A “dor de cotovelo” do grupo Sarney após avaliação de Flávio Dino no G1….

Os últimos dias mostraram o quanto o grupo Sarney ficou incomodado e irritado com o reconhecimento nacional feito pelo site G1 ao governador do Maranhão, Flávio Dino (PCdoB), por ele estar cumprindo, fielmente, o programa de governo, com índice de 92%, o maior do país. O sistema intensificou um bombardeio contra o governo, sinalizando total “dor de cotovelo” e porque não dizer  “inveja”. Tentou descarregar, nas costas da atual gestão, a responsabilidade pela pobreza no Maranhão, construída, sobretudo, nos anos comandados pela própria oligarquia.

“Há 62 anos no poder, o senador Sarney descobriu agora que há pobreza no Maranhão. Foi deputado, governador, presidente da República, presidente do Senado por três vezes. E agora ele cobra que eu resolva suas omissões em apenas três anos. Oposição irresponsável”, disparou Flávio Dino em suas redes sociais ao reagir aos ataques do grupo adversário.

Segundo Flávio Dino, durante essas décadas no poder, o coronelismo maranhense jamais criou as condições para a nossa educação se desenvolver e agora reclama de pobreza. “Basta ver que me entregaram Ideb (Índice de Desenvolvimento da Educação Básica) de 2,8 e em queda. Um escândalo”, frisou Dino.

Flávio Dino lembrou que o grupo sempre governou para poucos. Para os que têm sobrenome Sarney/Murad/Lobão. Sempre vetaram e perseguiram quem pensava diferente. E, segundo ele, nunca usaram o poder federal em favor dos 99% da população que tanto precisam de políticas públicas.

“A maior política de combate à pobreza está na educação. Temos ações desde a educação infantil à pos-graduação. Já fizemos obras de manutenção, reforma ou construção em 700 Escolas. E atualmente temos um Ideb em crescimento. Basta comparar”, afirmou o governador.

Em texto no Facebook, Flávio disse que os ataques do império midiático do coronelismo se voltam até contra empresas associadas ao próprio grupo, no caso o site G1. Tudo porque o site reconheceu que ele está cumprindo, fielmente, o programa de governo, com índice de 92%, o maior do país.

“A nossa resposta para tanta injustiça e perseguição é a de sempre: muito trabalho para concluir essa etapa e a apresentação de um novo programa de governo para impulsionar ainda mais o Maranhão”, disse.

Hospital de Balsas! Aliada de Roberto Rocha, Graça Paz expressa “dor de cotovelo” e “paga mico” na tribuna

O fraco discurso oposicionista da deputada estadual Graça Paz (PSL) chamou a atenção, na sessão desta terça-feira (26), pela inconsistência e desinformação ao tratar da inauguração do Hospital  Regional de Balsas (Veja o vídeo). Fora a tremenda e feia “dor de cotovelo” evidenciada, ela “pagou mico” ao dizer, na tribuna, que o governador do Maranhão, Flávio Dino (PCdoB), está em seu quarto ano de mandato, quando o Estado todo sabe que ele ainda está em seu terceiro ano. Ou por acaso a parlamentar, que foi reeleita também em 2014, na mesma ocasião do chefe do Executivo, já está no quarto mandato?

Aliada de primeira hora do senador Roberto Rocha, expulso do PSB, e que tenta se viabilizar como candidato-laranja do grupo Sarney ao governo do Maranhão, Graça Paz perdeu uma ótima oportunidade de ficar calada, como, praticamente, faz todos os dias em que é vista nas sessões plenárias. O governo passado deixou um esqueleto mal feito de uma obra inacabada que fora reconstruída por Flávio Dino, porém o mais caro e mais difícil não é a alvenaria e sim a estruturação, o aparelhamento do hospital para que ele funcione.

Na verdade, as realizações de Flávio Dino incomodam tanto a oposição pelo fato do governo do PCdoB ter feito mil dias, com diversas ações, obras visíveis, reais e eficazes; ao contrário do grupo que passou 50 anos no poder. Pura “dor de cotovelo” expressa hoje no fraco discurso de Graça Paz e de outros oposicionistas.

Dor de cotovelo de Graça Paz pelo fato do governador Flávio Dino ter concluído a alvenaria (reconstrução), estruturado e aparelhado o Hospital Regional de Balsas mostrou o quanto a oposição sofre de despeito com o sucesso da atual gestão. A propósito, quantos projetos apresentados, aprovados e sancionados tem a parlamentar na atual gestão? Questiono somente nesta, apesar da mesma já ter diversos mandatos nas costas e de eu apenas recordar de uma única Lei, de sua autoria, que fora sancionada: uma que diz respeito a supermercados.

Despeito da oposição 

O sofrimento e despeito de oposicionistas, como Graça Paz, é pelo fato do hospital está ofertando atendimento nas especialidades de clínica médica, ginecologia, obstetrícia, cirurgia geral e pediatria, além de exames laboratoriais e diagnósticos em oftalmologia e cardiologia; além de serviços de diagnóstico por imagem como ultrassonografia, mamografia, exames de radiologia, tomografia e endoscopia.

A “dor de cotovelo” da oposição sarneysista é porque o hospital garantirá, por meio do trabalho da Secretaria de Estado da Saúde (SES), assistência a uma população estimada em 246 mil habitantes, em reforço ao atendimento de saúde prestado no Sul do Maranhão.

A oposição sarneysista torcia contra o funcionamento do Hospital Regional de Balsas com medo que ele ultrapasse a meta de 13,9 mil procedimentos mensais, de cirurgias gerais e obstétricas até os exames de apoio diagnóstico e terapia.

Para desespero de oposicionistas, como Graça Paz e outros, a unidade de saúde possui 4.000m² e 50 leitos disponíveis, com dez leitos de UTI Adulto, seis de Unidade de Cuidado Intermediário Neonatal Convencional e quatro de Unidade de Cuidado Intermediário Neonatal Canguru.

A “dor de cotovelo” de Alcione, a “Marrom”…

marrom

Acostumada a faturar alto nos governos do grupo Sarney, durante períodos festivos como o junino, por exemplo, a cantora Alcione (A “Marrom”) não entrou, este ano, na programação do São João oficial. Segundo informações, um edital para artistas foi aberto pelo  governo Flávio Dino e só foram incluídos os que se interessaram. Ela nem se movimentou para participar. Na noite de sábado (20), em show onde foi cobrado o ingresso de R$ 20,00, no Arraial da Cidade, na Cohama, a artista expressou um pouco de sua “dor de cotovelo” política.

Na nova gestão do governo,  artista tem que se dispor a procurar edital, concorrer em licitação e se habilitar para participar dos eventos oficiais.  Muito diferente do que acontecia nos governos do grupo Sarney.

Durante o show, a “Marrom” destacou o senador Roberto Rocha (PSB) e os vereadores Astro de Ogum (PMN) e Roberto Júnior (PSB) pela realização do Arraial da Cidade, que a contratou para apresentação,  mas foi um tanto indelicada com os três quando fez o seguinte comentário em relação à ex-governadora Roseana Sarney (PMDB): “Quem gosta de festa junina mesmo é Roseana e é por isso que eu gosto dela”, frisou ao expressar uma certa “dor de cotovelo” no aspecto político.

Em seu perfil do Instagram (rede social), Alcione se despediu do São João maranhense, mencionando a forma como os políticos, idealizadores do Arraial da Cidade, tratam a “nossa cultura”.

Em tempo, muitos dos que foram ao Arraial da Cidade, na noite de sábado (20), foram surpreendidos pelo fato de terem que pagar para entrar em um espaço junino que, em São Luís, é sempre gratuito. Quando cheguei, observei um bom número de pessoas estacionadas na entrada, sem poder pagar o ingresso (já que levam família), e outros voltando para casa por conta do valor cobrado.

No arraial, deparei-me com uma fã de Alcione, que pediu para o seu nome não ser mencionado, que chegou desde as 16h para tentar uma foto com a “Marrom”, mas que teria sido destratada por uma irmã da cantora que também participa dos shows.

No mais, gostei da criatividade do Arraial da Cidade com seu rico cenário de símbolos da cultura maranhense, suas esculturas infantis mescladas à nossa festa junina. Bem diferente! Amei!

Viajei no túnel do tempo, virei criança e tirei fotos com o “Incrível Hulk”, o “He Man”, pato Donalds, Três Porquinhos, Cinderela, etc em um espaço muito bem bolado e mesclado ao nosso folclore. Fiz questão de postar as imagens no meus perfis do Facebook e Instagram.