O Globo mostra a “chapa centenária” do grupo Sarney

A chapa centenária da família Sarney

O Globo

Na onda da cobrança por renovação na política, o grupo do governador Flávio Dino (PCdoB) no Maranhão quer colar na adversária Roseana Sarney (MDB) o carimbo da velha política. Disputam o Senado na chapa da ex-governadora Sarney Filho (PV) e Edison Lobão (MDB). Este último está na vida pública desde os anos 1960. Já o irmão de Roseana começou na década de 1970. Os concorrentes não perdoaram: é a “chapa centenária”.

 

Leia mais: Ricardo Murad desiste da candidatura ao Governo do Maranhão e declara apoio a Roseana Sarney

Leia mais: Declaração de Mercial Arruda causa mal-estar no grupo Sarney

MDB fará sua convenção dia 29 de julho

O grupo Sarney aposta na candidatura de Roseana para voltar ao domínio do governo do estado

O grupo Sarney vai realizar sua convenção partidária dia 29 de julho. A convenção vai oficializar a candidatura da ex-governadora Roseana Sarney (MDB) para o Governo do Estado e as candidaturas de Edison Lobão (MDB) e de Sarney Filho (PV) para o Senado Federal.

De acordo com as articulações, o grupo Sarney espera oficializar o apoio de outros partidos como o PSD, PV e PMB. O PSDC e o PRTB podem aumentar o número de partidos aliados.

Leia mais: Partidos da base de sustentação de Flávio Dino farão grande Convenção no próximo dia 28

A convenção será a oportunidade do grupo Sarney, finalmente, anunciar quem será o nome para ocupar a vaga de candidato a vice-governador. Os nomes do senador João Alberto (MDB), do ex-deputado Chiquinho Escórcio (MDB) e do Pastor Pedro Lindoso (PSC) são cotados para a vaga.

O grupo Sarney aposta na candidatura de Roseana para voltar ao domínio do governo do estado.

 

Leia mais: Convenção do PSDB já tem data marcada

Leia mais: Saiba quem são os seis pré-candidatos ao Governo do Maranhão

Edison Lobão cancela sessão importante na CCJ

A secretaria do colegiado confirmou que o cancelamento foi a pedido do presidente, senador Edison Lobão (MDB)

A sessão de quarta-feira (11), da Comissão de Constituição e Justiça (CCJ), do Senado, cujo o item 2 da pauta era o projeto que explicita a prisão de condenados em segunda instância, foi cancelada.

A secretaria do colegiado confirmou que o cancelamento foi a pedido do presidente, senador Edison Lobão (MDB).

As manobras para impedir a votação do projeto já duram mais de um mês.

Leia mais: Rodrigo Maia anuncia que privatização da Eletrobras não será votada este ano

Edison Lobão já chegou ao Senado decidido a cancelar a sessão que tinha como item 2 da pauta o projeto que explicita a prisão de condenados em segunda instância.

Senadores já tinham registrado presença quando souberam da decisão. Edison Lobão não poderia alegar falta de quórum para ter decidido, sozinho, cancelar a sessão. 16 senadores, entre titulares e suplentes, já tinham registrado presença no colegiado.

Pelo regimento do Senado, a abertura da sessão precisaria apenas de seis senadores com presença registrada. Também já havia número suficiente de parlamentares para iniciar votações.

Ausência de Sarney Filho em caravana de Roseana Sarney chama atenção

A ausência do deputado federal e pré-candidato ao Senado, Sarney Filho, evidencia que o grupo político não vive um dos melhores momentos

A ex-governadora Roseana Sarney (MDB) iniciou mais uma etapa de sua caravana, que percorre alguns municípios maranhenses na terça-feira (03), mas um detalhe tem chamado atenção.

A ausência do deputado federal e pré-candidato ao Senado, Sarney Filho, evidencia que o grupo político não vive um dos melhores momentos.

Leia mais: Flávio Dino e as cidades do Leste Maranhense…

Com a certeza de que o grupo Sarney não elege os dois senadores nesta eleição, Sarney Filho tenta inviabilizar que sua base política no interior apoie o outro pré-candidato do grupo, o senador Edison Lobão.

Fontes ligadas ao grupo Sarney informaram que o deputado federal esperava que Lobão não acompanhasse a caravana de Roseana Sarney nesta nova etapa, igualmente aconteceu na sua visita surpresa a três municípios da Baixada Maranhense.

Com a confirmação da presença de Lobão, Sarney Filho teria decidido boicotar a caravana de sua própria irmã.

O que parecia uma disputa entre o grupo Sarney e outros grupos para a eleição ao Senado se mostra uma corrida interna para saber quem se salva politicamente.

 

Leia mais: Partidos da base de sustentação de Flávio Dino farão grande Convenção no próximo dia 28

Roseana inicia segunda etapa de sua caravana com pouco apoio político

Em Lago do Junco, Roseana foi recebida pelo ex-prefeito Haroldo Léda e fez seu evento na Câmara Municipal

A ex-governadora Roseana Sarney (MDB) iniciou, nesta terça-feira (03), a segunda etapa de sua caravana pelas cidades maranhenses. Após prometer percorrer mais 50 municípios, a ex-governadora teve que diminuir o número de cidades visitadas por falta de apoio político.

A primeira cidade visitada foi Lago da Pedra, onde a ex-governadora foi recebida pelo ex-prefeito Luiz Osmani. A reunião teve a presença dos deputados estaduais Edilázio Júnior (PSD) e César Pires (PV) e do senador Edison Lobão (MDB). Lá, ela não pode contar com a presença de sua antiga aliada, a ex-prefeita Maura Jorge (PSL), que também lançou seu nome como pré-candidata ao Governo do Estado.

Em Lago do Junco, Roseana foi recebida pelo ex-prefeito Haroldo Léda e fez seu evento na Câmara Municipal. Neste primeiro dia, a ausência do deputado federal e pré-candidato ao Senado, Sarney Filho (PV) foi sentida.

Ainda com movimentos e reuniões apáticas, Roseana tenta diminuir a larga diferença para o governador Flávio Dino (PCdoB) nas pesquisas eleitorais. Mas sem o apoio de prefeitos e vereadores, ela sente na pele a falta da presença da classe política e da população, que decidiu em 2014 acabar com as longas décadas de domínio da família Sarney.

 

Leia mais: Roseana evita associação com o aliado Michel Temer, reprovado por 90% da população

Leia mais: Sem apoios, Roseana Sarney diminui número de cidades de sua caravana de 50 para 11

Leia mais: Edison Lobão e a tentativa de carona na popularidade de Lula

Roseana se distancia de Lobão e João Alberto

A manobra dos dois filhos de José Sarney evidencia a guerra silenciosa entre Sarney Filho e Edison Lobão

Causou estranheza a ausência dos senadores Edison Lobão e João Alberto, ambos do MDB, na caravana de Roseana Sarney realizada nas cidades de Mirinzal, Central do Maranhão e Pinheiro, na Baixada Maranhense.

Roseana foi acompanhada de seu irmão, o deputado federal Sarney Filho (PV). Ele tenta viabilizar sua pré-candidatura ao Senado Federal e cola em sua irmã para conquistar novas bases políticas.

A manobra dos dois filhos de José Sarney evidencia a guerra silenciosa entre Sarney Filho e Edison Lobão. Ambos os pré-candidatos ao Senado pelo grupo sabem que quem melhor estiver articulado com suas bases pode levar a disputa.

Outra figura do MDB maranhense rifado por Roseana e Sarney Filho foi o senador João Alberto. Para garantir Sarney Filho na disputa, ele foi convencido de desistir de sua reeleição. O senador também sofre resistência da própria ex-governadora em ser aceito como candidato a vice-governador.

Tais movimentações mostram como o grupo Sarney chega fragilizado às eleições de 2018.

Pesquisa Exata mostra Eliziane Gama liderando a disputa para o Senado

A Exata entrevistou 1.400 pessoas em todas as regiões do Estado. A margem de erro é de 3,2 pontos percentuais para mais ou para menos

O Jornal Pequeno divulgou, nesta terça-feira (5), a pesquisa do Instituto Exata para a disputa pelo Senado Federal no Maranhão.

Após ter seu nome lançado pelo governador Flávio Dino (PCdoB), a deputada federal Eliziane Gama (PPS) apareceu liderando com 17% das intenções de voto. Edison Lobão (MDB) e Sarney Filho (PV) aparecem empatados com 15%.

Logo atrás, aparecem Weverton Rocha (PDT) com 9%, Zé Reinaldo Tavares (PSDB) com 8% e Alexandre Almeida (PSDB) com 6%. Mostrando que a corrida para o Senado será super disputada.

O percentual das pessoas que votam nulo/branco/nenhum foi de 18% e não sabem ou não responderam é de 12%.

A pesquisa está registrada no Tribunal Superior Eleitoral (TSE) sob nº 06478/2018 e foi realizada entre os dias 25 e 30 de maio. A Exata entrevistou 1.400 pessoas em todas as regiões do Estado. A margem de erro é de 3,2 pontos percentuais para mais ou para menos. O intervalo de confiança de 95%.

Flávio Dino encaminha chapa para o Senado

entendimento dos grupos, quanto aos nomes e em relação à sintonia dos mesmos com o eleitorado, os indicados do grupo governista são os que apontam uma melhor situação na disputa

A disputa das duas vagas para o Senado Federal se mostra tão acirrada quanto para o Governo do Estado. Ao invés de uma corrida somente com dois grupo, as Eleições 2018 se encaminham para, pelo menos, três grupos competitivos ao Senado.

No entendimento dos grupos, quanto aos nomes e em relação à sintonia dos mesmos com o eleitorado, os indicados do grupo governista são os que apontam uma melhor situação na disputa.

Os dois nomes do grupo Sarney – Edison Lobão (MDB) e Sarney Filho (PV) – apesar de já estarem definidos, apresentam altos índices de rejeição.

Os pré-candidatos José Reinaldo (PSDB) e Alexandre Almeida (PSDB) pareciam definidos, mas a insistência do ex-governador em defender a candidatura do deputado Eduardo Braide (PMN) ao governo pode fazer com que o ex-reitor, companheiro de partido, substitua-o na chapa do PSDB.

Na chapa governista, o nome do deputado Weverton Rocha (PDT) já está definido desde o início do ano. Ele conta com o apoio de vários partidos, do prefeito Edivaldo Holanda Júnior (PDT) e da simpatia do governador Flávio Dino (PCdoB).

A segunda favorita a ocupar a vaga é a deputada federal Eliziane Gama (PPS), que já escolheu o dia 16 de junho para o lançamento oficial de sua candidatura. Ela já articulou o apoio de várias legendas e conta com o apoio da Assembleia de Deus no estado.

Ambos os pré-candidatos governistas já pontuam bem nas pesquisas, são jovens e não carregam rejeições de seus grupos.

Pastor Bel assume candidatura a senador e abandona Edison Lobão

A decisão de Bel em disputar a vaga de senador, significa uma perda na base de sustentação da candidatura de Lobão

O suplente de senador, Pastor Bel (PSDC), assumiu, de vez, sua pré-candidatura ao Senado Federal. Ele vai integrar a chapa da pré-candidata ao governo, Maura Jorge (PSL).

Uma das lideranças da Convenção Estadual das Assembleias de Deus no Maranhão, Pastor Bel, é atualmente suplente do senador Edison Lobão (MDB).

Em dezembro de 2017, chegou a assumir a vaga, após o senador Edison Lobão tirar uma licença de quatro meses para um tratamento de saúde.

A decisão de Bel em disputar a vaga de senador significa uma perda na base de sustentação da candidatura de Lobão. Sem o apoio da Assembleia de Deus e com dezenas de processos na Justiça, ele chega a mais uma disputa, fragilizado politicamente e com dificuldades de disputar com lideranças jovens como os pré-candidatos ao Senado, Weverton Rocha (PDT) e Eliziane Gama (PPS).

Agora, Pastor Bel inicia sua pré-campanha ao Senado, tirando de Lobão o apoio de pastores das igrejas Assembleia de Deus espalhadas por todo o estado.