Mais de 1 milhão de maranhenses serão beneficiados com novas estradas nos próximos meses

Até o final deste ano, rodovias estaduais que estão sendo recuperadas pelo Governo do Maranhão serão entregues no primeiro semestre, beneficiando mais de um milhão de pessoas, por meio da Secretaria de Estado da Infraestrutura (Sinfra). Até dezembro, outras 10 obras serão concluídas.

Ao final do mês de janeiro, os primeiros trechos serão entregues: a MA-329, de Itaipava do Grajaú a Entroncamento, da BR-226; e a MA-123, de Coelho Neto a Afonso Cunha. As obras em Itaipava vão facilitar a circulação entre os municípios vizinhos como Arame, Jenipapo dos Vieiras e Lagoa Grande do Maranhão. Além dos 14 trechos e acessos, serão entregues sete pontes, que facilitarão a interligação dos municípios, agilizando o escoamento da produção.

Outra obra importante com previsão de entrega para abril deste ano é a ponte sobre o Rio Novo, em Paulino Neves. A nova ponte terá 140 metros de extensão e 12 metros de largura, possibilitando a passagem de vários veículos por vez. Serão duas pistas, ciclovia e área protegida para pedestres. A construção faz parte das ações integradas que visam facilitar o acesso à Rota das Emoções, um dos roteiros turísticos mais desejados do país.

Nos dois primeiros anos do governo Flávio Dino foram entregues oito trechos emblemáticos para o Estado. Após reivindicações, esses trechos foram entregues somando 340 quilômetros de asfalto novo em Pedreiras/Pacas(MA-381); Joselândia/Pacas(MA-381); Matões/Baú(MA-034); Coroatá/Vargem Grande(MA-020); Riachão/Feira Nova(MA-334); São Pedro dos Crentes a Fortaleza dos Nogueiras(MA-138); Altamira do Maranhão/Brejo de Areia(MA-322) e a MA-386 (Imperatriz a Cidelândia).

ARTIGO DE FLÁVIO DINO: Caminhos de um Maranhão melhor

Caminhos de um Maranhão melhor

Por Flávio Dino

O desenvolvimento de nosso estado passa também pela criação de condições logísticas que ampliem nossa força econômica. Esse é um dos principais papéis do Governo do Estado para gerar crescimento, estimulando áreas que já são pujantes de nossa economia. Para isso, temos feito investimentos pesados na melhoria de nossas rodovias. E tenho reiteradamente pleiteado junto ao governo federal obras nas rodovias federais que cortam nosso estado, como o fiz mais uma vez esta semana em encontro com o ministro dos Transportes, Portos e Aviação Civil, Maurício Quintella.

Estive com o novo ministro para debater especialmente a recuperação, manutenção e duplicação da BR-135. Atualmente, a difícil situação desta rodovia federal aumenta custos para o escoamento de produtos ao Porto de Itaqui. Mais que isso, é um drama social para milhares de pessoas que precisam deslocar-se por ela em nosso estado. O governo federal há havia retomado as obras na BR e tenho certeza que o novo ministro dará o mesmo empenho. Também falei sobre todas as demais rodovias federais, uma a uma, sempre destacando o que é mais emergencial.

 

Nesse campo do diálogo político, não atuo como os que governaram este estado por 50 anos. Deram apoio a todos os governos federais que existiram, contudo com pouquíssimos benefícios para o nosso estado, uma vez que sempre priorizaram ganhos pessoais, tanto que hoje são milionários. Em sentido diverso desse oportunismo visando o acúmulo de poder familiar, faço questão de expressar de modo transparente meu posicionamento político, pois acredito que a Política ganha com isso. O que não me impede de dialogar com quem quer que seja em benefício do nosso estado, sempre mirando conquistas coletivas, para todos.

A busca de ajuda federal não exclui o esforço próprio, do Governo Estadual. No que tange à logística, são mais de 1 mil quilômetros de rodovias em construção ou com obras de recuperação. É o caso da MA-386, a Estrada do Arroz, que liga as cidades de Imperatriz e Cidelândia, na Região Tocantina, que estamos concluindo, após décadas de espera. Mais de 35 mil pessoas, de 25 comunidades rurais estão sendo beneficiadas com o investimento do Governo do Estado em 47 quilômetros de asfalto, 11 quilômetros de recuperação e construção de nove pontes. Em paralelo, estão sendo recuperados cerca de 72 quilômetros de estradas vicinais que ligam as comunidades à Estrada do Arroz.

Também estamos construindo a rodovia até Santo Amaro e a MA 315, ligação rodoviária entre Barreirinhas e Paulino Neves. Com essas duas obras iremos ampliar o potencial turístico do Parque Nacional dos Lençóis Maranhenses, uma de nossas atrações de renome mundial. Teremos inédito dinamismo econômico e um grande crescimento do turismo na Rota das Emoções, que nos une ao litoral do Piauí e do Ceará.

Ao mesmo tempo, temos feito importantes obras no sertão maranhense, alcançando cidades como São Francisco, Barão de Grajaú, São João dos Patos, Passagem Franca, Buriti Bravo, Matões, e outras. Estamos concluindo a histórica licitação da Ponte Central Bequimão, na Baixada Maranhense, e recuperamos as rodovias estaduais que dão acesso aos vários municípios da Ilha.

Populares interditam BR-316 e exigem pavimentação de estrada

O deputado Neto Evangelista trouxe o assunto para a tribuna

O deputado Neto Evangelista trouxe o assunto para a tribuna

Um movimento realizado, nesta terça-feira (05), na altura da BR-316, reivindicou  a pavimentação da MA-006 que liga Zé Doca a Pedro do Rosário. O local foi interditado, houve intenso engarrafamento. A Secretaria Estadual de Infraestrutura (Sinfra) prometeu recuperar a via, mas, até agora, nada aconteceu. Daí a “grita” da população.

Na realidade, a obra da MA que liga Zé Doca a Pedro do Rosário já foi propagada por diversas vezes e, até agora, o governo do Estado não conseguiu dar sua sequência e nem oferecer resultado.

A comunidade de Pedro do Rosário ficou muito tempo no isolamento. Hoje já tem uma ligação com Pinheiro, mas a conexão com Zé Doca vai possibilitar um crescimento muito mais sólido e consistente para o município.

Celeridade – Os deputados Neto Evangelista (PSDB) e Bira do Pindaré (PSB)  cobraram, na sessão desta terça-feira, maior celeridade do governo do Estado para atender à reivindicação e resolver o impasse. O parlamentar tucano chamou a atenção das autoridades para o movimento que começou pacífico, mas que pode cair na graça de vândalos e virar baderna.

“O povo daquela região está preocupado já com a paralisação e nós não podemos deixar aquelas pessoas sem resposta”, frisou Neto Evangelista.