Juventude do MDB descarta nome de Hildo Rocha e partido chega à eleição dividido

Um dos que afirmam com todas as letras que não vai desistir da disputa é o deputado federal Hildo Rocha

O final do mandato do senador João Alberto na presidência do MDB do Maranhão vai movimentar o partido nas próximas semanas. Sem intenções de concorrer a mais um mandato, João Alberto apenas assiste aos ânimos se acirrarem entre os postulantes ao cargo.

Um dos que afirmam com todas as letras que não vai desistir da disputa é o deputado federal Hildo Rocha. Ele teria a simpatia de alguns dos integrantes da família Sarney, mas não chega a ser unanimidade dentro da legenda.

Quem vem correndo por fora é o ex-secretário de Juventude do governo Michel Temer, Assis Filho. O jovem militante tem a simpatia do deputado estadual Roberto Costa e da ala mais jovem do partido.

Militantes do JMDB afirmam que o nome de Hildo Rocha não será nem debatido entre eles.

Integrantes do MBD afirmam que o consenso em torno de um nome será defendido, mas o que podemos observar é um partido, cada vez mais, distantes de suas bases e sem perspectivas de renovação dos seus quadros.

Assis Filho caminha para ser o próximo presidente do MDB maranhense

Assis Filho é favorito na disputa, pois muitos integrantes do MDB enxergam que o partido no Maranhão precisa de uma renovação após a derrota amarga de 2018

Ex-secretário nacional de Juventude do governo Michel Temer, Assis Filho (MDB) caminha para ser escolhido o próximo presidente do MDB do Maranhão. Assis é militante do partido e entrou no MDB ainda adolescente.

Com o fim do mandato do senador João Alberto, Assis irá disputar à presidência com o deputado federal Hildo Rocha, que conta com a simpatia da família Sarney. Já Assis conta com o apoio do atual presidente, do deputado federal João Marcelo e o deputado estadual Roberto Costa.

A ex-governadora Roseana Sarney ainda ensaiou uma candidatura para disputar à presidência do partido, mas desistiu após críticas de alguns integrantes do partido.

Assis Filho é favorito na disputa, pois muitos integrantes do MDB enxergam que o partido no Maranhão precisa de uma renovação após a derrota amarga de 2018.

STF acaba com aposentadoria de ex-governadores do Maranhão

A proibição deverá alcançar José Sarney, João Alberto, Edison Lobão, Zé Reinaldo Tavares e Roseana Sarney

O Supremo Tribunal Federal (STF) julgou procedente uma Ação Direta de Inconstitucionalidade (Adin) proposta pela Procuradoria-Geral da República, e acabou com a aposentadoria vitalícia de ex-governadores do Maranhão. A decisão é do mês de setembro.

O benefício era garantido pelo artigo 45 do Ato das Disposições Constitucionais Transitórias da Constituição do Estado do Maranhão, agora declarado inconstitucional.

Na mesma ação, o plenário da mais alta corte do país também declarou a inconstitucionalidade da Lei estadual nº 6.245/1994, que garantia a aposentadoria às viúvas de ex-governadores.

A proibição deverá alcançar José Sarney, João Alberto, Edison Lobão, Zé Reinaldo Tavares e Roseana Sarney.

As decisões já foram comunicadas ao governador do Maranhão, Flávio Dino (PC do B), e ao presidente da Assembleia Legislativa, Othelino Neto (PC do B).

Roseana se distancia de Lobão e João Alberto

A manobra dos dois filhos de José Sarney evidencia a guerra silenciosa entre Sarney Filho e Edison Lobão

Causou estranheza a ausência dos senadores Edison Lobão e João Alberto, ambos do MDB, na caravana de Roseana Sarney realizada nas cidades de Mirinzal, Central do Maranhão e Pinheiro, na Baixada Maranhense.

Roseana foi acompanhada de seu irmão, o deputado federal Sarney Filho (PV). Ele tenta viabilizar sua pré-candidatura ao Senado Federal e cola em sua irmã para conquistar novas bases políticas.

A manobra dos dois filhos de José Sarney evidencia a guerra silenciosa entre Sarney Filho e Edison Lobão. Ambos os pré-candidatos ao Senado pelo grupo sabem que quem melhor estiver articulado com suas bases pode levar a disputa.

Outra figura do MDB maranhense rifado por Roseana e Sarney Filho foi o senador João Alberto. Para garantir Sarney Filho na disputa, ele foi convencido de desistir de sua reeleição. O senador também sofre resistência da própria ex-governadora em ser aceito como candidato a vice-governador.

Tais movimentações mostram como o grupo Sarney chega fragilizado às eleições de 2018.

Chiquinho Escórcio deve ser consagrado vice de Roseana

A escolha de Chiquinho teria passado pelo aval do presidente Michel Temer (MDB)

As várias especulações sobre a indicação do vice na chapa da ex-governadora Roseana Sarney (MDB) parecem ter chegado ao fim. Nas últimas horas, o nome do ex-deputado federal, Chiquinho Escórcio (MDB), ganharam corpo e tudo indica que o grupo Sarney vai para a disputa com uma chapa “puro sangue”.

O nome de Chiquinho virou notícia na coluna da jornalista Denise Rothenburg, do Jornal Correio Brasiliense. O ex-deputado, fiel escudeiro do ex-presidente José Sarney (MDB), já estaria sendo tratado pelo Palácio do Planalto como o candidato a vice da chapa de Roseana Sarney. A escolha de Chiquinho teria passado pelo aval do presidente Michel Temer (MDB).

A ex-governadora Roseana Sarney teve muita dificuldade em escolher seu vice. Nem mesmo a garantia da vaga e de uma estrutura num possível governo fez com que Roseana fechasse um acordo com outra legenda. Os grandes partidos não se interessaram em indicar o nome para o cargo, tal é a rejeição do grupo Sarney.

Muito se especulava pela escolha do senador João Alberto (MDB) para a vaga, mas seu nome sofre muita resistência da própria Roseana.

A ex-governadora Roseana também não tem mais o PT para indicar seu vice. O partido garantiu, nas últimas eleições, um bom tempo de TV para o grupo Sarney, mas hoje já faz parte da base de apoio do governador Flávio Dino. Sem o vice “ideal”, a única saída será ter que escolher Chiquinho Escórcio.

Roseana exige saída de João Alberto da presidência do MDB

O clima de rivalidade entre Roseana Sarney e o João Alberto parece ter aumentado ainda mais

O clima de rivalidade entre a ex-governadora, Roseana Sarney (MDB), e o atual presidente da sigla no Maranhão, o senador João Alberto, parece ter aumentado ainda mais.

Roseana Sarney fez algumas imposições para ser novamente candidata ao governo do estado. Uma das exigências é que ela tenha o controle sobre o MDB no Maranhão.

A pesar de ser um antigo aliado de José Sarney, João Alberto vem perdendo espaço dentro do grupo. Recentemente, viu o deputado federal Sarney Filho (PV) pegar sua vaga como pré-candidato ao Senado.

Agora, a filha do ex-presidente José Sarney (MDB) exige que para entrar na disputa, ela tenha o controle de toda a verba destinada ao diretório estadual pelo Fundo Partidário, escantiando, de vez, João Alberto.

Ausência de João Alberto na caravana de Roseana Sarney confirma fragilidade do grupo

Nem os vereadores da cidade subiram ao palanque da ex-governadora.

A ausência do deputado federal João Marcelo (MDB) e de seu pai, o senador João Alberto (MDB), na ‘Caravana da Guerreira’ em Santa Inês acendeu o sinal vermelho do já desestabilizado grupo. O racha interno do grupo Sarney já tinha sido levantado logo após a entrevista do senador Edison Lobão (MDB) ao jornal O Imparcial, no último dia 04.

Ao ser questionado sobre a chapa de oposição, Edison Lobão falou que ela já estava montada, tendo ele e o deputado federal Sarney Filho (PV) como candidatos ao Senado e Roseana Sarney (MDB) candidata ao governo. Sobre João Alberto, Lobão falou que ele poderia ser candidato ao que quiser, mas não chegou a citar seu colega nem para candidato a vice-governador.

Mesmo planejado para ser o grande início da pré-campanha de Roseana Sarney, a ausência de João Alberto e João Marcelo é uma evidência de que o clima entre os políticos não está dos melhores.

Flávio Dino coloca João Alberto no seu devido lugar…

Depois de décadas de espera e da intervenção certeira do governo do Estado, as obras de duplicação da BR-135 foram oficialmente entregues hoje (11) pelo Governo Federal.
Com a presença de ministros, prefeitos, deputados, senadores e do governador Flávio Dino, a entrega, que tinha tudo para ter só a alta temperatura do local como ponto importante, teve durante o discurso de Flávio Dino umas das cenas mais engraçadas de 2018 – até agora.

O ex-juiz federal e professor é conhecido por suas tiradas rápidas e brincadeiras durante os discursos que mesmo, em campo do inimigo, não ficaram de fora do discurso de hoje.
A primeira foi a resposta ao secretário da Presidência da República, Moreira Franco, que fez menção ao peso do Governador em seu discurso e teve que ouvir que a “espera pela duplicação da Br-135 era tão antiga quanto sua militância política durante a ditadura”, uma clara alusão a idade do Secretário e a sua cabeleira grisalha.

Tirando risos da plateia que já tinha vaiado Hildo Rocha e seu destempero, Dino prosseguiu o discurso parabenizando os que “realmente colocaram a mão na massa por essa duplicação”, as dezenas de operários que trabalharam debaixo de chuva e sol para a conclusão da obra.

Quando se referia ao longo tempo de espera da duplicação, Dino confirmou uma fala do próprio Moreira Franco quando disse que era preciso romper os ciclos administrativos.

“Nós rompemos, aqui, o ciclo da falta de estradas, o ciclo da falta de politicas sócias, da falta de escolas”, dizia Dino quando foi interrompido por ofensas proferidas pelo Carcará 90% honesto.
Do alto de sua finesse, o governador Comunista ignorou a investidas raivosas de João Alberto e continuou o discurso alfinetando o PMSbista.
“Rompemos também o ciclo da falta de educação, que é uma coisa importante para se governar bem. É preciso ter educação, ter serenidade e tranquilidade”, completou Dino.
Enquanto isso, Sarney Filho se esquivava das investidas do velho Carcará em inflamar os Sarneysistas de plantão e ria dos devaneios do Senador.

Radar On Line – Neta de João Alberto “Carcará” ganha cargo no Senado…

Veja

Carcará é presidente da Comissão de Ética do Senado

O presidente da Comissão de Ética do Senado, João Alberto Souza (PMDB-MA), emplacou sua neta no Ministério das Minas e Energia.

Ana Carolina Simões Piacesi de Souza vai exercer o cargo de Assistente de Assessoria de Comunicação Social do Gabinete do Ministério, com salário de R$ 3.143,27.

Não é a primeira vez que ela ocupa o cargo. Ana trabalhava na função até fevereiro, quando foi demitida. Desde então, tentava voltar ao emprego. Coincidentemente, conseguiu logo após o avô ser reeleito para a presidência.

João Alberto Souza é o mesmo parlamentar que, recentemente, arquivou o processo contra Aécio Neves alegando falta de provas.

(por Alessandra Medina)