Jogo limpo para quem?

jogo sujo

Nos últimos dias, a oposição, setores da Imprensa e da chamada “blogosfera”, em São Luís, vêm forçando todos os limites possíveis no afã de criar um clima de desistência ou inviabilidade eleitoral de Edivaldo Holanda Júnior, prefeito de São Luís e candidato à reeleição.  Ou duvidam do intelecto do eleitor ou não estão mostrando respeito com quem irá às urnas no dia dois de outubro.

Primeiro, inventaram que a candidatura estava impugnada e que o PDT estaria cogitando o nome do vereador Ivaldo Rodrigues para disputar no lugar de Edivaldo. O boato foi prontamente desmentido pela direção do partido. Agora, numa demonstração de imensa covardia, a fábrica de invenções atinge até mesmo a primeira-dama de São Luís, Camila Braga.

Aos fatos. Como já foi amplamente desmentido, a candidatura de Edivaldo não foi impugnada e ele permanece como candidato majoritário na chapa que articulou para a reeleição a prefeito de São Luís.

E sobre outra aberração, a primeira-dama Camila Braga poderia ser até um bom nome por seu carisma e presença constante na administração Edivaldo,  mas ainda que a candidatura de Edivaldo estivesse em risco – e frise- se, não está – ela não é filiada a partido político. E caso fosse, o prefeito também teria que ter abdicado do cargo seis meses antes do pleito, conforme pede a legislação eleitoral.

O que se desprende dessa avalanche de factoides é o desespero latente de adversários que, perdendo a batalha de propostas e a de mobilização nas ruas, plantam uma informação falsa atrás da outra. Se já está assim agora, que a campanha mal começou, o que esperar das próximas semanas? E ainda há, em São Luís, quem tenha prometido fazer uma campanha limpa. Imagine!

HORA DA DECISÃO – Começa o prazo das convenções; Candidatos ainda buscam alianças para definir vice-prefeito

Candidatos ainda não anunciaram nomes de  vice-prefeito

Candidatos ainda não anunciaram nomes de vice-prefeito

O prazo para que os partidos políticos realizem as convenções partidárias começa nesta quarta-feira (20). É nas reuniões que serão confirmados os nomes dos candidatos a prefeito, vice-prefeito e vereador. O período termina no dia cinco de agosto.

Em São Luís e nos demais municípios do Maranhão, a expectativa é grande em torno da confirmação das alianças e dos nomes dos candidatos a prefeito e vice-prefeito para a disputa que se avizinha. Onde ainda há muita indefinição, as convenções estão sendo reservadas para o prazo final.

Em São Luís, partidos grandes como PSB e o PMDB ainda estão indefinidos. A indecisão é quanto a lançamento de candidatura própria ou formação de aliança com indicação do vice-prefeito. Mas as incertezas vão acabando com a proximidade do prazo para a realização das convenções.

Na capital maranhense, os candidatos ao comando do Palácio La Ravardière mais articulados são o atual prefeito de São Luís, Edivaldo Holanda Jr (PDT), que disputa a reeleição, e os deputados Eliziane Gama (PPS) e Wellington do Curso (PP), porém nenhum deles  anunciou o vice-prefeito ainda. Ainda buscam alianças até o prazo final.

As incertezas tomam conta dos ninhos do PMDB e do PSB, sobretudo, para os projetos políticos do deputado Bira do Pindaré (PSB) e Fábio Câmara (PMDB).

Pesquisas recentes mostram um cenário equilibrado entre Edivaldo Holanda e Eliziane Gama. A surpresa tem sido o crescimento de Wellington do Curso, como terceira via, porém tirando votos da deputada federal do PPS. No entanto, esse cenário poderá mudar totalmente com o início da campanha nas redes sociais e televisão.

Primeiro turno e novas regras

O primeiro turno da eleição municipal será no dia 2 de outubro. Nestas eleições entraram em vigor as mudanças estabelecidas pela Reforma Eleitoral (Lei 13.165/2015), aprovada no ano passado pelo Congresso Nacional. A reforma ampliou o período para apresentação dos registros de candidaturas, diminuiu a duração da propaganda no rádio e na TV.

As doações de empresas privadas para as campanhas políticas estão proibidas desde que o Supremo Tribunal Federal entendeu que elas feriam a Constituição. A partir de agora, os partidos deverão se manter por meio de doações de pessoas físicas e de recursos do Fundo Partidário.

A partir do dia 6 de agosto, emissoras de rádio e de TV, por serem concessões públicas, estão proibidas de veicular opinião favorável ou contrária a candidatos e partidos. As TVs também não podem dar tratamento privilegiado a candidatos de forma dissimulada em novelas ou filmes.

O prazo para registro de candidatura nos tribunais regionais eleitorais termina no dia 15 de agosto, às 19h. No dia seguinte, a propaganda passa a ser permitida na internet e nas ruas. Os candidatos podem participar de carreatas, distribuir panfletos e usar carros de som de 8h às 22h.

Também estão permitidos comícios das 8h às 24h.  A propaganda eleitoral no rádio e na televisão está prevista para começar no dia 26 de agosto. A reforma aprovada no ano passado reduziu de 90 para 45 dias o período de campanha.

O prazo para registro de candidatos pelos partidos políticos e coligações nos cartórios, deve ocorrer até às 19h, do dia 15 de agosto. Já o período da campanha eleitoral começa no dia 16 de agosto.