PF e PRF deflagram operação contra corrupção policial…

A Polícia Federal e Polícia Rodoviária Federal deflagraram a Operação Déjà Vu, na manhã desta terça-feira (25), com o objetivo de combater a corrupção policial em rodovias federais. Cerca de 100 policias (50 policiais federais e 50 policiais rodoviários federais) cumprem mandados nas cidades de Fortaleza, Sobral, Boa Viagem e Maracanaú, no estado do Ceará.

As medidas judiciais foram expedidas pela 23ª Vara da Subseção Judiciária da Justiça Federal de Quixadá, sendo cinco mandados de prisão preventiva, 10 mandados de busca e apreensão e uma ordem de suspensão de exercício de função pública.

Os suspeitos, que atuam na Unidade Operacional da PRF de Boa Viagem/CE, localizada na rodovia BR 020, são acusados de praticarem atos de corrupção contra usuários da rodovia. O grupo criminoso solicitava “pedágio” (propina) de cidadãos que transitavam de forma irregular, deixando de lavrar autos de infração e demais sanções administrativas cabíveis.

Os levantamentos iniciados pela Corregedoria da Polícia Rodoviária Federal em 2016, como desdobramento da prisão em flagrante de policial rodoviário federal em 2015 pelo crime de corrupção passiva, ocorrida na mesma unidade policial de Boa Viagem, levaram à instauração de inquérito na Polícia Federal que culminou na expedição dos referidos mandados.

Os presos foram encaminhados à Polícia Federal no Ceará e serão indiciados pelos crimes de corrupção passiva e associação criminosa, com penas que podem chegar a 15 anos de reclusão.

O termo “Déjà Vu” reporta-se à expressão francesa que significa algo já visto, porém, ocorrendo em situação futura, referindo-se à prática delituosa de cobrança de propina reprimida na mesma Unidade Operacional de Boa Viagem/CE da PRF em 2015.

Lava Jato! Lobão Filho na lista de suplentes de senador encrencados

O Globo

Edson Lobão Filho, que é suplente do senador, também é alvo de denúncias – Jorge William / Agência O Globo

Se os 63 congressistas que tiveram inquéritos abertos pelo ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Edson Fachin, fossem afastados dos cargos, a maior parte dos substitutos não teria menos pendências policiais e judiciais do que os titulares a apresentar aos eleitores. Levantamento do GLOBO indica que 64% dos suplentes de deputados federais e 67% dos suplentes de senadores — todos investigados na Lava-Jato — respondem ou já responderam a acusações pelos mais variados crimes, de compra de votos e improbidade administrativa a estupro de vulnerável e homicídio.
Por exemplo, Edison Lobão Filho (PMDB-MA) pode herdar o posto de senador do pai, Edison Lobão (PMDB-MA), sob investigação por corrupção no âmbito da Lava-Jato. Ele é alvo de processos por ocultação de patrimônio, falsidade ideológica e sonegação fiscal por, supostamente, ter escondido a propriedade de uma empresa de bebidas sob o nome de laranjas.

Recentemente, o Ministério Público da Suíça apresentou ainda documentos apontando contas secretas no país em nome dele. Por e-mail, Lobão Filho afirmou que as contas estão declaradas e não são movimentadas há 30 anos. Segundo ele, as acusações são “assuntos com origem de 20 anos, exaustivamente explicados, mas que a imprensa insiste em explorar”.

— Hoje, o simples depoimento de quem está sob tortura no “pau de arara”, e quer sair de qualquer maneira (da cadeia), serve para julgar e condenar qualquer cidadão — defendeu-se.

Casa de Luizinho Caveira, assesssor especial de Pezão, apontado por um delator premiado como operador do governadorDelator relata ação de operador de Pezão
No total, Fachin, relator da Lava-Jato no STF, autorizou a abertura de 76 inquéritos solicitados pela Procuradoria-Geral da República com base em delações de ex-executivos da Odebrecht. As investigações envolvem oito ministros, três governadores, 24 senadores e 39 deputados federais.

O levantamento do GLOBO indica o status dos suplentes de senadores e deputados, figuras normalmente pouco conhecidas pelos cidadãos. Foram consideradas na conta as ações que tramitam em diferentes instâncias da Justiça, fruto de investigações das polícias Federal e Civil, dos Ministérios Públicos Estaduais e Federal e dos Tribunais de Contas.

De acordo com a lista de suplentes fornecida pela Câmara ao GLOBO, há pelo menos dois suplentes de deputados sentenciados à prisão que podem assumir cargos em caso de vacância. A suplência na Câmara é definida a partir do ranking de candidatos mais votados por coligação estadual.

ACUSAÇÃO DE ESTUPRO DE VULNERÁVEL

Um dos que poderiam se beneficiar pelas investigações é Nelson Nahim (PSD-RJ). Condenado a 12 anos por estupro de vulnerável, exploração sexual de adolescentes e coação, Nahim, irmão do ex-governador do Rio Anthony Garotinho, tem, segundo seu advogado Marcello Ramalho, “todo o interesse de exercer o cargo”. Ele chegou a ficar preso por quatro meses em 2016, mas foi libertado por um habeas corpus. É, atualmente, o primeiro suplente da coligação fluminense composta por PSD e mais quatro partidos, incluindo o PMDB, e poderia voltar para a Câmara numa eventual saída de Pedro Paulo (PMDB-RJ), suspeito de receber da Odebrecht mais de R$ 3 milhões para campanhas em 2010 e 2014.
Em janeiro de 2017, Nahim chegou a ocupar uma cadeira na Câmara no lugar de Índio da Costa (PSD-RJ), licenciado para assumir uma secretaria municipal no Rio. Nahim é acusado de compor uma quadrilha que mantinha crianças e adolescentes entre 8 e 17 anos presos em uma casa em Campos, onde seriam exploradas sexualmente. O processo segue em segredo de Justiça, e Ramalho diz que Nahim “vai provar inocência”.

Preso no Paraná, o ex-deputado federal Luiz Argôlo é o primeiro suplente da coligação DEM, PMDB, PSDB, PTN, SD, PROS, PRB, PSC na Bahia. Três deputados eleitos pela mesma aliança são investigados com autorização do STF e podem ter de se afastar. Condenado a 12 anos e oito meses de reclusão por corrupção passiva e lavagem de dinheiro no âmbito da Lava-Jato, Argôlo poderia assumir o lugar de algum deles se conseguir um benefício de progressão de regime ou habeas corpus. De acordo com a Câmara, julgado em segunda instância, Argôlo não teve seus direitos políticos cassados.

— As empresas têm feito cada vez mais compliance, mas os partidos estão longe de adotar ferramentas assim. Além da Lei da Ficha Limpa, que barra candidatos com condenação em segunda instância, não há nada que impeça pessoas com pendências judiciais de se candidatarem. O resultado é esse cenário — afirma Marco Antônio Carvalho Teixeira, cientista político da FGV.

No Senado, a situação não é diferente. Se Fernando Collor de Mello (PTC-AL), sob investigação por ter supostamente recebido R$ 800 mil em caixa 2 na campanha de 2010 ao Senado, for afastado, em seu lugar entrará Renilde Bulhões. Desde 2004, Renilde é investigada pelo assassinato de um radialista em Santana do Ipanema (AL), cidade da qual foi prefeita. Segundo o Tribunal de Justiça de Alagoas , o inquérito estava sob sua supervisão até 2013 porque a investigada era prefeita, mas foi enviado ao primeiro grau quando ela deixou o cargo e perdeu o foro.

O advogado de Renilde, José de Barros Lima Neto, nega o envolvimento da suplente no crime e diz que ela “sequer foi ouvida sobre os fatos” ao longo da investigação. Renilde foi ainda condenada por improbidade administrativa em 2015 ao contratar servidores municipais sem concurso público. Em nota, a assessoria de Collor disse que Renilde “é ficha-limpa, sem restrição para a disputa de cargos públicos ou exercício de cargo eletivo”.

 

Delator e investigadores riem ao falar sobre apelido na lista da Odebrecht…

G1

Ex-executivo da Odebrecht ruiu de apelidos políticos

Rogério Araújo foi perguntado pelos procuradores sobre ex-presidente da Petroquisa. “Paulo Aquino era ‘Lagoa’ e eu estou achando que houve um erro e ele virou ‘Peixe'”, respondeu, causando risos.

O ex-executivo da Odebrecht, Rogério Araújo, e os investigadores da operação Lava Jato começaram a rir durante o depoimento do delator quando eles passaram a falar sobre o apelido de Paulo Aquino, ex-presidente da Petroquisa.
Araújo é um dos ex-dirigentes da empreiteira que fecharam acordo de delação premiada com o Ministério Público.
Enquanto ele prestava depoimento, o investigador perguntou a ele sobre o apelido de Paulo Aquino, ex-presidente da Petroquisa, nas planilhas da Odebrecht (relembre os apelidos de todos os políticos citados nos depoimentos).
O delator disse: “O Paulo Aquino era o ‘Lagoa’ e eu estou achando que houve um erro aí e ele virou ‘Peixe’.”
Em seguida, tanto Rogério Araújo quanto o investigador que o questionava começaram a rir, por cerca de um minuto.
“O Paulo Aquino pode ser o ‘Peixe’? O senhor não tem certeza disso”?, indaga o procurador, rindo.
“Não”, limita-se a responder o delator, também sorrindo.
QUIZ G1: De qual político é este apelido?
Planilhas
A lista dos apelidos dos políticos nas planilhas da Odebrecht inclui nomes como Viagra, Barbie, Fodinha, Fodão, Maçaranduba, Garanhão e Kibe, além de Todo Feio, Soneca, Nervosinho, Chorão e Boca Mole.
As planilhas também continham os apelidos dos partidos políticos que rebebiam benefícios. Os nomes que aparecem são de times de Futebol, entre os quais Corinthians, Flamengo e Cruzeiro.

Os apelidos políticos da lista de propina da Odebrecht…

Globo.com

Viagra, Barbie, Fodinha, Maçaranduba, Garanhão e Kibe são alguns dos apelidos encontrados nas planilhas da Odebrecht; veja a lista.

Parece apenas brincadeira, mas a critividade dos executivos da Odebrecht para criar apelidos a beneficiados de valores repassados pela empresa tinha um motivo prático.
Segundo Benedicto Júnior, diretor do “departamento da propina” da Odebrecht, os apelidos eram usados para que os funcionários do “baixo clero” da área que fazia os repasses irregulares não ficassem sabendo para quem ia o dinheiro.
As pessoas que tinham contato com as autoridades é que escolhiam os codinomes. Como não havia um centralizador nas operações, o mesmo beneficiado pode aparecer com mais de um apelido, ou então, o mesmo apelido ser usado para designar pessoas diferentes.
A lista abaixo tomou como base os vídeos e documentos das delações premiadas de executivos da Odebrecht e inclui apenas os políticos que receberam dinheiro da empresa. Políticos citados na chamada “lista de Fachin” negam as irregularidades.
Confira os apelidos e a quem se referem:
Abelha – Francisco Appio, ex-deputado estadual (PP-RS)
Acelerado – Eduardo Siqueira Campos (DEM-TO)
Aço – Wellington Magalhães, vereador (PTN-MG)
Adoniran – Braz Antunes Mattos Neto, vereador (PSD-SP)
Anão – Antonio Carlos Magalhães Neto, prefeito (DEM)
Alba – Tiago Correia, vereador (PSD-BA)
Alemão – Carlos Todeschini (PT-RS)
Alemão – Valdir Raupp (PMDB-RO)
Aliado ou Gremista – Marco Maia, deputado federal (PT-RS)
Amante ou Coxa – Gleisi Hoffmann, senadora (PT-PR)
Amarelou – Durval Amaral, presidente do Tribunal de Contas do Paraná (TCE-PR)
Amigo – Luiz Inácio Lula da Silva, ex-presidente (PT-SP)
Amigo C – Paulo Câmara, vereador (PSDB-BA)
Angorá, Bicuíra ou Fodão – Eliseu Padilha, ministro (PMDB-RS)
Aquático – João Fischer (Fixinha), deputado estadual (PP-RS)
Aracaju – Aloizio Mercadante (PT-SP)
Asfalto – Jaime Martins, deputado federal (PSD-MG)
Aspirina – Angela Amin, ex-prefeita (PP-SC)
Atleta – Renan Calheiros (PMDB-AL)
Atravessador – Alcebíades Sabino, ex-deputado estadual (PSC – RJ)
Avião – Manuela D’Ávila, deputada federal (Pc do B-RS)
Azeitona – José Fernando de Oliveira, ex-deputado (PV-MG)
Ex-executivo da Odebrecht, Benedicto Júnior confirma lista de apelidos em depoimento
Babão – Iris Rezende, prefeito (PMDB-GO)
Babel – Geddel Vieira Lima, ex-ministro (PMDB-BA)
Babosa – Paulo Alexandre Barbosa, prefeito (PSDB-SP)
Baianinho – Paulo Hartung, governador (PMDB-ES)
Baixada – Manoel Neca (PP)
Balzac – Yeda Crusius, deputada federal (PSDB-RS)
Barão – Carlin Moura, ex-prefeito (PC do B-MG)
Barbie ou Belo Horizonte – Marta Suplicy, senadora (PMDB-SP)
Barrigudo – Fabio Ramalho, deputado federal (PMDB-MG)
Batalha ou Chorão – Sérgio Guerra, ex-presidente do PSDB (PSDB-PE)
Bateria – Maria do Carmo Lara Rezende, ex-prefeita (PT-MG)
Belém ou M&M – Geraldo Alckmin, governador (PSDB-SP)
Benzedor – João Paulo Papa, deputado federal (PSDB-SP)
Bico – Geraldo Júnior, secretário municipal (SD-BA)
Bitelo – Lúcio Vieira Lima, deputado federal (PMDB-BA)
Biscoito – Sandro Mabel, ex-deputado federal (PR-GO)
BMW ou Manso – Beto Mansur, deputado federal (PRB-SP)
Boa Vista – Paulinho da Força, deputado (SD-SP)
Boca mole – Heráclito Fortes, deputado federal (PSB)
Bocão – Sandro Boka, ex-deputado (PMDB-RS)
Boiadeiro – João Paulo Rillo, deputado estadual (PT-SP)
Bolinha ou Pescador – Anthony Garotinho, ex-governador (PR-RJ)
Bonitão ou Garanhão – Fabio Faria, deputado (PSD-RN)
Bonitão, Pavão, Bonitinho, Velho, Casa de Doido – Julio Lopes, deputado federal (PP-RJ)
Bonitinho – Robinson Faria, governador (PSD-RN)
Boquinha – Sérgio Borges, ex-deputado (PMDB-ES)
Botafogo ou Déspota – César Maia, ex-prefeito do Rio (DEM-RJ)
Botafogo – Rodrigo Maia, presidente da Câmara (PMDB-RJ)
Buzu – Henrique Carballal, vereador (PV-BA)
Brasília – Fernando Capez, deputado estadual (PSDB-SP)
Brigão, Piloto – Beto Richa, governador (PSDB-PR)
Bronca – Paulo Rubem Santiago, ex-deputado (PSOL-PE)
Bruto – Raul Jungmann, ministro (PPS-PE)
Caim – Osmar Dias, ex-senador (PDT)
Caju – Romero Jucá, senador (PMDB-RR)
Candomblé – Edvaldo de Brito, vereador (PSD-BA)
Campinas – Francisco Chagas, ex-vereador (PT-SP)
Caldo – Blairo Maggi, ministro (PP-MT)
Calvo – Pablito, ex-vereador (PSDB-MG)
Campari – Gim Argello, ex-senador (PTB-DF)
Canário – Esmael de Almeida, deputado estadual (PMDB-ES)
Carajás – Arnaldo Jardim, secretário estadual (PPS-SP)
Carmem – Fabiano Pereira, ex-deputado (PSB-RS)
Caranguejo – Eduardo Cunha, ex-deputado federal (PMDB-RJ)
Carrossel – Rosalba Ciarlini, prefeita (PP-RN)
Castor – Rodrigo de Castro, deputado federal (PSDB-MG)
Cavanhaque – Helder Barbalho, ministro (PMDB-PA)
Centroavante – Renato Casagrande, ex-governador (PSB-ES)
Cérebro – Mendes Ribeiro Filho, ex-deputado (PMDB-RS)
Cerrado – Ciro Nogueira, senador (PP-PI)
Chaveiro – José Chaves, ex-deputado (PTB-PE)
Chefe Turco, Kibe ou Projeto – Gilberto Kassab, ministro (PSD-SP)
Chorão – Pedro Eurico, secretário estadual (PSDB-PE)
Cintinho – Mauro Lopes, deputado (PMDB-MG)
Cobra – Wilma de Faria, vereadora (PT do B-RN)
Colorido – Fábio Branco, secretário estadual (PMDB-RS)
Coluna – Ana Amélia Lemos, senadora (PP-RS)
Comprido – Agnelo Queiroz, ex-governador (PT-DF)
Comuna – Daniel Almeida, deputado federal (PC do B-BA)
Conquistador – Dalírio Beber, senador (PSDB-SC), e Napoleão Bernardes, prefeito de Blumenau (PSDB-SC)
Contador – Paulo Ferreira, ex-tesoureiro do PT (PT-RS)
Contas – Arselino Tatto, vereador (PT-SP)
Correios – Alexandre Postal, deputado estadual (PMDB-RS)
Crusoé – Robson de Lima Apolinário, ex-deputado suplente (PDT-SP)
Cruzeiro do Sul – Barros Munhoz, deputado estadual (PSDB-SP)
Curitiba – Roberto Freire, ministro (PPS-SP)
Marcelo Odebrecht confirma que codinome amigo fazia referência a Lula
Da Casa – Alberto Pinto Coelho, ex-governador (PP-MG)
Da hora – Carlos Melles, deputado federal (DEM-PR)
Decodificado – Luiz Carlos Hauly, deputado federal (PSDB/PR)
Decrépito – Paes Landim, deputado federal (PTB-PI)
Dengo – Antonio Anastasia, senador (PMDB-MG)
Dentada – Gustavo Correa , deputado estadual (DEM-MG)
Dentuço – Gustavo Fruet, ex-prefeito de Curitiba (PDT-PR)
Desesperado – Germano Rigotto, ex-governador (PMDB-RS)
Diamante – Paulo Abi Ackel, deputado federal (PSDB-MG)
Disco – Luiz Paulo Correa da Costa, deputado estadual (PSDB-RJ)
Diplomata – Hugo Napoleão, ex-governador (PSD-PI)
Do reino – Fernando Pimentel, governador (PT-MG)
Doutor – Juarez Amorim (PPS-MG)
Drácula – Humberto Costa, senador (PT-PE)
Duro – Ricardo Ferraço, senador (PSDB-ES)
Educador – Paulo Henrique Lustosa, deputado federal (PP-CE)
Ema – Lúdio Cabral, ex-vereador (PT-MT)
Enteado – José Otávio Germano, deputado federal (PP-RS)
Escuro – Marco Alba, prefeito (PMDB-RS)
Escritor – José Sarney (PMDB), ex-presidente
Esquálido – Edison Lobão, senador (PMDB-MA)
Eva – Adão Vilaverde, deputado estadual (PT-RS)
Fantasma – Ideli Salvatti, ex-ministra (PT-SC)
Fazendão – Elbe Brandão, deputada estadual (PSDB-MG)
Feia – Lídice da Mata, senadora (PSB-BA)
Feio ou Lindinho – Lindbergh Farias, senador (PT-RJ)
Ferrari ou Grisalhão – Delcídio do Amaral, ex-senador (MS)
Filhinho ou Filinho ou Gordo – Dimas Fabiano Jr., deputado federal (PP-MG)
Filho – Paulo Bornhausen, ex-deputado (PSB-SC)
Filho do reino – Luciano Rezende, prefeito (PPS-ES)
Filhote – Luiz Paulo Vellozo, ex-prefeito (PSDB-ES)
Filósofo – Paulo Bernardo, ex-ministro
Fino – Bruno Siqueira, prefeito (PMDB-MG)
Flamengo – Adrian Mussi, ex-deputado federal (PMDB-RJ)
Fodinha – Frederico Antunes, deputado estadual (PP-RS)
Fósforo – Tarcísio Caixeta, vereador (PC do B-MG)
Fragmentada – Weliton Prado, deputado federal (PMB-MG)
Frances – Célio Moreira, deputado estadual (PSDB-MG)
Delação da Odebrecht: João Borba Filho diz que codinome de Cabral era ‘Próximus’
Garoto – Otávio Leite, deputado federal (PSDB-RJ)
Goleiro – Paulo Magalhães Júnior (PV-BA)
Gordo – Pimenta da Veiga (PSDB-MG) e Antonio Anastasia, senador (PSDB-MG)
Grego – Jorge Piciani, deputado estadual (PMDB-RJ)
Grenal – Valdir Andres, ex-prefeito (PP-RS)
Gripe – Cesar Colnago, vice-governador (PSDB-ES)
Gripado ou Pino – José Agripino, senador (DEM-RN)
Grisalho – Arlindo Chinaglia, deputado (PT-SP)
Grosseiro – Plauto Miró, deputado estadual (DEM-PR)
Guarulhos – Carlos Zarattini, deputado federal (PT-SP)
Guerrilheiro – José Dirceu, ex-ministro (PT), ou João Vaccari, ex-tesoureiro do PT
Igreja – Bernardo Santana, deputado (PR-MG)
Inca – Rodrigo Maia, presidente da Câmara dos Deputados (DEM-RJ)
Índio – Eunício de Oliveira, presidente do Senado (PMDB-CE)
Inferno – Ronaldo Santini, deputado estadual (PTB-RS)
Itabuna – Campos Machado, deputado estadual (PTB-SP)
Itacaré – Celso Russomanno, deputado federal (PRB-SP)
Italiano – Audifax Barcelos, prefeito (Rede-ES)
Italiano – Antonio Palocci, ex-ministro (PT-SP)
Itambé – Edinho Silva, prefeito (PT-SP)
Itatiaia – José Maria Eymael (PSDC-SP)
Itumbiara – Edson Aparecido dos Santos (PSDB-SP)
Jacaré – Jader Barbalho, senador (PMDB-PA)
Jangada – Luiz Carlos Busato, deputado federal (PTB-RS)
João Pessoa – Vicentinho, deputado federal (PT-SP)
Jogador – Márcio Reinaldo, prefeito (PP-MG)
Jornalista – Elismar Prado, deputado estadual (PDT-MG)
Jovem – Adolfo Viana, deputado estadual (PSDB-BA)
Jujuba – Bruno Araújo, ministro (PSDB-PE)
Justiça – Renan Calheiros, senador (PMDB-AL)
Kimono – Artur Virgílio, prefeito (PSDB-AM)
Lagarto ou Largato – Gil Pereira, deputado estadual (PP-MG)
Lamborghini – Luiz Fernando T. Ferreira, deputado estadual (PT-SP)
Lento – Garibaldi Alves, senador (PMDB-RN)
Lima – Luiz Fernando Faria, deputado federal (PP-MG)
Louro – João Alves Filho, ex-prefeito (DEM-SE)
Macapá – Ricardo Montoro, ex-deputado estadual (PSDB-SP)
Machado – Kátia Abreu, senadora (PMDB-TO)
Maçaranduba – Ivo Cassol, senador (PP-RO)
Magma – Guilherme Lacerda (PT-ES)
Manaus – Aloysio Nunes, ministro (PSDB-SP)
Masculina – Iriny Lopes, ex-deputada federal (PT-ES)
Médico – Colbert Martins Filho, vice-prefeito (PMDB-BA)
Menino da floresta – Tião Viana, senador (PT-AC)
Mercedes – Edinho Bez, ex-deputado federal (PMDB-SC)
Metalúrgico – Nilmário Miranda, secretário estadual (PT-MG)
Mineirinho – Aécio Neves, senador (PSDB-MG)
Misericórdia – Antônio de Brito, deputado federal (PSD-BA)
Missa – José Carlos Aleluia, deputado federal (DEM-BA)
Moleza – Jutahy Magalhães, deputado federal (PSDB-BA)
Montanha – Marcos Montes, deputado federal (PSD-MG)
Montanha – Paulo Pimenta, deputado federal (PT-RS)
Musa – Ana Paula Lima, deputada estadual (PT-SC)
Navalha – Arlete Magalhães, deputada estadual (PV-MG)
Navalha – Wellington Magalhães, vereador (PTN-MG)
Navegante – José Anibal, ex-senador (PSDB-SP)
Natal – José Genoíno, ex-presidente do PT (PT-SP)
Nervosinho – Eduardo Paes, ex-prefeito do Rio (PMDB-RJ)
Neto – Eduardo Campos, ex-governador (PSB-PE)
Novilho ou Charada – Fernando Bezerra, senador (PSB-PE)
Novo – Max Filho, prefeito de Vila Velha (PSDB-ES)
Nulo ou Duro – Ricardo Ferraço, senador (PSDB-ES)
Oxigênio – Hudson Braga, secretário de obras do RJ
Veja apelidos dados a políticos nas planilhas de doações da Odebrecht
Padre – Josenildo Sinésio, ex-vereador de Recife (SD-PE)
Padrinho – Eduardo Azeredo, ex-governador de MG (PSDB-MG)
Palmas – Vicente Candido, deputado (PT-SP)
Parente – André Vargas, ex-deputado federal por SC (sem partido)
Paris – Márcio França, vice-governador de SP (PSB-SP)
Parreira – José Roberto Arruda, ex-governador (ex-DEM)
Passadão ou Triângulo – Jorge Bittar, ex-deputado federal (PT-RJ)
Patati ou Padeiro – Marconi Perillo, governador (PSDB-GO)
Pavão ou Velhos – Julio Lopes, secretário de transportes (PP-RJ)
Pavão – Ivar Pavan, ex-deputado estadual (PT-RS)
Pelé – Nelson Pellegrino, deputado federal (PT-BA)
Pequeno – Sérgio Aquino, candidato a prefeito de Santos (PMDB-SP)
Persa – Ayrton Xerez, ex-deputado federal (DEM-RJ)
Pescador – Zeca do PT, deputado federal (PT-MS)
Polo – Jaques Wagner, ex-governador (PT-BA)
Ponta Porã ou Corredor – Duarte Nogueira, prefeito (PSDB-SP)
Pós-italiano ou Pós-itália – Guido Mantega, ex-ministro
Poste – Marcio Lacerda, ex-prefeito (PSB-MG)
Praia – Ademar Traiano, deputado estadual (PSDB-PR)
Primo – Moreira Franco, ministro da secretaria geral da presidência (PMDB-RJ)
Princesa – Cida Borghetti, vice-governadora do PR (PP-PR)
Prosador – Cássio Cunha Lima, senador (PSDB-PB)
Protegida – Lorena de Fátima Arrué Dias, candidata (PSDB-RS)
Proximus – Sérgio Cabral, ex-governador do RJ (PMDB-RJ)
Proximus – Luiz Fernando Pezão, governador do RJ (PMDB-RJ)
Rasputinzinho – Bernardo Ariston, ex-deputado federal (PMDB-RJ)
Ribeirão Preto – Roberto Massafera, deputado estadual (PSDB-SP)
Rio – Marcelo Nilo, deputado estadual (PSL-BA)
Roberval Taylor – Mário Kertesz, ex-prefeito (PMDB)
Roxinho – Fernando Collor, senador (PTC-AL)
Sábado – Domingos Sávio, deputado estadual (PSDB-MG)
Santo André – João Paulo Cunha, ex-deputado (PT-SP)
Sapato – Alexandre Passos, ex-presidente da Câmara de Vitória (PT-ES)
Segundo – Juarez Amorim (PPS-MG)
Silo – Alexandre Silveira, secretário estadual de saúde (PSD-MG)
Solução – Maria do Rosário, deputada federal (PT-RS)
Soneca – Waldir Pires, (PT-BA)
Suíça – Rodrigo Garcia (DEM-SP)
Teco – Tico Lacerda (PDT-SC)
Timão – Andrés Sanchez, deputado federal (PT-SP)
Tio – Gustavo Valadares, deputado estadual (PSDB-MG)
Todo Feio e Cunhado – Inaldo Leitão (sem partido)
Trincaferro – Beto Albuquerque, deputado federal (PSB-RS)
Tuca – Arthur Maia, deputado federal (PPS-BA)
Vaqueiro – Ronaldo Caiado, senador (DEM-GO)
Verdinho – André Correa, deputado estadual (PSD/RJ)
Viagra – Jarbas Vasconcelos, deputado federal (PMDB-PE)
Vizinho – José Serra, senador (PSDB-SP)
Wanda – Antonio Andrade, vice-governador (PMDB-MG)
Zagueiro – Júlio Delgado, deputado federal (PSB-MG)
Partidos

Além dos políticos, as planilhas da Odebrecht também mostraram que alguns partidos eram identificados como times de futebol. Por exemplo, o PT era o Flamengo, e o PSDB, o Corinthians. O PR ganhou o codinome de São Paulo e o DEM, de Fluminense (veja a lista completa abaixo).

Os documentos foram entregues ao Ministério Público Federal (MPF) pelo delator Luiz Eduardo Soares, que atuou no Setor de Operações Estruturadas – como era chamado o departamento de propinas da empreiteira.

Reforma da Previdência: Não haverá idade mínima para transição

Veja

Relator da reforma da Previdência, deputado Arthur Maia (PPS-BA)

O relator da reforma da Previdência, deputado Arthur Maia (PPS-BA), afirmou, nesta terça-feira (11), que não haverá mais idade mínima para as pessoas entrarem nas regras de transição para se aposentarem. Segundo ele, haverá redução do pedágio, ao mesmo tempo em que haverá idade mínima para se aposentar a quem optar por essa modalidade.

Pela proposta inicial do governo, mulheres acima de 45 anos e homens acima de 50 anos entrariam nas regras de transição tendo de pagar um pedágio de 50% sobre o tempo restante de contribuição.
Poderiam entrar na regra de transição os trabalhadores que não querem cumprir o requisito de idade mínima de 65 anos para se aposentar.

Segundo o relator, o novo pedágio poderá ser de 30% a 50% sobre o tempo restante. A proposta é que o trabalhador possa optar pela regra de transição a partir de qualquer idade. No entanto, o pedágio de tempo de contribuição pode fazer com que não seja vantajoso tentar a regra de transição dependendo da idade mínima e do período que falta.

Na semana passada, o presidente Michel Temer autorizou que Maia alterasse cinco pontos da reforma que estavam gerando resistência no Congresso: regra de transição, aposentadoria especial, aposentadoria rural, pensão e benefício de prestação continuada.

O relator deve ainda manter a paridade do BPC com o salário mínimo e o tempo menor de contribuição para professores e policiais. Ainda não está fechado o modelo de aposentadoria rural e nem o valor máximo de acúmulo das pensões e aposentadorias.

Maia, que participou de reunião com o presidente Michel Temer e políticos da base aliada, não deu mais detalhes sobre como será seu texto final ou projeções de impactos financeiros com as mudanças.

Temer admitiu que o governo concorda em fazer uma reforma da Previdência que sirva para os próximos 20 anos apenas, mas que as mudanças no texto não podem “quebrar a espinha dorsal” da proposta, que é o estabelecimento da idade mínima de 65 anos. Hoje, não há idade mínima para se aposentar.

“Eu confesso que o projeto original que mandamos é uma reforma que visa 30, 40 anos. Se não pudermos fazer por 30, 40 anos, vamos fazer por 20 anos”, disse o presidente.

O jogo “camaleônico” de José Sarney…

Comendo pelas beiradas, Sarney participa de jantar de conspiração contra Michel Temer

O presidente da República, Michel Temer (PMDB), que se cuide. Acostumado a viver feito camaleão, mudando de cor conforme a ocasião, o ex-senador José Sarney (PMDB), que já traiu todo mundo na política, também se aproxima do grupo que vem se rebelando contra o governo do peemedebista.

Sarney, camaleonicamente, preserva o estilo próprio de quem está sempre comendo pelas beiradas para ver onde se encostar. Foi assim com Fernando Henrique Cardoso (PSDB), Luís Inácio Lula da Silva (PT), Dilma Rousseff (PT) e outros.

Segundo nota da Veja,  pelo menos, uma presença chamou a atenção do Planalto no jantar organizado pelo senador  Renan Calheiros (PMDB) na casa da ex-ministra Kátia Abreu, terça-feira (04) à noite. Trata-se de José Sarney, aparentemente solidário a ele na disputa com o presidente Michel Temer. Isso porque, mesmo fora da política, o ex-presidente ainda possui influência.

Acompanhado da filha, a ex-governadora  Roseana Sarney (PMDB), Sarney apareceu, aparentemente, no jantar para comer a fritada de aratu na casa de Kátia Abreu, mas estava, na verdade, fazendo aquele conhecido trabalho camaleônico de bastidores, no afã de “fritar cabeças” e de se dá sempre bem.

A anfitriã bem que tentou convencer os senadores governistas do PMDB de que o jantar em sua casa não seria uma reunião dos rebelados liderados por Renan Calheiros (AL) contra o governo Michel Temer. O regabofe desta vez, na casa da ex-ministra dilmista Kátia Abreu (PMDB-TO), entrou pela madrugada de quarta-feira (05) e foi dominado por críticas à política econômica e às reformas do atual presidente.

Lembrando que Sarney e Renan são companheiros de  Lava Jato. Eles são alvos de inquérito no STF (Supremo Tribunal Federal), aberto em fevereiro deste ano, no qual são acusados pela Procuradoria-Geral da República (PGR) do crime de embaraço à operação por tentarem barrar ou atrapalhar as investigações.

Por outro lado, quem está mesmo fechado com o governo é Eunício de Oliveira, atual presidente do Senado. Cada dia mais distante de Renan, ele não quis saber de comparecer ao jantar nem para comer a fritada de aratu.

Justiça condena Sarney a devolver dinheiro que recebeu acima do teto constitucional

Sarney ganhava como ex-governador do Maranhão, ex-servidor do Judiciário e senador quando ação foi proposta.

Sarney recebia como ex-governador do Maranhão, ex-servidor do Judiciário e senador

segundo informações divulgadas pela revista Época, o ex-senador José Sarney (PMDB) recorre contra uma decisão na Justiça que o condenou a devolver os valores recebidos acima do teto constitucional entre 2005 e 2010. Ele recebia como ex-governador do Maranhão, ex-servidor do Judiciário e senador. O pedido foi feito pelo Ministério Público Federal. Ele diz que tinha o direito de receber.

Uma ação do Ministério Público afirma que o próprio presidente do Senado, José Sarney, recebe acima do teto constitucional. Após um inquérito civil que sucedeu notícia segundo a qual ele recebia R$ 52 mil por mês, o procurador Francisco Guilherme Vollstedt Bastos disse à Justiça que o próprio senador “reconheceu” ganhar acima do teto do funcionalismo.

Segundo o MP, Sarney recebe duas aposentadorias, como ex-governador do Maranhão e como servidor do Tribunal de Justiça daquele estado, além do salário de senador em Brasília. Em 2009, o jornal Folha de S.Paulo mostrou que as duas aposentadorias de Sarney somavam R$ 35.560,98, em valores de 2007. Com o salário de senador da época – R$ 16.500 – ele ganharia R$ 52 mil. Como o salário de senador hoje é de R$ R$ 26.723,13, a remuneração de Sarney seria agora de pelo menos R$ 62.284,11, considerando-se os documentos noticiados pelo jornal e ignorando-se eventuais reajustes nas aposentadorias

Com base na notícia, o procurador Vollstedt abriu um inquérito e questionou formalmente o governo do Maranhão e o senador Sarney. O MP relata que eles se negaram a informar detalhadamente os valores recebidos a título de pensão, mas admitiram o recebimento dos pagamentos, considerados indevidos pelo procurador. “Houve o reconhecimento acerca do pagamento de valores a título de pensão especial, que, quando acumulados com a remuneração de senador da República, extrapolam flagrantemente o teto remuneratório”, disse Vollstedt, na ação que corre na 21ª Vara Federal.

Em defesa de Sarney, foi a sua filha, a governadora do Maranhão, Roseana Sarney (PMDB), quem escreveu ao MP. Ela disse que o procurador queria “invadir a privacidade” do pai, mas que, mesmo assim, tudo que ele recebia estava dentro da legalidade. Mas, para o Ministério Público, não é aplicável o direito à intimidade alegado por Sarney e pela governadora do Maranhão. “Ambos defenderam a constitucionalidade dos pagamentos, com base no entendimento equivocado quanto à aplicação do teto remuneratório, bem como em inexistente direito adquirido à pensão”, acrescenta.

Direito à privacidade

Por meio de sua assessoria, Sarney afirmou que suas aposentadorias são um assunto privado. “Resguardado pelo direito constitucional à privacidade sobre os meus vencimentos, que tenho como qualquer cidadão brasileiro, não vou me pronunciar a respeito”, disse o presidente do Senado. A Secretaria de Imprensa da Presidência do Senado lembrou que o acórdão 2274/09, do TCU, autoriza pagamentos de fontes diferentes que extrapolem o teto.

De fato, há uma diferença do caso de Sarney e de outros senadores se comparado com o dos servidores do Senado. No caso dos servidores, é o próprio Senado quem paga os valores excedentes. No caso de Sarney e de outros senadores, o salário pago pelo Senado não ultrapassa o teto: é a soma com as aposentadorias que gera esse excedente. No acórdão 2274/09, os ministros do TCU decidiram que o corte na renda vinda de várias fontes “depende da implementação do sistema integrado de dados” entre estados, prefeituras e o governo federal. Assim, diz o tribunal, vai ficar claro quem deve passar a tesoura e em qual proporção, além de como será feita a tributação nos salários. O beneficiário deverá escolher qual será sua fonte pagadora principal.

Devolução

Na ação contra Sarney na 21ª Vara, o procurador Vollstedt pede que a União e o governo do Maranhão suspendam os pagamentos ao senador que estourem o teto. O procurador pede que o parlamentar escolha qual fonte de rendimentos vai utilizar para se manter dentro do limite de R$ 26.700. E pede ainda que Sarney seja condenado a devolver aos cofres públicos tudo o que ganhou além do permitido nos últimos cinco anos.

Para fazer valer isso, o Ministério Público pediu uma liminar à Justiça para obrigar o senador e o governo do Maranhão a informarem, com detalhes, os valores das aposentadorias recebidas. Mas a liminar foi negada pela juíza substituta 21ª Vara, Raquel Chiarelli, que afirmou que o valor exato da aposentadoria de Sarney pode ser obtido no transcorrer do caso.

A Justiça determinou ainda que o procurador informasse outras partes interessadas na ação. Em recurso, o MP disse que não há mais partes a indicar, mas esse recurso foi negado por Raquel Chiarelli. A ação segue seu curso. O advogado de Sarney, Antônio Carlos de Almeida Castro, o Kakay, argumentou à juíza que a ação do MP deve ser considerada improcedente.

Ao TSE, delator cita Lobão e PMDB em esquema de propina de Belo Monte

Correio

Lobão, cada dia, mais complicado

Ex-presidente da Odebrecht Infraestrutura, Benedicto Júnior, conhecido como BJ, disse à Justiça Eleitoral que o PMDB recebeu recursos pelas obras da usina de Belo Monte, no Pará. O ex-executivo afirmou que se recorda de ter sido o senador Edison Lobão (PMDB-MA) a pessoa para quem os valores vinculados à obra deveriam ser destinados. Ele cita também um “deputado ou ex-deputado” do Pará.

BJ prestou depoimento no dia 2 de março, ao ministro Herman Benjamin (TSE), relator do processo de cassação da chapa Dilma Rousseff-Michel Temer, em 2014. A reportagem teve acesso à integra do depoimento.

O executivo relatou que o partido de Temer foi o único a receber do esquema de Belo Monte por causa de um veto ao PT feito, segundo ele, por Marcelo Odebrecht, ex-presidente e herdeiro do grupo.

“Quando recebi o projeto, foi-me informado que havia alguns compromissos assumidos lá na partida. E esses compromissos estavam destinados a dois partidos, sendo que um dos partidos… havia uma orientação de Marcelo de que não deveríamos fazer as contribuições – era o PT. E o PMDB tinha as pessoas que tratavam lá com os executivos anteriores a mim. O que conheço do assunto é isso. Não houve nada ao PT especificamente feito por Belo Monte por orientação do próprio Marcelo”, declarou.

O relator então perguntou: “Mas em relação ao PMDB houve”?. “Houve e está no relato das pessoas”, respondeu BJ.

Questionado sobre os nomes envolvidos no recebimento do dinheiro, ele respondeu: “Se não me engano, foi combinado através do doutor Edison Lobão e teve um outro, um deputado ou um ex-deputado que posteriormente ao doutor Edison Lobão foi quem recebeu em nome do PMDB – um deputado do Pará. Essas foram as duas pessoas cujos nomes eu ouvir, doutor”.

Lobão hoje é presidente da Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) do Senado, que articula acelerar a votação de um projeto de abuso de autoridade.

“Eu afirmei – tenho quase certeza – que não foi pago nada pro PT por Belo Monte. O PMDB era uma conta específica da obra, uma despesa que foi combinada e debitada a obra”, disse Benedicto Júnior.

A Polícia Federal, em setembro do ano passado, já apontava indícios de que o PMDB e quatro senadores do partido receberam propina das empresas que construíram a usina de Belo Monte, no Pará, por meio de doações legais, segundo relatório que integra inquérito no Supremo Tribunal Federal.

O relatório da PF junta essa versão com informações de outro delator, o ex-senador Delcídio do Amaral, de que senadores peemedebistas comandavam esquemas de desvios de empresas do setor elétrico: Renan Calheiros (AL), presidente do Senado, Jader Barbalho (PA), Romero Jucá (RR) e Valdir Raupp (RO).

O ministro Herman Benjamin perguntou a Benedicto Júnior se algum pagamento de Belo Monte foi realizado naquele ano.

“Eu acho que houve pagamentos em 2014 para o PMDB, mas não tenho certeza porque não li o relato. Eu tenho quase certeza de que foi feito. Por isso acho que há um ex-deputado que foi a pessoa que procurou o meu executivo, levado por um executivo da Andrade Gutierrez”, disse.

Questionado se lembrava se a campanha era estadual ou presidencial, BJ disse que não lembrava.

“Nós nunca fizemos um pagamento em cima do percentual [do valor das obras]”, disse o ex-executivo. Segundo depoimento do ex-executivo da Odebrecht, os valores seriam pagos pelo departamento de Operações Estruturadas, área de pagamentos de propina do grupo.

A construção de Belo Monte foi feita por um consórcio. Os participantes são: Andrade Gutierrez (18%), Odebrecht (16%), Camargo Corrêa (16%), Queiroz Galvão (11,5%), OAS (11,5%), Contern (10%), Galvão (10%), Serveng (3%), J. Malucelli (2%) e Cetenco (2%).

OUTRO LADO
O advogado de Lobão, Antonio Carlos de Almeida Castro, refuta as acusações do delator.
“Tenho denunciado os vazamentos criminosos e dirigidos. Eles têm que ser investigados, a defesa não conhece o teor das delações logo não pode saber o contexto do que foi dito. No caso concreto dar valor a ‘ouvir dizer’ e a ‘salvo engano’ é desmoralizar o instituto da delação. Por sinal o MP tem se esmerado em desacreditar as delações”, disse.

“A fragilidade das delações é de tal monta que o recall virou a regra. Ou seja o delator pode mentir, omitir, proteger e se for pego terá a chance, ate, de mentir de novo”, afirmou.

Lava Jato faz filho de Lobão perder presidência da Brasilcap…

Márcio Lobão teve o seu nome envolvido na operação Lava Jato assim como o pai, Edison Lobão

Segundo noticiou a coluna do jornalista Lauro Jardim, o filho do senador Edson Lobão (PMDB), Marcio Lobão, perdeu a presidência do Brasilcap, emprego conseguido por seu pai há quase uma década.

Envolvido na operação Lava Jato, Marcio foi comunicado, na segunda-feira, que não terá o seu mandato renovado na presidência da empresa de capitalização do Banco do Brasil em sociedade com o Icatu e a Aliança da Bahia.

O filho de Lobão já comanda a empresa desde 2008. Era da cota do seu pai, Edson Lobão, também envolvido com a Lava-Jato até o fio do último cabelo.

Quando a Polícia Federal cumpriu um mandado de busca e apreensão no apartamento de Márcio Lobão informou ter listado na residência 1.200 obras de arte. Foi um engano dos agentes que cumpriram a missão ao informar seus superiores.

O número é menor, embora ainda impressione. Na casa de Márcio, foram encontrados um total de 84 obras, entre quadros, esculturas e outros. Mas na casa onde seus sogros residem, que fica no mesmo prédio, na Avenida Atlântica, no Rio de Janeiro, foram listados mais 261.

Embora o sogro de Márcio, Sérgio Fadel, seja um dos maiores colecionadores de arte do Brasil, o material foi considerado suspeito de pertencer ao próprio filho do senador Edison Lobão.

A PF resolveu considerar a suspeita, entre outros motivos, porque a mulher de Márcio, Marta, declara como dela esse apartamento. E, no cadastro de passaporte de Márcio Lobão, ele também indica esse mesmo imóvel.