Improvável duelo eleitoral…

ROBSON PAZ

O duelo eleitoral entre o governador Flávio Dino (PCdoB) e a ex-governadora
Roseana Sarney (MDB) parece cada vez mais improvável. A mdebista apostava em
três fatores para entrar na disputa pelo governo do Estado: viabilidade eleitoral,
apoio político e poderio midiático.
Com base nesse tripé, o plano do grupo Sarney era consolidar o projeto até
dezembro de 2017. Janeiro chegou e todos os cenários são amplamente
desfavoráveis à tentativa do sarneísmo voltar ao poder.
No âmbito eleitoral, as pesquisas divulgadas pela TV Difusora e pelo Jornal
Pequeno, em dezembro passado, mostraram favoritismo do governador Flávio Dino
à reeleição.
Além de ver Dino liderar com mais de 60% dos votos válidos, Roseana Sarney,
variando entre 27% e 30% das intenções de voto, tem a maior rejeição entre os pré-
candidatos, segundo dados dos Institutos Exata e Datailha.
Na seara política, a desvantagem de Roseana Sarney é ainda mais visível. Enquanto
o governador comunista manteve praticamente intacta a aliança que o levou ao
Palácio dos Leões, em 2014, a mdebista amarga quase completo isolamento. A
maioria dos partidos historicamente aliados do sarneísmo anunciou apoio ao
governo e à pré-candidatura do PCdoB.
Ao menos seis legendas PRB, PP, PR, DEM, PROS e PTB estarão na aliança
liderada por Flávio Dino.
Não por acaso, o ex-senador José Sarney vetou a nomeação do deputado federal
Pedro Fernandes (PTB) para o Ministério do Trabalho. A desesperada tentativa de
recuperar o apoio do PTB tinha o simbolismo de um troféu a ser exibido pelo chefe
maior da oligarquia como demonstração de força para os políticos. Deu com os
burros n’água!
A postura firme, leal do presidente do PTB escancarou ao Maranhão e ao Brasil, a
política coronelista e retrógrada praticada por Sarney e a candidatura caricata de
Roseana Sarney.
– Mas, Sarney é detentor de um império midiático capaz de causar avarias na
imagem de governos e políticos. Diria, um observador!
Sim, verdade que Sarney tem um oligopólio de comunicação encabeçado pela
afiliada da Rede Globo, dezenas de emissoras de TVs e outras tantas de rádios,
jornal e portal de internet. De fato, não é desprezível!
Contudo, o ambiente da comunicação do Maranhão não mais permite a criação de
factóides como a “morte e ocultação de cadáver de Reis Pacheco”, sem a devida
constatação da verdade com a celeridade e pluralidade propiciada pela internet e
redes sociais.

Ademais, pelo menos, metade da população do estado não se informa pela TV
Mirante, pois acessa TV por parabólica. Cada vez maior também é o índice da
população com acesso à internet, especialmente via celular. Isto é, com informações
ao alcance das mãos.
Com o revés do clã Sarney nos campos eleitoral, político e midiático, resta-lhes a
influência sobre o presidente Michel Temer e o apoio deste para Roseana Sarney.
Recente pesquisa divulgada pelo Ibope mostra que 90% dos eleitores não votam em
candidatos que apóiam governo Temer.
Decerto, uma temeridade para a improvável candidatura de Roseana Sarney. O
Maranhão está próximo de livrar-se de vez do passado coronelista.

_______________

# Radialista, jornalista. Secretário adjunto de Comunicação Social e diretor-geral da
Nova 1290 Timbira AM

Grupo Sarney prepara chapa “puro sangue” para 2018…

Zequinha Sarney deve disputar o Senado

Como publicou o blog do jornalista Gilberto Lima, tudo indica que o grupo Sarney deve bater o martelo, nos próximos meses, para definir uma chapa prioritária para as eleições do próximo ano. Como analistas políticos vêm especulando, a oligarquia deve lançar Roseana Sarney (PMDB) para o governo do Estado e Sarney Filho (PV) para o Senado em 2018.

Os dois devem ter ainda a companhia do fiel aliado Edison Lobão (PMDB), provável candidato à reeleição, para exercer o quinto mandato como senador, em uma chapa genuinamente “sarneysista”.

O objetivo da oligarquia é tentar retomar o poder no Maranhão. Esfacelado, o grupo vê essa chapa como cartada final para a difícil reestruturação do clã, que perdeu forças após a vitória do governador Flávio Dino (PCdoB) em 2014, e cresceu em impopularidade com a série de escândalos de corrupção relacionados a membros do grupo político.

Blogueiros ligados ao grupo Sarney têm afirmado que o próprio patriarca da família, o ex-senador José Sarney, teria definido que sua filha sairá candidata ao governo, já que para o velho oligarca apenas a ex-governadora poderia salvar o clã do limbo político.

Roseana não terá uma tarefa fácil. A ex-governadora, que já exerceu o cargo por três mandatos – sendo um deles pela metade, após ter operado a cassação do mandato do saudoso Jackson Lago – vai ter que enfrentar a forte aceitação popular de Flávio Dino e o bom currículo que o atual gestor vem acumulando à frente do poder executivo estadual.

A candidatura de Roseana ao governo amenizou o conflito interno com seu irmão Zequinha, como também é conhecido o ministro do Meio Ambiente, Sarney Filho. Preterido pela sua família, finalmente o grupo Sarney autorizou o lançamento da candidatura de Zequinha ao Senado, depois de muita discórdia e indecisão de Roseana, que não sabia se sairia para o Senado ou para o governo.

Na chapa puro sangue, formada por esses “dinossauros” da oligarquia, sobrou espaço para o senador Edison Lobão. Apesar de ser alvo de cinco inquéritos ligados à Lava Jato por suspeita de crimes de corrupção, o clã Sarney acredita na sagacidade política do ex-ministro Lobão para o clã ganhar novo fôlego em 2018.

A missão mais difícil da oligarquia será mesmo a de convencer o eleitorado maranhense a votar em nomes já gastos e marcados por falcatruas políticas. Após quase meio século de dominação e desmando em terras maranhenses, é pouco provável que o povo do Maranhão dê um passo para trás na história e reconduza membros do elitista grupo Sarney ao poder.

A disputa pré-eleitoral pelo governo do Maranhão…

Um dos complicadores para Roseana é a alta rejeição

Flávio Dino vem fazendo um governo popular e tem dito que vai disputar a reeleição

A quase um ano do início da campanha, visando ao governo do Maranhão em 2018, é possível avaliar o cenário das pré-candidaturas que já se apresentam ao pleito. Nomes conhecidos como o governador Flávio Dino (PCdoB), a ex-governadora Roseana Sarney (PMDB), o senador Roberto Rocha (PSB), o deputado estadual Eduardo Braide (PMN) e a ex-prefeita de Lago da Pedra, Maura Jorge (PODEMOS), já aparecem nas pesquisas iniciais.

Flávio Dino é franco candidato à reeleição, faltando, claro, apenas a convenção para confirmar e homologar a candidatura. Tem feito um governo bastante popular, voltado, sobretudo, para melhorar a qualidade de vida da população do Estado e ganhou projeção nacional pela sua ideologia, capacidade de articulação e pela forma como se posiciona diante das questões do país, chegando a ser indicado até para vice numa possível chapa do ex-presidente Luís Inácio Lula da Silva (PT) à presidência da República.

Já a ex-governadora Roseana Sarney não tem ela própria certeza de sua candidatura, pois o grupo a que pertence dominou a política do Maranhão por mais de quatro décadas, mas não consegue se levantar diante de uma série de fatos que surgem, pondo em xeque os governos oligárquicos, da impopularidade e da falta de articulação e entendimentos mesmo.

Na avaliação do blog, Roseana só entraria na disputa pelo governo, mesmo, se tiver chances reais de vencer e se alguém ou o grupo se disponibilizar em financiar ou buscar recursos para a campanha. Ela não tiraria do “bolso” ou do patrimônio para arriscar no processo eleitoral. Outro complicador para a ex-governadora é a alta rejeição.

Roseana também precisa garantir imunidade para se proteger e não vai arriscar ficar sem mandato por mais anos. Pelo andar da carruagem, talvez, disputará uma vaga na Câmara Federal no próximo ano.

Eduardo Braide somente tem votos em São Luís, pois disputou, recentemente, a eleição municipal para prefeito e apresentou bom desempenho. Tem apoio e simpatizantes em Anajatuba, onde seu grupo político reinou. Mas, no entanto, se entrar na disputa pelo governo, corre sérios riscos de ficar sem mandato. Na avaliação do blog, ele não se arriscará. Caminho mais certo para ele é concorrer a uma cadeira de deputado federal para brigar pela Prefeitura de São Luís em 2020.

Já o senador Roberto Rocha não tem o que perder, aparentemente, entrando na disputa pelo governo. Porém, nas primeiras pesquisas já divulgadas, ele não consegue atingir nem dois dígitos. Deverá ser candidato sim, mas o maior risco para ele é evidenciar para o Maranhão o tamanho que realmente é, já que foi eleito pelo grupo político  Flávio Dino (PCdoB), que lhe garantiu o sucesso nas urnas, mas resolveu romper com o governador e companhia.

No Senado, Roberto Rocha  vem decepcionando bastante os eleitores, basta observar os comentários de internautas em suas constantes postagens nas redes sociais a exemplo das manifestações por conta do voto favorável à Reforma Trabalhista do presidente Michel Temer (PMDB) que tira uma série de direitos dos trabalhadores.

A ex-prefeita de Lago da Pedra, Maura Jorge, talvez, seja a candidata com menos expressão e mais vazia nessa disputa pré-eleitoral. Nas sondagens realizadas, ela aparece, timidamente, e não deve avançar muito, pois tem uma base pequena e pouca bagagem política para entrar na briga.

Eliziane descarta romper com Flávio Dino e acordo com PMDB fica distante

Eliziane se mantém na base aliada de Flávio Dino

Eliziane se mantém na base aliada de Flávio Dino e se distancia do PMDB

Clodoaldo Correa

A conversa da deputada federal Eliziane Gama (PPS) com o PMDB estava indo bem, até com a possibilidade dos peemedebistas indicarem o vice. Mas as tratativas não pararam diante da principal imposição de Roseana Sarney para que o PMDB bata o martelo: romper com o governador Flávio Dino (PCdoB).

Roseana disse que queria Eliziane de corpo e alma com o grupo, já que Wellington do Curso deu garantia de que se o PMDB fosse com ele, iria com força total sem receio da bandeira do sarneyzismo.

Eliziane deu para trás neste momento. Foi firme em dizer que gostaria do PMDB na chapa, mas não rompe com o governador.

Outro fator que dificultou a negociação foi a “casinha” armada pelo PMDB. Eliziane saiu da reunião extremamente constrangida com a presença da imprensa ligada ao grupo Sarney no local. A TV Guará, aliada de Eliziane, também foi à reunião sabendo da presença da imprensa sarneysta constrangendo Eliziane.

Carlinhos Barros lidera pesquisa em Vargem Grande, segundo instituto Prever

Segundo pesquisa, 62,9% dos entrevistados desaprovam a atual administração municipal de Vargem Grande. Apenas 3,3% se dizem satisfeitos com a administração de Edivaldo.

pesquisa vargem grande

Pesquisa divulgada, nesta segunda-feira (25),  pelo instituto Prever Pesquisas e Consultoria, encomendada pela empresa Attualità Comunicação e Marketing que edita o Blog da Sílvia Tereza, aponta a liderança do pré-candidato a prefeito Carlinhos Barros (PCdoB) na disputa pela Prefeitura de Vargem Grande com 38% das intenções, seguido da segunda colocada Irandir Fernandes (PMDB) com 17,5%. A amostragem – registrada sob o número MA-01800/2016 e realizada entre 16 e 17 de julho – ouviu 337 pessoas e evidencia o cenário político com os principais e possíveis pré-candidatos no município.

Faltando pouco mais de dois meses para a eleição, em todos os cenários analisados , o pré-candidato Carlinhos Barros aparece com a maior parte das intenções de voto. Na pesquisa espontânea, onde não são apresentadas as opções de candidatos, ele tem 38%, mais que o dobro da segunda colocada, Irandir Fernandes, citada por 17,5% das pessoas. Wellington Leite aparece apenas com 1,5%.

pesquisa vargem grande2
Em um outro cenário, onde o entrevistado precisa escolher entre Carlinhos Barros e Irandir Fernandes, a diferença é ainda maior. O primeiro possui 58,2% das intenções de voto contra 25,8% que preferem Irandir Fernandes.pesquisa vargem grande3
Considerando a margem de erro, a pesquisa aponta uma grande diferença entre o candidato da oposição Carlinhos Barros e  Irandir Fenandes, pré-candidata apoiada pelo atual prefeito Edivaldo. O pré-candidato Wellington Leite mostra-se pouco expressivo nas intenções de voto.

Rejeição dos pré-candidatos 

pesquisa vargem grande4
A pesquisa também avaliou a taxa de rejeição dos pré-candidatos. No cenário entre Carlinhos Barros, Irandir Fernandes e Wellington Leite, quando perguntados sobre quem não elegeriam, 34,4% dos eleitores disseram que não votariam na pré-candidata do prefeito Edivaldo, Irandir Fernandes; 28,5% não votariam em Wellington Leite e apenas 10,7% dos entrevistados não conduziriam Carlinhos Barros à Prefeitura.

Segundo a sondagem, 19,3% não souberam ou não quiseram responder e 7,1% não têm rejeição a nenhum candidato.

Avaliação do atual prefeito
A atual administração municipal também foi avaliada pelo levantamento. 62,9% dos entrevistados desaprovam o governo atual e apenas 3,3% se dizem satisfeitos com a administração de Edivaldo..

Anderson Wilker lidera pesquisa para prefeito em Alcântara; Flávio Dino mantém boa aprovação

pesquisa5

pesquisa3

pesquisa6

Anderson com o presidente do PCdoB, Márcio Jerry, e com o deputado Othelino Neto

Anderson com o presidente do PCdoB, Márcio Jerry, e com o deputado Othelino Neto

O pré-candidato a prefeito de Alcântara, Anderson Wilker (PCdoB), é o primeiro colocado na disputa eleitoral no município, segundo pesquisa de intenções de votos realizada pelo instituto Exata e registrada na Justiça Eleitoral, no período de 07 a 09 de abril. Ele dispara com 50% da preferência em um cenário com todos os outros concorrentes.

Em um cenário apenas com o atual prefeito Domingos Araken (PT), Andreson aparece em primeiro lugar com 60% das intenções de votos contra somente 7% do gestor.

Já no quesito rejeição, Arakén dispara com 69%. É o pré-candidato que tem a menor preferência, junto ao eleitorado, segundo a pesquisa Exata, enquanto Anderson tem apenas 8%.

A pesquisa avaliou também o grau de satisfação do eleitor com o governador Flávio Dino (PCdoB). Segundo a pesquisa, 61% dos entrevistados aprovam o atual governo do Maranhão.

Anderson Wilker hoje é assessor de Articulação Política do governo do Estado. O crescimento político dele na cidade ficou evidente nas eleições de 2014, quando liderou as campanhas do governador Flávio Dino e do deputado Othelino Neto (PCdoB), que terminaram como os mais votados em Alcântara.

A pesquisa foi registrada junto ao Tribunal Regional Eleitoral (TRE-MA), sob o protocolo MA-04702/2016, e no Tribunal Superior Eleitoral (TSE), sob o protocolo MA-04702/2016. Margem de erro: 3,5%.

pesquisa2

PRINT DO DIA – Neto Evangelista começa a botar as “asinhas” de fora

neto evangelista

O tucano Neto Evangelista (PSDB), atual secretário estadual de Desenvolvimento Social (Sedes), no governo Flávio Dino (PCdoB), começou a colocar, literalmente, as suas “asinhas”, focando as eleições municipais em São Luís que se avizinham.

Pretenciosamente, ele usou o perfil do Facebook para atacar a Prefeitura de São Luís, provavelmente, na tentativa de atingir, diretamente, o prefeito da capital, Edivaldo Holanda Jr (PDT), por conta de matéria veiculada, na manhã desta terça-feira (05), no Bom Dia Brasil sobre buracos na região metropolitana.

Isso revela que o secretário, que também é deputado, está de olho em São Luís, ou melhor, mantém interesses na disputa eleitoral que se avizinha. É aguardar!

PSDB diz que trabalha apenas com três pré-candidatos em São Luís, mas…

Pinto Itamaraty tem sido visto, constantemente, conversando com a pré-candidata Eliziane Gama

Pinto Itamaraty tem sido visto, constantemente, conversando com a pré-candidata Eliziane Gama

Em nota encaminhada à Imprensa, o presidente da Comissão Municipal do PSDB, ex-deputado Pinto Itamaraty, diz que o partido só trabalha com três opções de pré-candidaturas em São Luís: o ex-prefeito João Castelo, o deputado Sérgio Frota e e secretário de Desenvolvimento Social, Neto Evangelista. Porém, tem sido visto, constantemente, na companhia da pré-candidata do PPS, Eliziane Gama, de quem nega aproximação.

Na nota, Pinto Itamaraty diz que é inaceitável a ventilação de falsas candidaturas e defende que a decisão sobre os rumos, que o partido vai tomar em relação a 2016, tenha que ser, amplamente, discutida. Fala também em verdade dos fatos e mostra que ficou descontente com setores da imprensa que insinuam um “namoro político” do PSDB com Eliziane Gama.

nota psdb

“PCdoB tem nomes para disputar eleições em mais de 100 municípios”, garante Márcio Jerry

Partido vem crescendo em todo o Estado. Prefeitos de Barra do Corda  e de Açailândia vão se filiar ao PCdoB neste mês de setembro

Márcio Jerry disse que o foco do partido é a ampliação da base governista

Márcio Jerry disse que o foco do partido é a ampliação da base governista

Em conversa informal com um grupo de jornalistas e blogueiros esta semana, o secretário estadual de Articulação Política e presidente do PCdoB, jornalista Márcio Jerry, disse que o partido está em ritmo crescente em todo o Estado, já foi implantado nos 217 municípios e que tem nomes para disputar prefeituras em mais de 100 cidades maranhenses. No entanto, segundo ele, tudo vai depender da conjuntura política, das alianças, das sigla aliadas e do consenso entre as lideranças em torno dos pré-candidatos. “O foco é a formação de uma grande base governista”, frisou.

De acordo com Márcio Jerry, o partido tem sido procurado por centenas de lideranças no Maranhão. Nos próximo dias, os prefeitos de Barra do Corda, Eric Costa, e de Açailândia, Juscelino Oliveira,  vão se filiar ao PCdoB. Em Bacabal, um dos maiores redutos eleitorais do Estado, a sigla comanda uma frente aliada  forte com várias lideranças, de onde sairá um pré-candidato a prefeito de consenso.

Márcio Jerry disse que o foco do partido não é a filiação de prefeitos e, sim, a ampliação e fortalecimento da base governista com a adesão de novas lideranças. Garantiu que a relação com o PDT é muito boa e que todos os partidos da base aliada estão crescendo em todo o Estado com as proximidades das eleições municipais do ano que vem. “Não há e nem deve haver cimeira entre os partidos governistas. O importante é o fortalecimento político”, afirmou.

Sobre São Luís

Sobre São Luís, Márcio Jerry disse que o caminho natural do PCdoB será a aliança em torno da reeleição do atual prefeito, Edivaldo Holanda Júnior. Mas deixou claro que, no entanto, o governador Flávio Dino ficará neutro na campanha, pois devem concorrer à eleição aliados da base governista.

O secretário de Articulação Política disse que o prefeito de São Luís tem crescido mais em popularidade nos últimos meses ao estar mais presente nos bairros, na cidade, vistoriando obras e participando de ações importantes. Segundo ele, a parceria com o governo Flávio Dino, que se concretiza em obras e diversas ações, também é um ponto positivo para o bom momento político e administrativo pelo qual passa Edivaldo Holanda Júnior.

Com foco também no fortalecimento da base governista, o governador Flávio Dino vem mantendo reuniões com a bancada de apoio na Assembleia Legislativa do Maranhão. Na última quinta-feira (03), o encontro, no Palácio dos Leões, contou também com a presença de secretários estaduais. Hoje, o governo conta com o apoio de 37 parlamentares na casa legislativa.