PCdoB anuncia sindicalista para vice de Manuela D’Ávila

O sindicalista Adílson Araújo, presidente da Central dos Trabalhadores e Trabalhadoras do Brasil (CTB) como vice na chapa da deputada Manuela D’Ávila (PCdoB-RS) à Presidência Foto: Joana Berwanger/Sul21

O Estado de S.Paulo

A direção nacional do PCdoB deve anunciar na sexta-feira, 8, o sindicalista Adílson Araújo, presidente da Central dos Trabalhadores e Trabalhadoras do Brasil (CTB) como vice na chapa da deputada Manuela D’Ávila (PCdoB-RS) à Presidência. Segundo fontes do partido, o nome de Araújo ganhou força na última semana e deve ser apenas homologado oficialmente pelo partido.

A escolha do sindicalista acontece um dia depois de Manuela ter admitido a possibilidade de abrir mão da candidatura desde que PT, PDT e PSOL dessem sinais de que também poderiam flexibilizar suas posições em nome de uma chapa unitária de esquerda ainda no primeiro turno.

Segundo dirigentes do PCdoB, Manuela em momento algum desistiu da candidatura. O objetivo do movimento da deputada gaúcha ao admitir a possibilidade era provocar os demais partidos de esquerda, especialmente o PT, a se manifestarem em relação à possibilidade de uma aliança.

Como a estratégia não surtiu efeito, o PCdoB deve anunciar o vice para manter, ao menos até agosto, o nome de Manuela na disputa. O gesto da pré-candidata do PC do B não comoveu a cúpula petista PT que, por enquanto, mantém a pré-candidatura do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, condenado e preso pela Lava Jato desde 7 de abril em Curitiba.

“É uma atitude generosa a da Manuela, mas o nosso candidato lidera as pesquisas, portanto parece prematuro tirar o nome dele para apoiar outro que tem um quarto das intenções de voto”, disse o líder do PT na Câmara. Paulo Pimenta (PT-RS).” Isso não nos impede de dialogar, principalmente para o segundo turno ou para governar”, completou.

O PDT e o PSOL também não deram sinais de que pretendem desistir das candidaturas de Ciro Gomes e Guilherme Boulos, respectivamente.

“O Brasil vive uma crise sem precedentes em sua história recente e é positivo que diferentes partidos e candidaturas de esquerda dialoguem entre si para fazer frente aos ataques ao povo brasileiro. A proposta de candidatura única das esquerdas é cheia de boas intenções, mas ignora importantes divergências de projeto que existem entre nós. Por isso vamos com Guilherme Boulos até o final, confiantes de que ele pode encarnar o desejo de mudanças estruturais”, afirmou o presidente nacional do PSOL, Juliano Medeiros.

Eleições 2018: Instituto que prevê vitória de Flávio Dino no primeiro turno foi o que mais acertou em 2014

Exata foi o instituto que mais se aproximou do resultado das eleições de 2014 que deu vitória ao governador Flávio Dino

Grupos da oposição ao governo Flávio Dino (PCdoB) tentam desqualificar a pesquisa do Instituto Exata, publicada pelo Jornal Pequeno neste domingo (03). A sondagem dá 30 pontos percentuais de vantagem ao governador Flávio Dino em comparação à ex-governadora Roseana Sarney (MDB) na corrida pelo governo do estado.

Os mesmo grupos só esqueceram que a Exata foi o instituto que mais se aproximou do resultado das eleições de 2014 que deu vitória ao governador Flávio Dino.

O instituto Exata publicou, no dia 03 de outubro de 2014, uma pesquisa apontando Flávio Dino (PCdoB) com 64% dos votos válidos e Lobão Filho (MDB), 32%. Nas urnas, veio o resultado oficial: Flávio Dino 63,52%; Lobão Filho, 33,69%.

Cinco institutos fizeram pesquisas das eleições no estado: Exata, Amostragem, DataM, Ibope e Econométrica.

A última pesquisa do instituto Exata (protocolo MA-00064/2014) e divulgada no dia (03) deu ampla vantagem ao candidato comunista. Flávio Dino apareceu com 64%, enquanto Lobão Filho somava 32% dos votos válidos.

Na pesquisa Ibope (protocolo MA-00062/2014) divulgada pela TV Mirante no último dia (02), o candidato representante da coligação “Todos pelo Maranhão” apareceu com 49% contra 32% do representante do grupo Sarney.

O instituto DataM (protocolo MA-00066/2014) mostrou Flávio Dino com 70,5% e Lobão Filho com 27,6%.

Já o instituto Amostragem (protocolo MA-00063/2014), do dia (02) de outubro, colocava Flávio Dino com 65%. E o representante do grupo Sarney aparecia com 29% dos votos válidos.

Na Econométrica (protocolo MA-00065/2014), Flávio Dino liderava com 67,8%dos votos válidos e com 28,9% o candidato Lobão Filho.

Flávio Dino foi eleito no primeiro turno, no dia 5 de outubro, com 1.877.064 votos (63,52%) e o segundo colocado, Lobão Filho, obteve 995.619 votos (33,69%).

À procura de um vice…

Brandão manteve-se leal ao governador e tem todas as condições de ser lançado vice na chapa governista novamente.

As eleições de 2018 apresentam algumas peculiaridades para o mundo político. Se em anos anteriores as articulações e os acordos eram mais claros, hoje se tornaram um cálculo bem difícil para alguns analistas políticos.

A composição de uma chapa com a escolha de um vice pode significar bastante. Em 2014, a escolha de Carlos Brandão, ainda filiado ao PSDB, deu uma larga vantagem para o então candidato Flávio Dino (PCdoB). O ex-tucano agregou tempo de TV e garantiu o apoio de outros políticos e das centenas de diretórios do PSDB no estado.

Neste ano, apesar de estar filiado ao PRB, Brandão ainda apresenta vários pontos positivos para a chapa de Flávio Dino. Uma situação totalmente diferente para os outros concorrentes.

A ex-governadora Roseana Sarney (MDB) ainda tem muita dificuldade em escolher seu vice. Muito se especula pela escolha do senador João Alberto (MDB) para a vaga, mas seu nome sofre muita resistência da própria, que busca um nome jovem para dar um gás ao seu tão rejeitado grupo político.

Roseana também não tem mais o PT para indicar seu vice. O partido garantiu, nas últimas eleições, um bom tempo de TV para o grupo Sarney, mas hoje já faz parte da base de apoio do governador Flávio Dino.

O pré-candidato Roberto Rocha (PSDB) também apresenta dificuldades para fechar sua chapa. Com três nomes disputando a vaga para o Senado, Roberto Rocha ainda não dá sinais de qual nome viável será indicado para vice de sua chapa. Nem mesmo a garantia da vaga e de uma estrutura num possível governo faz com que Roberto feche um acordo com outra legenda.

Com quatro meses para as eleições, a procura de um vice se tornou um dilema para os candidatos. E o tempo para o fechamentos dos acordos já está acabando.

Zé Inácio articula reunião entre o Sindicato dos Urbanitários e o governador Flávio Dino

A pauta da categoria foi a gestão da Caema, a não privatização da Eletrobrás e soluções aos problemas apresentados pelos sindicalistas.

Com a articulação do deputado estadual Zé Inácio (PT) o Sindicato dos Urbanitários participou na tarde desta quinta-feira 17/05, de uma audiência com o governador do Estado Flávio Dino, no Palácio dos Leões.

 

A pauta da categoria foi a gestão da Caema, a não privatização da Eletrobrás e soluções aos problemas apresentados pelos sindicalistas. No diálogo, o deputado Zé Inácio enfatizou as ações que já estão sendo desenvolvidas para que se chegue a uma melhor prestação de serviço no abastecimento de água à população maranhense.

 

“Nestes três anos foi um dos maiores investimentos realizado pelo governo por meio do tesouro estadual na Caema em cerca de mais de 300 milhões. Por isso, foi discutido sobre uma gestão que venha a otimizar os investimentos que o Governo já disponibilizou, e de forma articulada com o sindicato e a direção da Caema esses serviços serão ampliados tanto em tratamento de esgoto como no abastecimento de água no Estado”, disse Zé Inácio.

 

O governador Flávio Dino disse que está aberto ao diálogo com o sindicato e é contra a privatização do sistema Eletrobrás. “Não é o momento e nem a forma para realizar privatizações, uma política estratégica deve ser preservada para o desenvolvimento do país e assinei a carta reiterando novamente que somos contra.

 

Quanto a Caema há um reconhecimento em comum que estamos fazendo investimentos públicos desde 2015, para que a Caema possa corrigir problemas acumulados ao longo de décadas, mas já há essa convergência plena com a nossa política praticada e com o que o sindicato pensa”, disse o governador.

 

Durante a manhã a diretoria do Sindicato dos Urbanitários, os trabalhadores da Caema e a diretoria da empresa participaram de uma agenda de trabalho com o apoio do parlamentar na Assembleia Legislativa, que realizou um painel de debates sobre uma gestão que venha a proporcionar a reestruturação da empresa.

 

Participaram da audiência com o governador os representantes do Sindicato dos Urbanitários: Rodolfo César Diretor de Saneamento, Vaner Almeida Secretário Geral, Nivaldo Araújo representante da Cut, Aline Marques Borges Secretária de Políticas Sociais, e o assessor jurídico do sindicato Guilherme Zagalo.

União entre PDT e PSB potencializa candidatura de Flávio Dino no Maranhão

PSB oferece três nomes para compor a chapa do pré-candidato, Ciro Gomes. Foto: Jornal Pequeno

Após a desistência do ex-ministro Joaquim Barbosa de concorrer à Presidência da República nas eleições de 2018, o PSB ofereceu, na última quarta-feira (16), três nomes para compor a chapa do pré-candidato, Ciro Gomes (PDT).

Os indicados foram o deputado federal mineiro Júlio Delgado; o ex-prefeito de Belo Horizonte (2009 a 2016), Márcio Lacerda; e o deputado federal paranaense, Luciano Ducci, que também foi prefeito de Curitiba entre 2010 e 2012, após renúncia de Beto Richa para concorrer ao governo estadual.

Os nomes foram apresentados pela cúpula do PSB em reunião com lideranças pedetistas, na casa do líder do partido na Câmara, Wewerton Rocha (MA). A maioria da bancada do PSB aprova a coligação com o ex-governador cearense.

A união entre PDT e PSB potencializa a candidatura à reeleição do governador Flávio Dino (PCdoB) no Maranhão. A coligação dos dois partidos de esquerda fortalece a disputa para que Ciro Gomes esteja no segundo turno das eleições, brigando diretamente com a candidatura apoiada pelo MDB, presidente Michel Temer, ex-senador José Sarney e cia.

Muito amigo do governador Flávio Dino, Ciro Gomes aparece, na última pesquisa CNT/MDA, com 9% das intenções de voto e é tido por muitos analistas como o principal herdeiro dos votos do ex-presidente Lula (PT), caso este seja impossibilitado pela Justiça de concorrer.

Ambos os partidos também fazem da base de sustentação do governador Flávio Dino.

Flávio Dino conclama união da esquerda e defende candidatura de Ciro Gomes

Flávio Dino e Ciro Gomes foram os criadores da Rede da Legalidade contra o impeachment da ex-presidente Dilma Rouseff

As últimas manifestações do governador do Maranhão, Flávio Dino (PCdoB), em pregar a união da esquerda brasileira, têm ganhado grande destaque nas redes sociais e em site de notícias. Ele foi bastante incisivo em convocar todas as forças sociais para, que, em caso da desistência do ex-presidente Lula (PT), todos apoiem o nome do ex-governador do Ceará, Ciro Gomes (PDT), para o Palácio do Planalto.

Essa inclinada de Flávio Dino para a candidatura de Ciro Gomes é uma atitude coerente e decisiva. A esquerda precisa garantir um nome alternativo e, com isso, não corra o risco de o fascismo governar o país por mais quatro anos.

Mesmo que o PT não mude seu entendimento e continue defendendo a candidatura do ex-presidente Lula, as últimas declarações mostram que o governador Flávio Dino tem peso em suas escolhas por conta da repercussão. O exemplo disso é que o atual governador da Bahia, Rui Costa (PT), também começou a defender que os petistas apoiem a candidatura de Ciro Gomes.

Mesmo com todas as críticas do PT contra Flávio Dino e Ciro Gomes, por essas declarações, vale lembrar que foram os mesmos os criadores da Rede da Legalidade, quando a ex-presidente Dilma Rousseff (PT) estava para sofrer o golpe. Ciro Gomes deu palestras e entrevistas todas contra o golpe do atual presidente Michel Temer e virou a sensação até da militância petista.

De fato, a esquerda precisa se unir para que o país volte a respirar ares mais democráticos.

Segundo Data Ilha, Roseana Sarney lidera rejeição na corrida ao Governo do Maranhão

Roseana Sarney lidera os índices de rejeição na disputa ao Governo do Maranhão. Foto: Karlos Geromy

Pesquisa Data Ilha, divulgada na terça-feira (15) pela TV Difusora, aponta que a ex-governadora, Roseana Sarney (MDB), lidera os índices de rejeição na disputa pelo Palácio dos Leões.

Roseana, que já foi governadora por quatro vezes e representa o grupo que comandou o estado por 50 anos, é rejeitada por 39,3% da população. Um alto índice de rejeição para uma candidata que busca disputar mais uma vez o governo.

A ex-governadora sofre para organizar sua pré-candidatura, ainda não definiu seu companheiro de chapa, não obteve sucesso em sua caravana pelo interior do estado, perdeu diversos aliados e ainda sofre processo na Justiça.

A pesquisa Data Ilha/Difusora também aponta que o governador Flávio Dino (PCdoB) venceria a disputa com 60,03% dos votos, mais de 30 pontos percentuais à frente da segunda colocada, a ex-governadora Roseana Sarney, que aparece com 27,68% dos votos válidos.

Aliança entre PCdoB e PSB em São Paulo pode deixar Roberto Rocha isolado na disputa pelo governo do Maranhão

Senador Roberto Rocha

As articulações políticas para a corrida ao Palácio dos Bandeirantes, em São Paulo, envolvendo o atual vice-governador Márcio França, podem acabar de vez com a incerteza sobre o apoio do PSB à candidatura de Flávio Dino (PCdoB) no Maranhão e deixar o senador Roberto Rocha (PSDB) totalmente isolado.

Para viabilizar sua candidatura ao governo do Estado, o senador, ex-socialista, espera contar com o apoio do PSB em sua coligação e somente com a escolha da nova Executiva Nacional Roberto terá a definição.

Atualmente, dois grupos se articulam para a eleição do PSB Nacional prevista para março: o grupo ligado ao atual presidente nacional, Carlos Siqueira, e ao presidente estadual Luciano Leitoa; e o grupo de Márcio França, ligado ao governador Geraldo Alckmin e a Roberto Rocha.

Roberto Rocha acredita que a vitória de Márcio França fará com que o PSB nacional realize uma intervenção no estado e obrigue o partido a apoiá-lo mesmo a contragosto dos filiados.

Acontece que as últimas articulações em São Paulo aproximaram Márcio França e o PCdoB, ao anunciar o apoio do PR à sua candidatura no último dia 15. Márcio França falou sobre a “99% de certeza” de contar também com o apoio do PCdoB em sua coligação.

A aproximação dos comunistas e socialistas certamente trará dobradinhas em outros estados, incluindo o Maranhão, onde os comunistas têm na reeleição do governador Flávio Dino seu principal objetivo.

Roberto Rocha continua isolado politicamente. A inviabilidade da coligação do PSB significaria uma perda enorme no tempo de TV e faria com que o PSDB maranhense entrasse sozinho na disputa pelo Palácio dos Leões.

Júlio Pinheiro assume comando do PCdoB em São Luís…

Júlio Pinheiro foi eleito presidente do PCdoB de São Luís

O PCdoB de São Luís está sob novo comando. O vice-prefeito de São Luís, Júlio Pinheiro, foi eleito presidente do diretório municipal do partido, em substituição a Haroldo oliveira, o Haroldão, que faleceu no dia 4 de dezembro do ano passado.

O professor e sindicalista Júlio Pinheiro foi escolhido pelo comitê municipal do partido em meio a muitas homenagens a Haroldão, dirigente histórico do PCdoB no Maranhão, cofundador do Sindicato dos Ferroviários e um dos principais expoentes da esquerda maranhense, tendo participado ativamente da luta contra a ditadura e pela retomada de democracia no Brasil.

Perfil de Júlio Pinheiro

Natural de Matinha, Júlio Pinheiro é morador da área do Itaqui-Bacanga há 40 anos, com atuação nas áreas de habitação, educação, mobilidade urbana, saúde, cultura e desportos, sempre com o objetivo de fomentar as políticas públicas e inclusão social. Presidiu a Cooperativa Habitacional dos Moradores de Baixa Renda, onde colaborou no projeto de construção, em regime de mutirão, de 120 moradias na comunidade do Gapara.

Sua trajetória política teve início no movimento estudantil, em 1988, como fundador do grêmio estudantil do CEMA do Anjo da Guarda. Formado em História pela UFMA, na área sindical Júlio foi eleito em 2009 presidente do Sindicato dos Trabalhadores em Educação Básica das Redes Públicas Estadual e Municipais do Estado do Maranhão (Sinproessema) e reeleito pela categoria em 2013.

Como presidente do Sinproesemma, Julio esteve à frente de grandes lutas que resultaram em conquistas importantes para os educadores como o Estatuto do Educador, eleição direta para gestores escolares, jornada de 40 horas, ampliação e unificação da matrícula, pagamento de dívidas antigas do Estado com os educadores como as 22 mil progressões, cerca de dez mil titulações e de 15 mil promoções.

O novo presidente municipal do PCdoB dará continuidade aos trabalhos que vinham sendo desenvolvidos por Haroldo Oliveira em São Luis, além de agregar sua vasta experiência política para conduzir o diretório do partido nos próximos anos.

Fonte: ASCOM PCDOB