Sindicatos prometem parar principais capitais do país nesta sexta

Entidades sindicais realizam atos nas principais cidades brasileiras como forma de protesto pela entrada em vigor, nestasexta-feira (10), da Reforma Trabalhista

Como resposta à Reforma Trabalhista (Lei 13.467/2017), que entra em vigor nesta sexta-feira (10), as centrais sindicais convocaram seus filiados para o “Dia Nacional de Mobilização em Defesa dos Direitos”, que será realizado na mesma data em todo o país. A ideia é paralisar as principais vias de todas as capitais para chamar a atenção da população sobre as mudanças nas leis trabalhistas trazidas pela reforma.

Em São Paulo, as centrais irão organizar a “Grande Marcha da Classe Trabalhadora em Defesa dos Direitos, da Soberania e da Democracia”. A concentração será às 9h, na Praça da Sé, região central da capital paulista, e são esperadas 40 mil pessoas no local. “Somente uma mobilização ampla e irrestrita de trabalhadores, sindicatos, federações, confederações e centrais sindicais serão capazes de reverter o cenário nebuloso que se apresenta”, afirma José Calixto Ramos, presidente da Nova Central Sindical de Trabalhadores (NCST), uma das entidades que aderiu ao movimento.

Para sindicalistas, a nova lei do trabalho, que modificou mais de cem artigos da CLT, retira a proteção da classe trabalhadora e abre caminho para a terceirização de todos os setores, dando instabilidade. “Temos que fazer uma resistência. Se conseguirmos esse enfrentamento na primeira empresa, as demais vão repensar a adoção das novas regras da Reforma Trabalhista. Mas se aceitarmos a reforma sem nenhum questionamento, ela será colocada da forma como foi aprovada”, alertou Artur Bueno, coordenador do Fórum Sindical de Trabalhadores (FST).  

Além das manifestações, as entidades, representadas pelo FST, entregarão um documento nesta quarta-feira (08), às 15h30, ao senador Eunício Oliveiro, presidente do Senado, como forma de repúdio às declarações do presidente do Tribunal Superior do Trabalho (TST), ministro Ives Gandra, alegando que a redução de direitos irá gerar mais empregos no País.

Sem acordo com patrões, rodoviários de São Luís vão cruzar os braços novamente dia cinco…

ônibus decidiram por paralisação na próxima segunda-feira

Reunidos em assembleia nesta segunda-feira (29), os rodoviários, trabalhadores que atuam no transporte público de São Luís, decidiram paralisar as atividades na próxima segunda-feira, dia 05 de junho. A medida foi definida assim, já que não conseguiram nenhum acordo com a classe patronal.

O Sindicato dos Rodoviários comunicará, oficialmente, a Justiça, nesta terça-feira (30), sobre a decisão, com o respaldo do posicionamento da categoria, que votou igualmente nas duas assembleias. A partir de então, começará a contar o prazo de 72 horas, que termina na sexta-feira (2).
Levando em consideração que a paralisação está marcada para a próxima segunda-feira, os empresários ganharão mais dois dias, no caso o sábado e domingo, para apresentar novas contrapropostas. Segundo os rodoviários, se mesmo assim as negociações não avançarem, não resta alternativa, que não seja partir para a greve.
O Sindicato dos Rodoviários exige, entre outros itens, reajuste salarial de 13% e aumento do ticket alimentação dos atuais R$ 490,00 para R$ 650,00 aos trabalhadores que atuam no setor urbano. Até agora, a única contraproposta oferecida pelos patrões é de reajustar o salário dos trabalhadores em 2,5%.
A entidade representativa dos rodoviários entende que essa oferta dos empresários é vergonhosa e não cobre nem as perdas inflacionárias, no decorrer do último ano.

 

TRT decreta volta de 70% dos ônibus em São Luís; Rodoviários vão cumprir liminar

70% dos ônibus devem circular nesta quarta-feira

70% dos ônibus devem circular nesta quarta-feira

O Tribunal Regional do Trabalho no Maranhão (TRT-MA) decretou, nesta terça-feira (23), ilegal e abusivo o movimento grevista deflagrado pelo Sindicato dos Trabalhadores em Transportes Rodoviários no Estado do Maranhão (Sttrema). A medida cautelar foi proposta pelo município de São Luís.
De acordo com a decisão da Justiça, o Sindicato deverá restabelecer de imediato 70% dos seus serviços de transporte coletivo na capital com o funcionamento em todas as linhas e itinerários, em todos os horários, com a presença dos respectivos motoristas e cobradores, a fim de não causar transtorno à população na capital.

Notificação do Procon
Também nesta terça-feira (23), o Procon-MA notificou o Sindicato das Empresas de Transporte de Passageiros de São Luís (SET) e o Sindicato dos Trabalhadores em Transporte Rodoviário no Maranhão (Sttrema) exigindo medidas para contornar os prejuízos causados aos consumidores pela greve dos rodoviários de São Luís.
De acordo com o Procon-MA, o SET deverá regularizar no prazo de 24 horas o pagamento dos salários dos trabalhadores. Já o Sttrema deverá garantir pelo menos 30% das viagens durante o período de greve, quantitativo que deve ser aumentado para no mínimo 70% nos horários de pico.
Em caso de descumprimento, os respectivos sindicatos serão submetidos às penalidades administrativas e civis cabíveis.

Rodoviários cumprirão liminar

O Sindicato dos Rodoviários do Maranhão informou, em nota, que a categoria irá cumprir a liminar expedida pelo Tribunal Regional do Trabalho, que determina que 70% da frota de ônibus volte a circular de imediato em São Luís.
Ficou acordado ainda que o pagamento dos trabalhadores começa a ser regularizado nesta quarta-feira (24) pelos empresários e que o dia parado será abonado, ou seja, a classe não vai receber falta pela paralisação das atividades.

Greve dos bancários chega ao décimo quinto dia e atrapalha vida de muita gente…

Greve dos bancários atrapalha a vida dos usuários dos serviços no Maranhão

Greve dos bancários atrapalha a vida dos usuários dos serviços no Maranhão

Os usuários dos serviços bancários em São Luís não veem a hora da greve dos bancários acabar. Que o digam as empresas que necessitam fazer operações diariamente. A paralisação completou, nesta terça-feira (20), 15 dias no Maranhão e vem atormentando a vida das pessoas, sem que haja, pelo menos, um prazo para a volta do atendimento.

O Sindicato dos Bancários do Maranhão (Seeb-MA) informou que o índice de adesão à paralisação chega a 85%, sendo grande parte de funcionários de bancos públicos. No Maranhão, ao todo são 5,1 mil bancários e 360 agências.
Os bancários maranhenses querem reajuste de 35%, Participação nos Lucros e Resultado (PLR) de 25% linear, piso de R$ 3.377,66, isonomia, fim das metas, estabilidade no emprego, contratação de mais bancários, dentre outras demandas.

A Fenaban por sua vez oferece reajuste de 5,5% – o que os bancários consideram baixo, inferior ao índice de inflação de 9,88% medido pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor (INPC), no período de 30 de agosto de 2014 a 1º de setembro de 2015 –, com abono imediato de R$ 2,5 mil e previsão de PLR entre 5% a 15% do lucro líquido e parcela adicional que distribui mais 2,2% do lucro de cada instituição.

Suspensa a greve do INSS no Maranhão…

Após mais de 60 meses, greve chega ao fim no Maranhão

Após mais de 78 dias, greve chega ao fim no Maranhão

Após 78 dias de greve, os servidores do Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) do Maranhão decidiram, em assembleia geral, suspender o movimento paredista. A decisão foi tomada pela maioria dos grevistas que se encontrava na sede da Gerência Executiva em São Luís, localizada no bairro do Calhau.

“Os servidores aqui presentes compreenderam que o momento atual não possibilita que a greve continue. Estamos suspendendo a greve, mas o estado de vigilância continua”, destacou Desterro Silva, técnica previdenciária do INSS.

Durante a assembleia, foram repassados aos servidores informes sobre as negociações que estão sendo feitas entre o Comando Nacional de Greve e o Governo Federal.

A suspensão da paralisação do INSS não desmobiliza a categoria que deve permanecer em estado de greve, aguardando o cumprimento do acordo firmado entre o Governo Federal e os servidores.

As agências do INSS no Maranhão devem retornar ao seu funcionamento normal, a partir da próxima terça-feira (29). A avaliação do Comando Estadual de Greve é de que o movimento foi positivo e atendeu às expectativas da coordenação.

Na próxima segunda-feira (28) será realizada nova assembleia com a categoria, desta vez para os ajustes administrativos necessários para o recomeço das atividades na terça (29). A reunião acontecerá no auditório da Gerência Executiva do INSS em São Luís, localizada na Avenida dos Holandeses, no Calhau.

Resultados

Entre as principais reivindicações da categoria estavam a valorização do servidor e a melhoria da qualidade do serviço público. Abaixo acompanhe como ficou alguns pontos da pauta de reivindicação:

REAJUSTE SALARIAL- A categoria pediu 27,3% de imediato. A greve foi suspensa com uma proposta do governo de aumento de 10,8% em dois anos com início de pagamento para agosto de 2015.

INCORPORAÇÃO DE GRATIFICAÇÕES- A incorporação das gratificações foi assegurada, o que beneficia também os servidores aposentados.

JORNADA DE TRABALHO- Ficou assegurada jornada de 30 horas para todos os servidores lotados nas agências da Previdência Social. Apenas, os lotados na administração não estão incluídos nesta jornada. Porém, a mobilização para a inclusão total dos servidores do INSS continua.

OUTROS BENEFÍCIOS- Foram realizados aumentos em alguns benefícios, como o auxílio creche e o auxílio saúde.

VALORIZAÇÃO DO SERVIDOR- Foi garantida a suspensão da instrução normativa 74 que punia de forma severa e indiscriminada os servidores.

Após novos incêndios, ônibus são recolhidos em São Luís

ônibus foi incendiado no Recanto dos Vinhais, nesta quarta

ônibus foi incendiado no Recanto dos Vinhais, nesta quarta

Mais dois ônibus foram incendiados em São Luís nesta quarta-feira (01), um no Recanto dos Vinhais e outro no Piquizeiro. Após os novos ataques, o Sindicato das Empresas de Transporte (SET) resolveu recolher todos os coletivos até que a governadora do Maranhão, Roseana Sarney, garanta  Segurança necessária para a volta da circulação da frota.

A dor de cabeça não é apenas da governadora, já que o prefeito de São Luís, Edivaldo Holanda Jr, é o responsável pelo transporte público na capital maranhense. Centenas de passageiros estão sendo abandonados nos Terminais de Integração e em diversos pontos da cidade.

Os rodoviários se reúnem, ainda nesta quarta (01), na sede do sindicato para discutir a situação. Não está descartada uma paralisação da categoria.

Os ônibus foram incendiados na Rua Antares, no Recantos dos Vinhais, e no bairro Pão de Açúcar, próximo ao Anil.

Onda de ataques

No mês de janeiro, uma criança de seis anos morreu após um ônibus ser atacado no bairro da Vila Sarney, em São Luís. Ana Clara Santos Sousa  teve 95% do corpo queimado. Ela estava com a mãe e a irmã quando o veículo foi invadido e incendiado por homens armados.

A onda de ataques que vitimou Ana Clara Santos Sousa começou depois de uma operação realizada pela Tropa de Choque da Polícia Militar no Complexo de Pedrinhas, com o objetivo de diminuir as mortes nas unidades prisionais do Estado.