo E, da Copa do Mundo da Rússia, foi republicado no conteúdo online da revista. Ele analisou a partida e sugeriu como o time deveria vir para o próximo jogo contra a Sérvia.

Chamado de “O governador comentarista”, Flávio Dino deu sua contribuição e sugeriu mudanças na escalação para o confronto com a Sérvia.

“Para o próximo jogo, acho que William e Gabriel Jesus deveriam dar lugar para Douglas Costa e Firmino. Estes dão mais dinâmica ao jogo e diminuem a sobrecarga de Neymar. E Douglas Costa “desentorta” o time, ao dar mais força também ao lado direito do ataque”, escreveu Flávio Dino.

Os internautas também curtiram os comentários de Flávio Dino sobre a partida. “Além de ser um ótimo governador, és um grande conhecedor de futebol”, comentou o internauta Sandro Torres.

No sufoco, Brasil passa pela Costa Rica

Símbolo da partida: ao fim do jogo, Neymar se ajoelhou e caiu no choro
Foto: DW / Deutsche Welle

Novamente diante de uma retranca, a seleção brasileira mostra dificuldades para furar bloqueio e só consegue sua primeira vitória no Mundial nos acréscimos. Em vários momentos, o time se mostrou sem alternativas de jogo. Com um primeiro tempo sonolento e um segundo tempo nervoso e com pouca estruturação, o Brasil arrancou uma vitória por 2 a 0 contra a Costa Rica, nesta sexta-feira (22/06), em São Petersburgo.

Os gols foram marcados por Philippe Coutinho, aos 46, e Neymar, aos 51 minutos do segundo tempo. Com a vitória, a seleção brasileira soma quatro pontos no Grupo E, encerrando uma sequência de três jogos sem vitórias em Mundiais.

Ao contrário da estreia contra a Suíça, o primeiro tempo da Seleção foi apático e até certo ponto preocupante, por não encontrar meios de furar a disciplinada defesa costarriquenha. O Brasil foi novamente inoperante contra uma retranca, além de ter demonstrado uma cautela excessiva, certamente justificada pelo preocupante cenário em caso de derrota. Com mais posse de bola, a Seleção até dominou o meio-campo, mas não encontrou espaços para executar passes mais incisivos.

A vitória brasileira veio na base da insistência, mas mostrou pouca criatividade ou meios para furar o ferrolho costarriquenho. Peça-chave no esquema de Tite, Paulinho teve pouca participação na criação e deixou de ser um elemento surpresa nas investidas ofensivas. Substituído no segundo tempo, pode perder a vaga contra a Sérvia. Gabriel Jesus, além disso, ainda não mostrou a que veio.

Embora precisasse da vitória, a Costa Rica se posicionou extremamente retraída, com uma linha de cinco defensores e quatro no meio-campo. A seleção brasileira teve dificuldades em penetrar a defesa costarriquenha, mas manteve a calma na troca de passes. Mas a melhor oportunidade foi dos Ticos, com uma finalização de Celso Borges rente ao poste de Alisson, após bela triangulação nas costas de Marcelo.

Quando tudo caminhava para o primeiro empate sem gols da Copa do Mundo de 2018, Coutinho surgiu como salvador da pátria e fuzilou Navas, após belo pivô de Gabriel Jesus, aos 46 minutos. Ainda deu tempo de Neymar completar, aos 51 minutos, a assistência de Douglas Costa. Após o apito final, Neymar caiu no choro.

Com o resultado, a Costa Rica está eliminada da Copa de 2018 e não terá como repetir a façanha de 2014, quando chegou às quartas de final. O Brasil encerra sua participação na fase de grupos contra a Sérvia, em 27 de junho, em Moscou.

Assembleia Legislativa premia vencedores do 41º Festival Guarnicê de Cinema em três categorias

Diretora adjunta de Comunicação, Jornalista Sílvia Tereza, entregou a premiação em nome da Assembleia Legislativa

A Assembleia Legislativa do Maranhão entregou premiação aos vencedores do 41º Festival Guarnicê de Cinema, durante a cerimônia de encerramento do evento, realizada no último sábado (16), no Cine Praia Grande, no Centro Histórico de São Luís. A diretora adjunta de Comunicação da Alema, jornalista Sílvia Tereza, representou o Parlamento Estadual.

O Festival Guanicê de Cinema aconteceu entre os dias 9 e 16 de junho, coordenado pela Universidade Federal do Maranhão (UFMA), por meio do Departamento de Assuntos Culturais (DAC/PROEXCE), com apoio da Assembleia Legislativa, que premiou os melhores nas categorias documentário, vídeo e filme em curta-metragem.

O “Prêmio Cinematográfico Assembleia Legislativa do Maranhão”, subdividido em “Prêmio Erasmo Dias”, “Prêmio Mauro Bezerra” e “Prêmio Bernardo Almeida”, foi entregue para Taciano Dourado Brito, vencedor das categorias melhor curta (“Prêmio Erasmo Dias”) e melhor documentário (“Prêmio Mauro Bezerra”), pelo filme “Marina”, e para Daniel Drummond, vencedor da categoria melhor curta de ficção (“Prêmio Bernardo Almeida”), por “A Capataz”. Cada um dos prêmios corresponde a dez salários mínimos. Daniel Drummond não compareceu ao evento e nem enviou representante, mas receberá em outra oportunidade.

Taciano Dourado Brito, vencedor de duas categorias, recebeu as premiações das mãos da diretora adjunta de Comunicação da Assembleia Legislativa, Silvia Tereza. “A Assembleia Legislativa, presidida pelo deputado Othelino Neto, apoia o Festival Guarnicê de Cinema por considerá-lo de suma importância para o Brasil. E não somente por apresentar um panorama da produção audiovisual brasileira, com a participação de cineastas e produtores de alta qualidade, mas, sobretudo, por também destacar o trabalho produzido no Maranhão nessa área e revelar muitos talentos, além, claro, de auxiliar na circulação de obras de cineastas de todo o Brasil”, disse.

Além das premiações, foram homenageadas a cineasta Anna Muylaert, a produtora Ariadine Mazzetti, a realizadora Edna Fujii e Maria Raimunda, que frequenta o festival desde as primeiras edições, ainda como Mostra Super 8 de Cinema.

Com árbitro de vídeo omisso, Brasil não passa do empate com a Suíça

O time nacional abriu o placar com um belo gol de Philippe Coutinho no primeiro tempo e reclamou da omissão do árbitro de vídeo no segundo, gol Zuber

Bastante badalado sob o comando de Tite, o Brasil não passou de um empate por 1 a 1 com a Suíça em sua estreia na Copa do Mundo da Rússia, neste domingo, na Arena Rostov. O time nacional abriu o placar com um belo gol de Philippe Coutinho no primeiro tempo e reclamou da omissão do árbitro de vídeo no segundo – no gol Zuber, que empurrou Miranda antes de cabecear para a rede, e em um suposto pênalti sofrido por Gabriel Jesus.

Seja como for, o Brasil e a Suíça somaram 1 ponto no grupo E do Mundial e estão atrás da Sérvia, que, mais cedo, em Samara, estreou com vitória por 1 a 0 sobre a Costa Rica. Na sexta-feira, as quatro seleções voltarão a entrar em ação. Enquanto os brasileiros buscarão a reabilitação contra os costa-riquenhos em São Petersburgo, suíços e sérvios irão se enfrentar em Kaliningrado.

Os semblantes sérios e tensos dos jogadores da Seleção Brasileira, entrando em campo por uma Copa do Mundo pela primeira vez após o vexame de quatro anos atrás, contrastava com a animação dos seus compatriotas nas arquibancadas da Arena Rostov. Entre o público, nem mesmo a interrupção prematura e já protocolar do Hino Nacional cessou a cantoria.

Quando a bola rolou, o Brasil ainda não tinha entrado no clima dos seus torcedores. Os olhos marejados de Tite observaram a Suíça, famosa por sua histórica proposta de jogo defensiva, passar mais tempo com a bola nos pés nos primeiros minutos de partida. Com direito a uma conclusão de Dzemaili, livre no meio da área, para fora.

Com o seu novo penteado – um topete loiro, caprichosamente penteado –, Neymar tentou se encarregar de começar a chamar a atenção não apenas pelo visual. O astro da Seleção Brasileira foi quem recuou para carregar a bola do campo defensivo para o ataque, por vezes até com individualismo, e recebeu um puxão de camisa e um sorriso irônico de Dzemaili como resposta.

O Brasil não se intimidou. Aos 10 minutos, o time de Tite criou a sua primeira grande oportunidade de gol. Neymar foi acionado por Coutinho do lado esquerdo da área e fez o cruzamento. Schar se atrapalhou com a bola, e Paulinho, que começava a aparecer bem ofensivamente, finalizou sem precisão. O goleiro Sommer defendeu com a ponta dos dedos, mas a arbitragem assinalou tiro de meta.

Aos 19 minutos, por mais que se esticasse, Sommer não alcançaria a bola. Philippe Coutinho dominou fora da área depois de a defesa suíça cortar um cruzamento de Marcelo e fez a sua jogada característica – carregou da ponta esquerda para dentro e bateu cruzado. Acertou o ângulo, marcando um golaço, o primeiro da Seleção Brasileira na Copa do Mundo da Rússia.

A vantagem no marcador empolgou os brasileiros na Arena Rostov. “O campeão voltou!” era o grito que ecoava no estádio, audível nas transmissões televisas mundo afora. Igualmente à vontade na partida, a Seleção Brasileira diminuiu o ritmo nos minutos finais do primeiro tempo, possibilitando que a Suíça ficasse mais tempo com a bola nos pés.