Sarney Filho será secretário de Meio Ambiente no DF, diz governador eleito Ibaneis

Entre 2016 e 2018, Sarney Filho foi ministro do Meio Ambiente no governo Michel Temer. Ele deixou o cargo para sair em campanha eleitoral

O deputado federal Sarney Filho (PV-MA) foi anunciado nesta terça-feira (13) como futuro secretário de Meio Ambiente do Distrito Federal, na gestão do governador eleito Ibaneis Rocha (MDB).

Sarney se reuniu nesta terça com Ibaneis e o vice-eleito, Paco Britto (Avante), na Câmara dos Deputados. A indicação dele como secretário foi confirmada pela assessoria de Ibaneis.

O político, filho do ex-presidente da República José Sarney, tem cadeira na Câmara Federal desde 1983. Ao todo, foram nove mandatos consecutivos por diversos partidos. Nas eleições deste ano, foi candidato ao Senado pelo Maranhão, mas não se elegeu.

Entre 2016 e 2018, Sarney Filho foi ministro do Meio Ambiente no governo Michel Temer. Ele deixou o cargo para sair em campanha eleitoral.

Eleitor recusou parte da elite da política tradicional, diz cientista

Eleitores na fila. Foto: Marcelo Camargo

Agência Brasil 

O eleitor deu um “basta em parte da elite da política tradicional” no primeiro turno da eleição de 2018, na análise do cientista político da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) Jairo Nicolau. Nicolau e outros cientistas políticos participaram, hoje (8), do Debate dos Resultados das Eleições 2018, organizado pela Escola de Ciências Sociais da Fundação Getulio Vargas no Rio de Janeiro.

De acordo com o cientista político, uma série de fatos que ocorreram desde o início da Operação Lava Jato, como a prisão de parlamentares e a difusão de aspectos negativos sobre a política em redes sociais levaram, a este sentimento do eleitor. “Isso tudo foi dando ao eleitor brasileiro uma sensação de enfado e de rejeição à política tradicional que apareceu com uma força incrível”, disse.

Segundo Nicolau, embora não se possa generalizar, o eleitor preferiu votar em figuras novas, rejeitando a política tradicional e os partidos mais conhecidos. “Políticos tradicionais tiveram muita dificuldade. Em alguns estados isso teve casado, como no Rio de Janeiro para o Senado e nas assembleias, e, em São Paulo, para o Senado. Há claramente uma rejeição à política tradicional, aos partidos mais importantes, que comandaram a política aqui [no Rio] durante tanto tempo”, disse.

Bolsonaro

Outro fator destacado pelo professor no cenário da eleição de 2018 foi o crescimento do candidato do PSL à Presidência da República, Jair Bolsonaro, que favoreceu o fortalecimento da bancada do seu partido na Câmara, no Senado e nas assembleias estaduais.

Para o professor, diante do desempenho do PSL na eleição para deputados federais e senadores, a tendência é que haja uma migração de parlamentares no futuro para a legenda, especialmente, de integrantes de partidos que tiveram poucos eleitos em 2018.

“Os holofotes estão sobre o PSL. Os deputados cujos partidos não alcançaram a cláusula de 1,5% [de votos para ter acesso a recursos como fundo eleitoral e partidário e tempo de propaganda] têm a proteção legal para migrarem ano que vem quando abrir a janela de troca em 2020, aí todo mundo pode trocar”, disse.

PT

Na visão do cientista político da Escola Brasileira de Administração Pública e de Empresas da Fundação Getulio Vargas (FGV Ebape), Octavio Amorim Neto, o PT errou ao fundir a campanha eleitoral de Fernando Haddad à defesa do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, preso desde abril em Curitiba.

“Havia várias questões no processo [do ex-presidente Lula] que poderiam ser eventualmente usadas na campanha, mas tinha que haver uma separação organizacional, política, tática e doutrinaria entre a campanha presidencial do candidato do PT, muito provavelmente o Haddad, e a defesa do ex-presidente Lula. O que houve foi a fusão radical desses dois movimentos, o que fortaleceu o antipetismo, o que na minha opinião, tornou-se a maior força política no país hoje em dia. E quem encarnou o antipetismo foi o Bolsonaro e não o PSDB”, disse.

Choque inédito

Segundo o cientista político do Centro de Pesquisa e Documentação de História Contemporânea do Brasil da Fundação Gwetulio Vargas (FGV CPDOC), Sérgio Praça, o sistema eleitoral brasileiro nunca sofreu uma mudança semelhante à que ocorreu no primeiro turno da eleição de 2018. Como exemplo, ele citou a redução de 31 parlamentares do MDB na Câmara Federal e a derrota de figurões do Senado, entre eles, Romero Jucá (MDB-RR), e políticos envolvidos com a Lava Jato, que não foram eleitos. “É realmente uma coisa simbólica muito marcante”.

Outra questão que vai pautar o presidente eleito, será o combate à corrupção. De acordo com o professor, vai ser algo delicado e qualquer dos dois que assuma, vai ter que saber lidar com isso. Ele destacou, no entanto, que caso o eleito seja Bolsonaro, ele precisará negociar com os parlamentares que integram partidos do chamado Centrão, que são resistentes à Operação Lava Jato e a medidas contra a corrupção.

“O centrão e os partidos mais implicados com os escândalos vão ter também que aceitar que o eleitor puniu muito na eleição e entender que vão ter que mudar se quiserem eleição daqui a quatro anos”, concluiu.

Líderes, PT e PSDB perdem mais de 30% dos votos para senador; PSL dispara e fica em 3º lugar

Já o PSL desbancou o MDB e passou a ocupar o 3º lugar, com uma alta de mais de 4.200% no número de votos

O PT e o PSDB seguem como campeões de votos para senador em todo o país, mas os dois partidos tiveram quedas de mais de 30% neste ano em comparação com 2010, quando 54 vagas também foram disputadas para o Senado, apontam dados do Tribunal Superior Eleitoral (TSE).

Já o PSL desbancou o MDB e passou a ocupar o 3º lugar, com uma alta de mais de 4.200% no número de votos.

O PT de Fernando Haddad (no 2º turno da disputa presidencial) elegeu quatro senadores neste ano e teve uma queda de 37,1% no número de votos. Há oito anos, a sigla recebeu 39,4 milhões de votos nos candidatos a senador; já em 2018, foram 24,8 milhões. Mesmo assim, o PT se mantém como o partido que mais recebeu votos na disputa.

O PSDB, que ocupava a segunda posição em 2010 e continua a ocupar em 2018, também teve uma queda grande no número de votos: 34,3%. O partido também elegeu quatro senadores neste ano.

Já o PSL, do presidenciável Jair Bolsonaro, seguiu a tendência de maior participação partidária nestas eleições e teve uma alta de 4.247% no número de votos recebidos para senador. Em 2010, a sigla recebeu apenas 446,5 mil votos; já em 2018, foram 19,4 milhões. O partido elegeu quatro senadores.

O MDB, que em 2010 foi o terceiro partido a receber mais votos, teve uma queda de 46,7% e foi ultrapassado pelo PSL. Foram quase 24 milhões em 2010 contra 12,8 milhões em 2018.

Apesar de ter recebido bem menos votos que o PT, o PSDB e o PSL, porém, o MDB conseguiu eleger mais senadores que estes partidos: foram sete no total. Isso quer dizer que os votos dos outros partidos foram mais pulverizados entre seus candidatos que os do MDB, que teve uma maior concentração de votos em menos candidatos.

Grupo Sarney e prefeito de Imperatriz saem derrotados no segundo maior colégio eleitoral do Estado

A excelente votação de Flávio Dino em Imperatriz, que obteve 87.517 mil votos, 69,65% da votação, evidencia a força do grupo comunista no município. E as articulações para 2020 já começaram

Mesmo administrando a prefeitura de Imperatriz, o MDB, juntamente com o prefeito Assis Ramos, foram os maiores derrotados destas eleições no segundo maior colégio eleitoral do Estado.

Assis Ramos viu todos seus candidatos sendo derrotados na cidade em que administra e passa a olhar seu projeto a reeleição em 2020, prejudicado pelos números de 2018.

A candidata Roseana Sarney (MDB), correligionária de Assis obteve apenas 14 mil votos em Imperatriz, ficando atrás de Maura Jorge (PSL), que obteve 20.017 mil votos.

O prefeito de Imperatriz também viu seus dois candidatos a deputados saírem derrotas das urnas. Fátima Avelino (MDB), candidata a deputada estadual obteve apenas 7.784 mil votos na cidade, ficando em terceiro lugar, atrás de Marco Aurélio (PCdoB) e Rildo Amaral (SD). O candidato a deputado federal do prefeito, o médico Daniel Fiim teve apenas 12.923, ficando em quarto lugar.

Para o Senado, Edison Lobão (MDB) ficou em quinto lugar em Imperatriz e Sarney Filho (PV), em sexto lugar.

A excelente votação de Flávio Dino em Imperatriz, que obteve 87.517 mil votos, 69,65% da votação, evidencia a força do grupo comunista no município. E as articulações para 2020 já começaram.

Nova Câmara deve aumentar bancadas de esquerda e direita

A projeção foi feita pelo Departamento Intersindical de Assessoria Parlamentar (Diap), com base na estratégia dos partidos políticos de lançar nomes competitivos para disputar a Câmara dos Deputados

Agência Brasil

A Câmara dos Deputados que sairá das urnas em outubro terá, além de um elevado índice de reeleição, nomes conhecidos na política brasileira, como deputados estaduais, senadores, ex-ministros, ex-prefeitos, ex-secretários e ex-parlamentares, ocupando as vagas dos que não tentaram ou não conseguiram renovar o mandato. As caras novas virão da escolha de policiais, evangélicos e celebridades ou da força do dinheiro e da relação de parentesco com oligarquias políticas.

A projeção foi feita pelo Departamento Intersindical de Assessoria Parlamentar (Diap), com base na estratégia dos partidos políticos de lançar nomes competitivos para disputar a Câmara dos Deputados. Para reforçar as bancadas de deputado federal, que definem os repasses do fundo partidário e o horário partidário, as legendas escalaram seus principais nomes para a Câmara e fizeram coligações competitivas.

Uma movimentação dos senadores indica, além de uma preocupação individual com a derrota na eleição majoritária, a estratégia dos partidos de reforçar a Câmara. Os senadores Aécio Neves (PSDB-MG), José Agripino Maia (DEM-RN), Gleisi Hoffmann (PT-PR), presidente nacional do PT, e Lídice da Mata (PSB-BA), por exemplo, disputam uma cadeira de deputado federal e tendem a puxar votos para suas legendas.

Nessa linha, o deputado estadual Marcelo Freixo (PSOL-RJ) concorre à Câmara, assim como o ex-ministro da Saúde Alexandre Padilha (PT-SP), o ex-ministro da Cultura Marcelo Calero (PPS-RJ), o ex-ministro do Trabalho Manuel Dias (PDT-SC) e o ex-deputado federal Marcelo Itagiba (PPS-RJ).

Segundo levantamento preliminar, coordenado pelo analista político Antônio Augusto de Queiroz, diretor do Diap, a composição das bancadas não será muito diferente da atual. Conforme a análise, haverá um leve crescimento dos partidos de esquerda e de direita, acompanhado de uma discreta redução das legendas de centro.

O PT continuará tendo a maior bancada de deputados federais, com 55 a 65 integrantes, conforme o levantamento do Diap, seguido de MDB (44 a 50), PSDB (42 a 50), PP (40 a 48) e PSD (40 a 48). Em um segundo bloco, estão PR, DEM, PSB, PDT e PRB, com bancadas que devem ficar entre 20 e 40 deputados. PSL, PTB, Pros, PSC, PPS, PCdoB, Pode, PSOL e SD devem eleger entre dez e 20 deputados. Outros partidos não devem eleger mais do que dez parlamentares.

PT, MDB, PSDB, PSB e as eleições estaduais

Muitos presidenciáveis esperam as definições nos estados de olho no segundo turno

As eleições deste ano têm demonstrado um descolamento das disputas para presidente da República e para governador dos estados e do Distrito Federal. Enquanto Jair Bolsonaro (PSL), Fernando Haddad (PT) e Ciro Gomes (PDT) despontam nas pesquisas nacionais de intenção de voto, candidatos do MDB e do PSDB lideram em alguns estados.

Tanto o MDB como o PSDB têm oito candidatos a governador bem colocados nas pesquisas de intenção de votos do Ibope, feitas neste mês de setembro e registradas na Justiça Eleitoral. Considerando a coligação que apoia o presidenciável Geraldo Alckmin (PSDB), sobe para 18 o número de postulantes aos governos estaduais que despontam nas sondagens eleitorais.

Os candidatos do PSDB aparecem bem posicionados nas pesquisas em estados importantes, como São Paulo, Minas Gerais e Rio Grande do Sul. O MDB também está entre os dois primeiros em São Paulo, Rio Grande do Sul e Santa Catarina, com chances de resolver a eleição no primeiro turno em Alagoas e no Pará.

Mesmo com Bolsonaro liderando as pesquisas, somente em Roraima o candidato a governador do PSL está bem colocado nas sondagens de intenção de votos. O partido lançou candidaturas próprias a governador de 14 estados.

Já o PT tem sete candidatos bem posicionados nas pesquisas de intenção de voto, inclusive com a possibilidade de vitória no primeiro turno, no Ceará, na Bahia e no Piauí. Considerando o Pros e o PCdoB, que integram a coligação de Haddad, são mais dois candidatos a governador com chances eleitorais – no Distrito Federal e no Maranhão, respectivamente.

O PSB não lançou candidato a presidente da República, porém, pelas pesquisas de intenção de voto, está bem na corrida eleitoral em seis estados. No Espírito Santo, o PSB pode resolver o pleito no primeiro turno. O PDT tem concorrentes com chances eleitorais em cinco estados, um a mais do que o DEM.

Sobrou até para Sarney em propaganda eleitoral em Alagoas

José Sarney foi alvo de críticas em Alagoas

Época

Prefeito de Maceió e adversário do senador Renan Calheiros, Rui Palmeira partiu para cima do emedebista durante propaganda eleitoral do PSDB. Elencou a quantidade de inquéritos a que Renan responde no Supremo Tribunal Federal e o chamou de “campeão da Lava Jato”. Sobrou até para o presidente Michel Temer e o ex-presidente José Sarney. Palmeira diz que no Brasil “ninguém gosta de Renan, como não gosta do Temer, como não gosta do Sarney, todos do mesmo partido”.

Saiba qual é o ministro de Temer de quem Sarney não gosta

Época

Se tem um ministro de Michel Temer que não cai nas graças do ex-presidente José Sarney, esse alguém é Eliseu Padilha, da Casa Civil. Sarney acha que, além de dar conselhos errados para Temer, Padilha trabalha para dificultar projetos no Maranhão que renderiam prestígio – e votos, por tabela – a sua família.

Roseana tenta colocar Lula no programa do MDB de Temer

Roseana Sarney foi a coordenadora do impeachment de Dilma Rousseff

Para a ex-governadora Roseana Sarney, pouco importa se a prisão do ex-presidente Lula tem relação com o impeachment da presidente Dilma Rousseff, golpe político que elevou o MDB de Michel Temer ao Planalto. A peemedebista quer mesmo é tirar uma casquinha da popularidade do petista para se eleger no dia 7 de outubro.

Candidata ao governo pelo partido de Temer, Roseana briga na Justiça para usar a imagem do petista em sua propaganda eleitoral.

O problema é que Roseana esconde, nessas eleições, sua participação na manobra. Em 2016, ela rodou por Brasília em busca de votos para derrubar a ex-presidente Dilma Rousseff. Ela foi vista na festa de comemoração do impeachment onde teria dito que “apostou no cavalo certo” e que foi “coordenadora do impeachment”.

A estratégia é cooptar os votos que Lula tem no Maranhão. Roseana até conseguiu um despacho para manter a imagem do petista em seus programas enquanto o caso não é julgado, mas ela segue com um entrave: nem com Lula, Roseana cresce nas intenções de votos.