Marco Aurélio trava debate com César Pires sobre bonificação para ingresso na Ufma

Ele criticou o fato da oposição sarneysista querer criminalizar tudo, até mesmo coisas que são absolutamente legais

O deputado estadual César Pires (PEN) recebeu críticas do colega de parlamento Marco Aurélio (PCdoB), durante sessão plenária desta quarta-feira (29), na Assembleia Legislativa. Em um discurso no plenário, Pires criticou a bonificação aos alunos de escolas maranhenses para ingresso na Universidade Federal do Maranhão (Ufma), luta de vários parlamentares da casa.

Irritado com o colega por criticar uma política afirmativa, Marco Aurélio disparou que “não dá pra ouvir uma fala tão incoerente desse tipo e, sobretudo, de quem foi secretário de educação do Estado e nunca fez nenhuma escola de tempo integral pra mudar a qualidade do ensino, pra melhorar o IDEB do Maranhão”.

O deputado comunista saiu em defesa também da UemaSul, que também foi criticada por César Pires durante o seu processo de implementação. “A essa pessoa que foi contra a UemaSul e que continua dizendo que não vai dar certo, quero fazer um convite para ir a Imperatriz para ver o tanto que melhorou, para perguntar para um estudante e perguntar se não está valendo a pena”, desafiou Marco Aurélio.

César Pires respondeu dizendo que foi reitor da Uema e talvez tenha sido até o responsável por colar o grau de Marco Aurélio quando ele foi aluno. O que Pires não esperava era a resposta do deputado do PCdoB, que criticou o fato dele ter sido reitor, da área de veterinária, e nunca ter conseguido implantar o curso de veterinária na cidade, que só começou a funcionar após ele deixar a reitoria da universidade.

Foi quando Pires disparou a frase: “eu não coloquei porque não tinha cérebro qualificado para isso”.
A declaração, rebatida com revolta pelo deputado Marco Aurélio, que é da Região Tocantina, demonstra o preconceito com que César Pires e o grupo político do qual faz parte, a família Sarney, sempre tratou Imperatriz e região.

Agora os que tiveram décadas de oportunidades se doem porque nunca fizeram e presenciam um governo que está fazendo muito pela educação daquela importante região.

CRISE NO GRUPO SARNEY – Governistas indignados com imposição do nome de Edinho Lobão

Líder do governo Roseana “soltou o verbo” e criticou “escolha”, no afogadilho, do filho do ministro de Minas e Energia

César Pires detonou imposição do nome de Edinho Lobão, na emissora da própria família Sarney

César Pires detonou imposição do nome de Edinho Lobão, na emissora da própria família Sarney

Grande parte dos 31 deputados estaduais governistas torce o nariz para a imposição do nome do suplente de senador Edinho Lobão (PMDB) como pré-candidato do grupo Sarney ao governo do Maranhão. Um grupo de parlamentares chegou a se reunir, após a sessão desta quarta-feira (09), para discutir a atitude do clã Sarney que “escolheu”, no afogadilho, sem ouvir nenhum aliado, o filho do ministro de Minas e Energia, Edson Lobão, para  a disputa de outubro próximo.

Indignado, o líder do governo Roseana Sarney, César Pires (DEM), soltou o verbo, no programa Ponto Final da rádio Mirante AM, emissora da própria família Sarney, na manhã desta quarta-feira (09), e criticou a imposição do grupo Sarney com o nome Edinho Lobão para o governo do Estado. Ele disse que os deputados governistas deveriam ter sido ouvidos antes, mas não o foram, numa demonstração de que o nome do filho do ministro de Minas e Energia não agradou.

Castelo e Arnaldo Melo

Na manhã desta quarta-feira (10), os deputados governistas insatisfeitos chegaram a cogitar  o nome de Arnaldo Mello (PMDB) como candidato a senador pelo PMDB, já que Edinho Lobão já articula uma aproximação com o ex-prefeito de São Luís, João Castelo, para emplacar o tucano ao Senado com apoio do grupo.

Mas a verdade é que o grupo Sarney não aceita nem discutir essa hipótese de Arnaldo Mello como candidato ao Senado, já que o presidente da Assembleia Legislativa é agora visto como “persona non grata” pelo clã por não ter aceitado acordo para emplacar o ex-secretário de Infraestrutura, Luís Fernando Silva, “goela abaixo” como governador tampão em uma eleição indireta.

A imposição do nome de Edinho Lobão como pré-candidato ao governo do Maranhão não foi bem digerida pela classe política. Envolvido em um passado cravado de denúncias graves, os políticos do grupo Sarney o veem como uma verdadeira “bomba relógio”.