Instalada no Maranhão Frente Parlamentar em Defesa da Democracia e do Direito de Lula ser candidato

Num ato concorrido, o presidente da Assembleia Legislativa, deputado Othelino Neto (PCdoB), instalou, nesta sexta-feira (19) pela manhã, a “Frente Parlamentar em Defesa da Democracia e do Direito de Lula ser candidato”, proposta pelo deputado Zé Inácio (PT), presente ao evento. Vários deputados, lideranças sindicais e ex-parlamentares prestigiaram a solenidade e elogiaram a decisão do presidente da Casa em aderir ao movimento.

Ao assinar a adesão à Frente, Othelino Neto informou que toda bancada do PCdoB na Assembleia aderiu ao movimento, porque “é preciso evitar um novo golpe como o que cassou a ex-presidente Dilma Rousseff, sem ter cometido crime, e o que não abriu investigação contra Aécio Neves”.

O presidente da Assembleia explicou que o PCdoB tem uma pré-candidata a presidente, Manuela D’Ávila, a exemplo do PDT, com o ex-governador Ciro Gomes, mas aderiu ao movimento por ser suprapartidário. “É preciso garantir que Lula seja candidato em nome da democracia”. De acordo com Othelino, o Judiciário não pode retirar o ex-presidente da corrida eleitoral, contra o que diz a Constituição.

Elites profissionais

“São juristas renomados que dizem que não pode haver condenação sem provas, mas acredito no Judiciário. O Lula não pode ser impedido de concorrer. Quem vai dizer isso é Sua Excelência, o povo. Mas as elites brasileiras são profissionais. Depois da cassação da Dilma sem provas, querem fazer o serviço completo retirando Lula da disputa, ferindo a democracia”, enfatizou o presidente da Assembleia.

A oficialização da “Frente Parlamentar em Defesa da Democracia e do Direito de Lula ser candidato” aconteceu na sala de reuniões da Presidência. Os deputados Francisca Primo (PCdoB) e Toca Serra (PTC) prestigiaram o evento.

Embora ausentes, foi confirmada ainda a adesão dos deputados Junior Verde (PRB) e Edson Araújo (PSL); e do deputado federal Zé Carlos (PT). Os ex-deputados Luiz Pedro e Helena Heluy participaram do evento, além de representantes da Frente Brasil Popular e do presidente do Sindicato dos Servidores do Judiciário, Aníbal Lins.

Atuação da Frente

De acordo com o deputado Zé Inácio, a Frente Parlamentar tem o principal objetivo “de defender a Democracia no Brasil contra o uso abusivo de instrumentos jurídicos na perseguição política a Lula e no desmonte aos direitos dos trabalhadores e trabalhadoras”.

Até a data do julgamento do ex-presidente, no dia 24, vários tipos de ações, a exemplo de panfletagem, pequenos comícios e outras palestras serão feitas no centro da cidade.

Zé Inácio elogiou também a Diretoria de Comunicação pela transmissão do evento ao vivo pela TV Assembleia e em tempo real pelas redes sociais.

Um dos presentes foi o professor de Direito Constitucional da Universidade Federal do Maranhão (UFMA), Dimas Salustiano, que enfatizou que “não podem falar de democracia sem a participação de Lula, por que a Constituição prevê a presunção de inocência até a última instância”.

O secretário de Direitos Humanos do Estado, Francisco Gonçalves, do PT, fez a defesa na mesma linha.  Ele disse que a Constituição não prevê condenações sem provas.

Sem Lula, Roseana Sarney agora espera Temer para confirmar candidatura

Roseana Sarney

A menos de dez meses para a eleição, a quatro vezes ex-governadora Roseana Sarney espera um sinal de Brasília para oficializar sua candidatura. E começar sua campanha, segundo ela suspensa desde o ano passado por uma “gripe”.

A enfermidade, todos sabem, é outra. Além da alergia a votos que a família atualmente sofre, a família Sarney anda penando de um mal estar bem comum entre os brasileiros na era Temer: a lisura.

Roseana Sarney não quer meter a mão em suas contas pessoais para bancar viagens ao interior, eventos, além do “apoio” a aliados que sempre marcou o modus operandi da política da família.

Nem seu irmão Fernando, o contador da família, aceita comprometer as combalidas finanças da Mirante, única empresa da família, para custear a quinta campanha da irmã.

Roseana aguarda agora o que foi prometido ao seu pai, Sarney, ano passado: o apoio do governo Temer para fazer sua campanha.

Se ocorrer o mesmo que aconteceu com os prefeitos maranhenses a quem ela prometeu que Temer ajudaria no fim do ano, vai esperar até outubro.

Frente Parlamentar em defesa de Lula será instalada nesta sexta em São Luís

Frente vai defender o direito de Lula de ser presidente

A “Frente Parlamentar em Defesa da Democracia e do Direito de Lula ser candidato” será instalada nesta sexta-feira (19), às 9h, na sala de reuniões da Presidência. O convite à Imprensa está sendo feito pelo deputado estadual Zé Inácio Rodrigues (PT)

A adesão à Frente Parlamentar será oficializada pelo presidente da Assembleia Legislativa, deputado Othelino Neto (PCdoB), e demais parlamentares que apoiam a candidatura de Lula à presidência da República.

A Frente Parlamentar, de forma soberana, visa defender a democracia do Brasil contra o uso abusivo de instrumentos jurídicos na perseguição política de Lula e no desmonte aos direitos dos trabalhadores e trabalhadoras.

‘Não precisa desse alarde’, diz presidente da Ajufe sobre julgamento de Lula…

Ex-presidente será julgado na próxima semana

Globo.com

BRASÍLIA — O presidente da Associação dos Juízes Federais do Brasil (Ajufe), Roberto Veloso, criticou nesta segunda-feira o alarde “desnecessário” dos manifestantes acerca do julgamento do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, marcado para o dia 24 no Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF-4). Ele foi conversar pela manhã com a presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), ministra Cármen Lúcia, sobre a segurança do TRF-4 e dos juízes que tomarão a decisão – que, segundo ele, estão recebendo ameaças.

“Está havendo um alarde sobre esse julgamento desnecessário, porque o Brasil é pródigo em recursos. Caso venha a ser confirmada a sentença, haverá possibilidade de recurso para o Superior Tribunal de Justiça (STJ), para o STF e o próprio TRF pode ser um destinatário de recursos. O deferimento da candidatura daquele que está sendo acusado da prática dos crimes será feito pelo Tribunal Superior Eleitoral e esse deferimento só vai ocorrer a partir de agosto. Não precisa desse alarde que se está fazendo agora, há ainda um caminho processual muito grande a ser trilhado. É preciso que a magistratura tenha condições de independência e tranquilidade para proceder o julgamento” disse, Veloso.

O magistrado disse que estava muito preocupado com a segurança do TRF-4. Ele disse que as ameaças aos magistrados são feitas pela internet. Diante disso, ele anunciou que vai encaminhar um ofício ao Conselho Nacional de Justiça (CNJ), também presidido por Cármen Lúcia, pedindo providências. Além de Cármen Lúcia, o representante da Ajufe também falou sobre o assunto nesta segunda-feira com o ministro da Justiça, Torquato Jardim.

— São ameaças graves, de deterioração de patrimônio público, ameaça aos magistrados, e essa foi a principal questão que viemos tratar com a presidente do STF — declarou.

Veloso ressaltou que os juízes não podem ser pressionados pela opinião pública para tomar decisões, mas precisam ter tranquilidade para atuar com isenção.

— As ameaças não são frequentes. Esse caso é que está tomando uma proporção que nunca se tomou no Brasil. É um caso de proporções novas e de grandes proporções, que se está querendo com a convocação de militantes, da população para haver uma pressão e até se chegar às vias de fato. Isso é o que não podemos conceber — disse, completando: — Se nós temos julgamentos em que o que conste não seja a prova dos autos e sim a pressão que se exerce sobre a magistratura, não estamos mais em um Estado democrático de direito, mas um Estado de opressão.

O presidente da Associação Nacional dos Magistrados da Justiça do Trabalho (Anamatra), Guilherme Guimarães Feliciano, que também esteve na reunião com Cármen Lúcia, ressaltou que a preocupação com a segurança dos juízes vai além das manifestações sobre o julgamento de Lula.

No desespero, Lobão tenta voltar a Lula…

Lula e Lobão

O senador Edison Lobão (PMDB) foi o mais longevo ministro de Minas e Energia da história do Brasil. Pegou o cargo em 2008, herdando a cadeira que já havia sido da ex-presidente Dilma Rousseff (PT).

De lá, só saiu em 2010 para buscar a reeleição. Com mais oito anos de mandato garantidos, voltou a sentar na cadeira em 1º de janeiro de 2011, desta vez convidado por Dilma, presidente eleita.

Como Lobão retribuiu essas duas indicações ao Ministério, comandando contratos milionários pelo Brasil? Foi um dos senadores a votar pelo impeachment de Dilma, negando um pedido pessoal e direto de Lula.

Em 2018, Lobão vai tentar outros 8 anos de mandato. Ou melhor, mais 8 anos de foro privilegiado.

Aí, no desespero, Lobão resolveu apegar-se a seu antigo padrinho a quem traiu. Com mais de 60% de intenção de votos no Maranhão, Lula seria o cabo eleitoral perfeito para Lobão.

Lá foi ele no Senado defender o ex-presidente, a quem traiu. E soltou um manifesto em apoio a ele.

Só o desespero pode explicar tamanho contorcionismo. Resta saber se o ex-senador José Sarney e a ex-governadora Roseana Sarney, que também articularam o impeachment, vão voltar e tentar pedir benção a Lula, que agora anda mais colado é ao governador Flávio Dino, com quem pôde contar no processo contra Dilma.

“Não me convide para oportunismo barato”, dispara Flávio Dino

Flávio Dino tem criticado Sérgio Moro, em seu perfil do Twitter, por conta da condenação de Lula

O governador do Maranhão, Flávio Dino (PCdoB), em entrevista nesta quarta-feira para o portal Brasil 247, ressaltou suas posições claras em relação à política nacional. Na ocasião, ele detonou o que chama de oportunismo barato de alguns políticos, sobretudo do grupo Sarney, que sempre esteve ao lado do poder e isso nunca resultou em benefícios para os maranhenses.

“Eu não compartilho com aquela ideia, que aliás fez muito sucesso aqui no Maranhão, de que o bom político é aquele que não tem opinião sobre nada e apoia todos os governos quaisquer que sejam eles, de Juscelino a Michel Temer”, disparou o governador.

Para ele, esse oportunismo barato que marca a história política de Jose Sarney não é justo com a população. “É falsa a ideia de que isso produz resultados melhores para os estados de origem porque o ex-senador Sarney fez isso a vida inteira e o resultado social do Maranhão todo mundo conhece. Portanto, eu acho que é um dever e um direito você ter clareza nas suas posições, como eu tenho”, enfatizou.

Ele confessou que, apesar de suas posições contrárias ao Governo Federal, nunca sentiu retaliação nenhuma com o Maranhão. Segundo ele, os programas federais que estão parados no estado também não estão andando nos outros lugares do país.

“De parte a parte, neste período, até neste dia, também não senti nada de diferente do Governo Federal em relação ao Maranhão. Alguns acham espantoso. Eu acho que isso é a prova de que a clareza é a melhor posição. Porque até o seu adversário lhe respeita. Porque até ele diz: bom, o Flávio tá lá defendendo as posições dele e nós temos que respeitar. Até aqui eu não tenho tido consequências negativas em relação a isso”, explicou.

Com essas declarações, Flávio Dino demonstra ter personalidade e respeito. Ponto para o Maranhão.

“O Maranhão tem um governador que investe”, diz Lula em visita ao Porto do Itaqui

Lula está em caravana pelo Nordeste e cumpriu agenda em São Luís

Cumprindo agenda em São Luís, último roteiro da caravana do ex-presidente Luís Inácio Lula da Silva (PT) pelos estados do Nordeste brasileiro, o petista conheceu na manhã desta terça-feira (5) as instalações do Porto do Itaqui, um dos seis maiores do país, segundo dados da Agência Nacional de Transportes Aquaviários (Antaq).

Ao lado governador do Maranhão, Flávio Dino (PCdoB), Lula pode conferir de perto as operações do Porto. Durante a visita o ex-presidente conversou com funcionários do Itaqui e elogiou os investimentos da gestão Dino no estado, apesar da crise econômica e fiscal que assola todo o Brasil.

“Quando você governa, tem que saber pra quem governar. E Flávio Dino tem compromisso. Sem investimentos do governo a economia não volta a crescer. Não adianta vender tudo. O Maranhão tem um governador que investe, o que é uma novidade no Brasil de hoje”, destacou Lula.

Em explanação ao ex-presidente sobre as movimentações econômicas do Porto do Itaqui, Dino ressaltou que a combinação entre investimentos públicos e privados fizeram com que o lucro da empresa crescesse quase 400% em 2015, primeiro ano de governo do comunista, gerando mais de 14 mil empregos diretos e indiretos até agora.

“Nós não preconizamos em momento algum uma economia totalmente estatal, porque isso é inviável. Mas por outro lado, não aceitamos o discurso segundo o qual, para ser eficiente, necessariamente, tem que ser privatizado. Essa empresa pública é exemplo para o Brasil”, enfatizou Dino, classificando o Itaqui como “tesouro logístico do Brasil”.

Logo mais, às 17h, acompanhado do governador, Lula participa de grande ato público em frente ao Palácio dos Leões, no encerramento da caravana do ex-presidente pela região nordestina.

“Gigante como o próprio Maranhão”

Apontado pela Antaq como um dos maiores do país, sendo o maior do Brasil em profundidade, o Itaqui deve receber aportes de R$ 1,3 bilhão nos próximos dois anos.

A expansão do porto conduzida na gestão Dino, incluiu ainda a construção de um novo berço de operação, com investimentos de R$ 150 milhões.

Para 2015, a previsão de lucro da EMAP era de R$ 300 mil no orçamento aprovado em 2014. No entanto, naquele ano, o lucro líquido da empresa foi de R$ 68,2 milhões. Ou seja, as melhoras de gestão fizeram o lucro da empresa crescer quase 400%.

Nos últimos dois anos, o Porto de Itaqui reduziu o tempo de espera e teve os melhores resultados da história, com lucro de mais de R$ 112 milhões.

No primeiro semestre de 2017, o Porto do Itaqui aumentou em 36% a movimentação de grãos, enquanto nos portos de Santos e Paranaguá, houve queda. Nesse mesmo período, o Itaqui movimentou mais de 5 milhões de toneladas de soja, batendo seu recorde histórico.

Secretário pergunta sobre melhor lugar para ato de Lula em São Luís e internautas respondem…

O petista e secretário estadual de Esporte, Márcio Jardim,  ousou, em sua página no Facebook, e fez uma enquete, querendo saber dos internautas qual seria  o melhor lugar para o ex-presidente  Luís Inácio Lula da Silva realizar seu ato público em São Luís, durante a  visita que fará à capital maranhense, no início de setembro.

As respostas dos internautas vieram de forma imediata. A grande maioria cita a Penitenciária de Pedrinhas como o local ideal. Até agora, o post já recebeu quase 300 comentários, entre eles muitos protestos.

Este ano, Lula fora condenado pelo juiz da operação Lava Jato, Sérgio Moro, em processo sobre a compra de um Triplex que, segundo as acusações, teria sido adquirido com dinheiro irregular. Além desse, ele responde também a outros processos.

Ao mesmo tempo em que tem seu nome envolvido com crimes apurados pela Lava Jato, o petista está em primeiro lugar em todas as pesquisas para presidente do Brasil, com popularidade boa. Ele iniciou um roteiro de viagens pelo Nordeste de ônibus e, dia cinco de setembro, estará em São Luís do Maranhão.

Lula fala de viagem ao Nordeste e diz que condenação dele é parte de “golpe”

Bahia 247

Lula virá ao Nordeste de ônibus

O ex-presidente Luiz Inácio da Silva deu entrevista nesta sexta-feira, 18, ao jornalista Mario Kertész, da rádio Metrópole de Salvador, e voltou a defender sua inocência nas ações penais da Lava Jato. Lula disse que o objetivo de sua eventual condenação em segunda instância é concluir o golpe, iniciado em 2016 com a derrubada da presidente Dilma Rousseff.

“Deram um golpe, colocaram o Temer e o Brasil afundou”, disse Lula. “Eles vão ter que se explicar para a sociedade. Eu quero estar vivo para ver qual é a explicação deles. A Lava Jato está virando um partido político e tem espaço garantido na televisão. Se eu voltar em 2018, vou voltar mais forte. Eles sabem que sou capaz de envolver toda a sociedade brasileira e resolver o problema do país”, disse o ex-presidente.

Lula prometeu retomar investimentos para a roda econômica voltar a girar; na entrevista, ele também criticou a força-tarefa curitibana e disse que eles se tornaram escravos da Rede Globo.

Assista à entrevista de Lula:

 

Lula manda recado a golpistas

Em noite em que reviveu seus melhores discursos, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva foi a estrela do lançamento de nova fase do Memorial da Democracia, lançado no final de 2015. A nova etapa do Memorial – construído em parceria com o Projeto República, da Universidade Federal de Minas Gerais – foi lançada na Arena Fonte Nova, em Salvador, com a participação de todas as mais importantes lideranças do partido e representantes de diversas entidades e legendas, como PCdoB, UNE, MST e CUT.

O ex-presidente chegou a Salvador no início da tarde e participou de uma maratona em que uma multidão o cercou por onde passou, desde sua chegada, passando pelo metrô, até chegar à Fonte Nova. Sobre a caravana por nove estados do Nordeste, que iniciou hoje na capital baiana, no projeto “Lula pelo Brasil”, afirmou: “Quero andar pelo país para contar ao povo o que está acontecendo neste país”.

No discurso, Lula usou como mote a memória e a história para falar, entre outros temas, do golpe que levou Michel Temer ao poder, de cidadania, liberdade e, sem citar nomes, do juiz que proibiu o ato de entrega do título de Doutor Honoris Causa pela Universidade Federal do Recôncavo Baiano (UFRB) e do prefeito de São Paulo, João Doria (PSDB).

Ele se mostrou consciente de ser a liderança capaz de neutralizar as informações mal-intencionadas da mídia tradicional, capitaneada pela família Marinho desde o início do processo do “mensalão” em 2005. “Não é possível que esse povo se informe pela Rede Globo de Televisão”, disse. “Não sou nenhum revolucionário, sou um despertador de consciência.”

Mencionou 2018 mas não foi conclusivo sobre sua própria candidatura. “Este país tem que se preparar porque em 2018 tem que colocar uma pessoa democrata para governar, e a gente tem que começar a se organizar já. Vocês sabem que ainda falta muito tempo. Não existe candidato, mas nós saberemos quem é o candidato na hora certa”, afirmou. E mostrou disposição incomum para quem é diuturnamente perseguido pelo Judiciário e pela mídia. “Tô com 71 anos, mas com vontade de lutar como se tivesse 30.”

Usou de ironia para comentar a suspensão da cerimônia de entrega do título honoris causa, cancelada por pedido do vereador Alexandre Aleluia (DEM). “Queria falar ao vereador que ele tem o direito de não gostar de mim, porque ele é do DEM e não precisa gostar de mim, porque eu também não gosto dele”, afirmou, enfatizando não ser por motivos pessoais, mas ideológicos. “Todo mundo sabe o que eu fiz na Bahia. Eles têm medo pelo que nós vamos fazer daqui pra frente.”

Segundo Lula, os governos do PT e a democracia têm raízes no país. “A ideia da liberdade, da democracia, da participação social é muito forte. Não adianta achar que acabando com Lula acaba com isso.”

Acusou os golpistas de “truncarem a democracia” ao derrubar Dilma e prometeu: “Vocês vão pagar com a mesma moeda o que fizeram com a democracia brasileira. E em 2018 a gente vai eleger uma pessoa democraticamente.”

Em noite em que o tema era a memória, assinalou: “É importante reconstituir a história, porque a história é contada pelos dominadores, a gente aprende a história que os dominadores quiseram”, disse. “Os que deram o golpe de 64 nunca aceitaram a palavra golpe, diziam que vieram pra consertar o Brasil que estava sendo entregue aos comunistas.” Lembrou que a dominação no Brasil começou na Bahia, em cujo litoral, segundo os livros de história, a frota de Pedro Álvares Cabral chegou em 22 de abril de 1500.

Doria e Temer

Lula convidou o presidente Temer a se retirar da presidência da República. “Tem mais gente na rua hoje do que quando eu cheguei na presidência’, disse. “Se um governante não tem competência pra resolver a crise e começa a vender o patrimônio deste país, esse governo tem que pedir desculpas e ir embora, porque não serve para governar.”

E ironizou o prefeito João Doria: “Se o prefeito de São Paulo já invadiu a Cracolândia, imagina se fizermos um Museu da Democracia na Cracolância”. Foi uma referência à interdição, por ação do Ministério Público, que moveu ação contra a cessão de um terreno municipal no centro de São Paulo para a construção de um museu que o MP afirmou que serviria para “divulgação da imagem” de Lula.

As dificuldades práticas para criação de um museu físico, com documentos, imagens e objetos que comporiam um espaço de reflexão sobre a construção do país a partir da República levaram à criação do museu virtual. O Memorial da Democracia, que teve hoje a apresentação de mais um fragmento dessa história. (Da RBA)