PMN desiste de lançar ex-apresentadora do Jornal Nacional Valéria Monteiro

Sem um representante competitivo na corrida presidencial, o PMN dificilmente passará pela Cláusula de Barreira, imposta pela última reforma eleitoral

O Partido da Mobilização Nacional decidiu abrir mão da corrida presidencial. A jornalista Valéria Monteiro, ex-apresentadora do Jornal Nacional, era, até então, a principal aposta. Porém, a hipótese foi descartada ao não atingir 3% das intenções de voto nas pesquisas realizadas pelo partido.

A presidência do PMN informou que a baixa popularidade de Monteiro e a atual estrutura do partido influenciaram na decisão.

A jornalista afirmou que, ao se filiar, o acordo era atingir, no mínimo, 1,5% das intenções de voto. Afirmou ainda que a direção do partido nunca fez o lançamento oficial de sua pré-candidatura, tampouco comunicou seu nome aos institutos de pesquisa.

O PMN elegeu, em 2014, apenas três representantes na Câmara Federal e é considerado um dos partidos nanicos. Tem pouco tempo de TV no horário eleitoral gratuito e pouca participação no Fundo Partidário.

Sem um representante competitivo na corrida presidencial, o PMN dificilmente passará pela Cláusula de Barreira, imposta pela última reforma eleitoral.

José Reinaldo reascende crise no PSDB

Para o meio político é totalmente inimaginável a atitude de José Reinaldo, que pertence a uma legenda com pré-candidato definido, mas que insiste na pré-candidatura de um nome de uma outra legenda

Ao anunciar a pré-candidatura do deputado estadual, Eduardo Braide (PMN), ao governo do Estado, o deputado federal, José Reinaldo (PSDB), reascende a crise em seu novo partido.

José Reinaldo compartilhou em vários grupos de mensagens a informação que o deputado estadual, Eduardo Braide, o autorizava a anunciar sua pré-candidatura em definitivo. Ao fazer isso, o pré-candidato ao Senado desafia o PSDB, que já decidiu que o senador Roberto Rocha é o candidato oficial do partido.

Sua atitude cria, mais uma vez, crise interna no partido. Como todos já sabem, José Reinaldo e Roberto Rocha carregam há anos, uma grande rivalidade, o que agora só tende a aumentar.

A atitude também provoca o secretário estadual da sigla e ex-prefeito de Imperatriz, Sebastião Madeira, que já foi categórico em afirmar que Roberto Rocha é o candidato ao governo, para que o projeto nacional do PSDB em eleger o ex-governador, Geraldo Alckmin, presidente, seja trabalhado no estado.

Para o meio político é totalmente inimaginável a atitude de José Reinaldo, que pertence a uma legenda com pré-candidato definido, mas que insiste na pré-candidatura de um nome de uma outra legenda.

José Reinaldo, ao provocar a ira do PSDB e de seus membros, abre caminho para o deputado federal Waldir Maranhão, que ainda não desistiu de seu desejo de chegar ao Senado Federal.

Com dois segundos de TV, Eduardo Braide reafirma pré-candidatura ao governo…

Mesmo com apenas 2 segundos de TV,  Braide ainda diz manter sua pré-candidatura.

Faltando sete meses para as eleições de 2018, as articulações políticas do pré-candidato ao governo do Estado e deputado estadual, Eduardo Braide (PMN),  caminham para uma disputa “puro sangue”.

Em entrevista ao jornal O Imparcial, ele disse que já percebeu o sentimento popular de apoio ao seu projeto, mas ainda carece de apoios e de alianças para o projeto estadual.

Braide tenta uma coligação com o pré-candidato ao Senado Federal, Zé Reinaldo (Sem partido), e o DEM, mas ainda não obteve retorno.

Mesmo com apenas dois segundos de TV,  ele garantiu que mantém sua pré-candidatura.

Eduardo Braide: Arrogância, telhado de vidro, muitos ataques e poucas propostas…

Braide ficou marcado, no segundo turno, pela arrogância, revelações de que é investigado pela Polícia Federal, poucas propostas e muitos ataques

Braide ficou marcado, no segundo turno, pela arrogância, revelações de que é investigado pela Polícia Federal, poucas propostas e muitos ataques

O candidato do PMN, Eduardo Braide, termina o segundo turno da eleição em São Luís com a imagem de um político arrogante, que tentou se desvincular de velhos aliados por oportunismo, que quis se passar pelo “novo”, que mentiu sobre acenos a conhecidas raposas, e criou desentendimentos dentro do seu próprio grupo, onde se lançou e se reelegeu parlamentar,  pois já se achava eleito prefeito sem precisar de ninguém. O deputado ficou marcado também como aquele que somente ataca o adversário e propõe muito pouco, tanto é que pediu para reduzir o tempo de propaganda no rádio e na TV de 20 para dez minutos.

As revelações – dando conta que o deputado é investigado pela Polícia Federal por conta de suposto envolvimento com a máfia de Anajatuba, acusada de desviar milhões de recursos públicos de um município pequeno e pobre; que recentemente teve o sigilo bancário quebrado; que mantinha laranjas em seu gabinete, etc – desequilibraram o candidato e fizeram-no cair nas pesquisas. A rejeição de Braide, que tem telhado de vidro, cresceu bastante, de acordo com todos os institutos de pesquisa, resultado dos diversos fatos que vieram à tona e o colocaram como líder nesse quesito.

O debate da TV Mirante também revelou Braide como um candidato bom de lábia, por ser parlamentar e ter experiência nos embates de tribuna, porém fraco em conhecimentos de gestão pública, apenas um político de gogó. Na Assembleia Legislativa, só lembrou de destinar emendas para São Luís neste ano de 2016, porque pretendia disputar a Prefeitura de São Luís.

Poucas propostas, muitos ataques

E de propostas? Braide apresentou um programa de governo, se é que se pode chamar assim, sem detalhamentos de como e com que recursos iria fazer ou implantar suas propostas. O que ele chama de plano, resume-se a um panfleto fino com poucas ideias soltas e perdidas, coisa que mais parece um improviso de quem não achava que passaria para o segundo turno.

A proposta mais relevante de Eduardo Braide parece que foi mesmo “atacar o adversário”. Os programas do candidato do PMN foram marcados pela arrogância e por ataques ao prefeito Edivaldo Holanda Jr, que disputa a reeleição. Ele, que se queixava de ter tido apenas dez segundos de tempo de programa eleitoral, no primeiro turno, não soube aproveitar o espaço do segundo turno ou não conseguiu elementos suficientes para apresentar a seu favor.

Considerado um dos “coveiros” de Eliziane, José Joaquim anuncia apoio a Eduardo Braide…

Coveiro de Eliziane, vereador José Joaquim declarou apoio a Eduardo Braide em caminhada no São Bernardo

Apontado como um dos “coveiros” de Eliziane, vereador José Joaquim declarou apoio a Eduardo Braide em caminhada no São Bernardo

Considerados um dos aliados que ajudaram a “enterrar” o projeto da candidata do PPS, deputada Eliziane Gama, à Prefeitura de São Luís no primeiro turno, o vereador José Joaquim (PSDB),  a partir do ano que vem sem mandato, declarou, nesta segunda-feira (10), apoio à candidatura de Eduardo Braide (PMN). A adesão do parlamentar, apontado como um dos “coveiros” da pepessista, foi oficializada durante caminhada realizada no bairro do São Bernardo.

Depois de liderar as pesquisas pela Prefeitura de São Luís, Eliziane Gama viu o seu barco começar a afundar com o anúncio do “pesado” vereador José Joaquim como seu candidato a vice-prefeito. Tucano das antigas e um dos amigos mais próximos do ex-prefeito João Castelo (PSDB), o parlamentar é daqueles que ninguém aguenta nem ouvir cinco minutos de discurso por ser reconhecidamente prolixo e enfadonho.

Figura antiga e considerado retrógrado em suas ideias e posições, José Joaquim foi um dos responsáveis pela derrocada de Eliziane Gama de confortável lugar nas pesquisas, acima dos 30%, para um fatídico quarto lugar ao final das eleições com pouco mais de 6%. Seu jeito “devagar quase parando” pega carona agora na campanha de Eduardo Braide. A estratégia é conseguir um lugar ao céu em um hipotético governo do PMN, já que ficará sem mandato a partir de 2017.

“A vinda do vereador José Joaquim para a nossa campanha amplia a frente de trabalho pelo bem de São Luís. A experiência do vereador vai nos ajudar muito para resolvermos problemas da cidade, melhorando assim, a vida das pessoas”, disse Eduardo Braide ao anunciar José Joaquim para o seu grupo de apoiadores políticos.

Derrotados nas urnas se encostam em Braide

Mas a lista de apoiadores de Braide não pára por aí. Derrotados nas urnas como Marlon Garcia (PT do B), Armando Costa (PSDC) e Manoel Rego (PP) também resolveram se encostar na campanha de Braide, já que ficarão sem mandato a partir de 2017 e barganham futuros cargos, caso o candidato do PMN seja eleito. Sem prestígio político e sem espaço no grupo do prefeito Edivaldo Holanda Júnior (PDT), restou-lhes essa alternativa.

Já os vereadores Estevam Aragão (PSB) e Chaguinhas (PP), que também se encostam em Eduardo Braide, neste segundo turno, já eram oposição ao pedetista e apenas mantiveram suas posições.

Procuradoria representa contra partidos por propaganda irregular

Eduardo Braide tentou se projetar pela propaganda do PMN

Eduardo Braide tentou se projetar pela propaganda do PMN

Wellington do Curso também teria se aproveitado de propaganda, segundo PRE

Wellington do Curso também teria se aproveitado de propaganda, segundo PRE

A Procuradoria Regional Eleitoral no Maranhão (PRE/MA) representou contra o Partido Progressista (PP), Partido Trabalhista Brasileiro (PTB), Partido Socialista Brasileiro (PSB) e Partido da Mobilização Nacional (PMN) junto ao Tribunal Regional Eleitoral do Maranhão por prática de propaganda partidária irregular. De acordo com a ação, os partidos utilizaram o tempo destinado à propaganda partidária para promover pré-candidatos à Prefeitura Municipal de São Luís nas próximas eleições.

Em junho desse ano, os deputados estaduais Carlos Wellington de Castro Bezerra, mais conhecido como Wellington do Curso (PP), Ubirajara do Pindaré Almeida Sousa, conhecido como Bira do Pindaré (PSB), e Eduardo Salim Braide (PMN) participaram ativamente de inserções de seus respectivos partidos em emissora de televisão local com o objetivo de atender a interesses pessoais, já que são apontados como pré-candidatos a prefeito da capital maranhense. Na inserção do PP, o deputado Wellington do Curso falou abertamente estar “lançando, oficialmente, a pré-candidatura a prefeito de São Luís”.

De acordo com o procurador regional eleitoral, Thiago Ferreira de Oliveira, os três partidos “desvirtuaram a propaganda partidária, que tem como finalidade promover as ideias e programas do partido, e não ser usada como instrumento de promoção pessoal de qualquer filiado”.

Já o PTB, no mesmo mês, teria promovido o atual prefeito da capital maranhense, Edivaldo de Holanda Braga Júnior, filiado ao Partido Democrático Trabalhista (PDT). Nas inserções do partido, Edivaldo anunciou suas realizações no exercício do cargo. Segundo a ação, o “PTB submeteu-se a ser um veículo de propaganda do PDT e da futura candidatura do Sr. Edivaldo Holanda Júnior à reeleição ao cargo de Prefeito de São Luís”, o que também é vedado por lei.

De acordo com a PRE/MA, ao permitir a promoção pessoal de pretenso candidato a cargo eletivo em programa partidário e, no caso do PTB, permitir ainda a participação de pessoa não filiada, os partidos submeteram-se à aplicação de penalidade definida em lei, que prevê o desconto de tempo de programação no semestre seguinte àquele em que é praticado o ato ilícito.

Por esse motivo, a Procuradoria Regional Eleitoral no Maranhão pede que o direito de transmissão do Partido Progressista (PP), Partido Trabalhista Brasileiro (PTB), Partido Socialista Brasileiro (PSB) e Partido da Mobilização Nacional (PMN) seja reduzido em cinco vezes o tempo das inserções irregulares no primeiro semestre de 2017, já que a pena não pode ser aplicada no segundo semestre de 2016, por ser proibida a veiculação de propaganda partidária gratuita nesse período.

MAIS UM! Eduardo Braide se lança a prefeito de São Luís…

Eduardo Braide tenta barganhar politicamente ou uma projeção política com pré-candidatura a prefeito de São Luís

Eduardo Braide tenta barganhar politicamente ou uma projeção política com pré-candidatura a prefeito de São Luís

O deputado estadual Eduardo Braide (PMN) se lançou pré-candidato a prefeito de São Luís, na sessão desta quarta-feira (06). Justificou que teve um número considerável de votos, nas eleições estaduais, na capital maranhense e que nutre desejo de entrar na disputa.

Mas esse “santo” parece que está querendo “reza”, como se diz no ditado popular. A pré-candidatura de Braide teve manifestações favoráveis entre os deputados, mas, nos bastidores, é enxergada como uma jogada para tentar conseguir compor chapa como candidato a vice-prefeito de um dos pré-candidatos fortes. O PMN é um partido pequeno e deve ter dificuldade de coligações na disputa.

Durante o pronunciamento, a deputada Andrea Murad aparteou Eduardo Braide para dizer que também está tentando ser candidata a prefeita de São Luís pelo seu partido. Da Assembleia, há também como pré-candidatos a prefeito de São Luís, Bira do Pindaré, pelo PSB e Wellington do Curso pelo PP. No total, são quatro parlamentares que tentam viabilização de candidaturas ao comando da Prefeitura da capital.

Na verdade, esses deputados querem mesmo é tentar uma projeção maior através de uma candidatura a prefeito de São Luís. Todos têm mandato e não têm nada a perder, disputando essa eleição que se avizinha.

Querem aproveitar mídia de campanha e tempo de TV para barganharem politicamente, projeção ou construírem caminho para as eleições futuras, ao exemplo do que fizeram tantos outros, assim como a hoje deputada federal, Eliziane Gama (PSB), que cresceu nas eleições municipais passadas.