Sobrou até para Sarney em propaganda eleitoral em Alagoas

José Sarney foi alvo de críticas em Alagoas

Época

Prefeito de Maceió e adversário do senador Renan Calheiros, Rui Palmeira partiu para cima do emedebista durante propaganda eleitoral do PSDB. Elencou a quantidade de inquéritos a que Renan responde no Supremo Tribunal Federal e o chamou de “campeão da Lava Jato”. Sobrou até para o presidente Michel Temer e o ex-presidente José Sarney. Palmeira diz que no Brasil “ninguém gosta de Renan, como não gosta do Temer, como não gosta do Sarney, todos do mesmo partido”.

Saiba qual é o ministro de Temer de quem Sarney não gosta

Época

Se tem um ministro de Michel Temer que não cai nas graças do ex-presidente José Sarney, esse alguém é Eliseu Padilha, da Casa Civil. Sarney acha que, além de dar conselhos errados para Temer, Padilha trabalha para dificultar projetos no Maranhão que renderiam prestígio – e votos, por tabela – a sua família.

Roseana tenta colocar Lula no programa do MDB de Temer

Roseana Sarney foi a coordenadora do impeachment de Dilma Rousseff

Para a ex-governadora Roseana Sarney, pouco importa se a prisão do ex-presidente Lula tem relação com o impeachment da presidente Dilma Rousseff, golpe político que elevou o MDB de Michel Temer ao Planalto. A peemedebista quer mesmo é tirar uma casquinha da popularidade do petista para se eleger no dia 7 de outubro.

Candidata ao governo pelo partido de Temer, Roseana briga na Justiça para usar a imagem do petista em sua propaganda eleitoral.

O problema é que Roseana esconde, nessas eleições, sua participação na manobra. Em 2016, ela rodou por Brasília em busca de votos para derrubar a ex-presidente Dilma Rousseff. Ela foi vista na festa de comemoração do impeachment onde teria dito que “apostou no cavalo certo” e que foi “coordenadora do impeachment”.

A estratégia é cooptar os votos que Lula tem no Maranhão. Roseana até conseguiu um despacho para manter a imagem do petista em seus programas enquanto o caso não é julgado, mas ela segue com um entrave: nem com Lula, Roseana cresce nas intenções de votos.

Roseana Sarney faz ataque indireto ao seu próprio partido

A candidata fala que a vida do brasileiro piorou, mas não menciona que a crise nacional foi gerada no seio do impopular governo de Michel Temer, seu correligionário e aliado

Na propaganda eleitoral que foi ao ar na quarta-feira (5), a ex-governadora Roseana Sarney indiretamente atacou seu próprio partido, o PMDB. No vídeo, a candidata fala que a vida do brasileiro piorou, mas não menciona que a crise nacional foi gerada no seio do impopular governo de Michel Temer, seu correligionário e aliado.

Desde que Temer assumiu, após o golpe que depôs Dilma Rousseff, o Brasil regressou ao Mapa da Fome, bateu recordes de desemprego e parou com a maior greve de caminhoneiros da história.

Foi durante o auge da crise nacional que vários estados entraram em profunda recessão. Apesar do cenário apocalíptico, o Maranhão foi um dos únicos entes federativos que conseguiu manter as contas públicas no azul.

Coordenadora do impeachment, em sua campanha Roseana tenta jogar a culpa da crise em Flávio Dino, ao mesmo tempo em que luta para seduzir eleitores de Lula e esconder sua parceria com Temer, líder do atual caos político e econômico brasileiro.

Temer recua e adia reajuste de servidores para 2020

O adiamento se deu diante da pressão da equipe econômica, que argumentava falta de espaço nas contas públicas para garantir salários maiores para os servidores

O presidente Michel Temer voltou atrás e decidiu retirar do Orçamento de 2019 o reajuste dos servidores do Executivo. A decisão foi tomada em reunião no Palácio do Planalto na manhã desta sexta (31), prazo máximo para que o Executivo envie ao Congresso a proposta de Orçamento para o ano que vem.

O adiamento se deu diante da pressão da equipe econômica, que argumentava falta de espaço nas contas públicas para garantir salários maiores para os servidores. A estimativa do governo é de deficit de R$ 139 bilhões para o ano que vem.

Pelos cálculos do Ministério do Planejamento, o adiamento do reajuste dos servidores vai gerar uma redução de R$ 6,9 bilhões nos gastos do governo em 2019, abrindo espaço fiscal.

No início do mês, a pasta informou que, se Temer aceitasse propor o adiamento, os recursos economizados seriam revertidos para áreas sociais e investimentos. No Ministério da Educação, a ideia era que a economia com o adiamento do reajuste de seus servidores fosse revertida para alguns de seus próprios programas.

O recuo ocorre dois dias depois de o próprio presidente ter afirmado em entrevista ao Estado de S. Paulo que incluiria o reajuste aos servidores no Orçamento de 2019. Isso ocorreu a quarta-feira (29), quando o governo havia fechado um acordado com o Judiciário para garantir um aumento de 16,38% para os salários dos ministros do STF (Supremo Tribunal Federal) em troca do fim do auxílio moradia.

A proposta orçamentária para o ano que vem será protocolada no Congresso Nacional nesta sexta e na próxima semana deverá haver uma cerimônia para oficializar o ato. O Legislativo está em recesso informal devido ao período eleitoral, mas deve realizar sessão na primeira semana de setembro.

“Eles são donos do Temer, da recessão e da crise”, afirma Flávio Dino sobre a família Sarney

Vale lembrar que tanto a ex-governadora Roseana Sarney, quanto seu pai, o ex-presidente José Sarney, mudaram para Brasília para coordenar o golpe contra a ex-presidenta Dilma Rousseff

O governador Flávio Dino (PCdoB) esteve ontem (27) na sabatina da TV Guará e falou sobre o cenário de caos político e econômico em que o país se encontra.

Flávio Dino falou das medidas impopulares do governo Michel Temer (MDB) e dos que fizeram com que o Brasil vivesse esse momento crítico.

“Os que botaram o Temer querem me responsabilizar. Eles são donos do Temer, da recessão, da crise, do caos”, enfatizou o governador.

Vale lembrar que tanto a ex-governadora Roseana Sarney, quanto seu pai, o ex-presidente José Sarney, mudaram para Brasília para coordenar o golpe contra a ex-presidenta Dilma Rousseff.

Desde que Michel Temer assumiu o governo, o país vive o aumento dos impostos, o congelamento dos investimentos na saúde e na educação por 20 anos, a Reforma Trabalhista entre outras medidas impopulares.

Ninguém quer aparecer ao lado de Temer

Como Temer, Sarney sabe o que é ser rejeitado. Aliás, no quesito impopularidade, o ex-presidente maranhense só foi superado por Temer

Na disputa presidencial desse ano, ninguém quer aparecer ao lado do presidente Michel Temer (MDB), nem mesmo a ex-governadora Roseana Sarney (MDB), filha do oligarca José Sarney, principal conselheiro do temerário presidente.

Como Temer, Sarney sabe o que é ser rejeitado. Aliás, no quesito impopularidade, o ex-presidente maranhense só foi superado por Temer. Em 1985, Sarney caiu de paraquedas no Palácio do Planalto com a morte de Tancredo Neves e não agradou. Para muitos, ele representava um braço do militarismo no poder. Sarney deixou a presidência em 1989 e novamente não agradou. Ele saiu deixando uma hiperinflação assombrosa na vida dos brasileiros.

Estamos em 2018, e assim como Temer, ninguém quer ser associado a Sarney. Nem mesmo Roseana. O sobrenome desapareceu das peças de campanha da peemedebista, que tenta camuflar do eleitorado o peso negativo da sua família.

Nesse jogo de esconde-esconde, até o deputado estadual e candidato à reeleição Adriano Sarney, tratou de ocultar estrategicamente a tia Roseana e o pai Zequinha Sarney de suas peças publicitárias. O clã Sarney ainda tenta permanecer vivo, mas não faltam exemplos de que até aliados tentam sepultá-lo de vez.

Ex-ministro de Michel Temer é o candidato do grupo Sarney à Presidência

O ex-presidente participou da convenção e sentou-se ao lado do presidente Michel Temer e do presidente nacional da legenda, o senador Romero Jucá

O MDB aprovou, nesta quinta-feira (2), a candidatura de Henrique Meirelles à Presidência da República. O partido confirmou o nome do ex-ministro da Fazenda na corrida ao Palácio do Planalto durante convenção nacional, em Brasília, com a presença do presidente Michel Temer e do ex-senador José Sarney, lado a lado.

O ex-presidente participou da convenção e sentou-se ao lado do presidente Michel Temer e do presidente nacional da legenda, o senador Romero Jucá.

Representando o governo mais rejeitado da história brasileira, responsável pela Reforma Trabalhista, pelo aumento dos impostos e pelo congelamento dos investimentos na saúde e na educação, Henrique Meirelles, Michel Temer e José Sarney caminharão juntos para garantir que o MDB continue no poder e consiga aprovar outras medidas impopulares como a Reforma da Previdência.

O MDB confirmou Meirelles sem definir o nome do vice na chapa. Segundo Romero Jucá, a escolha será feita até segunda-feira (6) por uma comissão da sigla. Ele é um dos integrantes do grupo. Os convencionais também autorizaram a Comissão Executiva Nacional do MDB a definir coligações com outros partidos.

Meirelles admitiu que seu vice poderá ser do próprio MDB, mas afirmou que não estava discutindo nomes ao ser questionado sobre a senadora Marta Suplicy (MDB-SP).

A candidatura de Meirelles é a primeira do MDB desde 1994, quando o ex-governador de São Paulo Orestes Quércia disputou sem sucesso a corrida presidencial.

Aliado de Roseana,Temer anuncia corte no Bolsa Família

Pesa contra Roseana o papel de articuladora do impeachment da petista Dilma Rousseff

Aliado político da ex-governadora Roseana Sarney (PMDB), o presidente Michel Temer adotou mais uma medida impopular: o cancelamento dos benefícios do programa Bolsa Família para 5,2 milhões de pessoas. A decisão pode acabar complicando o projeto político da pré-candidata, que vai tentar um quinto mandato como governadora.

O problema é que, segundo dados do Ministério do Desenvolvimento Social (MDS), o Maranhão é o estado que mais depende do programa e metade dos maranhenses recebe o auxílio – para ser exato, são 982.450 famílias beneficiárias.

Roseana tenta descolar a todo custo sua imagem de Temer. Mas essa não tem sido tarefa fácil para a ex-governadora, uma vez que seu pai, o ex-senador José Sarney, é reconhecido como principal conselheiro do presidente. Também pesa contra Roseana o papel de articuladora do impeachment da petista Dilma Rousseff.

A associação entre Roseana e Temer, presidente que reduziu drasticamente os programas sociais deixados pelo ex-presidente Lula, certamente não vem sendo bem vista entre a população do Maranhão.