Campanha online já tem mais de 2 milhões contra aumento do Supremo

Uma campanha online contra o reajuste de 16,38% no salário dos ministros do Supremo Tribunal Federal já conta com mais de 2 milhões de assinaturas. A iniciativa foi feita pelo Partido Novo, que também peticionou o presidente Michel Temer contra o aumento.

Segundo a legenda, o reajuste “causa enorme impacto fiscal em todos os Estados brasileiros, devido a alteração do teto de salários do funcionalismo público”. Se sancionado o projeto de lei que prevê o aumento, a remuneração dos ministros passará de R$ 33,7 mil para R$ 39,2 mil mensais.

Cálculos feitos por consultorias da Câmara dos Deputados e do Senado apontam que o chamado “efeito cascata” causado pela expansão do teto do funcionalismo público pode custar cerca de R$ 4,1 bilhões. Estados que enfrentam crises financeiras, como o Rio de Janeiro e Minas Gerais, poderão sofrer para cobrir o aumento na folha de pagamento dos servidores.

“O NOVO sustenta que o chefe do Poder Executivo não pode aumentar a despesa com os servidores faltando menos de 180 dias para término de seu mandato, conforme dispõe a Lei de Responsabilidade Fiscal”, afirma o partido.

A campanha online, que até o fim da noite desta sexta-feira, 9, contava com 2.273.834 assinaturas, foi anexada à petição encaminhada ao Planalto. A meta do partido é atingir a meta de 3 milhões.

Notas rápidas desta quarta-feira (15)

Segundo uma sondagem divulgada pela Paraná Pesquisas nesta quarta-feira, 15, Lula tem 30,8% das intenções de voto, seguido pelo presidenciável Jair Bolsonaro, do PSL, com 22%

Mesmo preso, Lula supera Bolsonaro em pesquisa
Mesmo preso em Curitiba e com a provável rejeição de sua candidatura pelo TSE com base na Lei da Ficha Limpa, Lula continua a aparecer em primeiro lugar nas pesquisas eleitorais para a Presidência quando seu nome é incluído nos levantamentos. Segundo uma sondagem divulgada pela Paraná Pesquisas nesta quarta-feira, 15, Lula tem 30,8% das intenções de voto, seguido pelo presidenciável Jair Bolsonaro, do PSL, com 22%. A Paraná Pesquisas ouviu 2.002 eleitores em 168 municípios de 26 Estados e no Distrito Federal, entre os dias 9 e 13 de agosto. A sondagem já capta o impacto do debate na Band, realizado no dia 9. A margem de erro é de dois pontos percentuais. A pesquisa foi registrada no TSE sob o nº BR-02891/2018.

Em nova pesquisa, Bolsonaro segue na frente
O deputado Jair Bolsonaro, candidato à Presidência pelo PSL, segue na liderança na corrida presidencial. Segundo uma sondagem nacional divulgada pela Paraná Pesquisas nesta quarta-feira, 15, JB tem 23,9% das intenções de voto, no cenário sem a participação de Lula, que deve prevalecer com a provável decisão do TSE sobre a inelegibilidade do ex-presidente. Atrás de Bolsonaro, vêm Marina Silva, do Rede, com 13,2%; Ciro Gomes, do PDT, com 10,2%; Geraldo Alckmin, do PSDB, com 8,5%; Alvaro Dias, do Podemos, com 4,9%; e Fernando Haddad, do PT, com 3,8%.

Luz amarela para Alckmin na campanha
Os resultados da nova sondagem presidencial divulgada pela Paraná Pesquisas, acendem a luz amarela para Geraldo Alckmin, candidato à Presidência pelo PSDB, e mostram que ele terá de suar muito a camisa para conseguir decolar. Em quarto lugar no levantamento no cenário sem a participação de Lula, com 8,5% das intenções de voto, o ex-governador paulista está 15,4 pontos percentuais atrás de Jair Bolsonaro, do PSL, que aparece na liderança.

Marina empatada com Ciro em 2º
A presidenciável Marina Silva, do Rede, aparece em segundo lugar na disputa presidencial, bem atrás de Jair Bolsonaro, que mantém a liderança, e à frente de Ciro Gomes, do PDT, o terceiro colocado. De acordo com uma sondagem divulgada pela Paraná Pesquisas, Marina tem 13,2% das intenções de voto no cenário sem a participação de Lula, e Ciro, 10,2%. Mas, como a margem de erro é de dois pontos percentuais para mais ou para menos, Marina e Ciro estão em situação de empate técnico.

O bolso cheio de Jair Bolsonaro
Ao registrar sua candidatura, Jair Bolsonaro declarou possuir um patrimônio de R$ 2,287 milhões para o TSE. Deste total, R$ 1,383 milhão é referente ao valor de cinco casas. O mandato político parece ter feito bem ao bolso de Bolsonaro. Em 2002 ele disse possuir R$ 419,291 mil à Justiça Eleitoral. Quatro anos depois o bolo cresceu pouco, para R$ 433.934,48. Na eleição de 2010 o deputado apresentou um total de R$ 826.670,46. Já em 2014 o patrimônio era de R$ 2.074.692,43. Ou seja, em 16 anos seu patrimônio cresceu R$ 1.867.709.

O ‘elixir da juventude’ de Kátia Abreu
A foto oficial de campanha do presidenciável Ciro Gomes e de sua vice Kátia Abreu, do PDT, foi alvo de memes nas redes sociais, em razão do uso excessivo do programa Photoshop, que fez a candidata parecer bem mais jovem do que é, quase outra pessoa. “Se Ciro prometer dar a cada eleitora o telefone do médico que fez esse milagre com a Katia Abreu, tá eleito no primeiro turno”, disse uma internauta. A própria Kátia acabou aceitando a brincadeira e publicou em sua página no Twitter alguns dos memes que viralizaram na internet. “Amei as reações sobre minha foto”, escreveu Kátia em seu perfil no Twitter.

A chapa milionária do Novo
O presidenciável do partido Novo, João Amoêdo e seu vice, o professor e cientista político Christian Lohbauer, estão com a conta bancária bem mais recheada que seus adversários pelo Palácio do Planalto. Amoêdo declarou ao TSE possuir um patrimônio de R$ 425 milhões em bens. Os outros cinco candidatos que já se registraram possuem juntos R$ 3,1 milhões. Já Lohbauer tem patrimônio de R$ 4,1 milhões. Os outros cinco vices, juntos, somam pouco menos que o dobro: R$ 8,1 milhões.

R$ 17 mil para Wal
Walderice Santos da Conceição, a ‘funcionária fantasma’ Wal, do gabinete do deputado Jair Bolsonaro (PSL), recebeu R$ 17.240 de janeiro a julho deste ano, revela a Folha. O jornal apontou ainda em janeiro que a funcionária trabalhava, na verdade, vendendo açaí em uma praia em Angra dos Reis (RJ) e nesta segunda, 13, ela foi demitida após a reportagem encontrá-la novamente na banca de açaí, longe de suas supostas funções ligadas ao gabinete.

Dois partidos não participarão das eleições de 2018 no Maranhão

Com a ausência do PCO e do Novo nas eleições no Maranhão, apenas 33 dos 35 partidos estarão na corrida eleitoral estadual

De acordo com informações do Tribunal Regional Eleitoral do Maranhão, duas agremiações políticas não participarão das eleições no Estado. O partido Novo e o Partido da Causa Operária (PCO) não constam na lista de siglas registrados no TRE-MA.

O PCO, apesar de fundado em 1995, é considerado um dos partidos nanicos, não tem militância no estado e dificilmente passará pela Cláusula de Barreira.

Leia mais: Sites e redes sociais do Governo do Maranhão ficam suspensos até o final do período eleitoral

O Novo foi fundado em 2015 e na sua primeira eleição elegeu apenas quatro vereadores. Uma das características do partido é que seus candidatos não podem usufruir dos recursos do Fundo Eleitoral.

Para a fundação de um diretório do Novo em um estado é preciso que os postulantes à executiva do partido não sejam políticos, por isso a demora na fundação de um diretório no Maranhão.

Com a ausência do PCO e do Novo nas eleições no Maranhão, apenas 33 dos 35 partidos estarão na corrida eleitoral estadual.

 

Leia mais: TRE-MA julga improcedente ação do grupo Sarney contra Flávio Dino

Novos nomes, antigos partidos

Com uma crise moral e ética na política, partidos buscam novas estratégias de marketing e de comunicação para conseguirem conquistar os votos dos eleitores

Faltando pouco mais de 100 dias para as eleições gerais de 2018, os brasileiros se preparam para escolher seus novos representantes no executivo e no legislativo.

Com uma crise moral e ética na política, partidos buscam novas estratégias de marketing e de comunicação para conseguirem conquistar os votos dos eleitores.

Muitos desses “antigos” partidos chegam a 2018 com novos nomes. Na lista, entram o “PTN” que trocou o nome para “Podemos”, o “PP” agora “Progressistas”, o “PTdoB” que trocou para “Avante” e o “Patriotas” – antigo “PEN -.

O partido do presidente Michel Temer tirou o “P” do nome do partido e agora se chama MDB.

Partidos políticos também foram registrados após as eleições de 2014 e chegam a 2018 como opções para os eleitores, entre eles a Rede Sustentabilidade – da ex-ministra Marisa Silva – e o Novo, do presidenciável João Amoêdo.

Outros partidos trabalham para trocar seus nomes no Supremo Tribunal Eleitoral. O “PPS” tenta oficializar seu novo nome para “Movimento 23” e o “PSDC” para “Democracia Cristã”.

Eleições 2018: João Amoêdo cumpre agenda em São Luís

O pré-candidato cumpriu agenda em São Luís, nesta terça-feira (19), e foi acompanhado do seu vice Bernardinho, o ex-técnico da seleção brasileira de vôlei

João Amoêdo, representante do partido Novo, foi quinto presidenciável a visitar o Maranhão. O pré-candidato cumpriu agenda em São Luís, nesta terça-feira (19), e foi acompanhado do seu vice Bernardinho, o ex-técnico da seleção brasileira de vôlei.

Amoêdo participou de um jantar e conversou com representantes da Associação Comercial do Maranhão (ACM), a Câmara dos Dirigentes Lojistas de São Luís (CDL), a Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado do Maranhão (Fecomércio) e a Federação das Indústrias do Estado do Maranhão (FIEMA).

O presidenciável começou sua carreira como trainee no Banco Citibank, foi diretor executivo do Banco BBA Creditanstalt, presidente da Finaústria CFI, vice-presidente e membro do conselho de administração do Unibanco, membro do conselho de administração do Banco Itaú BBA e membro do conselho de administração da empresa João Fortes Engenharia.

Em 2011, fundou o NOVO, um partido composto por membros da sociedade civil, que faz processo seletivo para escolher seus candidatos e o único que se mantém apenas com doações voluntárias de seus apoiadores e não faz uso do Fundo Partidário e Eleitoral.

“O que a gente quer é trazer mais eficiência para máquina pública, novas lideranças, cortar privilégios, cortar benefícios do setor público, colocar mais dinheiro de volta no bolso do cidadão e facilitar a vida de quem quer empreender”, disse Amoêdo em entrevista à emissora de televisão.

Presidenciável João Amoêdo visita São Luís dia 19 de junho

Além do encontro com os alunos, Amôedo e Bernardinho participam de um encontro organizado por entidades empresariais

O pré-candidato do partido NOVO à presidência da República, João Amoêdo, desembarca em São Luís (MA) no dia 19 de junho (terça-feira), ao lado do campeão olímpico e embaixador do NOVO, Bernardinho, ex-técnico das seleções brasileiras feminina e masculina de vôlei.

Ambos foram convidados pela organização da Semana do Mercado Financeiro, promovida pela UNDB (Unidade de Ensino Superior Dom Bosco), para fazerem a abertura do evento.

Além do encontro com os alunos, que ocorre no Centro de Convenções Governador Pedro Neiva de Santana, das 17h às 19h, Amôedo e Bernardinho participam de um encontro organizado por entidades empresariais, ACM, CDL, FECOMERCIO e FIEMA, no Hotel Blue Tree Towers, a partir das 19h.

Para se inscrever na palestra de abertura da Semana do Mercado Financeiro e no evento organizado pelas entidades empresariais, é necessário realizar uma inscrição no site oficial do partido Novo.