Flávio Dino confirma que Felipe Camarão ficará à frente da Secretaria de Educação

De acordo com o governador, a educação vai continuar sendo a grande prioridade no segundo mandato

Em uma publicação em sua rede social no Twitter, o governador Flávio Dino (PCdoB), praticamente, confirmou a continuação de Felipe Camarão na Secretaria de Estado da Educação (SEDUC). O governador Flávio Dino foi diplomado na última terça-feira (18) pelo Tribunal Regional Eleitoral (TRE) do Maranhão. De acordo com o governador, a educação vai continuar sendo a grande prioridade no segundo mandato.

“Ontem, na diplomação pela Justiça Eleitoral, falei sobre uma das prioridades para o 2º mandato: o Pacto Estadual pela Aprendizagem, a ser conduzido por Felipe Camarão à frente da SEDUC”, escreveu Flávio Dino confirmando que o secretário continuará com o administração bem-sucedida que já desempenha na pasta da Educação.

Flávio anunciou uma nova iniciativa para a educação no segundo mandato: o Pacto Estadual pela Aprendizagem, que é uma parceria direta com os municípios.

“Essa diplomação é ainda mais especial do que a primeira porque tem a marca da aprovação dos primeiros quatro anos de mandato. Temos programas hoje que são reconhecidos por toda a população, como o Escola Digna. Vamos continuar com a melhoria da infraestrutura e elevar ainda mais a nota do Ideb (Índice de Desenvolvimento da Educação Básica) ”, disse Flávio.

Cresce o número de estudantes que concluem o Ensino Fundamental e Médio com idade adequada no Maranhão

Jovens estudantes da escola de tempo integral. (Foto: Lauro Vasconcelos)

O Maranhão avançou no número de estudantes que concluíram o Ensino Fundamental e Ensino Médio na idade adequada nos últimos anos. Os dados foram apontados pelo monitoramento da Meta 4 do movimento Todos Pela Educação: Todo jovem de 19 anos com Ensino Médio concluído até 2022, com base na Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílio de 2012 a 2018 (Pnad-C /IBGE).

No Ensino Fundamental, cujo parâmetro foi o jovem de 16 anos que concluiu esse nível de ensino, o Maranhão cresceu 15,9%, acima da média do Nordeste, que foi de 12,4%, e acima de estados como Ceará (14,1) e Pernambuco (11,6).

De acordo com o levantamento, o Ensino Médio apresentou um crescimento de aproximadamente 10%, numa escala que levou em consideração o período entre 2012 e 2018. Em 2012, apenas 42,65% dos jovens concluíram o Ensino Médio na idade adequada. Em 2017, esse percentual subiu para 52%, maior que na Bahia, Sergipe, Alagoas e Rio Grande do Norte.

Se for levado em consideração os pontos percentuais, o Maranhão cresceu mais que estados de grande porte como Espírito Santo (2 p.p.) e Rio de Janeiro (5,9 p.p.) e Paraná (6,4 p.p.).

O Maranhão já havia melhorado em relação ao abanando escolar, conforme dados do Ministério da Educação (MEC), divulgados no mês de setembro. O estado obteve o menor percentual de abandono escolar dos últimos 10 anos, com 7,4%. Além disso, alcançou a maior nota da série histórica no Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (IDEB), em 2017, e cresceu pela segunda vez consecutiva, saindo de 3,1 em 2015, atingiu a nota de 3.4. Em quatro anos, o crescimento foi de 21,4% pontos percentuais.

Investimentos em aprendizagem colocam rede estadual em São Luís entre as 5 melhores do país

A capital maranhense ficou lado a lado com Curitiba, considerada uma das capitais com melhor qualidade de ensino no país

“É impossível pensar em melhorar a qualidade da educação, sem pensar em investimentos para criar as condições necessárias para que isso aconteça. Essa é a preocupação do governador Flávio Dino desde o primeiro dia de sua gestão. E foi com investimentos em diagnósticos, por meio dos simulados, e em ações concretas, que a educação do Maranhão atingiu o maior Ideb de sua história, e São Luís se destacou entre as cinco capitais do Brasil com melhores indicadores educacionais”, afirma o secretário de Estado da Educação, Felipe Camarão, ao se referir ao segundo Simulado Mais Ideb, realizado nesta semana com mais de 209 mil estudantes da rede estadual de ensino em todo o Maranhão.

Promovido desde 2017 como ferramenta de diagnóstico sobre as aprendizagens em leitura, interpretação textual e resolução de problemas, entre estudantes da etapa final da Educação Básica, o Simulado Mais Ideb é um exemplo típico de investimentos que colaboraram para que a rede estadual de ensino crescesse na aprendizagem.

Neste aspecto, São Luís merece um destaque especial, pois passou a figurar entre as capitais brasileiras com melhor Ideb em 2017, com a média histórica de 3,8, de acordo com dados do Ministério da Educação (MEC). A capital maranhense ficou lado a lado com Curitiba, considerada uma das capitais com melhor qualidade de ensino no país, e à frente de grandes cidades como: São Paulo (com média 3,5), que ficou no décimo lugar, Brasília (3,4), Belo Horizonte (3,3), Teresina e Rio de Janeiro (3,1), empatados na vigésima posição.

Os dados do Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (Ideb), trazidos este ano pelo Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep), órgão do MEC, mostram ainda que o Ensino Médio em São Luís, teve destaque, também, no rendimento escolar. A taxa de aprovação saiu de 75,90% em 2014, para 87,30% em 2017. Em quatro anos, o salto foi de 11,4 pontos percentuais. Isso significa que mais alunos saíram da estatística de reprovação, conseguindo avançar em seus estudos e melhorar sua expectativa de futuro.

No primeiro Simulado Mais Ideb, realizado há quase dois anos pelo Governo do Maranhão com alunos da 3ª série do Ensino Médio da rede estadual, São Luís ficou entre as cinco cidades do estado com menor rendimento de aprendizagens em leitura, interpretação textual e resolução de problemas, dentre estudantes da etapa final da Educação Básica, da rede.

“Os dados nos chamaram a atenção, e a partir desse diagnóstico, realizamos ações pedagógicas de ensino e aprendizagem nas escolas de todo estado, mas, com uma atenção especial àquelas nas quais os estudantes apresentaram mais dificuldades de aprendizagem”, pontuou Nádya Dutra, secretária adjunta de Ensino.

Entre as ações realizadas a partir dos simulados para reverter o baixo rendimento, estão: reforço na formação para os professores de Língua Portuguesa e Matemática, com foco na metodologia das avaliações nacionais; distribuição de cadernos pedagógicos; acompanhamento da Seduc junto às escolas; Aulões ‘Mais IDEB’, beneficiando 18.498 estudantes, entre outras.

“Sabemos que não podemos descansar quando se trata de melhorar a qualidade do ensino e o nível de aprendizagem de nossos estudantes. Continuaremos focados em ações que cheguem efetivamente à escola e mobilizem toda a comunidade escolar em torno do sucesso dos estudantes maranhenses”, concluiu o secretário Felipe Camarão.

DEM é o partido com maior aproximação a Bolsonaro até o momento

Os políticos maranhenses aguardam ansiosos as indicações do presidente eleito Jair Bolsonaro (PSL) para os novos nomes que irão compor os ministérios. A espera é que, pelo menos, alguns tenham ligações com legendas mais ao centro e que parcerias sejam feitas em nível estadual ou até mesmo com indicações de nomes para os órgãos no estado.

Até o momento, o único partido com maior aproximação a Bolsonaro é o DEM, que terá um dos seus filiados como ministro da Casa Civil. O deputado federal Onyx Lorenzoni já foi indicado por Bolsonaro e mostra que o partido terá prestígio no próximo governo.

No estado, o DEM é comandado pelo deputado federal Juscelino Filho e pelo deputado estadual Stênio Resende. Além de ter na sua base o secretário de estado da Educação, Felipe Camarão.

Com a aproximação do DEM com Jair Bolsonaro, é de se esperar que pautas de interesse do Maranhão sejam ouvidas com mais facilidade pelo Governo Federal e que recursos sejam transferidos para o estado para que sejam realizadas políticas que atendam melhor nossa população.

São Luís está entre as 5 capitais com melhor nota das escolas estaduais no Brasil

No ranking nacional do Ensino Médio, o Maranhão passou do 22º para o 13º lugar

A cidade de São Luís conseguiu a quinta melhor nota entre todas as capitais do Brasil na avaliação do ensino da rede estadual. Ou seja, é capital que oferece o quinto melhor ensino de todo o Brasil nas escolas mantidas pelos governos estaduais.

A avaliação é do Ideb (Índice de Desenvolvimento da Educação Básica), feita pelo Ministério da Educação. São Luís ficou com nota 3,8, acima de capitais como São Paulo, Curitiba, Brasília, Rio de Janeiro e Florianópolis.

O Ideb já havia mostrado que toda a rede estadual do Maranhão tinha melhorado significativamente durante a gestão de Flávio Dino. O Ideb do Maranhão subiu 21% neste governo, revertendo a queda verificada na gestão passada.

No ranking nacional do Ensino Médio, o Maranhão passou do 22º para o 13º lugar.

Os resultados refletem os esforços feitos pelo programa Escola Digna desde 2015. Já foram entregues mais de 800 escolas construídas ou reformadas no Estado. Os professores têm sido valorizados com promoções e capacitações. O Maranhão paga hoje o maior salário para professores de 40 horas na rede estadual.

Ideb do Maranhão de 2017 é o maior da história do Estado

Governador Flávio Dino com alunos do Centro de Ensino Ana Flavia em Icatu. Foto: Karlos Geromy

O Ideb (Índice de Desenvolvimento da Educação Básica) do Ensino Médio das escolas estaduais maranhenses em 2017 ficou acima da média do Nordeste. O Ideb é a nota que as escolas recebem após avaliação feita pelo Ministério da Educação.

O índice é medido a cada dois anos. Em 2015, no primeiro ano do Governo Flávio Dino, o Ideb tinha subido de 2,8 para 3,1, revertendo a queda verificada na gestão anterior.

Em 2017, a nota voltou a subir, chegando a 3,4. O desempenho está acima da média do Nordeste, que é de 3,2.

Além disso, o Ideb do Maranhão em 2017 é o maior da história do Estado.

Escola Digna

O Ideb do Maranhão subiu em 2015 e 2017 porque Flávio Dino adotou uma série de mudanças profundas logo que tomou posse. O carro-chefe das transformações foi o Escola Digna, que já construiu e reformou mais de 800 colégios no Maranhão.

O programa também valorizou os professores, com treinamentos e salários. O Maranhão paga o maior salário para professores em início de carreira com licenciatura plena e jornada de 40 horas semanais. São R$ 5.750,83. Nenhum Estado em todo o Brasil tem uma remuneração como essa.

Felipe Camarão informa problema técnico no sistema de contracheque

O secretário salientou que o problema foi detectado em alguns contracheques e que já foi corrigido pela Secretaria de Estado da Educação (Seduc)

O secretário de estado da Educação, Felipe Camarão, usou suas redes sociais para informar aos professores, com carga horária de 40 horas semanais, da rede estadual de ensino, um problema técnico no sistema do site do contracheque.

“Por falha do sistema, no contracheque de alguns professores/as (de 40h) disponibilizado hoje, não apareceu a última parcela do reajuste. Problema detectado e já corrigido. Pagamento normal na sexta com a última parcela do reajuste”.

O secretário salientou que o problema foi detectado em alguns contracheques e que já foi corrigido pela Secretaria de Estado da Educação (Seduc).

Zé Inácio e bibliotecários reúnem-se com o secretário de Educação

O secretário confirmou que será realizado, ainda este ano, concurso público para contemplar a categoria, bem como seletivos

Como encaminhamento da audiência pública realizada no último dia 12 deste mês, que debateu a Lei 12.244, de 24 de maio de 2010, sancionada pelo ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, e que dispõe sobre a universalização das bibliotecas escolares nas instituições de ensino do Brasil, o deputado Zé Inácio (PT) e representantes do Conselho Estadual de Biblioteconomia reuniram-se com o secretário estadual de Educação, Felipe Camarão.

Na reunião, os representantes dos bibliotecários expuseram suas reivindicações, como a universalização das bibliotecas e reestruturação das já existentes, assim como a realização de concurso público para o cargo de bibliotecário.

O secretário confirmou que será realizado, ainda este ano, concurso público para contemplar a categoria, bem como seletivos. Como encaminhamentos dessa reunião, ficou definida a criação de um grupo de trabalho para supervisionar o sistema estadual de bibliotecas escolares, onde dois membros da Comissão de Educação da AL deverão ser indicados, e os demais, pela SEDUC, SECULT, UFMA (Coordenação do Curso de Biblioteconomia), Conselho Estadual de Biblioteconomia e Observatório.

Também foi sugerido o desenvolvimento de métodos para aumentar o IDEB e desenvolver um novo modelo de Escolas Dignas que contemplem bibliotecas.

Vice de Flávio Dino poderá ser do DEM

 

Cogitado para ser um possível vice, o secretário de Educação Felipe Camarão negou a possibilidade.

O DEM pode indicar o vice do governador Flávio Dino. O assunto já teria sido inclusive tratado pela cúpula nacional do Democratas com o governador.

Apontado como um possível nome para compor a chapa de Dino, o secretário de Educação, Felipe Camarão, descartou a possibilidade.

Há ainda outra articulação em curso que seria a entrada de Eliziane Gama (hoje no PPS) no DEM para ser  a candidata do partido ao Senado. O PPS deve fechar nacionalmente com a candidatura de Rodrigo Maia, do DEM, a Presidente da República.

O certo é que o DEM estará na chapa majoritária de Flávio Dino.

John Cutrim