Grupo Sarney trabalha para esvaziar pré-candidatura de Maura Jorge

A primeira ação foi garantir a destituição do suplente de senador, Pastor Bell, do PSDC. A segunda atitude é operar via Edison Lobão (MDB), para que o PRTB, de Márcio Coutinho, não apoie Maura Jorge

O grupo político liderado pelo ex-presidente José Sarney (MDB) parece estar determinado em esvaziar, o máximo possível, a pré-candidatura de Maura Jorge (PSL).

Com o apoio declarado do presidenciável Jair Bolsonaro (PSL), o grupo Sarney estaria temendo que Maura cresça nas pesquisas de intenção de votos, devido à popularidade nas redes sociais de Bolsonaro, ameaçando a pré-candidatura de Roseana.

O temor é que Maura Jorge ganhe a parcela de votos das pessoas que não votam no atual governo e nem em representantes de governos passados, como Roseana.

Leia mais: O PT maranhense e sua eterna indecisão…

A primeira ação foi garantir a destituição do suplente de senador, Pastor Bell, do PSDC. A segunda atitude é operar via Edison Lobão (MDB), para que o PRTB, de Márcio Coutinho, não apoie Maura Jorge, como é o desejo da maioria dos pré-candidatos a deputados.

Por último e bem mais complicado, o grupo Sarney estaria articulando para que o Podemos, partido com maior tempo de TV no arco de possíveis alianças de Maura Jorge, não apoie a pré-candidata e declare voto a Roseana. Para isso, o grupo Sarney argumenta para Aluísio Mendes, presidente do Podemos, que sua eleição de deputado federal em 2014, só foi possível, graças ao apoio de Roseana Sarney.

Esbanjando confiança no seu evento ao lado de Jair Bolsonaro, em São Luís, Maura Jorge pode chegar à convenção com apenas o seu partido e olhar seu sonho de ganhar o Governo do Estado, bem mais longe.

“Minha intenção é continuar com Flávio Dino”, diz Josimar de Maranhãozinho, presidente do PR

Se for somente pela vontade do presidente estadual do partido, o PR continuará ao lado de Flávio Dino

O deputado estadual Josimar de Maranhãozinho concedeu ao programa Ponto e Virgula, da Rádio Difusora FM, entrevista comentando os rumos que o Partido da República (PR) irá tomar no Maranhão. Presidente estadual da legenda, ele garantiu que sua intenção é caminhar ao lado do governador Flávio Dino nas eleições de outubro.

Apesar da vontade do presidente estadual, o partido vem sendo alvo do assédio do oligarca José Sarney, que tenta, de todas as formas, enfraquecer o amplo arco de alianças de Flávio Dino. No mês passado, o chefe do clã maranhense se reuniu com o presidente nacional do PR, Valdemar da Costa Neto, para tratar de uma possível aliança com o seu grupo no Maranhão.

Durante a conversa, Sarney chegou a oferecer a vaga de vice-governador na chapa de Roseana.

Diante desse impasse, Josimar de Maranhãozinho deve ir a Brasília, até o final desta semana, para definir os rumos do partido. Apesar do assédio de Sarney, o parlamentar já refutou apoio à ex-governadora Roseana.

“É um momento que eu não esperava, está me tirando a atenção e estou cuidando de uma turbulência que eu não estava preparado e pensei que não ia tratar disso agora”, disse Josimar.

Se for somente pela vontade do presidente estadual do partido, o PR continuará ao lado de Flávio Dino.

Roseana se distancia de Lobão e João Alberto

A manobra dos dois filhos de José Sarney evidencia a guerra silenciosa entre Sarney Filho e Edison Lobão

Causou estranheza a ausência dos senadores Edison Lobão e João Alberto, ambos do MDB, na caravana de Roseana Sarney realizada nas cidades de Mirinzal, Central do Maranhão e Pinheiro, na Baixada Maranhense.

Roseana foi acompanhada de seu irmão, o deputado federal Sarney Filho (PV). Ele tenta viabilizar sua pré-candidatura ao Senado Federal e cola em sua irmã para conquistar novas bases políticas.

A manobra dos dois filhos de José Sarney evidencia a guerra silenciosa entre Sarney Filho e Edison Lobão. Ambos os pré-candidatos ao Senado pelo grupo sabem que quem melhor estiver articulado com suas bases pode levar a disputa.

Outra figura do MDB maranhense rifado por Roseana e Sarney Filho foi o senador João Alberto. Para garantir Sarney Filho na disputa, ele foi convencido de desistir de sua reeleição. O senador também sofre resistência da própria ex-governadora em ser aceito como candidato a vice-governador.

Tais movimentações mostram como o grupo Sarney chega fragilizado às eleições de 2018.

As mesmas práticas de outrora…

José Sarney já é conhecido pelas indicações de diretores de órgãos ligados ao Ministério de Minas e Energia, como a Eletrobras

O ex-presidente José Sarney (MDB) virou notícia na coluna Radar da Revista Veja.

De acordo com a coluna, mesmo longe da máquina pública desde 2015, José Sarney mantém as mesmas práticas da ativa.

“O ex-presidente não tem a menor cerimônia em pedir cargos no governo para abrigar os apadrinhados”, escreveu o jornalista Maurício Lima.

José Sarney já é conhecido pelas indicações de diretores de órgãos ligados ao Ministério de Minas e Energia, como a Eletrobras. Após a derrota de seu grupo político no Maranhão, Sarney foi o responsável pela indicação de vários aliados para ministérios do governo Michel Temer.

Roseana não inicia segunda etapa de caravanas e demonstra fragilidade…

A segunda etapa da ‘Caravana da Guerreira’, prometida para iniciar dia 04 de junho e com o objetivo de percorrer 50 cidades, não aconteceu, pelo menos, até agora

Passados 21 dias do lançamento oficial da pré-candidatura da ex-governadora Roseana Sarney (MDB) ao Governo do Maranhão, a ex-governadora sumiu novamente deixando seu grupo político ainda mais aflito.

A segunda etapa da ‘Caravana da Guerreira’, prometida para iniciar dia 04 de junho e com o objetivo de percorrer 50 cidades, não aconteceu, pelo menos, até agora. A primeira etapa foi considerada um fiasco para muitos analistas políticos. Roseana reuniu poucas pessoas em varandas de residências, mostrando fragilidade política com poucos apoios.

Segunda colocada nas pesquisas eleitorais e com 30 pontos percentuais a menos que o governador Flávio Dino (PCdoB), Roseana perdeu o apoio de vários partidos políticos, o que reflete na desmotivação da ex-governadora.

Há quem acredite que a pré-candidatura de Roseana é uma imposição do seu pai, o ex-presidente José Sarney (MDB). Alguns familiares mais próximos, como seu esposo Jorge Murad, não querem que Roseana dispute, pela quinta vez, o governo do estado pelo desgaste gerado.

Sarney de volta aos Estados Unidos…

Em sua rápida passagem pelo Brasil, José Sarney fez articulações e organizou o ato do anúncio da pré-candidatura de Roseana ao governo do estado.

O ex-presidente José Sarney (MDB) voltará para os Estados Unidos nos próximos dias. Ele deve acompanhar a reta final do tratamento médico da ex-primeira-dama, Marly Sarney, que foi submetida a uma cirurgia no quadril.

Em sua rápida passagem pelo Brasil, José Sarney fez articulações e organizou o ato do anúncio da pré-candidatura de Roseana ao governo do estado.

José Sarney assumiu o comando da pré-campanha de Roseana. Para isso, transferiu seu domicílio eleitoral do Amapá para o Maranhão. Nos bastidores, a atitude do ex-presidente foi interpretada como “tudo ou nada” para voltar ao comando do governo do Maranhão.

Nos últimos meses, a mão de ferro do ex-presidente pode ser sentida nos inúmeros ataques ao governador Flávio Dino. Eles se tornaram diários e devem ditar a campanha deste ano.

Governo reduz território quilombola e beneficia empresa de Sarney

A quase totalidade da área beneficiada com a decisão é da Divitex Pericumã Empreendimentos Imobiliários, que tem José Sarney entre os seus sócios

Por Lauro Jardim (O Globo)

O conselho diretor do Incra decidiu no dia 17 reduzir a extensão de um território quilombola nas imediações de Brasília — mais precisamente no município goiano de Cidade Ocidental.

Para isso, contrariou o parecer da área técnica do órgão. Perto de uma região que não para de se valorizar, a superfície de 4,3 mil hectares, reconhecida como quilombola desde 2011, foi reduzida para 761 hectares.

A decisão aconteceu após intenso lobby de Jovair Arantes, notório deputado federal e um dos “donos” do PTB. Seu sobrinho, Rogério, é diretor do Incra.

E o terreno pertence a quem? A quase totalidade da área beneficiada com a decisão é da Divitex Pericumã Empreendimentos Imobiliários, que tem José Sarney entre os seus sócios.

MDB anuncia Meirelles como pré-candidato à Presidência da República

Meireles entra na disputa com a herança de Michel Temer, um governo rejeitado pela população

Em um evento em Brasília, nesta terça-feira (22), o MDB anunciou o ex-ministro da Fazenda Henrique Meirelles como pré-candidato do partido na eleição para a Presidência da República.

A cerimônia do MDB, chamada de “Encontro com o Futuro”, contou com a presença do próprio Meirelles e de caciques do partido, como o presidente Michel Temer. Meirelles se filiou ao MDB com o objetivo de ser o candidato do partido na eleição presidencial de outubro. No entanto, Temer também vinha se posicionando como uma das opções do MDB para encabeçar a chapa.

Temer decidiu dar apoio à candidatura de Meirelles depois da pressão de um setor do partido por uma definição oficial do presidente. Há a avaliação de que Temer não conseguiu sair da agenda negativa das investigações da Lava Jato, o que inviabilizaria a candidatura à reeleição.

Meireles entra na disputa com a herança de Michel Temer, um governo rejeitado pela população. O agora pré-candidato ao Palácio do Planalto, terá que carregar figuras como José Sarney, Roseana Sarney e Edison Lobão, ambos com vários processos na Justiça.

Se a candidatura de Meirelles for registrada, será a primeira vez, em mais de 20 anos, que o MDB terá candidato próprio à Presidência. A última vez foi nas eleições de 1994, com o ex-governador de São Paulo, Orestes Quércia.

Em entrevista coletiva após ser anunciado como pré-candidato, Meirelles disse que sairá em busca de alianças e que o presidente Michel Temer deverá participar da sua campanha. “O nosso palanque terá todas as lideranças dispostas a se engajar neste projeto”, afirmou. “O presidente certamente participará dos eventos que considerar adequado”, disse.

Roseana exige saída de João Alberto da presidência do MDB

O clima de rivalidade entre Roseana Sarney e o João Alberto parece ter aumentado ainda mais

O clima de rivalidade entre a ex-governadora, Roseana Sarney (MDB), e o atual presidente da sigla no Maranhão, o senador João Alberto, parece ter aumentado ainda mais.

Roseana Sarney fez algumas imposições para ser novamente candidata ao governo do estado. Uma das exigências é que ela tenha o controle sobre o MDB no Maranhão.

A pesar de ser um antigo aliado de José Sarney, João Alberto vem perdendo espaço dentro do grupo. Recentemente, viu o deputado federal Sarney Filho (PV) pegar sua vaga como pré-candidato ao Senado.

Agora, a filha do ex-presidente José Sarney (MDB) exige que para entrar na disputa, ela tenha o controle de toda a verba destinada ao diretório estadual pelo Fundo Partidário, escantiando, de vez, João Alberto.