Acusado de assassinar fiscal da Sefaz vai a júri popular na próxima segunda-feira

Suspeito será julgado no Fórum Desembargador Sarney Costa

Vai a júri popular, na próxima segunda-feira (17), às 8:30h, no Fórum Desembargador Sarney Costa, em São Luís, Jack Douglas Vieira Matos, preso e suspeito de ter assassinado, em 2014, o fiscal da Secretaria Estadual da Fazenda do Maranhão, José de Jesus Gomes Saraiva, que estava em serviço.

Jak Douglas, conhecido como Pinheiro, é acusado de assassinar, no dia 19 de novembro de 2014, com três tiros fatais, o fiscal da Secretaria Estadual da Fazenda do Maranhão. O acusado pela prática do crime de homicídio triplamente qualificado foi preso em Paulo Afonso, no interior da Bahia, no dia 27/10/2016, após ficar dois anos foragido.

Vítima de uma emboscada, o fiscal da Sefaz foi atraído ao suposto local onde estaria a mercadoria, na Vila Maracujá, zona rural de São Luís, onde foi encontrado o seu corpo.

Saraiva foi morto em uma emboscada, enquanto realizava trabalho de fiscal

Saraiva, como era conhecido, fiscalizava uma carga ilegal de 1.300 fardos de arroz, avaliada em R$ 100 mil reais, que vinha de Santa Catarina para São Luís, e seria entregue para a empresa Pinheiro Comércio e Alimentos LTDA, com sede fictícia na Avenida Principal do Povoado Maracujá.

À época, um vídeo obtido pela polícia ajudou a esclarecer o crime. As imagens mostram o carro da Sefaz conduzido pelo fiscal, passando pela Avenida Principal da Vila Maracujá até um lugar sem saída. Em seguida, aparece um veículo Strada, conduzido pelo acusado, que sai do carro e dispara três tiros fatais contra a vítima..

Os familiares de Saraiva clamam por justiça!!!

Fantástico denuncia esquema de laranjas no Maranhão e emboscada contra equipe da Globo

VEJA REPORTAGEM AQUI

Repórteres foram assaltados e ameaçados, enquanto investigavam esquema de laranjas no interior do Maranhão

Repórteres da Globo foram assaltados e ameaçados, enquanto investigavam esquema de laranjas com dinheiro público, no interior do Maranhão

Eduardo Faustini e Luiz Cláudio Azevedo investigavam esquema de laranjas que movimenta R$ 30 milhões em Anapurus e Mata Roma, no Maranhão.

O Fantástico da Rede Globo exibiu, neste domingo (20), matéria dando conta de um esquema de laranjas no Maranhão e repercutiu notícia sobre o crime cometido contra os repórteres Eduardo Faustini e Luiz Cláudio Azevedo, que investigavam as denúncias de desvio de dinheiro público nas cidades de Anapurus e Mata Roma, e foram assaltados e ameaçados enquanto trabalhavam.

A denúncia sobre um esquema de laranjas que movimenta R$ 30 milhões, dinheiro público, em cidades pobres do interior do Maranhão, foi o que levou os jornalistas da TV Globo a serem ameaçados e assaltados.

São contratos municipais nas mãos de empresas suspeitas, muitas delas não têm sede, e nem capacidade de prestar o serviço. Mais uma vez, quem paga a conta é o cidadão comum. E o sofrimento começa na mais básica das necessidades.

Na quinta-feira (18), a equipe parou para almoçar em uma churrascaria, na estrada que liga os dois municípios. Depois do almoço, já no carro, os repórteres foram surpreendidos por um outro carro, que saiu da estrada e bloqueou a equipe. Três homens saltaram e apareceram mais quatro a pé.

O bando cercou os repórteres. Dois bandidos entraram no banco de trás. Os repórteres explicaram que são jornalistas da TV Globo e estavam trabalhando em uma reportagem para o Fantástico e saíram do carro, para evitar o que parecia um sequestro. Foi quando um dos homens tomou a câmera da equipe. Os ladrões fugiram em dois veículos, levando o equipamento.

No início da noite de quinta, testemunhas já tinham identificado alguns dos envolvidos. “Eles são envolvidos com política. Trabalham na Prefeitura. São lá de dentro”, afirmou uma delas.

Ainda na quinta-feira (18), a polícia identificou e prendeu o PM Raimundo Silva Monteles. Ele é sobrinho da prefeita de Anapurus, Tina Monteles.

“Ele confirmou que participou da ação. Diz que foi convidado para acompanhar dois ou três funcionários da Prefeitura de Anapurus para se deslocar para determinado local”, afirma Zanoni Porto, comandante-geral da PM do Maranhão.

Investigações da Polícia

Durante todo o fim de semana, a Polícia fez buscas nas cidades de Anapurus e Mata Roma à procura dos suspeitos e do equipamento que foi roubado. As investigações continuam, e, pelas características do crime, a polícia acredita que não tenha sido somente um roubo, mas uma tentativa de interromper o trabalho dos jornalistas.

Em nota, a Associação Brasileira de Emissoras de Rádio e Televisão se diz preocupada com ações criminosas que buscam impedir a livre atuação da imprensa na investigação de fatos de interesse público. A associação pede a apuração no caso e punição dos autores, para que a liberdade de imprensa e o acesso dos cidadãos à informação sejam assegurados.

Também em nota, a Abraji, Associação Brasileira de Jornalismo Investigativo, afirma que identificar e punir todos os responsáveis é indispensável, para que a impunidade não estimule a repetição de casos semelhantes. E o Instituto Internacional de Segurança da Imprensa, sediado em Londres pede que os agressores dos jornalistas sejam levados à Justiça.

Pedida a prisão de três suspeitos 

A Polícia pediu a prisão de mais três pessoas: o secretário de Finanças de Arapurus, Jairo Lisboa de Sousa; o ex-candidato a vereador Manoel Francisco Monteles Neto; e Agnaldo Henrique Alves.

Em nota, a Prefeitura de Anapurus lamentou o ocorrido e pediu às autoridades que esclareçam as circunstâncias do caso.

“Com relação aos parentes, a cidade de Anapurus, quase todo mundo é parente de todo mundo. Com relação a isso não tem nenhum problema. Com relação a servidores do município envolvidos, serão responsabilizados”, diz Márcio Wendles, advogado da prefeita de Anapurus-MA. CONTINUE LENDO AQUI.