Roseana Sarney e a desarticulação política de seu grupo…

Mesmo com todo o barulho feito pela mídia ligada ao grupo Sarney, Roseana chega à disputa, politicamente, fraca, o que traduz todo seu desânimo.

A falta de apoio político está causando uma situação um tanto quanto inusitada para o grupo Sarney. Com o domínio há décadas de vários partidos historicamente ligados ao clã, a ex-governadora Roseana Sarney (MDB) entra, pela quinta vez, na disputa do governo, mas, pela primeira vez, sem o apoio de um número considerável de siglas.

Até o momento, com ela, além do MDB, apenas o PV, o PHS, o PMB e o PSD, o que gera especulações de que a chapa poderá sair “puro sangue”.

A perda mais significativa para Roseana são os partidos que hoje orbitam a base do governador Flávio Dino (PCdoB). Com diretórios espalhados por todo o estado e com uma grande fatia do horário político, PT, DEM, PR, PP, PTB e PRB farão uma grande diferença para a campanha da ex-governadora em 2018. Neles estão deputados e aliados com uma grande densidade de votos.

Outros partidos, que sempre estiveram ligados ao grupo Sarney, já declaram apoio a outras candidaturas. Maura Jorge, por exemplo, vai reunir PSL, PRTB, PSDC e o Podemos, antigo PTN.

Alguns partidos ainda estão indefinidos. O PMN do deputado Eduardo Braide pode encabeçar uma candidatura e ter o apoio do PSC. Além do PRP, que pode ter o ex-secretário de Saúde, Ricardo Murad, como candidato ao governo.

Mesmo com todo o barulho feito pela mídia ligada ao grupo Sarney, Roseana chega à disputa, politicamente, fraca, o que traduz todo seu desânimo.

MDB anuncia Meirelles como pré-candidato à Presidência da República

Meireles entra na disputa com a herança de Michel Temer, um governo rejeitado pela população

Em um evento em Brasília, nesta terça-feira (22), o MDB anunciou o ex-ministro da Fazenda Henrique Meirelles como pré-candidato do partido na eleição para a Presidência da República.

A cerimônia do MDB, chamada de “Encontro com o Futuro”, contou com a presença do próprio Meirelles e de caciques do partido, como o presidente Michel Temer. Meirelles se filiou ao MDB com o objetivo de ser o candidato do partido na eleição presidencial de outubro. No entanto, Temer também vinha se posicionando como uma das opções do MDB para encabeçar a chapa.

Temer decidiu dar apoio à candidatura de Meirelles depois da pressão de um setor do partido por uma definição oficial do presidente. Há a avaliação de que Temer não conseguiu sair da agenda negativa das investigações da Lava Jato, o que inviabilizaria a candidatura à reeleição.

Meireles entra na disputa com a herança de Michel Temer, um governo rejeitado pela população. O agora pré-candidato ao Palácio do Planalto, terá que carregar figuras como José Sarney, Roseana Sarney e Edison Lobão, ambos com vários processos na Justiça.

Se a candidatura de Meirelles for registrada, será a primeira vez, em mais de 20 anos, que o MDB terá candidato próprio à Presidência. A última vez foi nas eleições de 1994, com o ex-governador de São Paulo, Orestes Quércia.

Em entrevista coletiva após ser anunciado como pré-candidato, Meirelles disse que sairá em busca de alianças e que o presidente Michel Temer deverá participar da sua campanha. “O nosso palanque terá todas as lideranças dispostas a se engajar neste projeto”, afirmou. “O presidente certamente participará dos eventos que considerar adequado”, disse.

Roseana reúne em sua residência a turma dos “Exs” para lançar pré-candidatura

A pré-candidatura de Roseana Sarney serve para tentar aglutinar o que sobrou do outrora forte grupo Sarney

A ex-governadora Roseana Sarney (MDB) reuniu, em sua residência, lideranças políticas, ex-prefeitos, ex-deputados e ex-vereadores para anunciar sua pré-candidatura ao Palácio dos Leões. Peso político fraco em comparação a anos passados quando o grupo Sarney estava no poder.

Fazem parte do projeto político de Roseana representantes municipais, amigos que deram sustentação ao grupo Sarney, responsável pelo atraso do estado por mais de cinco décadas.

Nos bastidores, fortes especulações de que Roseana cedeu às pressões para defender os interesses da família. Sua pré-candidatura serve para tentar aglutinar o que sobrou do outrora forte grupo Sarney.

Sem a presença de presidentes de partidos políticos e sem lideranças de peso, a reunião não teve nenhuma nova adesão ou anúncio que poderia dar um gás ao projeto político.

Sem uma multidão, como era característica dos encontros de Roseana, a reunião aglutinou pessoas que perderam espaço no governo ou que, pela representatividade do atraso, não conseguem mais voltar ao poder, como o ex-deputado federal, Chiquinho Escórcio.

Roseana Sarney segue sua pré-campanha, sem tempo de TV, sem antigos aliados e agora sentindo, de perto, que classe política não comparece mais aos seus eventos.

Roseana exige saída de João Alberto da presidência do MDB

O clima de rivalidade entre Roseana Sarney e o João Alberto parece ter aumentado ainda mais

O clima de rivalidade entre a ex-governadora, Roseana Sarney (MDB), e o atual presidente da sigla no Maranhão, o senador João Alberto, parece ter aumentado ainda mais.

Roseana Sarney fez algumas imposições para ser novamente candidata ao governo do estado. Uma das exigências é que ela tenha o controle sobre o MDB no Maranhão.

A pesar de ser um antigo aliado de José Sarney, João Alberto vem perdendo espaço dentro do grupo. Recentemente, viu o deputado federal Sarney Filho (PV) pegar sua vaga como pré-candidato ao Senado.

Agora, a filha do ex-presidente José Sarney (MDB) exige que para entrar na disputa, ela tenha o controle de toda a verba destinada ao diretório estadual pelo Fundo Partidário, escantiando, de vez, João Alberto.

Edson Fachin autoriza inquérito para investigar repasses da J&F a Edison Lobão e outros políticos do MDB

Situação de Edson Lobão cada vez mais complicada

Relator da Lava Jato no Supremo, Edson Fachin autorizou a abertura do inquérito contra Edison Lobão

O ministro Luiz Edson Fachin, do Supremo Tribunal Federal (STF), determinou abertura de um inquérito para investigar se houve repasses de cerca de R$ 40 milhões da J&F a políticos do MDB durante a campanha eleitoral de 2014. A decisão foi tomada na terça-feira (15) e registrada nesta quarta (16) no sistema do STF.

Relator da Lava Jato no Supremo, Fachin autorizou a abertura do inquérito atendendo a um pedido da Procuradoria Geral da República (PGR), apresentado em abril. Segundo a procuradora-geral, Raquel Dodge, as suspeitas são baseadas nas delações premiadas de Sérgio Machado, ex-senador pelo MDB e ex-presidente da Transpetro, e de Ricardo Saud, ex-executivo da J&F.

Nos depoimentos, Sérgio Machado disse ter chegado ao conhecimento dele que a JBS, empresa do grupo J&F, faria doações à bancada do MDB do Senado em 2014 no valor de R$ 40 milhões, a pedido do PT.

Ainda de acordo com o delator seriam beneficiados com a doação os senadores Renan Calheiros (AL), Jader Barbalho (PA), Romero Jucá (RR), Eunício Oliveira (CE), Vital do Rêgo (PB), hoje ministro do Tribunal de Contas da União, Eduardo Braga (AM), Edison Lobão (MA), Valdir Raupp (RO) e Roberto Requião (PR), “dentre outros”.

De acordo com o ministro, a PGR aponta, por exemplo, que “as solicitações de vantagens indevidas pelos agentes políticos, antes de serem definitivamente entregues, dependiam de prévios interlóquios entre o ex-executivo Joesley Batista e Guido Mantega, ministro da Fazenda à época dos fatos”.

O ministro também determinou que o inquérito seja enviado à Polícia Federal, que terá 60 dias para realizar coleta de provas.

Indecisão de Roseana desmotiva grupo Sarney

A apatia de Roseana Sarney está desmotivando todo seu grupo político

A apatia da ex-governadora Roseana Sarney (MDB), na disputa pelo comando do Estado, está desmotivando todo seu grupo político. Ela deixou de receber seus aliados e não fala mais com a imprensa, o que motiva, ainda mais, especulações sobre sua desistência.

De fato, uma série de fatores faz com que a filha do ex-presidente, José Sarney (MDB), tenha receio de entrar novamente na disputa.

Uma delas é que seu grupo político não conta mais com a estrutura de antes. Com dificuldade de atrair prefeitos e deputados, a ex-governadora perdeu vários apoios no interior.

Outro fator considerável é a rejeição do presidente Michel Temer, seu correligionário. Essa rejeição também é compartilhada por Roseana Sarney aqui no Estado. Segundo a pesquisa Data Ilha/Difusora, 39,3% da população rejeita seu nome. Isso reflete também para que nenhum outro candidato a presidente queira se aliar ao grupo Sarney aqui no Maranhão.

A perda do apoio de partidos e de antigos aliados também estão pesando bastante para a desmotivação de Roseana. Sem esses apoios, a ex-governadora viu sua Caravana percorrer 30 cidades do interior e contar com poucas adesões.

Segundo Data Ilha, Roseana Sarney lidera rejeição na corrida ao Governo do Maranhão

Roseana Sarney lidera os índices de rejeição na disputa ao Governo do Maranhão. Foto: Karlos Geromy

Pesquisa Data Ilha, divulgada na terça-feira (15) pela TV Difusora, aponta que a ex-governadora, Roseana Sarney (MDB), lidera os índices de rejeição na disputa pelo Palácio dos Leões.

Roseana, que já foi governadora por quatro vezes e representa o grupo que comandou o estado por 50 anos, é rejeitada por 39,3% da população. Um alto índice de rejeição para uma candidata que busca disputar mais uma vez o governo.

A ex-governadora sofre para organizar sua pré-candidatura, ainda não definiu seu companheiro de chapa, não obteve sucesso em sua caravana pelo interior do estado, perdeu diversos aliados e ainda sofre processo na Justiça.

A pesquisa Data Ilha/Difusora também aponta que o governador Flávio Dino (PCdoB) venceria a disputa com 60,03% dos votos, mais de 30 pontos percentuais à frente da segunda colocada, a ex-governadora Roseana Sarney, que aparece com 27,68% dos votos válidos.