Cadê a transparência? Fábio Gentil tenta camuflar verdades sobre os recursos da Saúde em Caxias

se o prefeito Fábio Gentil dá tanto valor à Saúde de seus munícipes a ponto de acusar o governo de cortes, por que a destinação de recursos para a pasta municipal é tão insignificante?

Dados do Portal da Transparência da Prefeitura de Caxias dão conta de que o investimento em saúde feito pela gestão municipal, entre janeiro e junho deste ano, foi de R$ 3.753.822, 58. Este é o valor sinalizado como pago pelo município em 2017. Em contrapartida, o governo do Maranhão investe R$ 3,9 milhões lá todo mês. O Ministério da Saúde repassa aos cofres municipais quase R$ 5,4 milhões mensalmente.

Aí, duas perguntas: é falta de investimento ou falta de transparência da Prefeitura? E se o prefeito Fábio Gentil dá tanto valor à Saúde de seus munícipes a ponto de acusar o governo de cortes, por que a destinação de recursos para a pasta municipal é tão insignificante?

O investimento de todo o primeiro semestre de 2017 feito pela Prefeitura de Caxias na saúde pública do município, conforme registrado no Portal da Transparência, é inferior ao valor repassado a cada mês pelo governo.

Os recursos repassados ao município mantêm exames mais complexos, como ressonâncias magnéticas, tomografias e até serviço de hemodiálise.

Além disso, o Hospital Macrorregional de Caxias tem recebido de portas abertas os caxienses que não encontram amparo nas unidades do município, com a responsabilidade de quem zela pela saúde das pessoas e não se prende a imbróglios e disputas políticas. Parece que dessa lição o prefeito Fábio Gentil passou de largo.

Já o investimento SUS serviria ao município para garantir serviços de suas unidades, seus centros de saúde e Hospital Geral de Caxias. Para isso, são quase R$ 3,8 milhões. Unidades que não têm tido condições de suportar a demanda básica da população.
E tem mais. Fábio Gentil recusa uma economia de até R$ 1,5 milhão mensais, que viria da proposta estadual de gerenciar a Maternidade Carmosina Coutinho, um dos equipamentos de saúde mais dispendiosos de Caxias.

Na resposta formal que encaminhou ao gabinete da Secretaria de Saúde, Gentil não fez jus ao sobrenome e denominou a proposta de “mero capricho político”. Aos caxienses, cabe a reflexão: quem é que realmente trata as questões com capricho político? Quem quer resolver os problemas e apresenta soluções ou quem, além de não resolver, emperra o serviço, deixando o prejuízo final alcançar a saúde da população?!

Prefeito de Caxias recusa ajuda do governo e penaliza população

Fábio Gentil sacrifica a população por questões políticas

O prefeito do município de Caxias, Fábio Gentil, recusou a ajuda oferecida pelo governo do Estado, que se dispôs a assumir, integralmente, a administração da Maternidade Carmosina Coutinho. A decisão, sem qualquer explicação do prefeito, prejudica milhares de moradores da região dos Cocais, que necessitam de atendimento.

A proposta do governo à Prefeitura de Caxias foi encaminhada, via ofício, pelo secretário de Estado da Saúde, Carlos Lula, no dia 1º de junho de 2017, após uma conversa em que o prefeito Fábio Gentil informou ao secretário Carlos Lula que os custos com a manutenção da Maternidade Carmosina Coutinho, aproximadamente de R$ 1,5 milhão, são muito altos para a Prefeitura.

“O prefeito me disse que estava precisando de ajuda e que o maior gasto hoje da Prefeitura é com a Maternidade Carmosina Coutinho. Sensibilizado com a situação, o Governo do Estado se ofereceu para assumir a administração da maternidade, assumindo todos os custos”, explicou Lula.

No dia 7 de junho, o prefeito Fábio Gentil encaminhou ofício ao secretário, recusando a proposta do governo, sem apresentar qualquer fundamentação. Na avaliação de Carlos Lula, não há razão alguma para que o prefeito tenha agido desta maneira, e que a motivação foi meramente política. “Não houve preocupação do prefeito com a população”, afirmou.

No ofício encaminhado ao prefeito de Caxias, o governo ainda se dispôs a aceitar uma contraproposta da Prefeitura para assumir todo o custeio da maternidade, desde que a administração do hospital passasse a ser de responsabilidade do Estado. Mesmo assim, o prefeito não aceitou.

“Infelizmente, só temos a lamentar a postura do prefeito Fábio Gentil, pois a Maternidade Carmosina Coutinho foi construída com recursos do Governo do Estado e alguém que diz que precisa de dinheiro não pode recusar ajuda do governo de quase um milhão e meio. A Prefeitura poderia muito bem utilizar estes recursos em outras áreas do município”, afirmou Carlos Lula.

Além da população de Caxias, boa parte das pessoas que recebem atendimento na Maternidade Carmosina Coutinho é oriunda de outros municípios, o que reafirma a intenção do Governo do Estado de custear totalmente os gastos com a unidade hospitalar, desde que a Prefeitura transfira a gestão para a responsabilidade total do Estado.

INVESTIMENTOS

Em 2016, o Governo do Estado destinou R$ 9 milhões à Maternidade Carmosina Coutinho, como parte de uma ação realizada em vários municípios para o enfrentamento da mortalidade materna. Com este recurso, pago em seis parcelas, foi possível reestruturar toda unidade hospitalar, dotando a maternidade com novos e modernos equipamentos que se encontram à disposição de toda a população.

O governo do Estado investe quase R$ 5 milhões por mês na saúde do município de Caxias, os quais são destinados ao Hospital Macrorregional, ao Hemomar e unidades credenciadas.

Nos próximos 90 dias, o governo do Estado vai inaugurar um prédio do IML no município em Caxias e o serviço de oncologia no Hospital Macrorregional do município. O atendimento seguirá os mesmos padrões do Hospital do Câncer de São Luís.