Ciro Gomes vai para 2º turno com Bolsonaro, diz BTG Pactual

A margem de erro da pesquisa é de dois pontos percentuais, para mais ou para menos

Nova pesquisa eleitoral do BTG Pactual divulgada hoje (10) mostra Jair Bolsonaro e Ciro Gomes indo para o segundo turno das eleições 2018. Bolsonaro (PSL) tem 30% das intenções de voto, enquanto Ciro (PDT) tem 12%.

Atrás deles, vêm três empatados: Marina Silva, Geraldo Alckmin e Fernando Haddad, cada um com 8% de intenção de voto.

A pesquisa foi feita nos dias 8 e 9 de setembro (após Bolsonaro ser esfaqueado, portanto). Na última pesquisa do BTG, do dia 3, Bolsonaro aparecia com 26%.

A margem de erro da pesquisa é de dois pontos percentuais, para mais ou para menos.

A pesquisa já exclui o ex-presidente Lula, preso em Curitiba, de se apresentar como candidato do PT. Antes, Lula e Haddad ainda eram citados em diferentes cenários apresentados aos entrevistados. Agora, só o nome de Haddad aparece.

No 1º turno

Jair Bolsonaro – 30%

Ciro Gomes – 12%

Marina Silva – 8%

Geraldo Alckmin – 8%

Fernando Haddad – 8%

João Amoêdo – 3%

Alvaro Dias – 3%

Henrique Meirelles – 3%

Guilherme Boulos – 1%

Veja as notas rápidas desta quinta-feira (16)

Jair Bolsonaro (PSL) lançou o ‘Caminho da Prosperidade’, seu plano de governo, algo que mais parece uma “apresentação escolar feita no PowerPoint”

Meirelles declara patrimônio de R$ 377,4 milhões
O candidato do MDB ao Planalto, Henrique Meirelles, declarou um patrimônio de R$ 377,4 milhões ao TSE. A maior parte dos bens declarados pelo ex-ministro da Fazenda e ex-presidente do Banco Central se concentra em ações.

Doria declara R$ 189 milhões em bens
O ex-prefeito de São Paulo João Doria declarou ao TSE um total de bens avaliados em R$189.859.904,76. Entre os itens listados pelo tucano, que disputa o governo de São Paulo, está uma casa no valor de R$ 11,2 milhões.

O ‘PowerPoint’ de Bolsonaro
Jair Bolsonaro (PSL) lançou o ‘Caminho da Prosperidade’, seu plano de governo, algo que mais parece uma “apresentação escolar feita no PowerPoint”. O candidato usa números errados e “berra” com o eleitor ao usar maiúsculas e exclamações em excesso, Bolsonaro demonstra obsessão por temas como as Forças Armadas e a esquerda.

Janaína candidata a estadual em SP
Depois de anunciar que não disputaria nenhum cargo nestas eleições, a advogada Janaína Paschoal, que foi cotada para vice de Bolsonaro, anunciou nesta terça-feira, 14, que será candidata a uma vaga na Assembleia Legislativa de São Paulo, pelo PSL.

Marina reacende polêmicas de 2014
Marina Silva retomou dois pontos polêmicos de sua última campanha eleitoral nas diretrizes de plano de governo para as eleições de outubro: o casamento entre pessoas do mesmo sexo e a independência do Banco Central. Em 2014, a hoje candidata do Rede foi atacada por antigos aliados por conta das propostas. Evangélicos, como o pastor Silas Malafaia, a criticaram por conta da defesa da união homoafetiva. Já o PT aproveitou a deixa para a acusar de “tirar o prato de comida de brasileiros” em uma propaganda.

PSL se arma para guerra da TV
O advogado Gustavo Bebianno já está mobilizado para responder à esperada artilharia contra Bolsonaro nas inserções dos adversários na propaganda eleitoral. Aliados do candidato do PSL avaliam que, graças aos direitos de resposta, poderá ser possível a Bolsonaro ter uma vitrine da qual está alijado pelas regras de distribuição de tempo da lei eleitoral. A ordem é questionar qualquer menção negativa ao nome do deputado. A avaliação no QG de Geraldo Alckmin é que vale a pena destinar parte do latifúndio de propaganda para “desconstruir” o rival, mesmo com o risco de ceder uma resposta.

Os mais temidos por Bolsonaro no 2º turno
Entre os presidenciáveis, os que Jair Bolsonaro, do PSL, mais teme enfrentar no segundo turno são os candidatos de centro. Bolsonaro acha dificílimo vencer Geraldo Alckmin, do PSDB, ou Henrique Meirelles, do MDB, se ele tivesse chance de chegar lá. Bolsonaro acredita que ganharia de Ciro ou Fernando Haddad, herdeiros do lulismo.

Veja o resumo do primeiro debate presidencial das Eleições 2018

Participam oito candidatos, todos de coligações com no mínimo cinco congressistas, obrigados a serem convidados pela lei eleitoral. Ao todo, são 13 nomes na disputa

No primeiro debate televisivo com os candidatos à Presidência, realizado na noite desta quinta (9) pela Bandeirantes, o ex-governador Geraldo Alckmin (PSDB) foi o alvo preferencial dos adversários. Mas quem chamou a atenção foi Cabo Daciolo (Patriota), que, com seu perfil pitoresco, se tornou mais conhecido e formou dobradinha com Jair Bolsonaro (PSL), que, porém, adotou tom mais ameno. Participam oito candidatos, todos de coligações com no mínimo cinco congressistas, obrigados a serem convidados pela lei eleitoral. Ao todo, são 13 nomes na disputa.

Bolsonaro joga pelo empate e dá mais um passo para cristalizar eleitorado
Jair Bolsonaro (PSL) jogou pelo empate: em tom mais ameno do que de costume, reforçou as fronteiras de seu nicho eleitoral com discursos contra a esquerda, oferta de armas para a população e propostas de militarizar instituições. Nesta primeira etapa da campanha, o capitão reformado busca cristalizar o apoio dos 17% dos brasileiros que declaram voto em sua candidatura. Assim, ele posterga (ou descarta?) a expansão de seu eleitorado para uma “direita light”, como pregavam alguns aliados. A estratégia é se manter no patamar atual para beliscar uma vaga no segundo turno.

Alvo preferencial, Alckmin veste figurino de político tradicional
Sob ataque de boa parte dos rivais por sua aliança com o Centrão, Geraldo Alckmin (PSDB) vestiu o figurino da política tradicional. O tucano experimentou usar essa imagem a seu favor, apresentando-se como um gestor experimentado, mas escorregou no excesso de vocabulário técnico e nas siglas indecifráveis pela maior parte do público (“corrigir o FGTS pela TLP”). A equipe de Alckmin queria polarizar com Bolsonaro, mas o tucano deixou de lado seu principal adversário na disputa por votos no campo da direita. Depois que Guilherme Boulos (PSOL) partiu para cima do capitão reformado, Alckmin seguiu a tradição dos debates de estreia: apenas sorriu e deu seu cartão de visitas ao público.

Ausente, PT desaparece do debate e dá impressão de estar fora do jogo
A decisão do PT de boicotar os primeiros atos de campanha, insistindo na participação do ex-presidente Lula, pode ter dado seu primeiro prejuízo concreto. No debate da Band, o partido parecia estar fora do jogo: à exceção de algumas referências, a sigla que governou o país por 13 anos foi citada de forma passageira, parecendo não ser uma alternativa real nesta eleição.

Ciro perde oportunidade de se firmar como ímã de insatisfeitos com Temer
Em um aparente exercício de moderação, Ciro Gomes (PDT) adotou uma postura tímida na oposição ao presidente Michel Temer, a quem já chamou de “chefe de quadrilha”. Com críticas específicas a plataformas do governo, como a reforma trabalhista, o presidenciável perdeu a oportunidade de se colocar como a principal opção na disputa para os milhões de eleitores que classificam a gestão atual como ruim ou péssima.

Marina cerca eleitorado de Alckmin para limitar fôlego do tucano
Marina Silva (Rede) fez ataques cirúrgicos a Alckmin, em especial nos sucessivos esforços para associá-lo aos partidos do Centrão que o apoiam. A candidata, que se vendeu como uma terceira via nas eleições de 2010 e 2014, conquistou um eleitorado de centro que tem perfil semelhante ao do tucano. Sem estrutura política e tempo na propaganda eleitoral, ela teme ser desidratada caso Alckmin comece a crescer nas pesquisas.

Para acordar eleitor em debate monótono, Álvaro Dias solta nome de moro a esmo
Desconhecido, Álvaro Dias (Podemos) tentava falar o nome do juiz Sergio Moro sempre que podia. Em um debate monótono e pulverizado, o senador paranaense buscou se escorar em uma figura popular para chamar a atenção. Repetia que já convidou Moro para ser ministro da Justiça e pedia o comentário dos rivais que, naturalmente, se esquivavam de críticas ao juiz.

Único beneficiário incontestável do debate, Cabo Daciolo ensaia dobradinha com Bolsonaro
É inevitável que o debate se torne superficial e disperso com oito candidatos no estúdio. Nesse cenário, o perfil pitoresco de Cabo Daciolo (Patriota) fez com que ele fosse o único beneficiário incontestável do evento. O ex-bombeiro se tornou mais conhecido, espelhando-se no modelo bizarro de Enéas Carneiro para atrair um voto de protesto, e, de quebra, ainda serviu para formar dobradinha com Jair Bolsonaro e atacar a política tradicional.

Boulos surge como ‘Lula de 1989’, mas enfrenta trilha mais estreita
Guilherme Boulos (PSOL) foi comparado ao Lula da campanha de 1989 com sua defesa enfática de trabalhadores e ataques ao sistema financeiro. A diferença é que Lula se acotovelava apenas com Leonel Brizola naquela eleição para chegar ao segundo turno. Boulos precisará enfrentar o fantasma do próprio ex-presidente, uma disputa multilateral por seu espólio político e, ainda, um discurso na mesma esteira (porém muito mais moderado) na voz de Ciro Gomes.

Apagado, Meirelles não serve nem de escada para ataques a temer
Com um discurso ainda escorregadio, Henrique Meirelles (MDB) saiu apagado do debate. O ex-ministro da Fazenda teria ganhado alguma exposição se fosse usado como escada pelos adversários para ataques ao presidente Michel Temer, mas nem isso ocorreu. Meirelles foi pouco convincente tanto ao buscar distância da política tradicional “nunca exerci mandato” quanto ao apagar seus laços com Temer “trabalhei pelo Brasil”.

Saiba quem são os 13 candidatos à Presidência da República nas eleições 2018

Segundo a legislação eleitoral, as chapas completas com os candidatos, vices, alianças ou coligações têm de ser oficializadas até hoje (6)

Com o fim das convenções, foram definidos os candidatos à Presidência da República, são 13 os candidatos. Segundo a legislação eleitoral, as chapas completas com os candidatos, vices, alianças ou coligações têm de ser oficializadas até hoje (6). Saiba quem são os candidatos que disputam o comando do Palácio do Planalto:

 

Álvaro Dias (Podemos) 

O senador Álvaro Dias foi escolhido pelo Podemos para ser candidato à Presidência da República. Ele vai compor a chapa com o ex-presidente do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), Paulo Rabello de Castro. Além do PSC, fazem parte da coligação os partidos PTC e PRP.

 

Cabo Daciolo (Patriota)

A convenção nacional do Patriota oficializou a candidatura do deputado federal Cabo Daciolo. O evento ocorreu no município de Barrinha, no interior de São Paulo. O candidato foi escolhido por unanimidade. A candidata a vice é Suelene Balduino Nascimento, do mesmo partido.

 

Ciro Gomes (PDT)

O PDT confirmou a candidatura de Ciro Gomes à Presidência da República. Natural de Pindamonhangaba (SP), construiu sua carreira política no Ceará, onde foi prefeito de Fortaleza e governador. Ciro Gomes já foi Ministro da Fazenda e ministro da Integração Nacional. O candidato vai contar com o apoio do Avante.

 

Geraldo Alckmin (PSDB)

Em convenção nacional realizada na capital federal, o PSDB confirmou a candidatura do presidente do partido e ex-governador de São Paulo, Geraldo Alckmin, à Presidência da República nas eleições de outubro. A senadora Ana Amélia (PP-RS) é a vice na chapa. Geraldo Alckmin conta com o apoio do PSDB, PP, DEM, PR, PTB, PRB, PPS, PSD e Solidariedade.

 

Guilherme Boulos (PSOL)

O coordenador nacional do Movimento dos Trabalhadores Sem Teto (MTST), Guilherme Boulos, foi lançado candidato à Presidência da República pelo PSOL, na convenção nacional em São Paulo. Também foi homologado o nome de Sônia Guajajara, representante do povo indígena, para vice-presidente. O PSOL terá o apoio do PCB em sua coligação.

 

Henrique Meirelles (MDB)

O MDB confirmou o nome de Henrique Meirelles, ex-ministro da Fazenda, como candidato à Presidência da República. O partido informou que Germano Rigotto, ex-governador do Rio Grande do Sul, será o vice na chapa. O candidato do presidente Michel Temer terá o apoio do PHS.

 

Jair Bolsonaro (PSL)

O deputado federal Jair Bolsonaro (PSL-RJ), 63 anos, foi confirmado como o candidato à Presidência da República nas eleições deste ano pelo PSL. O vice é o general Hamilton Mourão, do PRTB.

 

João Amoêdo (Partido Novo)

João Dionisio Amoêdo foi oficializado candidato à Presidência da República pelo Partido. O cientista político Christian Lohbauer foi escolhido como candidato à vice-presidente.

 

João Goulart Filho (PPL)

O PPL lançou João Goulart Filho como candidato à Presidência da República. Ele é filho do ex-presidente João Goulart, o Jango, que teve mandato presidencial, de 1961 a 1964, interrompido pela ditadura militar. É a primeira vez que João Goulart Filho concorre ao cargo. O candidato a vice é Léo Alves, professor da Universidade Católica de Brasília.

 

José Maria Eymael (DC)

O partido Democracia Cristã (DC) confirmou durante convenção na capital paulista, a candidatura de José Maria Eymael à Presidência da República, nas eleições de outubro, e do pastor da Assembleia de Deus Helvio Costa como vice-presidente.

 

Luiz Inácio Lula da Silva (PT)

A convenção nacional do PT escolheu, por aclamação, o nome de Luiz Inácio Lula da Silva para ser o candidato à Presidência da República. O encontro também homologou o apoio do PCO e do PROS à candidatura do PT. Neste domingo (5) o PCdoB também confirmou apoio a Lula.

 

Marina Silva (Rede)

A primeira convenção nacional da Rede Sustentabilidade confirmou, por aclamação, o nome Marina Silva como candidata da sigla à Presidência da República. O candidato à vice na chapa, o médico, Eduardo Jorge, do Partido Verde (PV), também foi apresentado oficialmente no encontro.

 

Vera Lúcia (PSTU)

Em convenção nacional, o PSTU oficializou a candidatura de Vera Lúcia à Presidência da República e de Hertz Dias como vice na chapa. A escolha foi feita por aclamação pelos filiados ao partido presentes na quadra do Sindicato dos Metroviários de São Paulo, na zona leste da capital paulista.

Ex-ministro de Michel Temer é o candidato do grupo Sarney à Presidência

O ex-presidente participou da convenção e sentou-se ao lado do presidente Michel Temer e do presidente nacional da legenda, o senador Romero Jucá

O MDB aprovou, nesta quinta-feira (2), a candidatura de Henrique Meirelles à Presidência da República. O partido confirmou o nome do ex-ministro da Fazenda na corrida ao Palácio do Planalto durante convenção nacional, em Brasília, com a presença do presidente Michel Temer e do ex-senador José Sarney, lado a lado.

O ex-presidente participou da convenção e sentou-se ao lado do presidente Michel Temer e do presidente nacional da legenda, o senador Romero Jucá.

Representando o governo mais rejeitado da história brasileira, responsável pela Reforma Trabalhista, pelo aumento dos impostos e pelo congelamento dos investimentos na saúde e na educação, Henrique Meirelles, Michel Temer e José Sarney caminharão juntos para garantir que o MDB continue no poder e consiga aprovar outras medidas impopulares como a Reforma da Previdência.

O MDB confirmou Meirelles sem definir o nome do vice na chapa. Segundo Romero Jucá, a escolha será feita até segunda-feira (6) por uma comissão da sigla. Ele é um dos integrantes do grupo. Os convencionais também autorizaram a Comissão Executiva Nacional do MDB a definir coligações com outros partidos.

Meirelles admitiu que seu vice poderá ser do próprio MDB, mas afirmou que não estava discutindo nomes ao ser questionado sobre a senadora Marta Suplicy (MDB-SP).

A candidatura de Meirelles é a primeira do MDB desde 1994, quando o ex-governador de São Paulo Orestes Quércia disputou sem sucesso a corrida presidencial.

Roseana evita associação com o aliado Michel Temer, reprovado por 90% da população

Após dois anos do golpe e três meses da prisão do ex-presidente Lula (PT), Roseana, ao notar a rejeição de Michel Temer e de seu partido, faz manobras para tentar aliar sua imagem à do ex-presidente Lula

Sem a menor cerimônia, a ex-governadora Roseana Sarney (MDB) passou a esconder seu companheiro de partido e aliado, o presidente mais rejeitado da história brasileira, Michel Temer (MDB).

Após o golpe dado na ex-presidente Dilma Rousseff (MDB), Michel Temer passou a praticar medidas impopulares como a Reforma Trabalhista e o aumento dos impostos sobre os combustíveis e o gás de cozinha.

Leia mais: Sem apoios, Roseana Sarney diminui número de cidades de sua caravana de 50 para 11

Somente agora, após dois anos do golpe e três meses da prisão do ex-presidente Lula (PT), Roseana, ao notar a rejeição de Michel Temer e de seu partido, faz manobras para tentar aliar sua imagem à do ex-presidente Lula, na tentativa de angariar um pouco da sua popularidade no estado, deixando Michel Temer de escanteio.

As últimas atitudes do grupo Sarney deixam o pré-candidato à Presidência da República pelo MDB, o ex-ministro Henrique Meireles, em uma situação complicada. Mesmo patinando na margem de 1% nas pesquisas, ele não pode mais contar com a ajuda do clã Sarney no Maranhão, pois a ex-governadora tenta passar a imagem de ser aliada de Lula e do PT e o deixa à deriva na pré-campanha, juntamente com o companheiro de partido Michel Temer.

Leia mais: Declaração de Roseana sobre Lula irrita petistas maranhenses

Leia mais: Edison Lobão e a tentativa de carona na popularidade de Lula

MDB anuncia Meirelles como pré-candidato à Presidência da República

Meireles entra na disputa com a herança de Michel Temer, um governo rejeitado pela população

Em um evento em Brasília, nesta terça-feira (22), o MDB anunciou o ex-ministro da Fazenda Henrique Meirelles como pré-candidato do partido na eleição para a Presidência da República.

A cerimônia do MDB, chamada de “Encontro com o Futuro”, contou com a presença do próprio Meirelles e de caciques do partido, como o presidente Michel Temer. Meirelles se filiou ao MDB com o objetivo de ser o candidato do partido na eleição presidencial de outubro. No entanto, Temer também vinha se posicionando como uma das opções do MDB para encabeçar a chapa.

Temer decidiu dar apoio à candidatura de Meirelles depois da pressão de um setor do partido por uma definição oficial do presidente. Há a avaliação de que Temer não conseguiu sair da agenda negativa das investigações da Lava Jato, o que inviabilizaria a candidatura à reeleição.

Meireles entra na disputa com a herança de Michel Temer, um governo rejeitado pela população. O agora pré-candidato ao Palácio do Planalto, terá que carregar figuras como José Sarney, Roseana Sarney e Edison Lobão, ambos com vários processos na Justiça.

Se a candidatura de Meirelles for registrada, será a primeira vez, em mais de 20 anos, que o MDB terá candidato próprio à Presidência. A última vez foi nas eleições de 1994, com o ex-governador de São Paulo, Orestes Quércia.

Em entrevista coletiva após ser anunciado como pré-candidato, Meirelles disse que sairá em busca de alianças e que o presidente Michel Temer deverá participar da sua campanha. “O nosso palanque terá todas as lideranças dispostas a se engajar neste projeto”, afirmou. “O presidente certamente participará dos eventos que considerar adequado”, disse.