Fakenews do grupo Sarney são denunciadas à Polícia Federal

Com esta denúncia, a Polícia Federal deve acompanhar de perto até amanhã as atuações que tentam confundir o eleitorado maranhense

Advogados da coligação “Todos pelo Maranhão“ protocolararam há pouco denúncia na Polícia Federal para proibir continuidade de divulgação de Fake News pelo grupo Sarney.

Rádios e TVs ligadas ao grupo Sarney, Lobão e Murad têm se aproveitado dos últimos minutos para tentar diminuir a vantagem de Flavio Dino, que deve vencer as eleições em primeiro turno. O grupo vislumbra também a possibilidade alta de perder a hegemonia no Senado.

Com esta denúncia, a Polícia Federal deve acompanhar de perto até amanhã as atuações que tentam confundir o eleitorado maranhense.

Segundo a coordenação da Coligação, as notícias falsas são fruto do desespero da oligarquia de, mais uma vez, perder a eleição. Neste domingo, todos poderão votar livre e democraticamente.

Agenda de Roseana Sarney é resumida em gravação de programa

O sinal vermelho já foi ligado no grupo Sarney

A ex-governadora Roseana Sarney (MDB) tem deixado muitos aliados preocupados pelo andamento de sua agenda de campanha.

Por meio de sua assessoria, foi anunciado que Roseana estaria com uma virose, mas o que preocupa seus aliados é o tempo que ela tem reservado para a gravação de programas de campanha, em detrimento de sua agenda no interior do estado.

Roseana tem participado de poucas inaugurações de comitês de aliados.

Com poucas andanças pelo o Estado, membros dos partidos que fazem parte da coligação liderada por Roseana já falam que é uma tarefa impossível ela crescer nas pesquisas e passar do governador Flávio Dino (PCdoB).

O sinal vermelho já foi ligado no grupo Sarney, ou Roseana passa a querer andar pelo interior ou a derrota vai ser dada como certa.

Uma chapa centenária de 207 anos

Representando a oligarquia que dominou o Maranhão por 50 anos, os candidatos do grupo Sarney têm a maior média de idade, mostrando que todos os candidatos representam a velha política

Se o mote da campanha do governador Flávio Dino (PCdoB), candidato ao Governo do Maranhão, e de Weverton Rocha (PDT) e Eliziane Gama (MDB) para o Senado Federal, é a continuidade da mudança e a renovação política. A campanha dos candidatos do grupo Sarney vai passar bem longe desses dois temas.

Representando a oligarquia que dominou o Maranhão por 50 anos, os candidatos do grupo Sarney têm a maior média de idade, mostrando que todos os candidatos representam a velha política.

A candidata ao governo, Roseana Sarney (MDB), entra na disputa no auge dos seus 65 anos, Sarney Filho (PV), candidato ao Senado Federal, a pesar de ser o caçula dos três filhos de José Sarney, tem 61 anos.

O outro candidato, o senador Edison Lobão (MDB), entra em uma nova disputa com 81 anos de idade, vale lembrar que Lobão foi eleito pela primeira ao Senado Federal em 1986. Somados, os três candidatos representam 207 anos, uma verdadeira chapa centenária.

A título de comparação, o governador Flávio Dino tem 50 anos de idade. Weverton Rocha tem 38 anos e Eliziane Gama 41 anos.

Justiça obriga site de Sarney a dar direito de resposta a Dino após “matérias difamatórias”

A decisão afirma que as matérias veiculadas “atentam contra a honra e imagem do pré-candidato Flávio Dino

A Justiça Eleitoral do Maranhão decidiu que o site Imirante, do Sistema Mirante de Comunicação, de propriedade da família Sarney, deve publicar direito de resposta por informações falsas (Fake News) contra o governador Flávio Dino. O desembargador José Ribamar Castro decidiu, na sexta-feira (10), que a informação sobre inelegibilidade, divulgada pelos veículos de comunicação do grupo Sarney, não condiz com a verdade.

A decisão afirma que as matérias veiculadas “atentam contra a honra e imagem do pré-candidato Flávio Dino e promovem uma quebra da isonomia entre os postulantes ao pleito eleitoral, na medida em que intenta fazer crer que este não participará das eleições majoritárias estaduais”.

O desembargador descreveu a existência de um abuso do direito de liberdade de imprensa e de manifestação de opinião. “É bem verdade que a aludida decisão carece de trânsito em julgado ou de confirmação por um órgão colegiado para produzir efeitos”.

A veiculação da matéria no portal imirante.com assumiu contornos bem distintos. “Embora haja a ressalva de que o pré-candidato Flávio Dino possa concorrer nas eleições vindouras, há inúmeras outras referências incorretas na publicação que evidenciam a necessidade de acolhimento de sua pretensão”.

José Ribamar Castro prosseguiu afirmando, que, assim como ocorre quando o site consigna que o pré-candidato Flávio Dino foi “denunciado por estar inelegível”, “teve os direitos políticos cassados” ou que cometeu “crime de abuso de poder”, situações que, a princípio, não refletem a realidade daqueles autos.

“Primeiro, porque a sentença da Juíza Eleitoral de Coroatá não teve por objeto a análise de matéria de natureza criminal, logo não haveria que se falar em denúncia, tampouco em crime. Segundo, porque o pré-candidato não teve seus direitos políticos cassados, mas, unicamente, a inelegibilidade declarada em razão da suposta prática de Abuso de Poder Econômico, situações que, apesar da tênue distinção, possuem implicações jurídicas diversas”.

O TRE entendeu que houve “a existência de notícia sabidamente inverídica e difamatória”, e, ainda, o fato de que a permanência da referida postagem causará um prejuízo ao governador Flávio Dino, “com forte possibilidade de desequilíbrio do pleito, tendo caracterizado o perigo de dano (periculum in mora), apto a justificar a concessão da medida liminar neste momento (NCPC, art. 300)”.

O desembargador José Ribamar Castro, do Tribunal Regional Eleitoral, determinou que, no prazo de 48 horas, o site do sistema Mirante de Comunicação conceda direito de resposta ao governador Flávio Dino, sob pena de multa no valor de R$ 100 mil.

PCdoB emite nota sobre ação do grupo Sarney que visa desestabilizar processo eleitoral no Maranhão

O Partido Comunista do Brasil (PCdoB) emitiu nota sobre decisão monocrática de juíza em relação ao governador do Maranhão, Flávio Dino.

1. A ação movida por Ricardo Murad, coordenador de campanha de Roseana Sarney, visa apenas desestabilizar o processo eleitoral e reflete o desespero de quem está atrás nas pesquisas.
2. A fragilidade da decisão judicial está exposta por basear-se em uma suposta prova de 2018, que comprovaria suposta irregularidade cometida dois anos antes.
3. Certamente a sentença não tem nenhum valor jurídico e será anulada.

Grupo Sarney trabalha para esvaziar pré-candidatura de Maura Jorge

A primeira ação foi garantir a destituição do suplente de senador, Pastor Bell, do PSDC. A segunda atitude é operar via Edison Lobão (MDB), para que o PRTB, de Márcio Coutinho, não apoie Maura Jorge

O grupo político liderado pelo ex-presidente José Sarney (MDB) parece estar determinado em esvaziar, o máximo possível, a pré-candidatura de Maura Jorge (PSL).

Com o apoio declarado do presidenciável Jair Bolsonaro (PSL), o grupo Sarney estaria temendo que Maura cresça nas pesquisas de intenção de votos, devido à popularidade nas redes sociais de Bolsonaro, ameaçando a pré-candidatura de Roseana.

O temor é que Maura Jorge ganhe a parcela de votos das pessoas que não votam no atual governo e nem em representantes de governos passados, como Roseana.

Leia mais: O PT maranhense e sua eterna indecisão…

A primeira ação foi garantir a destituição do suplente de senador, Pastor Bell, do PSDC. A segunda atitude é operar via Edison Lobão (MDB), para que o PRTB, de Márcio Coutinho, não apoie Maura Jorge, como é o desejo da maioria dos pré-candidatos a deputados.

Por último e bem mais complicado, o grupo Sarney estaria articulando para que o Podemos, partido com maior tempo de TV no arco de possíveis alianças de Maura Jorge, não apoie a pré-candidata e declare voto a Roseana. Para isso, o grupo Sarney argumenta para Aluísio Mendes, presidente do Podemos, que sua eleição de deputado federal em 2014, só foi possível, graças ao apoio de Roseana Sarney.

Esbanjando confiança no seu evento ao lado de Jair Bolsonaro, em São Luís, Maura Jorge pode chegar à convenção com apenas o seu partido e olhar seu sonho de ganhar o Governo do Estado, bem mais longe.

O PT maranhense e sua eterna indecisão…

Com o registro do nome do sindicalista Aníbal Lins para a disputa ao Governo do Estado, o PT divide-se ainda mais e potencializa as vozes dos que querem o partido longe da base do governador Flávio Dino

O diretório maranhense do PT tem a oportunidade de voltar às suas origens, trilhar um campo popular e trabalhar longe dos laços oligárquicos, mas, para isso, precisa alinhar seu discurso internamente.

Com o registro do nome do sindicalista Aníbal Lins para a disputa ao Governo do Estado, o PT divide-se ainda mais e potencializa as vozes dos que querem o partido longe da base do governador Flávio Dino (PCdoB).

Leia mais: Waldir Maranhão, Zé Reinaldo e a disputa interna pelo Senado no PSDB

Vale lembrar que, em uma reunião realizada no mês de março, em Brasília, entre a cúpula nacional do PT e dirigentes estaduais maranhenses, o Partido dos Trabalhadores descartou, oficialmente, a possibilidade de uma aliança com o grupo Sarney e uma possível candidatura própria, como defendiam setores também ligados ao clã.

A reunião teve a presença da presidenta nacional do PT, a senadora Gleisi Hoffmann. Além dos membros maranhenses: Marcio Jardim; Augusto Lobato (presidente do diretório estadual); Honorato Fernandes (vereador e presidente do diretório municipal de São Luís); o deputado federal, Zé Carlos; o deputado estadual, Zé Inácio; e Raimundo Monteiro (membro do diretório nacional).

Em 2010, após intervenção da executiva nacional, o PT apoiou a candidatura de Roseana Sarney. Em 2014, parte da militância petista declarou apoio à candidatura de Flávio Dino, a pesar do partido ter formalizado apoio ao candidato Edinho Lobão (MDB).

Para garantir a força dos campos sociais e democráticos, o PT precisa enxergar seu papel e reconhecer que, sem a união dessas forças, o Maranhão pode retroceder e voltar ao passado onde somente o interesse de poucos era lembrado.

Ausência de Sarney Filho em caravana de Roseana Sarney chama atenção

A ausência do deputado federal e pré-candidato ao Senado, Sarney Filho, evidencia que o grupo político não vive um dos melhores momentos

A ex-governadora Roseana Sarney (MDB) iniciou mais uma etapa de sua caravana, que percorre alguns municípios maranhenses na terça-feira (03), mas um detalhe tem chamado atenção.

A ausência do deputado federal e pré-candidato ao Senado, Sarney Filho, evidencia que o grupo político não vive um dos melhores momentos.

Leia mais: Flávio Dino e as cidades do Leste Maranhense…

Com a certeza de que o grupo Sarney não elege os dois senadores nesta eleição, Sarney Filho tenta inviabilizar que sua base política no interior apoie o outro pré-candidato do grupo, o senador Edison Lobão.

Fontes ligadas ao grupo Sarney informaram que o deputado federal esperava que Lobão não acompanhasse a caravana de Roseana Sarney nesta nova etapa, igualmente aconteceu na sua visita surpresa a três municípios da Baixada Maranhense.

Com a confirmação da presença de Lobão, Sarney Filho teria decidido boicotar a caravana de sua própria irmã.

O que parecia uma disputa entre o grupo Sarney e outros grupos para a eleição ao Senado se mostra uma corrida interna para saber quem se salva politicamente.

 

Leia mais: Partidos da base de sustentação de Flávio Dino farão grande Convenção no próximo dia 28

Roseana evita associação com o aliado Michel Temer, reprovado por 90% da população

Após dois anos do golpe e três meses da prisão do ex-presidente Lula (PT), Roseana, ao notar a rejeição de Michel Temer e de seu partido, faz manobras para tentar aliar sua imagem à do ex-presidente Lula

Sem a menor cerimônia, a ex-governadora Roseana Sarney (MDB) passou a esconder seu companheiro de partido e aliado, o presidente mais rejeitado da história brasileira, Michel Temer (MDB).

Após o golpe dado na ex-presidente Dilma Rousseff (MDB), Michel Temer passou a praticar medidas impopulares como a Reforma Trabalhista e o aumento dos impostos sobre os combustíveis e o gás de cozinha.

Leia mais: Sem apoios, Roseana Sarney diminui número de cidades de sua caravana de 50 para 11

Somente agora, após dois anos do golpe e três meses da prisão do ex-presidente Lula (PT), Roseana, ao notar a rejeição de Michel Temer e de seu partido, faz manobras para tentar aliar sua imagem à do ex-presidente Lula, na tentativa de angariar um pouco da sua popularidade no estado, deixando Michel Temer de escanteio.

As últimas atitudes do grupo Sarney deixam o pré-candidato à Presidência da República pelo MDB, o ex-ministro Henrique Meireles, em uma situação complicada. Mesmo patinando na margem de 1% nas pesquisas, ele não pode mais contar com a ajuda do clã Sarney no Maranhão, pois a ex-governadora tenta passar a imagem de ser aliada de Lula e do PT e o deixa à deriva na pré-campanha, juntamente com o companheiro de partido Michel Temer.

Leia mais: Declaração de Roseana sobre Lula irrita petistas maranhenses

Leia mais: Edison Lobão e a tentativa de carona na popularidade de Lula