Em ato na Grande SP, Haddad vira “Luiz Fernando Haddad Lula da Silva”

Haddad encara o desafio de se tornar conhecido da maior parte do eleitorado como o candidato de Lula a tempo do primeiro turno

Em seu primeiro corpo a corpo com eleitores depois de formalizado como candidato do PT à Presidência, Fernando Haddad virou “Luiz Fernando Haddad Lula da Silva” durante ato nesta quinta-feira (13) em Carapicuíba, na Grande São Paulo.

A união dos nomes foi promovida pelo locutor do ato, reforçando a tônica da campanha petista, que busca a todo custo convencer o eleitorado que Lula e Haddad são uma coisa só.

Vestindo uma camisa vermelha com o rosto de Lula estampado, Haddad caminhou por um calçadão de Carapicuíba vazio, apesar do horário comercial. O candidato parou em algumas lojas para cumprimentar eleitores, sempre cercado por militantes e candidatos do PT e do PCdoB.

De lá, Haddad seguiu para o calçadão da vizinha Osasco, onde a recepção foi mais numerosa e calorosa, despertando a curiosidade dos trabalhadores do comércio local. Ao lado de Manuela D’Ávila (PCdoB), candidata a vice; do ex-prefeito de Osasco Emídio de Souza (PT), candidato a deputado estadual; e do presidente da CUT (Central Única dos Trabalhadores), Vagner Freitas, protagonizou uma cena típica de campanha eleitoral na rua: parou para comer em uma das inúmeras barracas de cachorro-quente do calçadão.

Alguns metros adiante, nova parada, desta vez para cantar “Asa Branca”, de Luiz Gonzaga, ao lado de uma dupla de sanfoneiros e puxar um coro em apoio a Lula.

Ao longo da caminhada, militantes reclamaram de não conseguir chegar perto para tirar fotos com o candidato, que andou o tempo todo cercado por um cordão humano de seguranças.

“Eu quero ver quem é esse Haddad”, disse em voz alta uma senhora que passava pelo calçadão, de celular em punho.

A presença de seguranças em torno de Haddad foi mais ostensiva do que em compromissos públicos realizados pelo petista antes de ele ser confirmado como candidato do partido, o que aconteceu na terça (11). No fim do percurso, quando parou para falar com a imprensa, Haddad foi perguntado se vestia um colete à prova de balas.

“Quer que eu mostre minha barriga tanquinho para você?”, respondeu, em tom de brincadeira.

Haddad discursou nas duas cidades, deixando clara a estratégia de convencimento do eleitorado: lembrar que foi escolhido por Lula como candidato; que foi ministro da Educação de Lula; e que falta pouco tempo para o primeiro turno.

“Lula disse: toma a tocha na tua mão e diz pro povo que você me representa, e eu represento você”, disse Haddad de cima de um trio elétrico em Carapicuíba, onde também falou de creches construídas na cidade com apoio do Ministério da Educação na sua gestão.

Nas duas cidades, o candidato foi apresentado por ex-prefeitos que agora disputam vagas de deputado estadual, Sérgio Ribeiro (Carapicuíba) e Emídio de Souza (Osasco). Os dois locais já foram fortes redutos petistas. Ribeiro teve dois mandatos como prefeito (2009-2016), assim como Emídio (2005-2012) — desempenho que não se repetiu nas duas últimas eleições municipais, em 2016.

Nas eleições presidenciais de 2014, Dilma perdeu para Aécio Neves (PSDB) no segundo turno em Osasco e Carapicuíba, ao contrário de 2010, quando superou José Serra (PSDB).

Haddad encara o desafio de se tornar conhecido da maior parte do eleitorado como o candidato de Lula a tempo do primeiro turno. No Ibope de terça (11), ele teve 8% das intenções de voto, embolado com mais três candidatos no segundo lugar.

Amanhã, o concorrente petista faz campanha no Centro do Rio e dá entrevista ao “Jornal Nacional”, da TV Globo. No sábado, visita as cidades de Vitória da Conquista e Jequié, ambas no interior da Bahia, ao lado do governador baiano Rui Costa, candidato à reeleição.

TSE decide por 6 votos a 1 rejeitar a candidatura de Lula a presidente

A maioria dos ministros entendeu que decisão entra em vigor desde já, embora ainda exista possibilidade de recurso ao próprio TSE ou ao Supremo Tribunal Federal

Os ministros do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) decidiram por 6 votos a 1, em julgamento concluído na madrugada deste sábado (1º), pela rejeição do pedido de registro de candidatura do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) à Presidência da República.

Na sessão, a maioria dos ministros também proibiu Lula de fazer campanha como candidato, inclusive na propaganda de rádio e TV, que começa neste sábado (1º) para os presidenciáveis. O PT terá agora dez dias para substituir o candidato.

A maioria dos ministros entendeu que decisão entra em vigor desde já, embora ainda exista possibilidade de recurso ao próprio TSE ou ao Supremo Tribunal Federal (STF). Após o julgamento, a defesa não adiantou o que pretende fazer. Os advogados afirmaram que ainda vão discutir com o PT se e como vão recorrer da decisão.

Na última parte da sessão, os ministros decidiram que, até a substituição de Lula, o PT poderá continuar fazendo propaganda eleitoral, mas sem a participação dele como candidato.

Segundo a defesa, Lula poderá aparecer, mas somente na condição de apoiador do candidato a vice-presidente, Fernando Haddad, que poderá vir a substituí-lo como cabeça de chapa. Na sessão, os ministros acolheram contestação do Ministério Público, que apontou a inelegibilidade do petista com base na Lei da Ficha Limpa. A lei proíbe candidaturas de políticos condenados em órgão colegiado da Justiça.

A candidatura de Lula foi alvo de 16 impugnações (contestações) no TSE. Além do Ministério Público, questionaram o registro de Lula o candidato à Presidência do PSL, Jair Bolsonaro;o partido Novo; e outros candidatos e cidadãos.

Lula foi condenado em abril pelo Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF-4) por corrupção passiva e lavagem de dinheiro, no caso do triplex em Guarujá (SP), no âmbito da Operação Lava Jato. Desde abril, ele cumpre pena de 12 anos e 1 mês de prisão em Curitiba.

Os advogados de Lula esperavam que o julgamento do registro ocorresse nas próximas semanas, em razão de prazos maiores previstos pela lei eleitoral para conclusão do processo. A expectativa era que, com isso, ele pudesse aparecer como candidato na propaganda de rádio e TV de candidatos a presidente, que começa neste sábado (1º).

O TSE, no entanto, acolheu pedido do MP para antecipar a decisão sobre o registro da candidatura, sob o argumento de que, como a campanha deve ser integralmente financiada com recursos públicos, seu uso para a campanha seria um desperdício.

Um acordo entre PT e PCdoB prevê a deputada estadual Manuela D’Avila (PCdoB-RS) como vice na chapa, seja na hipótese de Lula candidato, seja na hipótese de o atual vice de Lula, Fernando Haddad (PT), assumir a candidatura a presidente.

Candidato de Lula, Haddad lidera no Maranhão com 47%

Caso a candidatura do ex-presidente seja impugnada, Fernando Haddad assume em seu lugar e a deputada estadual gaúcha Manuela D’Ávila (PCdoB), será a candidata a vice.

Pesquisa Exata contratada pelo Jornal Pequeno revela que o ex-prefeito de São Paulo e ex-ministro da Educação, Fernando Haddad (PT), é o favorito entre os maranhenses na disputa presidencial, com 47% das intenções de votos.

Haddad é candidato a vice-presidente na chapa encabeçada por Luís Inácio Lula da Silva (PT) até o trâmite final da homologação da candidatura de Lula na Justiça Eleitoral. Caso a candidatura do ex-presidente seja impugnada, Haddad assume em seu lugar e a deputada estadual gaúcha Manuela D’Ávila (PCdoB), será a candidata a vice.

Segundo o Exata/JP, para o eleitorado maranhense o candidato apoiado por Lula, Fernando Haddad, venceria as eleições no primeiro turno com uma diferença de 30 pontos percentuais em relação ao segundo colocado, Jair Bolsonaro (PSL), preferido para 17% dos entrevistados.

Em seguida, aparecem os candidatos Marina Silva (Rede), com 8%; Ciro Gomes (PDT), com 6% e Geraldo Alckmin (PSDB), com 2%. Álvaro Dias (Podemos), Vera Lúcia (PSTU) e Henrique Meirelles (MDB) figuram no estudo com 1% cada um. Cabo Daciolo (Patriota), Guilherme Boulos (PSOL), João Amoêdo (Novo), João Goulart Filho (PPL) e José Maria Eymael (DC) não pontuaram. Brancos e nulos somaram 13% e 4% disseram não saber ou não responderam.

Lula candidato

O Instituto Exata projetou ainda cenário onde Lula é candidato. Se as eleições fossem hoje e a candidatura de Lula seja deferida, o petista venceria a disputa também no primeiro turno com 67% das intenções de votos, mais de 50 pontos à frente de Jair Bolsonaro, que nesse panorama somou 15%.

Logo atrás aparece Marina Silva, com 4% e Ciro Gomes, com 3%. Álvaro Dias, Geraldo Alckmin e Cabo Daciolo figuram com 1% cada. João Amoêdo, Henrique Meirelles, Vera Lúcia, Eymael, Guilherme Boulos e João Goulart Filho não pontuaram nesse contexto.

Registrada no TSE sob o número MA-07422/2018, a pesquisa Exata/JP ouviu a opinião de eleitores de todo o Maranhão entre os dias 19 e 23 de agosto. A margem de erro é de 3,2 pontos percentuais para mais ou para menos e o intervalo de confiança é de 95%.

Milhares de pessoas vão ao ato Lula Presidente ao lado de Flávio Dino, Haddad e Manuela D’Ávila

Flávio Dino destacou o papel importante da candidatura de Lula para a democracia

Milhares de pessoas foram ao ato Lula Presidente na noite desta sexta-feira (24) no Centro Histórico de São Luís. Foi uma das mais fortes manifestações pela candidatura do ex-presidente e também a reafirmação do apoio de Lula ao governador e candidato à reeleição Flávio Dino.

Além de Flávio, o candidato a vice na chapa de Lula, Fernando Haddad, esteve presente e atuou como representante do ex-presidente. A deputada federal Manuela D’Ávila, integrante da chapa de Haddad e Lula, também foi um dos destaques do evento. O ato contou ainda com a participação de Weverton Rocha, candidato ao Senado pelo Maranhão.

Haddad, que é ex-ministro e ex-prefeito de São Paulo, disse que foi perguntando numa rádio maranhense quem era o candidato de Lula. “Eu até estranhei”, contou Haddad. “Eu disse: ‘você tá com essa dúvida até agora? Eu vou resolver essa parada agora pra você. O candidato do Lula é Flávio Dino!’”, acrescentou o ex-prefeito.

O lado da Justiça

Flávio Dino destacou o papel importante da candidatura de Lula para a democracia

Flávio Dino destacou o papel importante da candidatura de Lula para a democracia: “Vocês estão aqui porque estão do lado da Justiça. A Justiça é maior que a injustiça, o bem vence o mal e é por isso que estou pedindo que vocês me ajudem, nós temos uma batalha no Maranhão”.

“Estamos solidários ao presidente Lula. Eu fui lá em Curitiba. E o povo do Maranhão sabe que ele solto ganha a eleição no primeiro turno em todo o Brasil”, afirmou Flávio.

“O sentido histórico dessa noite é sermos portadores da bandeira da esperança, da Justiça, da igualdade social, de um Brasil e de um Maranhão que não tenha dono nunca mais e seja sempre de todo nós, como hoje é”, acrescentou.

A voz da esperança

Flávio Dino destacou o papel importante da candidatura de Lula para a democracia

Manuela afirmou que “nós somos o grito contra a prisão arbitrária do presidente Lula. O Brasil merece ser feliz, merece um projeto de desenvolvimento que coloque as pessoas em primeiro lugar”.

“Nós somos a campanha do Lula e do Flávio nas ruas todas as horas do dia nos próximos 44 dias”, acrescentou.

“O candidato de Lula é Flávio Dino”, afirma Fernando Haddad

“Flávio Dino é o melhor governador que o Maranhão já teve”, completou Haddad

O candidato a vice-presidente Fernando Haddad (PT) enterrou, de vez, as tentativas do grupo Sarney de colar a ex-governadora Roseana Sarney (MDB) à imagem do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) e afirmou que o candidato de Lula, no Maranhão, é o governador Flávio Dino (PCdoB).

“Flávio Dino é o melhor governador que o Maranhão já teve. O homem que representa essa nova geração de governadores que está revolucionando o Maranhão”, completou Fernando Haddad.