Itaqui lidera crescimento entre os principais portos públicos do Brasil

Com o crescimento, o Itaqui não apenas teve destaque em movimentações de cargas entre os portos públicos do Brasil, mas se consolida como um dos mais importantes do Norte e Nordeste

De acordo com o Anuário Estatístico 2018 da Agência Nacional de Transporte Aquaviário (Antaq), divulgado nesta terça-feira (12), o Porto do Itaqui cresceu 17%, superando os percentuais dos maiores portos públicos do Brasil, como o Porto de Santos (0,87%), Itaguaí (6,98%), Paranaguá (6,51%), Rio Grande (3,8%) e Suape (-0,83%). Em 2017, o porto maranhense cresceu 11,89% e movimentou 19,1 milhões de toneladas.

Com o crescimento, o Itaqui não apenas teve destaque em movimentações de cargas entre os portos públicos do Brasil, mas se consolida como um dos mais importantes do Norte e Nordeste. Foram 22,3 milhões de toneladas de cargas em 2018.

“Os dados anunciados pela Antaq confirmam a performance diferenciada do Itaqui em 2018 e refletem o trabalho de toda uma equipe que, nos últimos quatro anos, tem se empenhado para fazer do Itaqui uma referência nacional em gestão portuária”, declarou o presidente da Empresa Maranhense de Administração Portuária (EMAP), Ted Lago, durante o evento de comemoração do 17º aniversário da Antaq e apresentação do anuário em Brasília.

Outro grande destaque refere-se à movimentação de soja. Principal exportador de soja, milho e farelo do Arco Norte do Brasil, o Porto do Itaqui consolida sua liderança com movimentação de 8,5 milhões de toneladas de soja em 2018.

Com essa marca, o Itaqui passa a ocupar o chamado top 3 dos portos que mais exportam soja no país. O crescimento de 38,61% na movimentação desse tipo de carga também foi maior que o desempenho de Santos (12%) e de Paranaguá (34%), primeiro e segundo lugar respectivamente.

“Com o início das obras da segunda fase do Tegram, vamos elevar a capacidade do Itaqui para 14 milhões de toneladas que, somadas a mais 4 milhões de toneladas do terminal da VLI, garantirá um volume mais do que suficiente para sustentar o crescimento e nos aproximar ainda mais dos maiores portos do Brasil ”, afirmou Ted Lago.

Além da soja, o Itaqui permanece no top 3 de movimentação de granéis líquidos (combustíveis, produtos químicos, líquidos). Com aumento de aproximadamente 14% em movimentação de fertilizantes, também está entre os cincos portos públicos que mais importaram a carga em 2018 (1,9 milhões de toneladas), mais um recorde histórico para o porto maranhense.

De acordo com a Antaq, o setor portuário nacional (portos organizados e terminais privados) movimentou 1,117 bilhão de toneladas em 2018, o que representa um crescimento de 2,7% em relação a 2017. Os portos públicos movimentaram 374 milhões de toneladas em 2018, um aumento de 2,6% em comparação com 2017 (365 milhões de toneladas).

Entre as principais cargas, o minério de ferro representa 36% do total movimentado por portos e terminais privados do país. Outros destaques são os combustíveis, com 203 milhões de toneladas (18,2%); os contêineres, com cerca de 113 milhões de toneladas (10,1%) e a soja, com 102 milhões de toneladas (9,1%).

Porto do Itaqui é destaque na imprensa nacional

Segundo a reportagem, a iniciativa privada já se mostrou disposta a investir no Itaqui neste ano

O Broadcast da Agência Estado destacou, neste mês, as novas áreas que serão disponibilizadas pelo Porto do Itaqui para agroindústrias. São 500 hectares de áreas sob a gestão do porto público maranhense destinados à criação de um complexo industrial. Em entrevista à agência, o presidente do Itaqui, Ted Lago, afirmou que 350 hectares estarão prontos para negociação já no início deste ano.

“Queremos criar um complexo industrial para setores que não precisam estar necessariamente dentro da unidade portuária; podem ficar a 20 ou 30 quilômetros de distância, com interligação por meio de ferrovia ou rodovias”, disse Lago. “Podemos trazer indústrias que processem as commodities movimentadas no Porto do Itaqui e, assim, gerar um ganho expressivo na logística de escoamento”, afirmou à agência de notícias.

Segundo a reportagem, a iniciativa privada já se mostrou disposta a investir no Itaqui neste ano. “Até o momento, a estimativa é de que R$ 1 bilhão serão aportados em obras dentro da unidade portuária somente em 2019. Uma delas é a duplicação do Terminal de Grãos do Maranhão (Tegram)”, acrescenta a reportagem.

Também foi destaque no mesmo veículo a estimativa de crescimento em movimentação de cargas do porto maranhense: “Depois do recorde de 22,4 milhões de toneladas em 2018, a movimentação de cargas do Porto do Itaqui (MA) deve crescer 3% em 2019, impulsionada pela demanda asiática, principalmente por causa da compra de grãos brasileiros feita pela China”.

Além dos investimentos privados, a Empresa Maranhense de Administração Portuária (EMAP), gestora do Porto do Itaqui, fará neste ano um aporte de R$ 70 milhões para recuperação e modernização de berços e sistema elétrico. Nos últimos quatro anos foram cerca de R$ 300 milhões em investimentos próprios.

Itaqui terá o mais moderno terminal de fertilizantes da América Latina

O aditivo prevê a construção de um novo armazém com capacidade para 80 mil toneladas e possibilitará movimentação de até 3,5 milhões de toneladas de fertilizantes por ano

A Companhia Operadora Portuária (Copi) prorrogou o contrato de arrendamento com a Empresa Maranhense de Administração Portuária (Emap) por mais 20 anos e vai investir R$ 80 milhões na construção de um terminal de fertilizante. O aditivo prevê a construção de um novo armazém com capacidade para 80 mil toneladas e possibilitará movimentação de até 3,5 milhões de toneladas de fertilizantes por ano.

A nova estrutura será a mais moderna do país para esse tipo de operação, com interligação do armazém ao berço 101 do Itaqui por meio de uma correia transportadora, dentre outros equipamentos. O contrato de arrendamento da Copi no Itaqui cobre uma área de 16 mil metros quadrados, destinada à movimentação de granéis sólidos e carga geral e o extrato de termo aditivo foi publicado no Diário Oficial da União na última semana.

“Esse contrato demonstra a confiança do investidor privado no porto público do Maranhão, fortalece o Corredor Centro Norte e o papel do Itaqui nesse cenário. Além disso, sinaliza a introdução do modal ferroviário na distribuição de fertilizante para toda a área de influência do porto”, afirma o presidente da Emap, Ted Lago.

Ele destacou a importância da cadeia regional integrada como porta de entrada e saída de cargas para o Corredor Brasil Central e também “o sucesso do modelo de investimento privado dentro da estrutura pública, que gera emprego, renda e desenvolvimento para o Maranhão”.

Para o presidente da Copi, Carlos Roberto Frisoli, “o empreendimento – que deve estar concluído em dois anos – vai consolidar o Itaqui como o porto de entrada de fertilizante de todo o Arco Norte, incluindo Goiás”. Ele avalia que o porto público maranhense é logisticamente mais ágil e mais competitivo pela localização geográfica (mais próximo do mercado externo) e por sua conexão ferroviária. “Vamos concorrer diretamente com os portos de Paranaguá e Santos”, afirma.

Com a consolidação do Terminal de Grãos do Maranhão (Tegram) e o volume de cargas oriundas do Terminal de Uso Privativo da VLI, o Porto do Itaqui vem se consolidando como principal porta de saída da produção de grãos (soja e milho) da região Centro-Norte do Brasil, com sucessivos recordes tanto em produtividade quanto em volume de movimentação de cargas.

Neste cenário, objetivando maximizar os ganhos obtidos por meio do desenvolvimento de uma carga de retorno, a importação de fertilizantes tem ganhado cada vez mais destaque no portfólio de cargas do porto público maranhense.

Em 2017 foram movimentadas 1,7 milhões de toneladas de fertilizante e agora está fechando 2018 com quase 2 milhões de toneladas, um recorde histórico dessa que é hoje uma das três principais cargas movimentadas no Porto do Itaqui. O investimento no novo terminal garante o atendimento a demandas atuais e futuras da fronteira agrícola do Arco Norte.

Porto do Itaqui bate recorde histórico

Antes mesmo de fechar o ano o Porto do Itaqui tem recorde histórico, com 21.843.305 milhões de toneladas de cargas movimentadas de janeiro até a madrugada do dia 23. Esse volume bate a marca anterior de 21.824.776 milhões de toneladas de cargas, atingida em 2015. Nesta quarta (26), a movimentação deve ultrapassar os 22 milhões de toneladas, o que representa um crescimento de 16% em relação ao ano anterior. Também tiveram movimentação recorde as cargas de soja, fertilizantes e grãos (soja, milho, trigo, farelo de soja e arroz).

Os resultados estão associados aos investimentos da Empresa Maranhense de Administração Portuária (EMAP) na ampliação da infraestrutura do Porto do Itaqui, além da atração de investimentos privados. Também contribuem para esses recordes a super-safra de grãos deste ano, à entrada em operação do Berço 108 e à retomada da movimentação de carga de entreposto de combustíveis para as demais regiões do país, empreendida pela Transpetro.

“Essa superação reflete o trabalho que vem sendo executado desde 2015 e a confiança do setor empresarial e dos investidores, que escolhem o Porto do Itaqui como a melhor opção para escoar suas cargas”, afirma o presidente da EMAP, Ted Lago.

Todos os investimentos, tanto públicos quanto privados, fortalecem o papel do porto público maranhense como canal estratégico de crescimento para o estado e toda a sua área de influência. O plano é dobrar a capacidade de movimentação de grãos em dois anos, com a segunda fase do Tegram, que deve começar a operar em 2020. As quatro empresas que integram o consórcio aprovaram orçamento de R$ 240 milhões para as obras, previstas para começar em março e contratações a partir de janeiro.

Na movimentação de granéis líquidos a capacidade de armazenagem também deve dobrar dentro de três anos. Com a infraestrutura do novo píer petroleiro, que entrou em operação em julho, a movimentação de granéis líquidos tende a crescer ainda mais. Em setembro foram entregues à equipe da Secretaria Especial do Programa de Parcerias e Investimentos do Governo Federal os Estudos de Viabilidade Técnica, Econômica e Ambiental (EVTEAs) para ampliação de capacidade de armazenamento de combustíveis do Porto do Itaqui. São quatro lotes, totalizando 169 mil metros cúbicos a mais de capacidade de armazenagem, com investimento privado estimado em R$ 450 milhões.

Além disso, estão em andamento as obras de ampliação do Tequimar-Ultracargo, um investimento de R$ 170 milhões, com geração de 400 empregos diretos e 1.200 indiretos (mais de 60% dos serviços foram realizados). E o contrato de arrendamento da Companhia Operadora Portuária (COPI) com a EMAP, prorrogado por mais 20 anos, trará investimento de R$ 80 milhões para a construção de um terminal de fertilizante. O aditivo prevê um novo armazém com capacidade para 80 mil toneladas e possibilitará movimentação de até 3,5 milhões de toneladas de fertilizantes por ano.

Folha de S.Paulo destaca acordo entre Porto do Itaqui e Canal do Panamá

O crescimento e a modernização do Porto do Itaqui têm chamado cada vez mais a atenção da imprensa nacional: Foto Karlos Geromy

O jornal Folha de S.Paulo destaca nesta sexta-feira (7) o recente acordo feito pelo Porto do Itaqui para usar o Canal do Panamá com mais competitividade.

O crescimento e a modernização do Porto do Itaqui têm chamado cada vez mais a atenção da imprensa nacional, que vê o complexo maranhense com grande potencial de desenvolvimento para os próximos anos.

O acordo foi feito entre a Empresa Maranhense de Administração Portuária (Emap), que cuida do porto, e a administração do Canal do Panamá, diz a Folha.

“Haverá uma janela entre fevereiro e setembro para que navios saiam do Maranhão e cruzem [o canal] com tarifa competitiva”, afirma ao jornal Ted Lago, presidente da Emap.

De acordo com a Folha, os navios que saem de São Luís para a China atravessam o sul do oceano Atlântico e passam pelo Cabo da Boa Esperança. Pelo Canal do Panamá, o custo é mais alto hoje, porém significa três dias a menos.

Com o acordo, esse custo vai ser reduzido, criando uma alternativa vantajosa para as embarcações.

Vice-governador Carlos Brandão e cônsul chinesa celebram avanços nas obras do Porto São Luís

Carlos Brandão, chineses e maranhenses em visita ao Porto São Luís. (Foto: Aline Cristina)

Uma importante comitiva formada por grupos empresariais chineses, liderada pela cônsul-geral da China em Recife (PE), Yan Yuqing, foi recebida pelo vice-governador Carlos Brandão, nesta segunda-feira (3).

O motivo principal da visita foi a apresentação dos investimentos chineses que já estão saindo do papel, a exemplo do Porto São Luís, considerado um sucesso na celeridade em que está sendo implementado em sua fase inicial.

No início da manhã, foi realizada uma reunião com a presença da cônsul-geral e do vice-governador, juntamente com representantes das direções do Banco de Desenvolvimento da China, Dahua Technology Brazil, CCCC na América do Sul, Porto São Luís, Huawei Brazil, CBSteel, Petrorrefinaria Brasil e Emap.

O diálogo contou, também, com a participação dos secretários Enos Ferreira (Projetos Especiais) e Davi Telles (Ciência, Tecnologia e Inovação), além de representantes das secretarias de Cultura e Turismo (Sectur), Indústria e Comércio (Seinc) e da Empresa Maranhense de Administração Portuária (Emap), respectivamente, Karen Moraes, René Pires e Artur Thiago.

“O Maranhão tem bastantes recursos que possibilitam construir projetos de logística e armazém de grãos. O estado é, também, estratégico por ter conexão ferroviária e portuária com outras regiões do país”, destacou a cônsul-geral, ao abrir o diálogo para a explanação de como está o processo de implantação do Porto São Luís.

Já sobre o Porto São Luís, Chang Yunbo, presidente sul-americano da CCCC, que viabiliza o Porto São Luís, lembrou que a etapa final de desenho técnico foi concluída em novembro. Neste momento, o trabalho está voltado para a terranaplagem, supressão vegetal e condução de detalhes geográficos.

“Temos o apoio total da cônsul-geral da China no Brasil. Certamente entregaremos o porto nas melhores condições de uso”, afirmou. O prazo máximo de entrega é fevereiro de 2022.

Durante este primeiro momento, projetos já colocados em prática em outros lugares do Brasil e que têm dado certo, voltados para o desenvolvimento, foram abordados no debate entre os participantes da reunião.

Yuan Houyong, representante da empresa Huawei, multinacional de comunicação e tecnologia, aproveitou a oportunidade para apresentar o projeto ‘Cidade Segura’, que está em funcionamento em Salvador. O projeto oferece serviço de reconhecimento facial, além da rápida identificação de placas de carro, garantindo agilidade na segurança pública. O que despertou o interesse do secretário Davi Telles.

“Hoje, existe o Casarão Tech, voltado para start up’s e que pode ser parceiro da empresa”, comentou Davi Telles, animado. A ideia foi prontamente acatada por Yuan Houyong.

A manhã seguiu com a apresentação das potencialidades maranhenses feita pelo secretário Enos Ferreira, sobre diversos setores, aos chineses. Participando de todas as discussões, estava institucionalmente presente o Banco de Desenvolvimento da China, que mostrou-se atraído pelos investimentos no Maranhão, conforme afirmou Song Lei, representante do banco chinês.

“Operamos no Brasil há bastante tempo. Estamos abertos a identificar novas oportunidades de negócios com o Maranhão. Nossa plataforma de empréstimos já chegou a 45 bilhões de dólares. Estamos em busca de projetos de âmbito federal, estadual e municipal. Temos interesse em incentivar indústrias chinesas a atuar no Maranhão”, enfatizou Song Lei.

Porto do Itaqui tem recorde na movimentação de granéis líquidos

Itaqui tem recorde histórico na movimentação mensal de granéis líquidos

Com 864 mil toneladas movimentadas, o Porto do Itaqui tem recorde histórico na movimentação mensal de granéis líquidos, registrada em setembro. De janeiro a setembro foram movimentadas 4,3 milhões de toneladas, um aumento de 18% em relação ao mesmo período de 2017.

No entreposto (transbordo de carga de derivados de petróleo) foram registradas 927 mil toneladas, o que representa aumento de 241% sobre os três trimestres de 2017 e consolida a retomada da movimentação de carga de entreposto de combustíveis para as demais regiões do país.

“Esses resultados são fruto dos investimentos realizados pela Emap [Empresa Maranhense de Administração Portuária] na ampliação de infraestrutura portuária e na atração de investimentos privados”, afirma o presidente da Emap, Ted Lago.

Exemplo desses investimentos foi a inauguração do novo píer petroleiro, que entrou em operação em julho. No início de setembro, Ted Lago entregou os Estudos de Viabilidade Técnica, Econômica e Ambiental (EVTEAs) para ampliação de capacidade de armazenamento de combustíveis do Porto do Itaqui à equipe da Secretaria Especial do Programa de Parcerias e Investimentos do Governo Federal.

E quem já investe no Porto do Itaqui também está ampliando seus negócios. Um deles é Tequimar-Ultracargo, terminal especializado na movimentação de granéis líquidos, que teve a autorização do Governo Federal para injetar R$ 170 milhões na ampliação do terminal, o que deve gerar 400 empregos diretos e 1.200 indiretos. As obras já estão em andamento.

A Companhia Operadora do Porto do Itaqui (COPI) também obteve do Governo Federal autorização para ampliar seu contrato de arrendamento no Porto do Itaqui e deverá investir R$ 79,6 milhões no terminal de fertilizantes. Será construído um novo armazém com capacidade estática de 70 mil toneladas, que possibilitará a movimentação de até 2 milhões de tonelada de fertilizantes por ano.

Além dos novos investimentos da COPI, o estudo aprovado possibilitará a introdução de Outorga Variável e Movimentação Mínima Contratual. Isso significa incremento na receita da Autoridade Portuária a ser reinvestida na melhoria da infraestrutura portuária.

Esses projetos significam mais desenvolvimento e geração de emprego e renda para o Maranhão e toda a área de influência do Porto do Itaqui e ao mesmo tempo asseguram o abastecimento de combustíveis e de fertilizantes nas regiões Norte e Nordeste do país.

Governo do Maranhão leva combustível à Baixada e atua com empresários contra crise federal

Veículos no ferry-boat para levar combustível à Baixada

O Governo do Maranhão mantém as operações e comboios para levar combustível a postos de gasolina e serviços essenciais no Estado. Neste domingo (27), um dos focos foi o transporte de caminhões-tanque para a Baixada. Simultaneamente, a região de Imperatriz também tem ações nesse sentido. E a capital continua sendo abastecida.

Os esforços são para reduzir os efeitos da crise federal de combustíveis. O governador Flávio Dino (PCdoB) determinou uma série de ações para manter o abastecimento no Maranhão.

Em relação à Baixada Maranhense, a Empresa Maranhense de Administração Portuária (Emap) transportou gratuitamente caminhões-tanque pelo ferry-boat, com escolta policial. Na tarde deste domingo, foram 15 caminhões embarcados. Estão previstos outros embarques nas próximas horas.

O comandante da Polícia Militar, coronel Jorge Luongo, disse que as operações continuam até a normalidade do abastecimento. “Os caminhões estão tendo acesso à nossa capital para abastecer os postos”, disse.

Entre as ações, foram entregues quatro caminhões-tanque para o aeroporto em São Luís, com 130 mil litros de querosene de aviação, garantindo o funcionamento pelo menos até a próxima sexta-feira.

O Governo do Estado também fez na manhã deste domingo uma reunião com empresários e proprietários de postos de gasolina para unir forças contra a crise federal.

“Recebemos os donos de postos para garantir essa permanência do aparato de segurança para que a população não sofra maiores impactos do que já vem sofrendo”, disse o secretário da Casa Civil, Rodrigo Lago, referindo-se aos caminhões-tanque que têm sido escoltados pela polícia para garantir o abastecimento.

João Rolim, presidente do Sindicado dos Revendedores de Combustíveis do Maranhão (SindCombustíveis), classificou como “extremamente positiva” a operação montada pelo Governo do Estado para abastecer postos de gasolina e serviços essenciais. “Poucos governadores estão fazendo isso. A situação já está bem melhor do que estava”, afirmou.

Porto do Itaqui bate novo recorde na movimentação de grãos

Nas últimas 24 horas foram movimentadas 49.211 toneladas de soja, o que representa recorde histórico de movimentação diária

O Porto do Itaqui segue batendo recordes. Na sexta-feira (25), o Terminal de Grãos do Maranhão (Tegram) completou 2 milhões de toneladas movimentadas apenas em 2018. Nas últimas 24 horas foram movimentadas 49.211 toneladas de soja, o que representa recorde histórico de movimentação diária.

Essa marca do Tegram é 25% superior ao mesmo período do ano passado e no total de movimentação de soja no Itaqui o crescimento, de janeiro a maio, é de 8,5% se comparado a 2017.

“Os resultados do Itaqui estão alinhados com o momento que o Maranhão vive, desde 2015, com atração de recursos com foco na consolidação de programas importantes na produção, na logística e também nos investimentos que estamos fazendo no porto”, afirma o presidente da EMAP, gestora do Itaqui, Ted Lago.

Desde 2015, o Porto do Itaqui vem passando por um processo acelerado de modernização, que o tornou mais atraente para as companhias de todo o mundo.

Atualmente, o tempo de espera dos navios é o menor em toda a história do porto, com redução de mais de 50%. De 2014 para cá, essa média caiu de 85 para 35 horas.

Tudo isso significa mais empregos e mais estímulo para a economia do Maranhão. O Itaqui hoje gera cerca de 14 mil empregos no Maranhão e ao longo da área de influência do porto.