Ataque de irmão de Ciro põe frente pró-Haddad em xeque, e PT busca lulistas

A postura de Cid alarmou ainda mais a campanha do PT, mas não foi o primeiro sinal de que a frente democrática está fazendo água a 11 dias do segundo turno. Na semana passada, Haddad ficou preocupado com a viagem de Ciro à Europa após o PDT anunciar um “apoio crítico” à sua candidatura

Estadão

Após o fiasco na articulação de uma frente democrática em apoio a Fernando Haddad, a campanha do PT ao Planalto admite ajustes no segundo turno e ainda tenta ampliar as alianças com outros setores da sociedade.

Com ataques ao PT feitos pelo senador Cid Gomes, irmão de Ciro Gomes, e diante das dificuldades para dilatar seu arco político, a ordem no QG petista é investir no eleitorado mais pobre e em grupos de evangélicos, juristas, artistas e intelectuais, que tradicionalmente já apoiavam o PT.

Nesta quarta (17), Haddad vai se reunir com lideranças evangélicas em São Paulo e prepara uma carta em que se comprometerá com a defesa da vida e valores da família. O ato é reflexo da preocupação dos petistas em conter o avanço de Jair Bolsonaro (PSL) inclusive entre o eleitorado lulista, como pobres, nordestinos e religiosos.

Segundo o Datafolha, cerca de 70% dos evangélicos estão com o capitão reformado. O candidato do PSL tem 18 pontos sobre o petista segundo o Ibope desta segunda (15), 59%, contra 41% de Haddad. Para diminuir essa diferença, o herdeiro de Lula esperava formar uma frente com atores políticos importantes, como Ciro Gomes (PDT), Marina Silva (Rede) e Fernando Henrique Cardoso (PSDB), mas as tratativas não avançaram.

A cúpula da campanha de Haddad admite que o duro discurso de Cid Gomes, irmão de Ciro, colocou em xeque o plano de um arco democrático para se opor a Bolsonaro. Durante evento no Ceará em apoio ao petista, na segunda-feira (15), Cid criticou o PT e chamou militantes que o vaiavam de “babacas”. Ele chegou a afirmar que o partido merecia perder a eleição.

A postura de Cid alarmou ainda mais a campanha do PT, mas não foi o primeiro sinal de que a frente democrática está fazendo água a 11 dias do segundo turno. Na semana passada, Haddad ficou preocupado com a viagem de Ciro à Europa após o PDT anunciar um “apoio crítico” à sua candidatura.

Em entrevista nesta terça, Haddad minimizou a fala de Cid, disse que não havia assistido ao vídeo na íntegra e que a discussão é “meio acalorada”. “Essa coisa é meio acalorada mas eu não vou ficar comentando isso até porque eu tenho uma amizade pessoal com o Cid, ele fez elogios à minha pessoa, prefiro sempre olhar o lado positivo”, disse.

A campanha de Bolsonaro, por sua vez, apressou-se para explorar a polêmica e levou o discurso de Cid ao seu programa na TV. “Cid Gomes, irmão de Ciro Gomes, fala a verdade que o PT não aceita”, diz o locutor na abertura da peça.

Na tentativa de evitar o desmoronamento completo do plano de formar sua frente, Haddad acelerou a aproximação com FHC e telefonou, nesta segunda, para o superintendente do Instituto FHC, Sérgio Fausto, mas nada de concreto foi fechado.

Haddad nunca acreditou em declaração de apoio público à sua candidatura por parte de FHC, mas avalia que o tucano, ao rechaçar Bolsonaro, pode participar de uma plataforma em defesa dos valores democráticos. FHC é a tentativa de peso para o projeto após o petista ver, além de Ciro, Marina e até Henrique Meirelles (MDB) declararem neutralidade no segundo turno.

Haddad esteve também com o ex-presidente do STF Joaquim Barbosa na semana passada, mas a conversa foi pouco assertiva. Barbosa, que poderia ser ministro da Justiça de um eventual governo do PT, de acordo com aliados do candidato, declarou estar preocupado com o país, porém não deu sinal de que vai firmar acordo publicamente com o petista.

Haddad: Me estranha quem lutou pela democracia ficar neutro agora

O ex-prefeito de São Paulo critica também sobre a posição de neutralidade que alguns líderes tem manifestado no segundo turno da eleição presidencial

O candidato Fernando Haddad (PT), falou sobre diversos assuntos em uma longa entrevista concedida ao jornal El País, entre eles sobre combate à corrupção, o risco de um rompimento com a democracia em um eventual governo Bolsonaro, Venezuela e seu vínculo com Lula. O ex-prefeito de São Paulo critica também sobre a posição de neutralidade que alguns líderes tem manifestado no segundo turno da eleição presidencial.

Ao comentar posicionamentos internacionais críticos a Jair Bolsonaro, o candidato afirmou que, no Brasil, ainda tem muita gente que “está pensando com o fígado e não com a cabeça e com o coração, que é o que devia pautar as eleições”; “Mas me estranha que pessoas que lutaram pela redemocratização fiquem neutras diante de uma pessoa que manifestadamente apoia a ditadura e a tortura”, dispara; neste domingo, FHC criticou Bolsonaro, mas não declarou voto em Haddad

“Mas me estranha que pessoas que lutaram pela redemocratização fiquem neutras diante de uma pessoa que manifestadamente apoia a ditadura e a tortura. Uma pessoa que fala que não estupra uma colega porque ela não merece. O que isso simboliza? Que tem mulheres que merecem ser estupradas? Qual o sentido dessas expressões? É muito complicado o que está acontecendo no Brasil, mas o risco é evidente”, declarou.

Sobre a declaração do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso contra o candidato da extrema-direita, por exemplo, Haddad enfatizou “a declaração dele foi muito rápida no sentido de neutralidade, de que nenhum dos dois lados [da disputa presidencial] interessa. Não foi de que havia um risco ao país”.

Questionado se “faltou o PT pedir desculpa em relação ao envolvimento de seus membros com a corrupção”, diante do discurso de medo de volta do PT ao poder passada pelo bolsonarismo, ele diz: “Quem se locupletou está pagando. E está pagando por uma legislação que nós aprovamos. Por um fortalecimento das instituições que nós promovemos. Eu sempre gosto de olhar o todo porque senão as pessoas vão imaginar que hoje, por exemplo, não existe corrupção no Brasil. E não é verdade. Se você conversar em off com um empresário honesto ele vai dizer: tem mais corrupção hoje no Brasil do que dez anos atrás”.

FHC descarta voto em Bolsonaro e também apoio automático a Haddad

O PSDB decidiu pela neutralidade no segundo turno da eleição, depois que o seu candidato à Presidência Geraldo Alckmin não conseguiu chegar ao segundo turno

UOL

O ex-presidente da República Fernando Henrique Cardoso rejeitou votar no candidato Jair Bolsonaro (PSL) no segundo turno da eleição presidencial, mas também descartou declarar apoio automático à candidatura de Fernando Haddad, do PT, de acordo com entrevista publicada no jornal O Estado de São Paulo neste domingo.

O ex-presidente disse que quer ouvir primeiro o que candidato petista tem a dizer antes de definir seu voto, e rejeitou pressão moral para adesão à candidatura petista.

“Com que autoridade moral o PT diz: ou me apoia ou é de direita? Cresçam e apareçam… Não vou no embalo. Não me venha pedir posição abstrata moral”, disse o ex-presidente segundo o jornal. “Quero ouvir primeiro. Não sei o que vão fazer com o Brasil. O Bolsonaro pelas razões políticas está excluído. O outro eu quero ver o que ele vai dizer”, disse o presidente de honra do PSDB. Ele acrescentou que em relação a Bolsonaro há um “muro” e em relação a Haddad uma porta, “não diria aberta”.

O PSDB decidiu pela neutralidade no segundo turno da eleição, depois que o seu candidato à Presidência Geraldo Alckmin não conseguiu chegar ao segundo turno. Fernando Henrique também disse que o partido precisa se repensar, se quiser ter um futuro, em meio a uma onda conservadora mundial.

O ex-presidente também disse que o sistema partidário e eleitoral montado pela Constituição de 1988 se exauriu e será preciso repensar essa estrutura.

FHC afirma que não apoia nem Haddad nem Bolsonaro no segundo turno

Por meio de publicações no Twitter, FHC afirmou que não apoiará nem Fernando Haddad (PT) nem Jair Bolsonaro (PSL)

O ex-presidente Fernando Henrique Cardoso (PSDB) afirmou nesta segunda-feira, 8, por meio de publicações no Twitter, que não apoiará nem Fernando Haddad (PT) nem Jair Bolsonaro (PSL), que disputam o segundo turno da eleição presidencial. “Nem o PT nem Bolsonaro explicitaram compromisso com o que creio. Por que haveria de me pronunciar sobre candidaturas que ou são contra ou não se definem sobre temas que prezo para o país e o povo”, escreveu em um dos posts.

Nesta tarde, Haddad havia sinalizado, após visitar o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT), que buscaria apoio do PSDB, rival histórico do PT em disputas presidenciais, ao chamar Geraldo Alckmin (PSDB), nome tucano derrotado na eleição, de “candidato que respeito”.

O petista também disse que estava disposto a adaptar o seu plano de governo para buscar alianças mais ao centro. “Tenho total tranquilidade em ajustar parâmetros do programa para que ele seja o mais representativo dessa ampla aliança democrática que pretendemos fazer”, disse Haddad.

Nos seus posts, FHC não deixou claro a quais temas estava se referindo, mas citou sua discordância com o “reacionarismo cultural” – uma aparente menção às ideias de Bolsonaro -, e com “corrupção sistêmica” e “ao arbítrio na Venezuela, em referências ao PT.

No dia da eleição, domingo, FHC também fez um post no Twitter pedindo que os candidatos que disputam o segundo turno digam ao povo o que pensa “sem demagogia nem sectarismo”.