Notas rápidas deste sábado (18)

Marina Silva protagonizou o primeiro momento de embate direto com o líder nas pesquisas, Jair Bolsonaro (PSL), nos dois debates até aqui

Artistas querem showmício
Liderado pela produtora Paula Lavigne, um grupo de artistas pede o direito de cantar de graça em eventos com candidatos nas eleições. Eles prometem pressionar o STF pela mudança na Lei Eleitoral, que veta em seu Artigo 39 a realização de showmícios. A ideia é permitir os shows, desde que os artistas não recebam para isso. Luiz Fux é relator de uma ADC que pede a alteração na lei, mas aguarda manifestação da Procuradoria-Geral da República para se decidir. Criolo, Caetano Veloso e Maria Gadú são alguns dos artistas que apoiam a mudança.

Bolsonaro se perde sobre dívida
Reinaldo Azevedo, colunista da Rede TV!, consegue provocar o pior momento de Jair Bolsonaro nos dois debates até aqui. O jornalista questiona o deputado do PSL sobre a dívida pública. Para evitar a tergiversação sobre o “posto Ipiranga”, já incluiu o antídoto na pergunta: “Ou isso não é papel do presidente da República?”. Bolsonaro se retraiu. Disse que sim, é prerrogativa do presidente. E se pôs a desfilar uma série de generalidades que nada tinham a ver com a dívida, como a dificuldade para se abrir uma empresa no Brasil. Mostrou total despreparo para uma questão crucial de macroeconomia.

Marina é a primeira a peitar Bolsonaro
Marina ignorou as estratégias de marketing e, olhando nos olhos do deputado, o contrapôs sobre salários menores para mulheres e depois sobre sua política de armar a população. Ele ficou desconcertado e ensaiou uma resposta agressiva a ela, da qual recuou no meio.

Marina em 2º lugar nos TT’s do Twitter
Marina Silva terminou o debate da Rede TV em segundo lugar nos tópicos mais comentados do Twitter mundial, atrás justamente da hashtag oficial do evento. A candidata da Rede protagonizou o primeiro momento de embate direto com o líder nas pesquisas, Jair Bolsonaro (PSL), nos dois debates até aqui.

Bolsonaro ‘cola’, mas não funciona
Jair Bolsonaro até tentou se prevenir ao ir encarar Marina Silva durante o debate da Rede TV. O candidato do PSL foi flagrado com uma “cola” na mão, onde se viu escrito “pesquisa, armas, Lula”, provavelmente indicando o caminho que queria seguir nas perguntas para a candidata do Rede. Não deu muito certo. Acabou tomando uma “invertida” de Marina, que aproveitou para dar uma bronca no deputado sobre sua posição sobre igualdade salarial e armamento da população.

PSL e DEM têm menos mulheres
A representatividade das mulheres nas chapas ainda patina, e PSL e DEM são as legendas que mais deixam a desejar nesse quesito. Apenas 28,3% dos candidatos dos partidos de Jair Bolsonaro e Rodrigo Maia são mulheres. Os números ainda podem sofrer pequenas alterações até o fim das atualizações nos dados da Justiça Eleitoral, mas não deve chegar aos 30% exigidos por lei. PMB (39,4%) e PSTU (38%) são os melhores colocados nesse sentido.

Marina ‘sem medo dos bolsominions’
Marina Silva estava exultante após o debate da Rede TV. O duelo com Jair Bolsonaro colocou a candidata do Rede em evidência e ela não quer perder a chance de antagonizar com o líder das pesquisas (em cenário sem Lula). Na saída do encontro, novamente falou sobre o assunto, batendo ainda mais no candidato do PSL. “Não temos medo desses ‘bolsominions, não”, brincou. “Existem aqueles que gostam de subestimar as mulheres”, disse.

Ana Amélia elogia Marina
Destaque no debate da RedeTV, Marina Silva foi elogiada até mesmo por Ana Amélia, candidata a vice na chapa de Geraldo Alckmin. O confronto da candidata da Rede com Jair Bolsonaro foi, para Ana Amélia, “o ponto alto do debate”. “Ela foi muito corajosa e fez na hora certa. Soube aproveitar, não buscou um subterfúgio e foi em cima do ponto, na questão de a mulher ter hoje uma inferioridade salarial em relação ao homem. Ela foi feliz na forma como fez e de maneira respeitosa”, disse.

Notas rápidas deste domingo (12)

O próximo debate será organizado pela RedeTV e terá como mediadores Boris Casoy, Amanda Klein e Mariana Godoy

ACM Neto no comando
Geraldo Alckmin escolheu o presidente do DEM, ACM Neto, como o responsável pela sua chapa junto ao TSE. O gesto é um reconhecimento ao DEM diante dos demais partidos da coligação, e aponta para que, caso o tucano seja eleito, o partido tenha protagonismo no futuro governo. Também é uma forma de discretamente tirar da linha de frente o ex-governador de Goiás Marconi Perillo, cuja presença desagradava os aliados.

Tem outro debate chegando
Na próxima sexta-feira, candidatos ao Planalto estarão novamente participando de debate. Dessa vez, o encontro será organizado pela RedeTV e terá como mediadores Boris Casoy, Amanda Klein e Mariana Godoy.

O ‘Brasil Soberano’ de Ciro
O PDT lançou nesta sexta-feira as diretrizes do programa de governo de Ciro Gomes, que será batizado de “Brasil Soberano”. No documento que apresenta as linhas gerais da proposta, o candidato propõe uma política de indução de desenvolvimento que voltará a usar o BNDES, o Banco do Brasil e a Caixa Econômica Federal. Propugna ainda que o Banco Central fixe meta não só de inflação, mas também de desemprego.

Flávio Rocha no bonde de Bolsonaro
O empresário Flávio Rocha, controlador das lojas Riachuelo e ex-presidenciável pelo PRB, partido que acabou se aliando ao tucano Geraldo Alckmin, anunciou o apoio a Jair Bolsonaro, candidato à Presidência pelo PSL. Segundo o jornal Gazeta do Povo, o anúncio aconteceu depois de uma reunião entre Rocha e Bolsonaro, realizada na manhã desta sexta-feira, 10, em São Paulo. Em certo momento da campanha, Rocha afirmou que Bolsonaro estava à esquerda na economia, pelas suas posições historicamente estatistas, e era como um iceberg no caminho do Brasil. Agora, aparentemente, mudou de ideia.

Daciolo foi ‘pesadelo’ do PSOL
Cabo Daciolo (Patriota) começou sua carreira política no PSOL, que se sensibilizou por sua liderança em movimento que pedia auxílio-transporte para os bombeiros militares. Acabou eleito a deputado federal com 49.831 votos, em 2014. O romance do cabo com a legenda durou menos de um ano. Daciolo apresentou uma PEC para que o texto constitucional afirmasse que “todo poder emana de Deus e não “do povo”. Ele também considerou ilegal a prisão preventiva dos PMs acusados de assassinato do pedreiro Amarildo de Souza, em 2013.

A identidade digital no programa de Marina
Uma das propostas mais valorizadas pelo economista André Lara Resende, colaborador da campanha de Marina Silva (Rede), é a da carteira de identidade digital. Resende cita as experiências da Índia e da Estônia ao propor a criação de um documento online para diminuir a burocracia na obtenção de outros documentos, contratos e em transações econômicas, como a abertura de empresas. Ele afirma que a plataforma torna os cartórios obsoletos.

Os palanques de Ciro nos Estados
Apesar de isolado na campanha, em decorrência do acordo do PT com o PSB, Ciro Gomes têm garantido palanques em pelo menos oito Estados, nos quais o partido lançou candidato próprio a governador (SP, RJ, RS, RN, MS, RO, AM e AP). Além disso, o terá cinco candidatos a vice-governador (CE, PE, ES, MT, PB) e sete ao Senado (SP, PR, MA, CE, RR, PA, AM), em coligações firmadas na reta final de composição eleitoral.

DEM e MST juntos? Sim, no Maranhão

Convenção de Flávio Dino mais de 10 mil pessoas

Epoca

DEM e o Movimento dos Trabalhadores Sem-Terra (MST) juntos nas eleições? Sim. Acontecerá no Maranhão. No final de semana houve uma prévia dessa união. O deputado federal Juscelino Filho (DEM-MA) estava próximo do coordenador nacional do MST, João Paulo, durante a convenção do PC do B que confirmou a candidatura de Flávio Dino em sua tentativa de reeleição.

Flávio Dino chega às eleições 2018 com sete partidos a mais em relação a 2014

Exatos 16 partidos, o que garante ao governador Flávio Dino mais de 5 minutos do tempo de TV do horário eleitoral gratuito

O governador Flávio Dino (PCdoB) teve seu nome homologado em uma grande convenção para mais de 10 mil pessoas neste sábado (28). São exatas 16 agremiações que declararam apoio a ele nestas eleições.

Em relação ao ano de 2014, quando Flávio Dino encerrou 50 anos de domínio do grupo Sarney, o então candidato tinha o apoio de 9 partidos: PCdoB, PDT, PSDB, PSB, PP, PPS, PROS, PTC e Solidariedade. Desses, apenas o PSDB não está com Flávio Dino em 2018.

Para essa eleição, somam-se ao time governista PT, DEM, PR, PRB, PTB, PPL, Patriotas e agora o Avante. Exatos 16 partidos, o que garante ao governador Flávio Dino mais de 5 minutos do tempo de TV do horário eleitoral gratuito.

Convenção vai oficializar Flávio Dino candidato à reeleição neste sábado (28)

Neste sábado (28) será realizada a convenção partidária Todos Pelo Maranhão, quando será confirmada a chapa majoritária do governador Flávio Dino, pré-candidato à reeleição. O ato contará com a participação de diversas lideranças de 15 partidos: PCdoB, PDT, PP, PPS, PROS, PSB, PT, PTB, PR, PRB, DEM, PEN, PTC, Solidariedade e PPL, que compõem a base aliada de Flávio Dino.

Flávio Dino ressaltou que a convenção Todos Pelo Maranhão é o momento em que sua coligação vai “conversar sobre o nosso Programa de Governo para o período 2019-2022. O nosso vice-governador Carlos Brandão também vai participar. Todos convidados”.

O presidente do diretório estadual do PCdoB no Maranhão, Márcio Jerry, também falou sobre a realização da convenção. “Será a coalizão de 15 partidos políticos, movimentos sociais e o povo do Maranhão para que em outubro possamos reconduzir o melhor governador do Maranhão, que é o governador Flávio Dino”, pontuou Jerry, que é também pré-candidato a deputado federal.

Para a presidente da União Brasileira de Mulheres no Maranhão (UBM-MA), Thays Campos, a convenção é o momento da celebração de um governo que mostrou que é possível fazer uma gestão pública diferente, priorizando os mais necessitados.

“Não temos dúvida da grande festa e encontro do governante com a sua militância. Temos a certeza que o povo do Maranhão vai continuar a sorrir e vai continuar sendo rei e rainha da sua própria vida”, analisou Thays Campos.

O encontro será realizado na data em que é comemorado um marco histórico para Maranhão. No dia 28 de julho de 1823, o estado aderiu oficialmente à independência do Brasil. A convenção de Flávio Dino, portanto, tem o simbolismo de romper de vez os laços com o passado e não permitir que a elite que mandou e desmandou no Maranhão volte a ter os privilégios de antigamente.

Partidos da base do governador Flávio Dino definem chapas proporcionais para a Assembleia Legislativa e Câmara dos Deputados

Quem participou da reunião afirmou que houve muito diálogo na construção das chapas que prometem eleger o maior número de deputados para a Assembleia Legislativa e para o Congresso Federal

Os 15 partidos que fazem parte da base de apoio do governador Flávio Dino (PCdoB) chegam à convenção coletiva com as chapas proporcionais montadas. Elas foram definidas na quinta-feira (26) com um clima muito bom entre os presidentes das siglas. Quem participou da reunião afirmou que houve muito diálogo na construção das chapas que prometem eleger o maior número de deputados para a Assembleia Legislativa e para o Congresso Federal.

As chapas para a Assembleia Legislativa foram definidas da seguinte forma:
Chapa 1: PCdoB, PDT, DEM, PSB, PP, PR, PRB, PTC
Chapa 2: PEN, PTB, PROS, PPS, PPL
Chapa 3: PT
Chapa 4: SD

As chapas para a Câmara dos Deputados foram definidas assim:
Chapa 1: PCdoB, PRB, PTB, PSB, PEN, SD, DEM, PROS, PTC, PPL e PPS
Chapa 2: PR, PDT e PP
Chapa 3: PT

Centrão se afasta de Ciro e fecha apoio a Alckmin nas eleições

No mercado eleitoral, o apoio do Centrão é visto como muito importante na disputa pela Presidência. Juntos, os partidos têm no mínimo 4 minutos e 12 segundos

Na véspera da convenção que vai oficializar a candidatura de Ciro Gomes (PDT) à Presidência da República, o Centrão mudou de lado nas eleições 2018 e decidiu fechar aliança com o ex-governador Geraldo Alckmin, pré-candidato do PSDB. A reviravolta de última hora ocorreu depois que o PR, chefiado pelo ex-deputado Valdemar Costa Neto, se juntou ao bloco, formado por DEM, PP, Solidariedade e PRB.

Em reunião realizada nesta quinta-feira, 19, em São Paulo, dirigentes do Centrão disseram a Alckmin que, se não houver nenhum obstáculo no meio do caminho, o acordo pode ser anunciado oficialmente no próximo dia 26. Nos bastidores, três presidentes de partidos disseram que a aliança do bloco com o PSDB já está acertada. O candidato a vice na chapa do tucano será o empresário Josué Gomes da Silva (PR), filho do ex-vice-presidente José Alencar, morto em 2011.

Leia mais: Vídeo de Geraldo Alckmin promete terminar briga interna no PSDB

No mercado eleitoral, o apoio do Centrão é visto como muito importante na disputa pela Presidência. Juntos, os partidos têm no mínimo 4 minutos e 12 segundos por dia no horário eleitoral de rádio e TV, que começa em 31 de agosto. O PR dispõe de mais preciosos 45 segundos. Na Câmara, esses partidos somam uma bancada de 164 dos 513 deputados.

A mudança do bloco, que até os últimos dias estava inclinado a avalizar a candidatura de Ciro, foi resultado de uma soma de fatores políticos. O peso maior, porém, é atribuído a Valdemar, que atuou como uma espécie de fiel da balança no bloco e exigiu composição com Josué de vice.

Leia mais: Bolsonaro sofre duas baixas em menos de uma semana

Alckmin desmarcou compromissos em Montes Claros (MG), ao lado do senador Antonio Anastasia – pré-candidato do PSDB ao governo de Minas – para conversar ontem com representantes do Centrão.

Antes, o PR negociava apoio a Jair Bolsonaro, presidenciável do PSL, que está em primeiro lugar nas pesquisas em cenário sem a participação do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, condenado e preso da Lava Jato, na disputa eleitoral. Como a aliança com Bolsonaro não vingou, Valdemar se juntou ao Centrão.

Um jantar com integrantes do bloco, na casa do senador Ciro Nogueira (PP-PI), na quarta-feira, praticamente selou o destino do grupo. Ali, Valdemar manifestou sua preferência por Alckmin, em vez de Ciro, mas disse que seguiria a posição do bloco, qualquer que fosse. Sua única exigência era fazer Josué vice de alguma das chapas.

 

Leia mais: Prefeitura prossegue com as atividades do Programa Férias Culturais com “Passeio Serenata”

Convenção dos partidos da base de Flávio Dino já tem local e horário marcado

Flávio Dino já tem confirmado o apoio do PCdoB, PDT, PSB, PT, PPS, PRB, DEM, PTB, PP, PR, PROS, PTC, PPL, Patriotas e Solidariedade

A grande convenção dos partidos da base do governo Flávio Dino (PCdoB) que já tinha sido anunciada para o dia 28 de julho, agora já tem local e horário marcado.

Em reunião realizada nesta terça-feira (17) pelos representantes dos 15 partidos que estarão com Flávio Dino no projeto de reeleição, foi escolhido o Centro de Convenções Pedro Neiva de Santana como o local para a realização da convenção coletiva.

Leia mais: Grupo político de Flávio Dino faz dois grandes eventos simultâneos no Maranhão

O evento, que vai iniciar às 8h30 minutos, promete reunir caravanas de todas as cidades do estado e consagrar o nome do governador Flávio Dino para a reeleição, de Carlos Brandão para a vaga de vice-governador e dos pré-candidatos Weverton Rocha (PDT) e Eliziane Gama (PPS) para o Senado Federal.

Flávio Dino já tem confirmado o apoio do PCdoB, PDT, PSB, PT, PPS, PRB, DEM, PTB, PP, PR, PROS, PTC, PPL, Patriotas e Solidariedade.

 

Leia mais: Flávio Dino entregou 154 novas ambulâncias, contra 50 de Roseana Sarney

Centrão quer definir até dia 19 quem irá apoiar para Presidente da República

O blocão, como seus integrantes preferem chamar, quer definir até quinta-feira (19), véspera da abertura do prazo de convenções partidárias, quem vai acompanhar na disputa pelo Palácio do Planalto

A cúpula do chamado centrão – bloco cujo núcleo duro é formado por DEM, PP, SD e PRB – reuniu-se neste sábado (14) com o pré-candidato do PDT à Presidência, Ciro Gornes (CE), para esclarecer divergências ideológicas e discutir cargos como a Vice-Presidência e o comando da Câmara.

O blocão, como seus integrantes preferem chamar, quer definir até quinta-feira (19), véspera da abertura do prazo de convenções partidárias, quem vai acompanhar na disputa pelo Palácio do Planalto.

Leia mais: PRB anuncia retirada da pré-candidatura a presidente do empresário Flávio Rocha

O presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), e os presidentes do DEM, ACM Neto, do PP, Ciro Nogueira, do Solidariedade, Paulinho da Força, e do PRB, Marcos Pereira, reuniram-se em São Paulo na casa do empresário Benjamin Steinbruch, filiado ao PP.

No encontro deste sábado, a conversa com os líderes do centrão também foi mais objetiva ao discutir questões como alianças nos estados, condições de campanha e postos como a presidência da Câmara, cargo que Maia quer ocupar pela terceira vez. Discutiram também possíveis nomes de vice para ambas as chapas.

Na primeira reunião do grupo com Ciro, em junho, Ciro já havia tentado desfazer polêmicas. Naquele encontro, o presidenciável sustentou posições que defende publicamente e que são tabus para partidos de viés mais conservador, mas se disse aberto a fazer ajustes no programa de governo.

A seu favor, Ciro tem pesquisa encomendada pelo DEM que aponta rejeição a Alckmin de 60% ante 52% do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT). O levantamento indica ainda que o PSDB e seu candidato tem um nível de desgaste considerado irreversível.

Se o candidato apoiado for Ciro Gomes, o PR entrar no grupo e o PSB fechar aliança com o PDT, as possibilidades de vice aventadas na reunião são Márcio Lacerta (PSB), Josué Alencar (PR) e Benjamin Steinbruch (PP).

Leia mais: PSB decide apoiar pré-candidatura de Ciro Gomes à Presidência

Se decidirem apoiar Alckmin, os integrantes do grupo consideram para vice Josué Alencar (PR), Mendonça Filho (DEM), Aldo Rebelo (SD) e um nome do Nordeste a ser definido pelo PP.

Antes de se reunirem na quinta-feira para, finalmente, definir o apoio, o grupo se encontra com Valdemar Costa Neto na quarta-feira (18) para saber qual a decisão dele sobre o destino do PR, já que há grande pressão da bancada para que a sigla apoie a candidatura de Jair Bolsonaro (PSL-RJ).

Maia, Nogueira e Paulinho defendem apoio a Ciro, enquanto Marcos Pereira e Neto preferem Alckmin e, por isso, ainda querem fazer mais análises antes de bater o martelo.

O grupo insiste na tentativa de atrair o PR, partido que, sozinho tem cerca de 45 segundos de tempo de TV. O bloco, sem o PR, tem 2 minutos e 11 segundos. Por isso há um grande esforço para trazer o partido de Valdemar Costa Neto. A preferência dele terá grande influência na hora de se bater o martelo sobre que candidato apoiar.

Leia mais: Geraldo Alckmin tem passagem apagada por Imperatriz

Sozinho, Alckmin tem 1 minuto e 11 segundos de TV. Se confirmada a aliança com PSD, PTB, PV e PPS (1 minuto e 42 segundos), o tucano chega a 2 minutos e 53 segundos. Com o tempo do blocão, pode chegaria a 5 minutos e 4 segundos ou até a 5 minutos e 49 segundos, caso o PR entre na campanha.

Ciro tem hoje, sozinho, 25 segundos. Se fechar aliança com o PSB (45 segundos), vai a 1 minuto e 10 segundos. Com o blocão, vai a 3 minutos e 21 segundos, podendo chegar a 4 minutos e 6 segundos se o PR aderir ao grupo.

O PSC (17 segundos) pode integrar oficialmente o centrão nos próximos dias. O PHS (7 segundos) participou de uma reunião do grupo na quarta-feira (11) e também pode engrossar o bloco que quer crescer para aumentar seu poder de barganha.