Horário eleitoral gratuito para o segundo turno começa nesta sexta

O dia 26 de outubro também é o prazo final para a realização de debate e divulgação de propaganda eleitoral paga na imprensa escrita

Começa nesta sexta-feira (12) a propaganda eleitoral gratuita, no rádio e na televisão, para o segundo turno das eleições 2018.

As propagandas serão veiculadas de segunda a sábado em dois blocos diários de dez minutos em emissoras de rádio, incluindo as comunitárias, de televisão que operam VHF e UHF e em canais por assinatura operados pelo Senado Federal, Câmara dos Deputados, Assembleias Legislativas, Câmara Legislativa do Distrito Federal e as Câmaras Municipais.

No rádio, o horário de propaganda terá início às 7h e às 12h; na televisão, o primeiro bloco do horário eleitoral tem início às 13h e o segundo bloco às 20h30. O tempo será divido de forma igualitária entre os candidatos (cinco minutos para cada). As emissoras e canais também devem reservar 25 minutos diários, de segunda-feira a domingo, para inserções dos candidatos à presidência.

Em minuta aprovada pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE), nesta quinta-feira (11), ficou decidido que a veiculação da propaganda será iniciada pela candidatura que obteve maior votação no primeiro turno. A ordem da apresentação dos candidatos será alternada diariamente.

Nos locais onde há segundo turno para governador, a propaganda para o candidato local começará depois do horário reservado à propaganda dos candidatos à presidência. A ordem de apresentação foi definida em alguns estados por sorteio.

De acordo com a legislação eleitoral, as emissoras devem reservar o horário destinado à divulgação eleitoral da primeira sexta-feira depois do primeiro turno até o dia 26 de outubro, antevéspera do segundo turno, que será realizado no dia 28.

O dia 26 de outubro também é o prazo final para a realização de debate e divulgação de propaganda eleitoral paga na imprensa escrita.

Depois de pesquisa, ordem de Bolsonaro é não cometer erros; Haddad vai mirar em nordestinos

Os candidatos a presidente Jair Bolsonaro (PSL) e Fernando Haddad (PT) — Foto: Fernando Frazão/Agência Brasil e Andre Penner/AP

G1

Depois da primeira pesquisa Datafolha no segundo turno, o candidato do PSL, Jair Bolsonaro, deu uma ordem à sua equipe: não cometer erros porque a vitória estaria garantida. Já o petista Fernando Haddad terá a missão de recuperar votos perdidos no Nordeste e também no Sudeste. Não basta apenas atrair os 6% de indecisos. Ele acredita, porém, que pode crescer oito pontos e chegar empatado com o capitão reformado do Exército.

O levantamento do Datafolha mostrou Bolsonaro 16 pontos à frente de Haddad: 58% a 42%. A mesma diferença do final do primeiro turno nos votos válidos. Como no segundo turno cada ponto que um candidato ganha pode significar perda na mesma proporção do outro, um crescimento de oito pontos da parte de Haddad pode embolar a disputa.

O candidato do PSL, porém, acredita que não irá perder votos caso sua campanha não cometa erros. Bolsonaro não quer apenas evitar erros, desenha uma estratégia para ganhar pontos nas próximas pesquisas. Daí surgiu a ideia, lançada no início da reta final, de criar o 13º para os que recebem o Bolsa Família. Saiu na frente do PT apresentando uma medida que pode ter forte impacto no Nordeste, onde conquistou votos antes destinados ao ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

Haddad, do seu lado, quer recuperar os votos perdidos entre os nordestinos para ampliar sua liderança na região, única em que vence Bolsonaro. Conta, para isso, com os governadores aliados que ganharam suas eleições no Nordeste, a maioria, para esta missão. Mas também subir apenas no Nordeste não resolve para o petista. Ele precisa também melhorar seu desempenho na região Sudeste, onde, no passado, o PT tinha bom desempenho e hoje sofre com uma rejeição elevada.

Para isso, Haddad vai ser mais Haddad no segundo turno. Já providenciou a retirada da cor vermelha como predominante no seu material de campanha. Passará a usar mais o verde e o amarelo, tudo na busca de reduzir o antipetismo, muito forte na região Sudeste. Ele conta também com uma campanha para tentar convencer os eleitores que optaram por não votar, os que se abstiveram, a comparecerem às urnas no dia 28 de outubro e destinarem seus votos para o PT. O problema é que a abstenção, em eleição presidencial, costuma ser mais alta no segundo turno.

O petista também vai, em sua propaganda no rádio e TV, insistir na estratégia de associar Bolsonaro à violência por causa de suas propostas na área de segurança, de linha dura, e dos últimos episódios de agressões entre eleitores de Bolsonaro e de Haddad. O candidato do PSL, procurando se antecipar, registrou nas redes sociais que “dispensa” votos dos que praticam violência na campanha, numa reação às críticas feitas até por seus assessores de que ele deveria ter condenado com mais veemência o assassinato de um mestre de capoeira, ocorrido depois de uma briga com um homem que seria simpatizante do candidato do PSL.

Curiosidades das eleições: Maura Jorge perdeu até mesmo em Lago da Pedra

Não se sabe se foi pelo erro em apoiar candidatos a deputados de outras coligações, mas até mesmo em sua cidade natal, os moradores optaram por não seguir o projeto de Maura Jorge e confirmaram a reeleição de Flávio Dino

Os resultados das urnas do último domingo (7) ainda continuam sendo analisados e uma das curiosidades da eleição estadual aconteceu em Lago da Pedra, cidade da candidata derrotada Maura Jorge (PSL).

A maior cidade no Médio Mearim e Região dos Lagos já foi governada pela família Jorge por muitas vezes, inclusive sendo administrada por Maura Jorge por quatro ocasiões.

Era em Lago da Pedra que Maura Jorge esperava confirmar seu triunfo nas urnas, mas sua cidade seguiu o mesmo caminho das demais e reelegeu o governador Flávio Dino (PCdoB) com uma votação bem expressiva.

Maura Jorge obteve 34,74% da votação em Lago da Pedra, exatos 7.674 votos. Já Flávio Dino foi o mais votado no município, com 12.834 votos, 58,11% da votação.

Não se sabe se foi pelo erro em apoiar candidatos a deputados de outras coligações, mas até mesmo em sua cidade natal, os moradores optaram por não seguir o projeto de Maura Jorge e confirmaram a reeleição de Flávio Dino.

Datafolha: Bolsonaro tem 58% dos votos válidos, contra 42% de Haddad

O Datafolha ouviu 3.235 eleitores em 227 municípios, hoje, 10 de outubro

O Datafolha divulgou nesta quarta-feira (10), o resultado da primeira pesquisa do instituto sobre o segundo turno da eleição presidencial. O levantamento foi realizado nesta quarta, dia 10, e tem margem de erro de 2 pontos, para mais ou para menos.

Nos votos válidos, os resultados foram os seguintes:

Jair Bolsonaro (PSL): 58%

Fernando Haddad (PT): 42%

Para calcular os votos válidos, são excluídos da amostra os votos brancos, os nulos e os eleitores que se declaram indecisos. O procedimento é o mesmo utilizado pela Justiça Eleitoral para divulgar o resultado oficial da eleição. Para vencer no primeiro turno, um candidato precisa de 50% dos votos válidos mais um voto.

Nos votos totais, os resultados foram os seguintes:

Jair Bolsonaro (PSL): 49%

Fernando Haddad (PT): 36%

Em branco/nulo/nenhum: 8%

Não sabe: 6%

Sobre a pesquisa

O Datafolha ouviu 3.235 eleitores em 227 municípios, hoje, 10 de outubro. A margem de erro é de 2 pontos percentuais para mais ou para menos. O nível de confiança da pesquisa é de 95%. A pesquisa foi registrada no TSE sob o número BR-00214/2018.

Bolsonaro ficará fora do 1º debate do 2º turno após reavaliação médica

“Ele perdeu 15 quilos de massa muscular e ainda está fraco. Ele precisa de uma dieta de recuperação proteica.”, disse o médico

G1

O candidato do PSL à Presidência da República, Jair Bolsonaro, foi submetido a uma nova avaliação médica, na manhã desta quarta-feira (10), em sua casa na Barra da Tijuca, na Zona Oeste do Rio. Segundo o clínico cardiologista Leandro Echenique, a cirurgia completa hoje 34 dias e Bolsonaro está se recuperando, mas ainda não está liberado para fazer campanha.

“Ele perdeu 15 quilos de massa muscular e ainda está fraco. Ele precisa de uma dieta de recuperação proteica.”, disse o médico, ressaltando que na próxima quinta-feira (18) Bolsonaro deve ir ao hospital e provavelmente será liberado para campanha e debates.

Está previsto para essa semana o debate entre os presidenciáveis Fernando Haddad (PT) e Bolsonaro na TV Band. A assessoria de imprensa do candidato do PSL confirmou que ele não participará do debate desta semana.

Bolsonaro sofreu um ataque no dia 6 de setembro durante um ato de campanha em Juiz de Fora (MG). Adélio Bispo de Oliveira, preso for esfaquear o candidato, foi indiciado por prática de atentado pessoal por inconformismo político. Segundo a investigação da Polícia Federal, ele agiu sozinho no atentado.

O cirurgião Antônio Luiz Bonsucesso Macedo e o cardiologista Echenique chegaram ao condomínio do capitão por volta das 9h30. Um terceiro médico, identificado como Marcelo, os acompanhava.

“Ele não tem mais inclusão de ferro na veia, como estava sendo feito, não tem mais antibiótico na veia, não tá mais com home care do Einstein o tempo todo, que nós temos mantido. Então ele vai fazer uma intensa reposição nutricional e fisioterapia e, com certeza, pelo que nós conhecemos dele, quinta-feira que vem vamos liberá-lo para tudo que for necessário”, garantiu o cirurgião Antônio Macedo.

Ainda segundo os médicos, apesar do quadro de Bolsonaro ter evoluído bem, ele ainda apresenta quadro de anemia, o que impossibilita a liberação completa do paciente.

Há uma semana, Macedo e Echenique estiveram com Bolsonaro e contraindicaram a ida dele ao debate da TV Globo com os presidenciáveis, no dia seguinte. O candidato acatou a sugestão e não foi ao encontro.

O cardiologista disse que faz uma semana que o candidato recebeu a última dose de antibióticos e não apresenta nenhuma infecção e não corre nenhum outro risco, mas ainda está enfraquecido. “Ele está tendo uma recuperação muito boa mas ainda recomendamos um repouso relativo para o término da recuperação”, disse Echenique.

O cirurgião Macedo disse que uma pessoa que teve tanta perda de peso e massa muscular fica expostos a infecções, baixa de imunidade, queda de pressão e desmaios.

“Ele não pode fazer viagens, não pode fazer atividade física mais prolongada. Tem de ter um repouso relativo para a recuperação final dentro de casa. Ele pode sair de casa por períodos muito curtos. Ele tem o desejo de participar da campanha, mas no momento ainda não é recomendado”, disse o médico.

Macedo disse que a retirada da bolsa de da colostomia deve ocorrer depois do dia 12 de dezembro. “Ela pode ser retirada a partir de três meses da cirurgia, que ocorreu no dia 12 de setembro. Ele vai escolher a data. Essa cirurgia é muito mais simples e a recuperação é de duas semanas”, disse Macedo.

Campanha nas redes sociais

Enquanto não recebe alta médica, o candidato tem concedido entrevistas e falado nas redes sociais em casa. Nesta quarta-feira, em uma nova publicação na internet, ele falou sobre propostas para a economia.

Bolsonaro prometeu diminuir imposto, simplificar a cobrança deles e isentar do imposto de renda quem ganha até R$ 5 mil, além de reduzir a alíquota para quem ganha acima desse valor.

Na terça-feira, em uma entrevista, o candidato afirmou que, se eleito, vai apresentar já ao atual governo uma proposta de reforma da previdência.

“Em eu chegando lá, daí eu vou procurar o Governo para gente aprovar uma Reforma da Previdência, que tenha aceitação do Parlamento e a população entende como sendo justa e necessária. Eu acredito que a proposta do Temer, como está, se bem que ela mudou dia após dia, dificilmente ela vai ser aprovada. Seria bom nós contermos aqui os ralos, acabar com as incorporações. Quem sabe aumentar mais um ano o tempo de serviço para o trabalhador do serviço público.Eu acho que seria um grande passo no final do governo Temer”, disse.

Sebastião Madeira perdeu para Ildon Marques e Davi Alves Júnior em Imperatriz

Fiador da intervenção que tirou o vice-governador Carlos Brandão (PRB) e deu a presidência do PSDB para Roberto Rocha, Sebastião Madeira sentiu o impacto dos seus erros

Os resultados negativos do PSDB no Maranhão não foram só privilégio do atual presidente, o senador Roberto Rocha, quarto colocado na disputa pelo Governo Estado.

O secretário estadual da legenda e ex-prefeito de Imperatriz, Sebastião Madeira, pode ter creditado em seu nome o fracasso da legenda nestas eleições.

Fiador da intervenção que tirou o vice-governador Carlos Brandão (PRB) e deu a presidência do PSDB para Roberto Rocha, Sebastião Madeira sentiu o impacto dos seus erros e terminou a disputa por uma das vagas à Câmara dos Deputados em 27º lugar.

Em Imperatriz, cidade onde já administrou, Sebastião Madeira tirou menos votos que o ex-prefeito Ildon Marques, seu adversário histórico. Madeira também ficou atrás do ex-deputado federal Davi Alves Silva Júnior.

Os candidatos de Sebastião Madeira também não se saíram bem em Imperatriz, a pesar de todo o prestígio de Madeira na cidade. O candidato Geraldo Alckmin ficou em quarto lugar, com apenas 3.646 votos. Roberto Rocha ficou também em quarto lugar com 3.670 votos. Para a disputa no Senado, Alexandre Almeida ficou em quarto lugar e Zé Reinaldo em sétimo lugar.

Eleitor recusou parte da elite da política tradicional, diz cientista

Eleitores na fila. Foto: Marcelo Camargo

Agência Brasil 

O eleitor deu um “basta em parte da elite da política tradicional” no primeiro turno da eleição de 2018, na análise do cientista político da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) Jairo Nicolau. Nicolau e outros cientistas políticos participaram, hoje (8), do Debate dos Resultados das Eleições 2018, organizado pela Escola de Ciências Sociais da Fundação Getulio Vargas no Rio de Janeiro.

De acordo com o cientista político, uma série de fatos que ocorreram desde o início da Operação Lava Jato, como a prisão de parlamentares e a difusão de aspectos negativos sobre a política em redes sociais levaram, a este sentimento do eleitor. “Isso tudo foi dando ao eleitor brasileiro uma sensação de enfado e de rejeição à política tradicional que apareceu com uma força incrível”, disse.

Segundo Nicolau, embora não se possa generalizar, o eleitor preferiu votar em figuras novas, rejeitando a política tradicional e os partidos mais conhecidos. “Políticos tradicionais tiveram muita dificuldade. Em alguns estados isso teve casado, como no Rio de Janeiro para o Senado e nas assembleias, e, em São Paulo, para o Senado. Há claramente uma rejeição à política tradicional, aos partidos mais importantes, que comandaram a política aqui [no Rio] durante tanto tempo”, disse.

Bolsonaro

Outro fator destacado pelo professor no cenário da eleição de 2018 foi o crescimento do candidato do PSL à Presidência da República, Jair Bolsonaro, que favoreceu o fortalecimento da bancada do seu partido na Câmara, no Senado e nas assembleias estaduais.

Para o professor, diante do desempenho do PSL na eleição para deputados federais e senadores, a tendência é que haja uma migração de parlamentares no futuro para a legenda, especialmente, de integrantes de partidos que tiveram poucos eleitos em 2018.

“Os holofotes estão sobre o PSL. Os deputados cujos partidos não alcançaram a cláusula de 1,5% [de votos para ter acesso a recursos como fundo eleitoral e partidário e tempo de propaganda] têm a proteção legal para migrarem ano que vem quando abrir a janela de troca em 2020, aí todo mundo pode trocar”, disse.

PT

Na visão do cientista político da Escola Brasileira de Administração Pública e de Empresas da Fundação Getulio Vargas (FGV Ebape), Octavio Amorim Neto, o PT errou ao fundir a campanha eleitoral de Fernando Haddad à defesa do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, preso desde abril em Curitiba.

“Havia várias questões no processo [do ex-presidente Lula] que poderiam ser eventualmente usadas na campanha, mas tinha que haver uma separação organizacional, política, tática e doutrinaria entre a campanha presidencial do candidato do PT, muito provavelmente o Haddad, e a defesa do ex-presidente Lula. O que houve foi a fusão radical desses dois movimentos, o que fortaleceu o antipetismo, o que na minha opinião, tornou-se a maior força política no país hoje em dia. E quem encarnou o antipetismo foi o Bolsonaro e não o PSDB”, disse.

Choque inédito

Segundo o cientista político do Centro de Pesquisa e Documentação de História Contemporânea do Brasil da Fundação Gwetulio Vargas (FGV CPDOC), Sérgio Praça, o sistema eleitoral brasileiro nunca sofreu uma mudança semelhante à que ocorreu no primeiro turno da eleição de 2018. Como exemplo, ele citou a redução de 31 parlamentares do MDB na Câmara Federal e a derrota de figurões do Senado, entre eles, Romero Jucá (MDB-RR), e políticos envolvidos com a Lava Jato, que não foram eleitos. “É realmente uma coisa simbólica muito marcante”.

Outra questão que vai pautar o presidente eleito, será o combate à corrupção. De acordo com o professor, vai ser algo delicado e qualquer dos dois que assuma, vai ter que saber lidar com isso. Ele destacou, no entanto, que caso o eleito seja Bolsonaro, ele precisará negociar com os parlamentares que integram partidos do chamado Centrão, que são resistentes à Operação Lava Jato e a medidas contra a corrupção.

“O centrão e os partidos mais implicados com os escândalos vão ter também que aceitar que o eleitor puniu muito na eleição e entender que vão ter que mudar se quiserem eleição daqui a quatro anos”, concluiu.

Líderes, PT e PSDB perdem mais de 30% dos votos para senador; PSL dispara e fica em 3º lugar

Já o PSL desbancou o MDB e passou a ocupar o 3º lugar, com uma alta de mais de 4.200% no número de votos

O PT e o PSDB seguem como campeões de votos para senador em todo o país, mas os dois partidos tiveram quedas de mais de 30% neste ano em comparação com 2010, quando 54 vagas também foram disputadas para o Senado, apontam dados do Tribunal Superior Eleitoral (TSE).

Já o PSL desbancou o MDB e passou a ocupar o 3º lugar, com uma alta de mais de 4.200% no número de votos.

O PT de Fernando Haddad (no 2º turno da disputa presidencial) elegeu quatro senadores neste ano e teve uma queda de 37,1% no número de votos. Há oito anos, a sigla recebeu 39,4 milhões de votos nos candidatos a senador; já em 2018, foram 24,8 milhões. Mesmo assim, o PT se mantém como o partido que mais recebeu votos na disputa.

O PSDB, que ocupava a segunda posição em 2010 e continua a ocupar em 2018, também teve uma queda grande no número de votos: 34,3%. O partido também elegeu quatro senadores neste ano.

Já o PSL, do presidenciável Jair Bolsonaro, seguiu a tendência de maior participação partidária nestas eleições e teve uma alta de 4.247% no número de votos recebidos para senador. Em 2010, a sigla recebeu apenas 446,5 mil votos; já em 2018, foram 19,4 milhões. O partido elegeu quatro senadores.

O MDB, que em 2010 foi o terceiro partido a receber mais votos, teve uma queda de 46,7% e foi ultrapassado pelo PSL. Foram quase 24 milhões em 2010 contra 12,8 milhões em 2018.

Apesar de ter recebido bem menos votos que o PT, o PSDB e o PSL, porém, o MDB conseguiu eleger mais senadores que estes partidos: foram sete no total. Isso quer dizer que os votos dos outros partidos foram mais pulverizados entre seus candidatos que os do MDB, que teve uma maior concentração de votos em menos candidatos.

Othelino Neto faz avaliação positiva das eleições e agradece votação

O presidente da Assembleia fez também uma saudação aos novos deputados eleitos e aos reeleitos

O presidente da Assembleia Legislativa, deputado Othelino Neto (PCdoB), fez, nesta terça-feira (9), uma avaliação positiva das eleições e aproveitou para agradecer a votação expressiva que recebeu (60.386 votos), assegurando-lhe a reeleição como o quinto mais votado.

“Quero agradecer ao povo do Maranhão pela minha reeleição. Foi o reconhecimento do trabalho que fizemos nos últimos quatro anos. Além disso, o povo deu uma maiúscula vitória ao nosso campo político, com a reeleição do governador Flávio Dino (PCdoB), no primeiro turno, e com a eleição dos senadores Weverton Rocha (PDT) e Eliziane Gama (PPS). Foi uma sinalização objetiva e clara de quem está gostando desse novo modelo político que vem sendo implantado no Estado”, assegurou.

“O Maranhão está mudando para melhor e agora os maranhenses avalizaram isso”, enfatizou.

Othelino Neto fez um agradecimento especial aos seus eleitores. “Eu fico muito grato pela minha vitória. A votação foi muito boa e agradeço a cada um dos meus eleitores, dos municípios que tive mais votos aos que tive menos. Fico feliz que o povo do Maranhão tenha reconhecido o meu trabalho, me permitido continuar na Assembleia”, afirmou.

O presidente da Assembleia fez também uma saudação aos novos deputados eleitos e aos reeleitos. “Tenho certeza de que os novos deputados que vão chegar aqui vão somar muito e ajudar muito o Maranhão, como os atuais estão fazendo”, manifestou.

Sobre a bancada feminina na Assembleia Legislativa, Othelino disse que é preciso aumentar mais a representação da mulher na política. “Torço para que isto aconteça nas próximas eleições, tanto na Assembleia quanto na Câmara Federal. Esperamos que as mulheres ocupem mais espaço na vida pública maranhense. A boa notícia é a eleição da senadora Eliziane”, finalizou.