Em campanha, Flávio Dino visita nove cidades nos próximos dias

Ao lado do vice-governador Carlos Brandão e dos candidatos ao Senado Federal, Weverton Rocha e Eliziane Gama, ele vai percorrer mais oito cidades nos próximos três dias

O governador do Maranhão, Flávio Dino (PCdoB), vai dar o pontapé inicial em sua campanha à reeleição na Raposa, nesta quinta-feira (16). Ao lado do vice-governador Carlos Brandão e dos candidatos ao Senado Federal, Weverton Rocha e Eliziane Gama, ele vai percorrer mais oito cidades nos próximos três dias.

Levando a mensagem que a mudança não pode parar, a coligação “Todos Pelos Maranhão” vai pousar em Imperatriz, nesta sexta-feira (17), e promete agitar o segundo maior colégio eleitoral do Estado. No mesmo dia, Flávio fará uma reunião em João Lisboa.

O sábado (18) também será agitado. A caravana da mudança vai passar pelas cidades de Santa Luzia, Pindaré-Mirim, Santa Inês, Igarapé do Meio e vai encerrar com um comício no município de Monção.

A agenda vai ser encerrada no domingo (19) com uma grande carreata na cidade de Bacabal.

Candidatura de Flávio Dino é registrada no Tribunal Regional Eleitoral

A coligação “Todos Pelos Maranhão” será composta pelo PCdoB, PRB, PDT, PPS, PT, PSB, DEM PP, PR, PTB, PROS, PTC, PPL, Avante, Patriotas e Solidariedade

O governador do Maranhão, Flávio Dino (PCdoB), deu entrada, na quinta-feira (09), no registro de sua candidatura no Tribunal Regional Eleitoral do Maranhão. A coligação “Todos Pelos Maranhão” será composta pelo PCdoB, PRB, PDT, PPS, PT, PSB, DEM PP, PR, PTB, PROS, PTC, PPL, Avante, Patriotas e Solidariedade.

Natural de São Luís, Flávio Dino tem 50 anos, é advogado e professor universitário. Formou-se em Direito pela UFMA, exerceu por 12 anos o cargo de juiz federal, quando deixou a magistratura para se candidatar a deputado federal pelo Maranhão, sendo eleito em 2006.

Foi diretor da Escola de Direito de Brasília do Instituto Brasiliense de Direito Público (IDP) e também presidente do Instituto Brasileiro de Turismo (Embratur), cargo que ocupou de junho de 2011 até março de 2014.

Em 2014, foi eleito em 1º turno pela população maranhense para o cargo de governador do estado, com 63,52% dos votos válidos.

Flávio Dino foi responsável por programas que ganharam destaque a nível nacional como o Mais IDH, que leva diversas ações para os 30 municípios com menor IDH do Maranhão. Outros programas de governo levam políticas públicas para os maranhenses como a Força Estadual de Saúde, Escola Digna, Mais Asfalto e Mais Renda.

“Vai ser linda, alegre e vencedora”, afirma Flávio Dino sobre as eleições de 2018

O PCdoB já informou que o registro da chapa governista irá acontecer normalmente no Tribunal Regional Eleitoral do Maranhão

O governador do Maranhão, Flávio Dino (PCdoB), voltou a falar sobre os últimos acontecimentos e das ações da oposição em tumultuar o processo eleitoral de 2018 no Maranhão.

“Reiterando: não estou inelegível. O vice-governador Carlos Brandão também não está inelegível. O resto é a velha prática do grupo Sarney/Murad. Estão com síndrome de abstinência de privilégios. Aí ficam inventando coisas sem sentido”, escreveu Flávio Dino.

O PCdoB já informou que o registro da chapa governista irá acontecer normalmente no Tribunal Regional Eleitoral do Maranhão. Sobre isso Flávio Dino escreveu que está “contando os dias para começar a campanha eleitoral. Vai ser linda, alegre e vencedora. Com a cara da esperança e respaldada em uma trajetória honrada, 100% ficha limpa”.

“Nossos adversários vão ter que disputar as eleições, vão ter que disputar no voto popular, que é o certo, isso com toda segurança, tanto que minha candidatura vai ter seu registro apresentado e vai ocorrer tudo bem” finalizou o governador.

PCdoB emite nota sobre ação do grupo Sarney que visa desestabilizar processo eleitoral no Maranhão

O Partido Comunista do Brasil (PCdoB) emitiu nota sobre decisão monocrática de juíza em relação ao governador do Maranhão, Flávio Dino.

1. A ação movida por Ricardo Murad, coordenador de campanha de Roseana Sarney, visa apenas desestabilizar o processo eleitoral e reflete o desespero de quem está atrás nas pesquisas.
2. A fragilidade da decisão judicial está exposta por basear-se em uma suposta prova de 2018, que comprovaria suposta irregularidade cometida dois anos antes.
3. Certamente a sentença não tem nenhum valor jurídico e será anulada.

Confira carta aberta do presidente do PCdoB-MA e pré-candidato a deputado federal

“Aos que me agridem: graças a Deus tenho uma biografia, uma trajetória e uma atuação política decente, honrada, ética, honesta a me protegerem“ escreveu Márcio Jerry

[email protected] [email protected],

A semana começou com mais uma orquestração de mentiras, calúnias, difamações torpes tentando atingir minha honra e de familiares meus. Ações arquitetadas nos porões do velho poder oligárquico corrupto, que dá sinais de desespero com mais uma vitória do povo em outubro próximo com a reeleição do companheiro governado Flávio Dino. E sinais doentios de desespero com a possibilidade de minha eleição à Câmara Federal.

Eles agridem mas não me intimidam; eles mentem, mas a verdade se sobrepõe; eles caluniam e difamam, mas a Justiça haverá de reparar na forma da lei.

E eu seguirei de cabeça erguida, com a mesma coerência aos sonhos, projetos e compromissos da vida inteira. Seguirei lutando em defesa do governo Flávio Dino e da reeleição dele para que o Maranhão continue no rumo certo. Seguirei com a mesma coragem combatendo um esquema corrupto que pilhou o nosso estado por décadas e se achou até dono do nosso Maranhão, esquema esse que sofre com a abstinência de recursos públicos para alimentar suas farras particulares e recorre agora, mais uma vez, a armações para tentar voltar ao comando do Maranhão pela via da violência política, da mentira, da baixaria.

Aos que me agridem: graças a Deus tenho uma biografia, uma trajetória e uma atuação política decente, honrada, ética, honesta a me protegerem. Perdem tempo, pois.

Aos tantos e tantos amigos e amigas, companheiros de luta e sonhos: vocês me conhecem e sabem que essa orquestração é apenas mais um capítulo de baixarias bancadas pelo decadente poder oligárquico e seus poucos comparsas. Eles não aceitam as mudanças que estão sendo feitas pelo governador Flávio Dino e temem que minha militância pelo que é bom, belo e justo, chegue à Câmara Federal.

À luta, sempre. Ao combate, viva o povo maranhense!
Venceremos!
Abraço,
Márcio Jerry

União entre PT e PCdoB fortalece Flávio Dino no campo da esquerda

A união eleva a imagem do governador no campo da esquerda. Flávio Dino foi um dos maiores defensores para que as forças sociais e progressistas se unissem para derrotar forças da direita extremista

O PCdoB fechou questão e anunciou, na noite de domingo (05), apoio à candidatura do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT). A retirada do nome da deputada estadual Manuela D’Ávila da corrida ao Palácio do Planalto fortalece o campo democrático da esquerda.

Os reflexos da união entre PT e PCdoB em nível nacional fortalece o nome do governador Flávio Dino (PCdoB), candidato à reeleição. Aliados desde as eleições de 1989 em nível nacional, PT e PCdoB marcarão finalmente unidos no Maranhão.

A união eleva a imagem do governador no campo da esquerda. Flávio Dino foi um dos maiores defensores para que as forças sociais e progressistas se unissem para derrotar forças da direita extremista.

Flávio Dino também foi um dos maiores defensores da manutenção do mandato da ex-presidente Dilma Rousseff (PT), pela defesa do ex-presidente Lula e soltura após a injusta prisão.

Roseana Sarney, José Sarney e Edison Lobão vinham dando, ultimamente, declarações em apoio a Lula, tentando surfar na popularidade do ex-presidente no estado. A manobra visava ludibriar o eleitor maranhense e esconder que o MDB foi o maior fiador do impeachment de Dilma e que Roseana Sarney foi a coordenadora do golpe.

Finalmente unidos na esfera federal e estadual, o PT e PCdoB trabalharão para que a esquerda saia ainda maior após as eleições do dia 07 de outubro.

Respeitado por vários partidos, movimentos sociais e atores do campo da esquerda a nível nacional, Flávio Dino sairá bem mais fortalecido com essa união.

PCdoB retira candidatura de Manuela e fecha acordo com PT

O PT terá o apoio do PCdoB, PROS, PCO, de parte do PSB e dos setores progressistas do MDB

As direções do PT e PCdoB chegaram a um acordo às 23h30 deste domingo (5) e decidiram que Manuela D’Ávila será a candidata a vice-presidente na chapa. O PT sai neste momento com a chapa Lula-Haddad, mas o compromisso é que ela será indicada vice de Lula se a candidatura do ex-presidente for deferida ou como vice de Haddad partir de uma impugnação do nome de Lula.

Com isso, o PT terá o apoio do PCdoB, PROS, PCO, de parte do PSB e dos setores progressistas do MDB.

Registrar Haddad como vice seria uma “estratégia eleitoral”, nas palavras da presidente do PT, senadora Gleisi Hoffmann (PR), para dar contornos oficiais à essa “representação”. Na prática, a expectativa é que com o ex-presidente não conseguindo obter uma liberação da Justiça para concorrer, Haddad assuma a cabeça de chapa e a comunista ocupe o seu prometido lugar de vice.

O acordo foi fechado numa reunião em São Paulo da qual participaram as presidentes do PT e do PCdoB, Gleisi Hoffmann e Luciana Santos. Estavam no encontro, além delas, o próprio Haddad, o senador Lindbergh Farias (RJ), o deputado Paulo Teixeira (SP), o ex-deputado Márcio Macedo (SE) e o ex-prefeito de Osasco Emídio de Spuza pelo PT. Pelo PC do B, seu ex-presidente Renato Rabelo e mais o deputado federal Orlando Silva e Walter Sorrentino, vice-presidente do partido.

Depois da reunião, a Comissão Política Nacional do PCdoB reuniu-se e aprovou os termos do acordo, com a presença de Manuela D’Ávila em videoconferência do Rio Grande do Sul. A seguir, os dirigentes comunistas foram à sede do PT em São Paulo, para o anúncio formal do acordo.

Apesar de ser a oitava vez que o PCdoB apoia o PT, essa será a primeira em que os comunistas indicarão o companheiro de chapa. Os petistas indicaram presidente e vice em 1994 e nas demais composições foram escolhidos nomes de outros partidos: PSB (1989), PDT (1998), PL (atual PR, 2002), PRB (2006) e PMDB (atual MDB, 2010 e 2014).

Sarney vive síndrome de abstinência de privilégios, diz governador do Maranhão

“A vitimização talvez seja um linha que eles [os Sarney] venham a adotar na sua retórica do desespero”, disse Flávio Dino

Folha de São Paulo

O governador do Maranhão, Flávio Dino (PC do B), rebateu a acusação do ex-presidente José Sarney (MDB), que se disse perseguido pelo adversário político.

“Sarney está no poder há 50 anos, de Juscelino Kubitschek a Michel Temer. Imagina euzinho perseguir alguém? Não tem aderência, é meio jocoso ele dizer isso. Ninguém aqui leva a sério”, afirmou à Folha por telefone nesta terça-feira (31).

“A vitimização talvez seja um linha que eles [os Sarney] venham a adotar na sua retórica do desespero”, disse.

No domingo (29), ao lançar a candidatura da filha, Roseana Sarney (MDB), ao governo do Maranhão, o ex-presidente criticou o adversário.

“O governo atual, a minha impressão é que tem os olhos no retrovisor, só olha para trás e o escolhido é o Zé Sarney. Coitado de mim! Nesta idade, era para ser respeitado. Entretanto, só é acusado. Acusado de ter passado a minha vida a serviço do Maranhão”, disse Sarney no palanque, em São Luís.

O ex-senador acaba de transferir seu domicílio eleitoral de volta ao estado natal, depois de 30 anos se elegendo pelo Amapá. Flávio Dino afirmou que a acusação, que ele considerou grave, é desprovida de fundamentos. “A fundação dele está aqui, a emissora dele [Mirante, afilhada da Globo] está aqui e anunciamos nela —teve de dividir com outros veículos, mas recebeu”, disse.

Para o comunista, a tentativa de retomar o poder do clã tem razões também financeiras. “É síndrome de abstinência de dinheiro público, de privilégios. Eles sempre tiveram acesso amplo aos cofres públicos para seus negócios privados e para manter seus luxos”, atacou.

Mas o governador afirmou que a população entende que “a volta dos Sarney seria um retrocesso ao Maranhão da concentração de poder e de riqueza e uma brutal ineficiência”.

“Eles se acham donos do estado.”

A eleição no Maranhão está judicializada. Dino apelou às cortes para dar uma entrevista à rede de rádios da Mirante depois de Roseana ter tido quase meia hora ao microfone. Aliados da emedebista, por sua vez, foram à Justiça para obrigar Dino a tirar publicidade institucional do governo de suas redes sociais.

PCdoB confirma Manuela D’Ávila candidata à Presidência da República

Manuela fez questão de sinalizar que a oficialização da sua candidatura não fechou as portas para a construção de uma frente única da esquerda para as eleições de outubro

Em Convenção Nacional, o Partido Comunista do Brasil (PCdoB) oficializou nesta quarta-feira (1º de agosto) a candidatura da deputada gaúcha Manuela D’Ávila à Presidência da República. Ao discursar como candidata, Manuela disse que a gestão de Michel Temer “é um governo de traição ao Brasil” e que sua candidatura é para barrar o desmonte do estado e a retirada de direitos.

“Eu sou candidata para defender o nosso país da cobiça das grandes coorporações e potencias internacionais. Eu sou candidata porque o Brasil é um sonho que pode ser realizado. Eu sou candidata porque acreditamos que o projeto nacional de desenvolvimento pode ser construído”, disse ela sob aplausos dos convencionais que lotaram o auditório Nereu Ramos, na Câmara dos Deputados.

Manuela fez questão de sinalizar que a oficialização da sua candidatura não fechou as portas para a construção de uma frente única da esquerda para as eleições de outubro. Ela reafirmou que o seu desejo e o esforço do PCdoB é pela unidade e que vão buscar construir essa alternativa ainda no primeiro turno.

“Nós do PCdoB laçamos hoje a minha candidatura, mas assim como em todos os momentos dessas 32 semanas em que nós estamos em pré-campanha, nunca fomos e nunca seremos óbice a unidade do nosso campo político”, frisou. “Para nós, vencer a quinta eleição consecutiva é uma obrigação”, acrescentou.

Emocionada, Manuela agradeceu a militância pela acolhida durante toda a sua pré-campanha

Emocionada, Manuela agradeceu a militância pela acolhida durante toda a sua pré-campanha. Disse que é uma “honra enorme de ocupar essa tribuna pela primeira vez como candidata à Presidência da República”.

“Nunca a menina que há 20 anos se filiou ao PCdoB imaginou que caberia a ela a honra de representar gerações e gerações de homens e mulheres que lutam pelo desenvolvimento do nosso país. Recebo esse desafio com a exata dimensão do que é carregar a nossa bandeira e o sonho de um Brasil livre e desenvolvido.”

Manuela voltou a afirmar que a candidatura do tucano Geraldo Alckmin (PSDB), alardeada pela grande mídia pelo apoio do chamado centrão, é apenas a continuação da agenda entreguista de Michel Temer.

“Não vamos permitir que eles, com as suas roupas variadas e com a mudança de personagem, continuem com o seu projeto único de entrega das nossas riquezas e de destruição do Brasil e do estado. Precisamos estar o mais unidos possível para vencer as eleições e interromper esse ciclo de destruição do país e dos direitos do nosso povo”, defendeu.