Sem definição sobre partido, Eduardo Braide observa novas figuras entrarem na disputa pela Prefeitura de São Luís

Decidido em sair do PMN, o deputado ainda não divulgou qual será o seu destino partidário

Após a posse dos deputados estaduais e federais no início de fevereiro, o jogo político se volta para a eleição de 2020. Sem dúvidas, a disputa pela Prefeitura de São Luís será uma das mais concorridas dos últimos anos podendo ter número recorde de candidatos.

A corrida ao Palácio de La Ravardiere já coloca o deputado federal Eduardo Braide como um dos principais concorrentes, principalmente pelos resultados das disputas de 2016 e 2018. Mas sem a definição de seu novo partido, ele olha algumas figuras largando na frente.

Decidido em sair do PMN, o deputado ainda não divulgou qual será o seu destino partidário. Políticos, que desejam se candidatar a vereador em 2020, também aguardam a definição de Braide para decidirem seus destinos e traçar suas estratégias.

Enquanto isso, Eduardo Braide olha algumas figuras darem largada na corrida ao executivo da capital. Até o momento, são pelo menos 15 pré-candidatos que já iniciaram os trabalhos em seus partidos e suas bases.

Eduardo Braide prepara para os próximos dois dias o anúncio do novo partido

O deputado federal eleito, Eduardo Braide, vai anunciar nos próximos dois dias o seu novo partido. Braide foi eleito pelo PMN, legenda em que foi presidente nos últimos anos, mas anunciou sua saída após a legenda não passar pela Cláusula de Barreira, aprovada na última reforma política.

Informações dão conta que Braide pode ir para o Podemos, partido liderado no Maranhão pelo deputado federal Aluísio Mendes e que na última eleição lançou como candidato à Presidência da República o senador Álvaro Dias.

Mesmo com as especulações afirmando que o Podemos pode ser o partido escolhido por Braide, o Avante continua sendo uma das opções e pode acolher o deputado federal. O Avante é presidido no Maranhão pelo prefeito de Santa Rita, Hilton Gonçalo.

Eduardo Braide já foi deputado estadual por duas vezes e é um dos prováveis candidatos à prefeitura de São Luís em 2020.

Entrada de Eduardo Braide no PSL teria resistência de Allan Garcês

A saída do deputado federal eleito Eduardo Braide do PMN e sua possível entrada no PSL do presidente Jair Bolsonaro ganhou mais um personagem. O médico e ex-candidato a deputado federal, Allan Garcês, estaria tendo resistência à entrada do parlamentar no PSL.

Allan já é pré-candidato pelo PSL na disputa para a prefeitura de São Luís em 2020. Com a entrada de Braide, ele teme ser retirado da corrida, já que o nome do deputado está em melhor posição do que o seu.

Eduardo Braide já teve dois mandatos de deputado estadual, foi eleito recentemente deputado federal e, em 2016, ficou em segundo lugar na disputa para a prefeitura de São Luís, surpreendendo a todos na eleição da capital.

Como o PMN não passou pela Cláusula de Barreira, Braide já anunciou que sairá da legenda e está em negociação com algumas legendas, entre elas o PSL.

Eduardo Braide deve anunciar novo partido nos próximos dias

Das 21 legendas que passaram pela Cláusula de Barreira, pelo menos nove podem hospedar Eduardo Braide, entre eles está o PSL, PR, PP, PSD, DEM, PSDB, PSC, Podemos e Avante

O deputado federal eleito, Eduardo Braide, vai deixar o PMN, que, juntamente com outras legendas, caíram na Cláusula de Barreira aprovada na última reforma política. Nove partidos ainda estão sem um futuro definido e ficarão sem verba do Fundo Partidário e sem o tempo na TV e no Rádio, entre eles está o PMN.

Eduardo Braide ainda não quis adiantar para qual partido pretende transferir sua filiação. Em entrevista à Rádio Mirante AM, o deputado disse apenas que deseja mudar para um partido com o qual tenha certa afinidade.

“Partido que eu tenha liberdade de votar de acordo com a minha consciência. Não me elegi de forma livre para que chegue em Brasília e o partido seja dono da minha consciência”, afirmou.

Questionado sobre sua eventual candidatura à prefeitura de São Luís em 2020, Braide não confirmou se entrará na empreitada. Entretanto, ao afirmar que um dos motivos de sua saída seria a falta de tempo de televisão, tudo indica que o parlamentar esteja escolhendo uma sigla que lhe permita ter tempo de TV na corrida municipal de 2020.

Das 21 legendas que passaram pela Cláusula de Barreira, pelo menos nove podem hospedar Eduardo Braide, entre eles está o PSL, PR, PP, PSD, DEM, PSDB, PSC, Podemos e Avante.

Deputado Pastor Gildenemyr de malas prontas para o PSL

Eleito com as bases da igreja Assembleia de Deus do Maranhão, Pastor Gildenemyr tem no PSL o partido com mais afinidades

Não é de hoje que a ida para o PSL do deputado federal Pastor Gildenemyr é ventilada nos bastidores da política. Eleito pelo PMN, o parlamentar maranhense vai ser obrigado a migrar para outra legenda após seu partido não passar pela Cláusula de Barreira.

Eleito com as bases da igreja Assembleia de Deus do Maranhão, Pastor Gildenemyr tem no PSL o partido com mais afinidades, já que as igrejas evangélicas foram uma das maiores porta-vozes da candidatura do presidente Jair Bolsonaro (PSL).

A aproximação do deputado com o PSL foi mostrada pelo presidente estadual da legenda no Maranhão, o vereador de São Luís, Chico Carvalho. “Está aqui a representação de que o PSL caminha cada vez mais fortalecido e unido para compor uma grande bancada na Câmara Federal. Estive com o vice-presidente nacional do partido, Antônio Rueda, que fez formalmente o convite de filiação ao deputado federal eleito pelo Maranhao Pastor Gildenemir, grande liderança política que consolidou seu caminho na vida pública ao ultrapassar os 47 mil votos no nosso Estado”, escreveu Chico em suas redes sociais.

“O Pastor Gildenemir foi eleito pelo PMN e o PSL abre os braços para o acolher nessa missão de trabalhar pelo nosso Maranhão ao lado do Presidente Jair Bolsonaro”, concluiu Chico.

Situação de nove partidos segue indefinida

Das nove legendas que se encontram nessa situação estão: Rede Sustentabilidade, Democracia Cristã, PCB, PCO, PMB, PMN, PRTB, PSTU e PTC

Dos 14 partidos que não obtiveram votos suficientes para passar pela Cláusula de Barreira, pelo menos nove partidos ainda não definiram seus futuros. As legendas ainda negociam fusões ou incorporações para voltar a ter acesso ao tempo de TV e ao Fundo Partidário.

Das nove legendas que se encontram nessa situação estão: Rede Sustentabilidade, Democracia Cristã, PCB, PCO, PMB, PMN, PRTB, PSTU e PTC.

A situação da Rede é a mais delicada, de acordo com as regras eleitorais, o STE não permite a fusão ou incorporação de legendas com menos de cinco anos de fundação. A legenda teve seu registro reconhecido apenas em 2015.

Outras legendas já fecharam acordos e com as incorporações voltam a ter o status de partido novamente. PCdoB incorporou o PPL, o Patriota incorporou o PRP. Já o PHS vai ser incorporado pelo Podemos, leganda que passou pela Cláusula.

Deputados têm até dia 31 janeiro para definir seus novos partidos

Os próximos dias serão agitados com os anúncios dos novos partidos pelos deputados maranhenses citados, as negociações andam a todo vapor

Pelo menos cinco deputados maranhenses entram em 2019 sem definição sobre quais partidos deverão se filiar. A necessidade de uma nova filiação passa pela problemática que os partidos pelos quais se elegeram não obtiveram votos suficientes para passar pela Cláusula de Barreira.

Os deputados precisam anunciar até o dia 31 de janeiro seus novos partidos, pois, no caso dos deputados federais, os trabalhos na Câmara dos Deputados serão iniciados dia 1º de fevereiro.

Os deputados estaduais que devem anunciar seus novos partidos são: Dr. Leonardo Sá e Felipe dos Pneus, que foram eleitos pelo PRTB; e Wendell Lages, que foi eleitos pelo PMN.

Já no caso dos deputados federais, Eduardo Braide e Pastor Gildenemyr, ambos eleitos pelo PMN, encontram-se na mesma situação.

Os próximos dias serão agitados com os anúncios dos novos partidos pelos deputados maranhenses citados, as negociações andam a todo vapor.

12 partidos continuam sem definição após Cláusula de Barreira

Uma das soluções para os 14 partidos que não obtiveram êxito na última eleição é a proposta de fusão com outros partidos

Dos 35 partidos registrados no Tribunal Superior Eleitoral, 14 legendas não passaram pela Cláusula de Barreira aprovada na última reforma política. Desses, apenas 21 continuarão recebendo recursos do Fundo Partidário e terão acesso ao tempo no rádio e na TV.

Uma das soluções para os 14 partidos que não obtiveram êxito na última eleição é a proposta de fusão com outros partidos. Foi o que PCdoB e PPL aprovaram na noite de domingo (2).

O PCdoB continuará com o número e nome da legenda, por sua vez irá incorporar o a estrutura do PPL. Os partidos foram os primeiros a apresentarem soluções para suas militâncias após os resultados da cláusula de barreira.

Outros 12 partidos ainda continuam sem definição sobre qual a melhor estratégia. Entre os partidos estão: PHS, PRP, PRTB, PMN, PTC, PMB, PCB, PSTU, PCO, Patriotas, Rede Sustentabilidade e Democracia Cristã.

As tratativas precisam ser decididas até o início do trabalho legislativo em fevereiro de 2019 e para que sejam definidos os melhores caminhos para os políticos dessas legendas.

Mídia nacional coloca como certa ida de Eduardo Braide e Pastor Gildenemyr para o PSL

Eduardo Braide é atualmente presidente estadual do PMN no Maranhão e foi o segundo colocado na disputa pela Câmara dos Deputados com 189.843 mil votos. Já Pastor Gildenemyr foi eleito com 47.758 mil votos

O site Metrópoles abordou a possível ida dos deputados eleitos Eduardo Braide e Pastor Gildenemyr, ambos do PMN, para o PSL, partido do presidente eleito Jair Bolsonaro. Os deputados maranhenses foram eleitos pelo PMN, partido que não passou pela cláusula de barreira. O site cita que o PSL deve iniciar 2019 com a maior bancada na Câmara dos Deputados.

“Seduzidos pela eleição e popularidade do presidente Jair Bolsonaro, 10 parlamentares devem se unir à sigla, passando de 52 para 62 deputados na próxima legislatura. Esse número fará com que o PSL ultrapasse o Partido dos Trabalhadores, com 56 eleitos, até então futuro dono do maior corpo político na Casa. Movimento semelhante é feito para aumentar a quantidade de senadores, atualmente, o PSL tem quatro representantes”, cita o site.

A legislação permite a troca de partido para deputados de siglas que não conseguiram cumprir as regras estabelecidas sem cair na infidelidade partidária. Dentro desse grupo há 41 nomes aptos a trocar de legenda, sendo 32 deputados e nove senadores.

O Metrópole cita que desde a eleição de Bolsonaro à Presidência, em 28 de outubro, as conversas entre parlamentares eleitos e o PSL se intensificaram. Muitos deles, inclusive, estiveram em Brasília e selaram acordo verbal para ingressar no novo partido.

“Uma das bancadas do PSL que devem ganhar reforços é a do Nordeste. Atualmente, ela é representada por cinco deputados: o presidente do PSL, Luciano Bivar, eleito por Pernambuco; Julian Lemos (PSL-PB); Professora Dayane Pimentel (PSL-BA); Heitor Freie (PSL-CE); e General Girão (PSL-RN). A eles devem se juntar os deputados federais Fernando Rodolfo (PHS-PE), Eduardo Braide (PMN-MA) e Pastor Gildenemyr (PMN-MA) ”, afirma o site.

Eduardo Braide é atualmente presidente estadual do PMN no Maranhão e foi o segundo colocado na disputa pela Câmara dos Deputados com 189.843 mil votos. Já Pastor Gildenemyr foi eleito com 47.758 mil votos.