Chiquinho Escórcio deve ser consagrado vice de Roseana

A escolha de Chiquinho teria passado pelo aval do presidente Michel Temer (MDB)

As várias especulações sobre a indicação do vice na chapa da ex-governadora Roseana Sarney (MDB) parecem ter chegado ao fim. Nas últimas horas, o nome do ex-deputado federal, Chiquinho Escórcio (MDB), ganharam corpo e tudo indica que o grupo Sarney vai para a disputa com uma chapa “puro sangue”.

O nome de Chiquinho virou notícia na coluna da jornalista Denise Rothenburg, do Jornal Correio Brasiliense. O ex-deputado, fiel escudeiro do ex-presidente José Sarney (MDB), já estaria sendo tratado pelo Palácio do Planalto como o candidato a vice da chapa de Roseana Sarney. A escolha de Chiquinho teria passado pelo aval do presidente Michel Temer (MDB).

A ex-governadora Roseana Sarney teve muita dificuldade em escolher seu vice. Nem mesmo a garantia da vaga e de uma estrutura num possível governo fez com que Roseana fechasse um acordo com outra legenda. Os grandes partidos não se interessaram em indicar o nome para o cargo, tal é a rejeição do grupo Sarney.

Muito se especulava pela escolha do senador João Alberto (MDB) para a vaga, mas seu nome sofre muita resistência da própria Roseana.

A ex-governadora Roseana também não tem mais o PT para indicar seu vice. O partido garantiu, nas últimas eleições, um bom tempo de TV para o grupo Sarney, mas hoje já faz parte da base de apoio do governador Flávio Dino. Sem o vice “ideal”, a única saída será ter que escolher Chiquinho Escórcio.

Roseana exige saída de João Alberto da presidência do MDB

O clima de rivalidade entre Roseana Sarney e o João Alberto parece ter aumentado ainda mais

O clima de rivalidade entre a ex-governadora, Roseana Sarney (MDB), e o atual presidente da sigla no Maranhão, o senador João Alberto, parece ter aumentado ainda mais.

Roseana Sarney fez algumas imposições para ser novamente candidata ao governo do estado. Uma das exigências é que ela tenha o controle sobre o MDB no Maranhão.

A pesar de ser um antigo aliado de José Sarney, João Alberto vem perdendo espaço dentro do grupo. Recentemente, viu o deputado federal Sarney Filho (PV) pegar sua vaga como pré-candidato ao Senado.

Agora, a filha do ex-presidente José Sarney (MDB) exige que para entrar na disputa, ela tenha o controle de toda a verba destinada ao diretório estadual pelo Fundo Partidário, escantiando, de vez, João Alberto.

Ausência de João Alberto na caravana de Roseana Sarney confirma fragilidade do grupo

Nem os vereadores da cidade subiram ao palanque da ex-governadora.

A ausência do deputado federal João Marcelo (MDB) e de seu pai, o senador João Alberto (MDB), na ‘Caravana da Guerreira’ em Santa Inês acendeu o sinal vermelho do já desestabilizado grupo. O racha interno do grupo Sarney já tinha sido levantado logo após a entrevista do senador Edison Lobão (MDB) ao jornal O Imparcial, no último dia 04.

Ao ser questionado sobre a chapa de oposição, Edison Lobão falou que ela já estava montada, tendo ele e o deputado federal Sarney Filho (PV) como candidatos ao Senado e Roseana Sarney (MDB) candidata ao governo. Sobre João Alberto, Lobão falou que ele poderia ser candidato ao que quiser, mas não chegou a citar seu colega nem para candidato a vice-governador.

Mesmo planejado para ser o grande início da pré-campanha de Roseana Sarney, a ausência de João Alberto e João Marcelo é uma evidência de que o clima entre os políticos não está dos melhores.

Flávio Dino coloca João Alberto no seu devido lugar…

Depois de décadas de espera e da intervenção certeira do governo do Estado, as obras de duplicação da BR-135 foram oficialmente entregues hoje (11) pelo Governo Federal.
Com a presença de ministros, prefeitos, deputados, senadores e do governador Flávio Dino, a entrega, que tinha tudo para ter só a alta temperatura do local como ponto importante, teve durante o discurso de Flávio Dino umas das cenas mais engraçadas de 2018 – até agora.

O ex-juiz federal e professor é conhecido por suas tiradas rápidas e brincadeiras durante os discursos que mesmo, em campo do inimigo, não ficaram de fora do discurso de hoje.
A primeira foi a resposta ao secretário da Presidência da República, Moreira Franco, que fez menção ao peso do Governador em seu discurso e teve que ouvir que a “espera pela duplicação da Br-135 era tão antiga quanto sua militância política durante a ditadura”, uma clara alusão a idade do Secretário e a sua cabeleira grisalha.

Tirando risos da plateia que já tinha vaiado Hildo Rocha e seu destempero, Dino prosseguiu o discurso parabenizando os que “realmente colocaram a mão na massa por essa duplicação”, as dezenas de operários que trabalharam debaixo de chuva e sol para a conclusão da obra.

Quando se referia ao longo tempo de espera da duplicação, Dino confirmou uma fala do próprio Moreira Franco quando disse que era preciso romper os ciclos administrativos.

“Nós rompemos, aqui, o ciclo da falta de estradas, o ciclo da falta de politicas sócias, da falta de escolas”, dizia Dino quando foi interrompido por ofensas proferidas pelo Carcará 90% honesto.
Do alto de sua finesse, o governador Comunista ignorou a investidas raivosas de João Alberto e continuou o discurso alfinetando o PMSbista.
“Rompemos também o ciclo da falta de educação, que é uma coisa importante para se governar bem. É preciso ter educação, ter serenidade e tranquilidade”, completou Dino.
Enquanto isso, Sarney Filho se esquivava das investidas do velho Carcará em inflamar os Sarneysistas de plantão e ria dos devaneios do Senador.

Radar On Line – Neta de João Alberto “Carcará” ganha cargo no Senado…

Veja

Carcará é presidente da Comissão de Ética do Senado

O presidente da Comissão de Ética do Senado, João Alberto Souza (PMDB-MA), emplacou sua neta no Ministério das Minas e Energia.

Ana Carolina Simões Piacesi de Souza vai exercer o cargo de Assistente de Assessoria de Comunicação Social do Gabinete do Ministério, com salário de R$ 3.143,27.

Não é a primeira vez que ela ocupa o cargo. Ana trabalhava na função até fevereiro, quando foi demitida. Desde então, tentava voltar ao emprego. Coincidentemente, conseguiu logo após o avô ser reeleito para a presidência.

João Alberto Souza é o mesmo parlamentar que, recentemente, arquivou o processo contra Aécio Neves alegando falta de provas.

(por Alessandra Medina)

Pedido de cassação de Aécio Neves é abortado com votos de Roberto Rocha e Carcará

João Alberto “Carcará” e Roberto Rocha “Asa de Avião”ajudaram a livrar a cara de Aécio Neves

Com informações de O Estado

O Conselho de Ética do Senado confirmou o arquivamento do pedido de cassação do senador Aécio Neves (PSDB-MG), alvo de representação por quebra de decoro parlamentar por 11 votos a quatro. Desta forma, o tucano não será nem sequer investigado na Casa pelas gravações entre ele e o dono da JBS, Josley Batista. A proeza teve o aval dos senadores maranhenses, Roberto Rocha (PSB) e João Alberto (PMDB).

Para o senador Lasier Martins (PSD-RS), que votou pela admissibilidade do processo, o resultado de hoje é negativo para Aécio. “Não estivemos agora julgando a cassação, e sim a admissibilidade ou não da representação. Sempre defendi que o processo seria saudável para Aécio provar que é inocente. Da maneira que ficou, perdura a dúvida”, avaliou.

Autor da representação, o senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP) declarou que há um acordão entre os grandes partidos para salvar Aécio e blindar outros parlamentares investigados. “Há dois tipos de julgamento, um dos que têm poder político no Senado e outro dos que não têm.”

Randolfe lembrou o caso do ex-senador Delcídio Amaral, que foi cassado no ano passado pelo Conselho após também ter sido gravado em conversas e acusado de tentar obstruir a Justiça. “Acho que hoje o instituto da ética e do decoro parlamentar pode ser sepultado. Não faz mais sentido ter Conselho de Ética desse jeito. Se não há sentido investigar Aécio, por que nós cassamos o mandato do senador Delcídio do Amaral?”, questionou Randolfe.

Já o presidente do Conselho, João Alberto Souza (PMDB-MA), voltou a afirmar que “não há absolutamente nada” para condenar o senador tucano e que a maioria dos integrantes do colegiado concordou que ele tinha razão ao decidir pelo arquivamento. “Um senador que recebeu mais de sete milhões de votos não pode ser jogado assim na opinião pública”, defendeu.

Após o pedido de cassação da Rede e do PSOL contra Aécio, em junho, João Alberto decidiu monocraticamente arquivar a representação, que considerou “improcedente”. Randolfe, apoiado por cinco senadores que integram o Conselho, entrou com um recurso para que o plenário reavaliasse a questão.

Nesta quinta-feira, entretanto, apenas quatro parlamentares votaram pela admissibilidade da denúncia: José Pimentel (PT-CE), Lasier Martins (PSD-RS), João Capiberibe (PSB-AP) e Antonio Carlos Valadares (PSB-SE). O senador Pedro Chaves (PSC-MS), que havia assinado o recurso, recuou e votou contra o documento que ele mesmo ajudou a validar. Segundo Valadares, houve ameças para que ele mudasse de voto.

Votaram contra a representação os senadores Airton Sandoval (PMDB-SP), Romero Jucá (PMDB-RR), Helio José (PMDB-DF), Davi Alcolumbre (DEM-AP), Flexa Ribeiro (PSDB-PA), Eduardo Amorim (PSDB-SE), Gladson Camelli (PP-AC), Acir Gurgacz (PDT-RO), Telmário Mota (PTB-RR), Pedro Chaves (PSC-MS), Roberto Rocha (PSB-MA) e João Alberto (PMBD-MA), que não precisava votar, mas disse que fazia questão de se manifestar – seu voto, porém, não entrou no placar.

Governo. Durante a discussão, o líder do governo, Romero Jucá (PMDB-RR) saiu em defesa de Aécio, dizendo que só há “uma visão dos fatos” até o momento, que seria a do Ministério Público Federal, responsável pela apresentação da denúncia contra o tucano por corrupção passiva e obstrução de Justiça.

“Não estamos determinando paralisação nenhuma de investigação no Supremo Tribunal Federal. Nós estamos aqui dizendo que não vamos comer um processo cru. Querer imputar ao senador Aécio qualquer tipo de penalidade por uma versão do MP é injusto”, disse.

Presidente licenciado do PSDB, Aécio retomou esta semana o mandato parlamentar com um discurso de defesa ao governo. Ele faz parte de uma área minoritária da legenda no Senado que quer que o partido permaneça na base aliada do presidente Michel Temer.

O senador Aécio Neves respondeu, por meio de nota, que considera que a decisão”demonstra a absoluta inexistência de qualquer ato que possa ser interpretado como quebra de decoro parlamentar”. Para o tucano, a decisão demonstra ainda o “caráter estritamente político da iniciativa e impede que o Conselho de Ética do Senado se transforme em cenário de disputas políticas menores.” / COLABOROU PEDRO VENCESLAU

“Carcará” arquiva processo contra Aécio Neves…

Do G1

Carcará livrou a cara de Aécio Neves

O presidente do Conselho de Ética do Senado, João Alberto Souza (PMDB-MA), também conhecido como Carcará, arquivou o pedido de cassação do senador afastado, Aécio Neves (PSDB-MG).

O G1 procurou a assessoria de Aécio e aguardava resposta até a última atualização desta reportagem.

Mesmo com a decisão de João Alberto de arquivar o processo, qualquer integrante do conselho pode recorrer, em até dois dias úteis, desde que conte com o apoio de cinco parlamentares.

Após as delações da JBS se tornarem públicas, no mês passado, os partidos Rede e PSOL pediram ao conselho que cassasse o mandato de Aécio por quebra de decoro parlamentar.

O tucano está afastado do mandato desde o mês passado, por determinação do Supremo Tribunal Federal.

Segundo o Ministério Público Federal, Aécio Neves agiu em conjunto com o presidente Michel Temer para barrar as investigações da Operação Lava Jato.

Com base nas delações da JBS, o Ministério Público denunciou Aécio pelos crimes de corrupção passiva e obstrução de Justiça.

Máfia de Anajatuba – João Alberto “Carcará” contrata empresa de preso pela PF

Coluna Radar On Line -Revista Veja

Ligado a José Sarney, o senador João Alberto Souza gastou 45 000 reais da cota parlamentar com um instituto cujo dono já foi alvo de operação

João Alberto Carcará contratou empresa de envolvido na Máfia de Anajatuba

O senador maranhense João Alberto Souza, o presidente do Conselho de Ética do Senado, tambem conhecido como Carcará, nunca foi afeito a investigações profundas contra seus pares. Não é à toa que Aécio Neves anda aliviado por saber que o colega peemedebista continua à frente do colegiado.

Basta dizer que, na semana passada, João Alberto declarou publicamente que a Casa não concorda com o afastamento do tucano.

O senador maranhense é ligadíssimo a José Sarney. Os mais ácidos falam numa relação de subserviência política.

Pois recentemente, João Alberto investiu pesado para contratar uma pesquisa qualitativa. Em maio, ele usou 45 000 reais de cota parlamentar – recursos públicos – para obter os serviços do Instituto Escutec. Escolheu a dedo.

A empresa é conhecida no Maranhão por divulgar levantamentos favoráveis ao clã Sarney, de quem o dono da Escutec, Fernando Junior, é amigo. Mas esse detalhe não é o mais constrangedor da biografia do empresário.

Junior já foi preso pela Polícia Federal, em 2015, durante a Operação Attalea, que investigava desvios de dinheiro do Fundeb e do FNDE na prefeitura de Anajatuba (MA).

Pelo visto, na avaliação do parlamentar responsável por resguardar o rigor ético no Senado, gastar dinheiro público numa empresa de um sujeito que se enrolou com a PF não depõe contra ninguém.

Aécio deve ter suas razões para ficar tranquilo.

Aliado de Temer, João Alberto emplaca filho na Furnas com salário de R$ 27 mil

João Alberto Carcará, mais vivo do que nunca

Aliado de primeira hora do presidente da República, Michel Temer (PMDB),  o senador João Alberto (PMDB), também conhecido nos bastidores como “carcará”, conseguiu emplacar o filho, João Manuel Santos Souza, em cargo comissionado na Furnas Centrais Elétricas S.A, ou simplesmente Eletrobrás, vinculada ao Ministério de Minas e Energia, com um polpudo salário de R$ 27.588,48 mil.

Há poucos meses, Carcará também foi responsável por indicar boa parte dos cargos federais para a região Nordeste e emplacar o aliado, Assis Filho, na Secretaria Nacional de Juventude.

Nos bastidores, comenta-se que a nomeação de João Manuel, assim como de outros aliados de políticos do PMDB, já estaria caracterizando uma nova “lista de Furnas”, o conhecido escândalo de corrupção e lavagem de dinheiro ocorrido nos anos 2000 e que envolvia a empresa estatal e abastecia campanha de políticos do PSDB.

Com informações do Marrapá