FOTO DO DIA – Programa “Escola Digna” chega a Marajá do Sena para substituir colégios de taipa…

Programa Escola Digna iniciado em Marajá do Sena

Programa Escola Digna iniciado em Marajá do Sena

Lembram do município de Marajá do Sena que foi, recentemente, centro das atenções de uma ampla reportagem da TV Record, intitulada “Estrada da Fome, junto com Belágua e Centro do Guilherme”?  Pois é, hoje uma boa notícia.

O governo Flávio Dino (PCdoB) iniciou, no município de Marajá do Sena, localizado na região central do Maranhão, a construção das seis primeiras escolas do programa “Escola Digna”, instituído para substituir escolas de taipa, barro e palha por estruturas de alvenaria.

Das 12 escolas, que serão construídas no município, seis com duas salas de aula, cada, já estão com a ordem de serviço assinada e as obras na fase de terraplenagem. Todas com recursos do Tesouro Estadual.

Além de Marajá do Sena, que tem previsão de entrega já no início de 2016, as cidades de Belágua (3 escolas), Fernando Falcão (dez escolas) e Bom Jardim (2 escolas) já estão com obras licitadas para a construção das escolas.

Reportagem da Record sobre a fome no Maranhão repercute na Assembleia

Para o deputado do PCdoB, o que foi mostrado na reportagem do “Repórter Record” é fruto de anos e de décadas de políticas públicas concentradoras

Para o deputado do PCdoB, o que foi mostrado na reportagem do “Repórter Record” é fruto de anos e de décadas de políticas públicas concentradoras

O deputado estadual Othelino Neto (PCdoB) repercutiu, na sessão desta terça-feira (24), o drama vivido por famílias de Belágua, Marajá do Sena, Centro do Guilherme e Fernando Falcão, no interior do Maranhão, tema da reportagem “Estrada da Fome”, exibida pela TV Record. Segundo o parlamentar, esse foi um dos legados que ficou para o Estado depois de 50 anos de mando do grupo Sarney. “Aquilo foi o que eles entregaram para o Maranhão. Esse, infelizmente, é o quadro”, comentou.

Othelino disse que, ao mesmo tempo em que a denúncia é forte, é muito ruim ter esse quadro no Maranhão. “Ver aquela senhora magrinha tendo como única e última refeição do dia um suco de buriti, depois ver aquelas crianças naquela situação, realmente, é lamentável”, afirmou.

Para o deputado do PCdoB, o que foi mostrado na reportagem do “Repórter Record” é fruto de anos e décadas de políticas públicas concentradoras, que não visavam promover a melhoria da qualidade de vida das pessoas, e, principalmente, porque muitos recursos que vinham para o Maranhão não chegavam às pessoas. Segundo o parlamentar, esse dinheiro era desviado no meio do caminho e isso promoveu esse estado de pobreza que infelicita a população.

O deputado chamou atenção para um esqueleto de hospital que aparece nas imagens da reportagem da TV Record que, segundo o repórter, desde 2009 estava em construção e ficou parado. Segundo o parlamentar, o quadro é semelhante ao que foi denunciado, na tribuna, sobre Pinheiro e Presidente Sarney. Prédios inacabados que foram inaugurados, sem as mínimas condições, pelo governo Roseana Sarney.

Ações e Programa Mais IDH

“O hospital que está só o esqueleto é claro que não vai atender ninguém porque não tem nem teto. Um outro aparece coberto, mas está faltando umas partes de parede, piso, revestimento, equipamento. Não há profissional, que é o principal, mas está, pelo menos, pronto o prédio. Então, eu queria lamentar, nesta tribuna, que nós tenhamos que passar por isso”, comentou Othelino.

O deputado disse que o novo governo do Maranhão já começou a mudar essa realidade. Ele destacou entre as ações o Programa Mais IDH que tem como foco municípios citados na matéria e que vai ajudar a melhorar, concretamente, a vida das pessoas.

“Não se tem uma vara de condão para resolver, em um curtíssimo espaço de tempo, o problema que foi construído, durante quase 5 décadas, mas é compromisso do governo e o governador Flávio Dino, logo o final da reportagem, já estava nas redes sociais dizendo que não fomos nós que construímos isso, mas agora nós temos a obrigação de resolver”, enfatizou.

Othelino disse ainda que a Assembleia tem sido muito sensível a esse momento e a esse desafio dos maranhenses, aprovando todos os projetos de lei do Executivo com grande impacto social. “Existe uma forte esperança de que conseguiremos reverter esse quadro vergonhoso, porque nós não vamos mais, por muito tempo, continuar sendo a vitrine da pobreza ou permanecer na Estrada da Fome como mostrou a reportagem da TV Record”, ressaltou.

ESTRADA DA FOME – Miséria do Maranhão é mostrada com tristeza na Record

ASSISTA AQUI À REPORTAGEM COMPLETA DO REPÓRTER RECORD NA ESTRADA DA FOME DO MARANHÃO

Repórter Record Investigação percorreu a Estrada da Fome para mostrar quem são as pessoas que sobrevivem à base de farinha e água suja no Brasil. Muitos deles, infelizmente, vivem no Maranhão, em municípios como Belágua (o mais pobre do país, onde a presidente Dilma Rousseff teve a maior votação proporcional por causa do Bolsa Família), Centro do Guilherme (maior porcentagem de miseráveis), Marajá do Sena e Fernando Falcão.

Eles ainda são “invisíveis” para as autoridades brasileiras, mas têm nome e sobrenome; são, facilmente, localizados e não possuem absolutamente nada para comer. São adultos e crianças em condições de extrema pobreza, sendo a situação mais crítica localizada no interior do Maranhão. Segundo o IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística), mais de sete milhões de brasileiros ainda passam fome no país.

Após três meses de investigação, os repórteres Daniel Motta e Heleine Heringer enfrentaram quase cinco mil quilômetros de estradas esburacadas e de terra para chegar às cidades mais isoladas e pobres do Brasil.

O programa mostrou depoimentos inéditos sobre a luta permanente e desesperada dessas famílias para conseguir se alimentar e revela a face mais cruel da fome: a exploração sexual de meninas em troca de comida.

Em uma entrevista exclusiva, o programa jornalístico exibe ainda entrevista exclusiva com um homem que cometeu essa brutalidade.