Temer e Sarney não queriam um aliado de Dino em Brasília, confirma G1

Sarney teria vetado Pedro Fernandes

O portal G1 confirmou, nesta terça-feira (2/jan), que o presidente Michel Temer e seu principal conselheiro, o ex-senador José Sarney, vetaram o novo ministro Pedro Fernandes (PTB-MA) por ele ser aliado do governador Flávio Dino.

Sarney não queria favorecer um deputado que irá fazer campanha para o seu principal adversário no Maranhão. “Aqui no Maranhão continuaremos com o governador Flávio Dino”, disse Pedro Fernandes ao Jornal Pequeno.

E Temer não queria favorecer “um de seus principais críticos”, o governador Flávio Dino, disse o G1.

Pedro Fernandes diz que foi vetado por Sarney e por isso não será mais ministro do Trabalho; Ex-senador nega veto…

O parlamentar maranhense disse que “não deu” para ser ministro porque seu nome criaria “embaraço” entre o presidente Michel Temer e Sarney

Do G1

Parlamentar do PTB, que havia anunciado na semana passada convite para comandar a pasta, afirmou que foi ‘vetado’ pelo ex-presidente José Sarney. Planalto ainda não se manifestou.

O deputado Pedro Fernandes (PTB-MA), que havia anunciado na semana passada ter recebido e aceitado convite para comandar o Ministério do Trabalho, afirmou nesta terça-feira (2) à TV Globo que não irá mais assumir a pasta porque foi “vetado” pelo ex-presidente José Sarney (PMDB).

O parlamentar maranhense disse que “não deu” para ser ministro porque seu nome criaria “embaraço” entre o presidente Michel Temer e Sarney, um dos políticos mais influentes do PMDB e do Maranhão, base eleitoral de Pedro Fernandes.

“Infelizmente, não deu, devido ao embaraço que eu crio na relação do presidente Temer com o ex-presidente José Sarney”, relatou Pedro Fernandes à TV Globo.

“Veto do Sarney”, complementou o deputado do PTB, ressaltando que não foi anunciado ministro do Trabalho por ter sido vetado pelo ex-presidente da República.

Em entrevista ao colunista do G1 e da GloboNews Gerson Camarotti, Sarney negou que tenha vetado o nome de Pedro Fernandes para o Ministério do Trabalho.

“Não fui consultado e não vetei”, disse Sarney.

“Ele [Pedro Fernandes] quer arrumar uma desculpa. Colocar a responsabilidade sobre as minhas costas. Se, no passado, não vetei Flávio Dino para a Embratur, não faria isso para alguém que foi nosso amigo”, complementou o ex-presidente da República, em uma referência ao atual governador do Maranhão, que presidiu a estatal do turismo durante o governo Dilma Rousseff.

Líder do PTB na Câmara, o deputado Jovair Arantes disse nesta terça à TV Globo que ninguém do Palácio do Planalto entrou em contato com ele para comunicar que Pedro Fernandes não seria mais ministro. Segundo ele, se houve realmente veto por parte de alguém do PMDB, seria uma “indelicadeza” e um “constrangimento” para a bancada do PTB na Câmara.

Arantes cobrou uma explicação por parte do Planalto. Jovair Arantes participou da audiência entre Temer e presidente do PTB, Roberto Jefferson, na qual Ronaldo Nogueira pediu demissão. Na mesma reunião, a cúpula do PTB apresentou ao presidente da República o nome de Pedro Fernandes para o Ministério do Trabalho.

“Não existe plano B, enfatizou o líder do PTB em relação a um novo nome do partido para o comando da pasta.

G1 entrou em contato com a assessoria do Palácio do Planalto, mas até a última atualização desta reportagem ainda não havia obtido uma resposta.

Waldir Maranhão e Pedro Fernandes na lista dos que mais gastaram do “cotão” na Câmara em 2015

Meio Norte

Waldir Maranhão foi o terceiro mais gastador da Câmara Federal em 2015

Waldir Maranhão foi o terceiro mais gastador da Câmara Federal em 2015

Os deputados federais gastaram R$189.001.312,63 do chamado “cotão” em 2015 e nos primeiros 11 dias de 2016. O valor é quase 10 vezes maior que o utilizado pelos senadores (R$ 22,8 milhões) no ano passado. Na lista, aparecem dois parlamentares maranhenses, Waldir Maranhão (PP) e Pedro Fernandes (PTB), respectivamente em terceiro e em nono lugares, como os que mais gastaram no ano passado.

As informações foram divulgadas pela Câmara por meio de dados abertos e organizadas pelo site Olho Neles!, dedicado a monitorar o uso da Cota para Exercício da Atividade Parlamentar (Ceap).

O uso do “cotão” é regulamentado por um ato da Mesa Diretora da Câmara, de 2009, e o total mensal disponível para cada parlamentar varia conforme o Estado. Vai de R$ 27.977,66 (para quem é eleito por Brasília) a R$ 41.612,80 (os de Roraima).

Em 2015, o campeão de gastos do “cotão” foi Felipe Bornier (PSD-RJ), seguido pelo líder do PMDB, Leonardo Picciani (RJ), e por Waldir Maranhão (PP-MA), atual vice-presidente da Câmara.

Conheça a lista dos 20 deputados que mais usaram recursos do “cotão” em 2015:

cota parlamentar

Pedro Fernandes comandará Bancada Maranhense no Congresso

O senador Roberto Rocha elogiou a indicação de Pedro Fernandes  para o posto

O senador Roberto Rocha elogiou a indicação de Pedro Fernandes para o posto

O deputado federal Pedro Fernandes (PTB) foi escolhido, por aclamação, para o comando da bancada maranhense no Congresso Nacional, que conta com 18 deputados federais e três senadores do Estado.Nesta segunda-feira, 2, primeiro dia de atividades após a posse, o senador Roberto Rocha participou de uma reunião com os parlamentares, onde ocorreu a votação

Único senador do Maranhão a participar da reunião, Roberto Rocha destacou que quer estar sempre presente nas discussões das questões que dizem respeito aos maranhenses. “Hoje, temos uma bancada muito qualificada que tem a presença de dois ex-governadores e de vários outros deputados experientes. Eu, orgulhosamente, participei por três mandatos como deputado federal e, agora, na posição de senador, quero ajudar sempre que possível”, enfatizou.

Roberto Rocha ressaltou a escolha do deputado federal Pedro Fernandes para ser o coordenador da Bancada Federal do Maranhão. “Quero me posicionar de acordo com a indicação do companheiro Pedro Fernandes para ser o coordenador. Acho que é chegada a hora da bancada fazer uma mudança. Boa sorte a todos nós nessa nova empreitada”, completou o senador.

Além de Roberto Rocha e do novo coordenador Pedro Fernandes, participaram da reunião os deputados federais Waldir Maranhão, Hildo Rocha, José Reinaldo, André Fufuca, João Castelo, Victor Mendes, Weverton Rocha, Rubens Pereira Jr, Juscelino Filho, Eliziane Gama, Júnior Marreca, Julião Amim, Zé Carlos e Cléber Verde.