Convenção dos partidos da base de Flávio Dino já tem local e horário marcado

Flávio Dino já tem confirmado o apoio do PCdoB, PDT, PSB, PT, PPS, PRB, DEM, PTB, PP, PR, PROS, PTC, PPL, Patriotas e Solidariedade

A grande convenção dos partidos da base do governo Flávio Dino (PCdoB) que já tinha sido anunciada para o dia 28 de julho, agora já tem local e horário marcado.

Em reunião realizada nesta terça-feira (17) pelos representantes dos 15 partidos que estarão com Flávio Dino no projeto de reeleição, foi escolhido o Centro de Convenções Pedro Neiva de Santana como o local para a realização da convenção coletiva.

Leia mais: Grupo político de Flávio Dino faz dois grandes eventos simultâneos no Maranhão

O evento, que vai iniciar às 8h30 minutos, promete reunir caravanas de todas as cidades do estado e consagrar o nome do governador Flávio Dino para a reeleição, de Carlos Brandão para a vaga de vice-governador e dos pré-candidatos Weverton Rocha (PDT) e Eliziane Gama (PPS) para o Senado Federal.

Flávio Dino já tem confirmado o apoio do PCdoB, PDT, PSB, PT, PPS, PRB, DEM, PTB, PP, PR, PROS, PTC, PPL, Patriotas e Solidariedade.

 

Leia mais: Flávio Dino entregou 154 novas ambulâncias, contra 50 de Roseana Sarney

Centrão quer definir até dia 19 quem irá apoiar para Presidente da República

O blocão, como seus integrantes preferem chamar, quer definir até quinta-feira (19), véspera da abertura do prazo de convenções partidárias, quem vai acompanhar na disputa pelo Palácio do Planalto

A cúpula do chamado centrão – bloco cujo núcleo duro é formado por DEM, PP, SD e PRB – reuniu-se neste sábado (14) com o pré-candidato do PDT à Presidência, Ciro Gornes (CE), para esclarecer divergências ideológicas e discutir cargos como a Vice-Presidência e o comando da Câmara.

O blocão, como seus integrantes preferem chamar, quer definir até quinta-feira (19), véspera da abertura do prazo de convenções partidárias, quem vai acompanhar na disputa pelo Palácio do Planalto.

Leia mais: PRB anuncia retirada da pré-candidatura a presidente do empresário Flávio Rocha

O presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), e os presidentes do DEM, ACM Neto, do PP, Ciro Nogueira, do Solidariedade, Paulinho da Força, e do PRB, Marcos Pereira, reuniram-se em São Paulo na casa do empresário Benjamin Steinbruch, filiado ao PP.

No encontro deste sábado, a conversa com os líderes do centrão também foi mais objetiva ao discutir questões como alianças nos estados, condições de campanha e postos como a presidência da Câmara, cargo que Maia quer ocupar pela terceira vez. Discutiram também possíveis nomes de vice para ambas as chapas.

Na primeira reunião do grupo com Ciro, em junho, Ciro já havia tentado desfazer polêmicas. Naquele encontro, o presidenciável sustentou posições que defende publicamente e que são tabus para partidos de viés mais conservador, mas se disse aberto a fazer ajustes no programa de governo.

A seu favor, Ciro tem pesquisa encomendada pelo DEM que aponta rejeição a Alckmin de 60% ante 52% do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT). O levantamento indica ainda que o PSDB e seu candidato tem um nível de desgaste considerado irreversível.

Se o candidato apoiado for Ciro Gomes, o PR entrar no grupo e o PSB fechar aliança com o PDT, as possibilidades de vice aventadas na reunião são Márcio Lacerta (PSB), Josué Alencar (PR) e Benjamin Steinbruch (PP).

Leia mais: PSB decide apoiar pré-candidatura de Ciro Gomes à Presidência

Se decidirem apoiar Alckmin, os integrantes do grupo consideram para vice Josué Alencar (PR), Mendonça Filho (DEM), Aldo Rebelo (SD) e um nome do Nordeste a ser definido pelo PP.

Antes de se reunirem na quinta-feira para, finalmente, definir o apoio, o grupo se encontra com Valdemar Costa Neto na quarta-feira (18) para saber qual a decisão dele sobre o destino do PR, já que há grande pressão da bancada para que a sigla apoie a candidatura de Jair Bolsonaro (PSL-RJ).

Maia, Nogueira e Paulinho defendem apoio a Ciro, enquanto Marcos Pereira e Neto preferem Alckmin e, por isso, ainda querem fazer mais análises antes de bater o martelo.

O grupo insiste na tentativa de atrair o PR, partido que, sozinho tem cerca de 45 segundos de tempo de TV. O bloco, sem o PR, tem 2 minutos e 11 segundos. Por isso há um grande esforço para trazer o partido de Valdemar Costa Neto. A preferência dele terá grande influência na hora de se bater o martelo sobre que candidato apoiar.

Leia mais: Geraldo Alckmin tem passagem apagada por Imperatriz

Sozinho, Alckmin tem 1 minuto e 11 segundos de TV. Se confirmada a aliança com PSD, PTB, PV e PPS (1 minuto e 42 segundos), o tucano chega a 2 minutos e 53 segundos. Com o tempo do blocão, pode chegaria a 5 minutos e 4 segundos ou até a 5 minutos e 49 segundos, caso o PR entre na campanha.

Ciro tem hoje, sozinho, 25 segundos. Se fechar aliança com o PSB (45 segundos), vai a 1 minuto e 10 segundos. Com o blocão, vai a 3 minutos e 21 segundos, podendo chegar a 4 minutos e 6 segundos se o PR aderir ao grupo.

O PSC (17 segundos) pode integrar oficialmente o centrão nos próximos dias. O PHS (7 segundos) participou de uma reunião do grupo na quarta-feira (11) e também pode engrossar o bloco que quer crescer para aumentar seu poder de barganha.

Ciro Gomes aproxima-se do DEM, PP, PRB, PSC e Solidariedade

Participantes do jantar que se estendeu até cerca de 1h da madrugada, disseram que o encontro foi de aproximação

O esperado encontro entre os presidenciáveis Ciro Gomes (PDT­ CE) e Rodrigo Maia (DEM-RT) ocorreu na noite de terça-feira (19) na casa de um empresário, amigo do presidente da Câmara, em Brasília.

Pelo lado do ex-governador do Ceará, participou o presidente do PDT, Carlos Lupi, e o deputado Mário Heringer (PDT-MG), responsável por fazer a ponte entre os dois grupos.

Já Maia estava acompanhado do presidente do DEM, o prefeito de Salvador, ACM Neto, do deputado Orlando Silva (PC do B-SP), seu amigo pessoal, e de representantes dos partidos que integram o grupo que pretende marchar junto com o presidente da Câmara nesta eleição, apoiando um mesmo candidato: os presidentes do PP, Ciro Nogueira; do Solidariedade, Paulinho da Força; e o licenciado do PRB, Marcos Pereira. O PRB é o único do bloco que apresenta resistência a uma aliança com Ciro. O PSC, que também integra o grupo, não mandou nenhum representante.

O objetivo da reunião foi tentar reduzir as resistências ao nome de Ciro nos partidos de centro e evitar que eles fechem apoio a Geraldo Alckmin (PSDB). A estratégia foi também tentar reverter o mal-estar dos últimos dias, quando o ex-governador do Ceará disse que sua prioridade era fechar primeiro aliança com o PSB e com o PCdoB, garantindo uma “hegemonia moral e intelectual”.

Participantes do jantar que se estendeu até cerca de 1h da madrugada, disseram que o encontro foi de aproximação. Os convidados se recusaram a informar o nome do anfitrião. Segundo eles, o sigilo foi acordado entre todos os presentes para evitar a exposição do empresário.

Ele fez na reunião uma avaliação do atual cenário eleitoral e ressaltou que sua candidatura não é totalmente alinhada com a esquerda e não tem preconceitos com partidos de outros campos políticos. Ele lembrou que, no Ceará, tanto o DEM como o PP fizeram parte da administração de seu partido.

Questionado por ACM Neto sobre divergências com bandeiras do grupo de centro, Ciro disse defender pontos que coincidem com ações do presidente do DEM à frente da prefeitura de Salvador. Ressaltou ainda que, se houver uma aliança entre eles, está aberto a fazer ajustes no programa.

Coube a Paulinho da Força abordar o tema que é receio generalizado de quem se aproxima de Ciro, o pavio curto e estilo verborrágico do ex-governador do Ceará.

Segundo relatos, Ciro ressaltou suas passagens pelo Ministério da Fazenda e pelo governo estadual e disse que sempre teve muita tranquilidade quando esteve em cargos de comando. Além disso, afirmou que hoje está sozinho, mas que, ao compor um grupo, a situação mudaria, pois, sua campanha deixaria de ser apenas para fazer número e passaria a sei de fato, para tentar ganhar a eleição.

Integrantes do grupo de Maia terão conversas ainda com o ex-governador de São Paulo Geraldo Alckmin (PSDB) e com o senador Alvaro Dias (PODE). Eles também são opção de aliança do bloco, que volta a se reunir na próxima terça-feira para discutir impressões e começar a definir quem apoiará na eleição de outubro.

Roseana Sarney e a desarticulação política de seu grupo…

Mesmo com todo o barulho feito pela mídia ligada ao grupo Sarney, Roseana chega à disputa, politicamente, fraca, o que traduz todo seu desânimo.

A falta de apoio político está causando uma situação um tanto quanto inusitada para o grupo Sarney. Com o domínio há décadas de vários partidos historicamente ligados ao clã, a ex-governadora Roseana Sarney (MDB) entra, pela quinta vez, na disputa do governo, mas, pela primeira vez, sem o apoio de um número considerável de siglas.

Até o momento, com ela, além do MDB, apenas o PV, o PHS, o PMB e o PSD, o que gera especulações de que a chapa poderá sair “puro sangue”.

A perda mais significativa para Roseana são os partidos que hoje orbitam a base do governador Flávio Dino (PCdoB). Com diretórios espalhados por todo o estado e com uma grande fatia do horário político, PT, DEM, PR, PP, PTB e PRB farão uma grande diferença para a campanha da ex-governadora em 2018. Neles estão deputados e aliados com uma grande densidade de votos.

Outros partidos, que sempre estiveram ligados ao grupo Sarney, já declaram apoio a outras candidaturas. Maura Jorge, por exemplo, vai reunir PSL, PRTB, PSDC e o Podemos, antigo PTN.

Alguns partidos ainda estão indefinidos. O PMN do deputado Eduardo Braide pode encabeçar uma candidatura e ter o apoio do PSC. Além do PRP, que pode ter o ex-secretário de Saúde, Ricardo Murad, como candidato ao governo.

Mesmo com todo o barulho feito pela mídia ligada ao grupo Sarney, Roseana chega à disputa, politicamente, fraca, o que traduz todo seu desânimo.

Enquanto WC procurou Safadão para gravar jingle, Eliziane recebeu toada de Chagas do Bumba-Meu-Boi

Wwllington Sem Curso foi buscar Wesley Safadão para gravar jingle

Wwllington Sem Curso foi buscar Wesley Safadão para gravar jingle

Eliziane recebeu toada do cantador Chagas

Eliziane recebeu toada do cantador Chagas

Uma curiosidade. Enquanto a candidata do PPS, Eliziane Gama, mostra-se próxima de expoentes da cultura maranhense, tendo recebido um jingle de campanha em forma de toada do cantador Chagas, o adversário, Wellington do Curso (PP), preferiu buscar a voz do cearense e forrozeiro, Wesley Safadão, para uma “canja” eleitoral.

Isso sinaliza que a cultura maranhense não está em primeiro plano  para Wellington Sem Curso. Forrozeiro e farrista de carteirinha, ele prefere  as estrelas cearenses às maranhenses.

JÁ PAGOU? À Mirante, “Wellington Sem Curso” diz que não deve mais IPTU; E à TV Guará, ele admitiu a dívida

Em entrevista à TV Mirante, na manhã desta quarta-feira (21), o candidato do PP à Prefeitura de São Luís, Wellington do Curso, agora “Wellington Sem Curso”, entrou em contradição e disse que não deve mais R$ 120 mil de IPTU ao município. No entanto, há alguns dias, ele admitiu a existência da dívida e, inclusive, afirmou que estava contestando-a na Justiça junto com outros impostos devidos (vide vídeo).

Segundo a coordenação da campanha de WC, ele resolveu pagar a dívida de IPTU dos cursos, que leva o seu nome, mas que têm como donos oficiais ou laranjas a mãe e o irmão do deputado. Wellington, que não apresentou ainda os comprovantes, diz ter quitado, pelo menos, o débito do IPTU. Não falou ainda sobre as outras dívidas denunciadas, como ISS, Correios, etc.

Somente pagou o IPTU depois da pressão da Imprensa e das inserções do candidato “Tio Fábio” (PMDB) no horário eleitoral de rádio e TV. Vídeo este que Wellington mandou tirar do ar por meio da Justiça Eleitoral.

Na entrevista à Mirante, WC foi pego de calças curtas quando questionado pelo entrevistador Sidiney Pereira sobre uma proposta de “Sistema Inteligente de Fiscalização” de impostos. Nitidamente, constrangido, ele disse que já havia pago a dívida com o IPTU sem que a pergunta sobre isso fosse feita.

WC voltou a tremer quando Sidiney perguntou se haveria fiscalização rigorosa e quando questionado sobre se haveria corte, eliminação desses impostos. Durante a entrevista, ele mais enrolou do que respondeu. Deu uma de “Rolando Nero”.

Outro constrangimento foi quando Sidney perguntou sobre o PP, partido de WC envolvido com escândalos de corrupção no país, inclusive, investigados na operação Lava Jato. Wellington tremeu também quando questionado sobre sua ligação com o deputado federal Waldir Maranhão, aliado de sigla, que também está envolvido em uma série de denúncias.

“Eu não escondo Waldir Maranhão”, disse Wellington do Curso para, em seguida, completar que o deputado não estaria envolvido com a sua campanha.

Acuado, “Wellington Sem Curso” recorre à Justiça para tirar programa de “Tio Fábio” do ar…

wc-censura2009

O clima entre os candidatos do PP, Wellington do Curso – agora “Wellington Sem Curso” (pois admitiu que os cursos não são seus e sim de laranjas) – e do PMDB, Fábio Câmara (“Tio Fábio”), esquentou para valer nesta terça-feira (20). Incomodado e acuado com a inserção que o acusa de sonegação fiscal,  WC ou WsemC ingressou na Justiça para tirar o programa do peemedebista do ar e conseguiu.

Fábio Câmara denunciava apenas o prefeito Edivaldo Jr nas inserções e, depois que a ex-governadora Roseana Sarney (PMDB) resolveu cooptar lideranças do vereador para a campanha de WC, o “Tio” resolver levantar todos os pontos negativos do candidato, que conta com o apoio da oligarquia, para explorá-los no programa eleitoral de rádio e TV.

Sem ter como responder às acusações feitas pelo peemedebista, dando conta de sonegação de IPTU,  WC recorreu à censura por meio de requerimento à Justiça Eleitoral.

Já pagou a dívida?

No entanto, pelos grupos de Whatisapp, os aliados de WC  espalharam, desde as primeiras horas da manhã desta terça-feira (20), que o candidato havia pago, pelo menos, a dívida com IPTU. Porém, até agora, não há um documento que prove a quitação do débito.

Se pagou a dívida que, segundo ele está subjudice, WC assumiu que estava mesmo sonegando imposto. E aí, vem a pergunta que não quer calar: Será que Fábio Câmara faltou mesmo com a verdade?

Em entrevista à TV Guará, na manhã desta terça-feira (20), Fábio Câmara disse que não se intimidará com a censura e que não ficará calado. Sé lembrando que o debate da emissora com os candidatos a prefeito de São Luís será realizado na próxima quinta-feira (22).

O programa de “Tio Fábio”

Fábio Câmara perdeu dois programas e algumas inserções no horário eleitoral gratuito, por determinação da Justiça Eleitoral, depois que os advogados de Wellington do Curso entraram com ações porque o candidato se sentiu atingido pelo conteúdo do programa do PMDB.

Com fama de mal pagador, o vídeo de “Tio Fábio” coloca populares para questionar o não pagamento dos impostos. No material, o locutor lembra que quem não cumpre com as obrigações fiscais tira dinheiro da saúde, da educação, da segurança e por aí vai.

O candidato do PDT, Edivaldo Holanda Jr, também entrou com representação contra o programa de “Tio Fábio”.

Não se pode duvidar do potencial de Wellington do Curso…

Professor veio chegando, como quem não quer nada, e hoje está entre os principais candidatos a prefeito de São Luís

Professor veio chegando, como quem não quer nada, e hoje está entre os principais candidatos a prefeito de São Luís

Com o segundo maior tempo de TV, dois minutos e 15 segundos, e posição nos primeiros lugares das pesquisas já realizadas em São Luís, o potencial de crescimento do candidato da coligação “Por amor a São Luís”, deputado estadual Wellington do Curso (PP), não pode ser desprezado pelos adversários. Muito pelo contrário, como se diz no ditado popular, é preciso ficar “com um olho no padre e outro na reza”.

Se Wellington está tirando votos da candidata da coligação “São Luís de Verdade”, deputada federal Eliziane Gama (PPS), ou não, a verdade é que o professor, dono de cursinho, está avançando e alcançando um importante espaço na esfera política, sobretudo, da capital maranhense. E o pedetista Edivaldo Holanda Jr, que concorre à reeleição e vem se mantendo, até aqui, à frente nas pesquisas, também tem que abrir os olhos.

O alerta de sinal amarelo, tanto para Edivaldo quanto para Eliziane Gama, fica bem evidente nas simulações de segundo turno que os institutos têm feito em São Luís, antes mesmo do horário de TV e da campanha, propriamente dita, começarem. O professor Wellington do Curso tem aparecido na frente em uma hipótese de embate com o prefeito de São Luís.

Como em política tudo é muito dinâmico, bom que os adversários não subestimem o potencial de crescimento que tem Wellington do Curso. Campanha é campanha e ninguém pode deixar de considerar que São Luís tem fama de “ilha rebelde” para eleições.

Propaganda na TV começa nesta sexta-feira 

A propaganda no rádio e na TV já começa nesta sexta-feira (26). O sorteio para definição da ordem de veiculação, em São Luís, foi feito pelo juiz Adelvam Nascimento Pereira da 2ª zona eleitoral, em audiência pública com a participação de representantes de todos os partidos e coligações.

Segundo o que foi definido por consenso, a propaganda veiculada por último, no primeiro dia, iniciará no segundo, o que se repetirá ao longo da campanha.

Segundo o magistrado, essa medida garante que todos os partidos e coligações tenham o direito de abrir a propaganda eleitoral mais de uma vez.

A divisão do tempo de rádio e TV ficou assim em São Luís:

Edivaldo Holanda Júnior (PDT) – 3 minutos e 39 segundos

Wellington do Curso (PP) – 2 minutos e 15 segundos

Eliziane Gama (PPS) – 1 minuto e 55 segundos

Fábio Câmara (PMDB) – 1 minuto e 25 segundos.

Valdeny Barros (PSOL) – 12 segundos

Eduardo Braide (PMN) – 10 segundos

Rose Sales (PMB) – 7 segundos

Zeluis Lago (PPL) – 6 segundos

Cláudia Durans (PSTU) – 6 segundos

Deputado esclarece posicionamento do grupo liderado pelo PCdoB em Pinheiro

 

  Foto-legenda – Othelino Neto: “Diante do não cumprimento do acordo entre todas as partes envolvidas, nós, incluindo todos os partidos aliados, decidimos que o PCdoB lançaria candidato próprio em Pinheiro”

O deputado estadual Othelino Neto (PCdoB) foi à tribuna esclarecer  o posicionamento político do grupo liderado pelo PCdoB em Pinheiro que resolveu confirmar a candidatura do médico Leonardo Sá a prefeito, após rompimento de acordo político por parte do suplente de deputado estadual Luciano Genésio (PP). “Achei necessário vir fazer esses esclarecimentos para que não ficasse uma confusão na opinião pública”, disse.

Pelo acordo político fechado anteriormente, Leonardo Sá, em nome da união da oposição, renunciaria à candidatura para ser vice na chapa encabeçada por Luciano Genésio. Porém, uma articulação feita pelo atual prefeito Filuca Mendes (PV), via Brasília, provocou uma intervenção no PP de Pinheiro, impossibilitando a composição  com o PCdoB. “Vejam que não foi uma resolução genérica proibindo alianças no Brasil todo ou mesmo no Maranhão. Foi específica para o município de Pinheiro”.

Othelino explicou que se o seu grupo político mantivesse a aliança, tendo como vice Leonardo do PCdoB, o PP nacional iria fazer uma intervenção no partido e a chapa ficaria judicializada durante toda a campanha, prejudicando até a apresentação de propostas aos eleitores. “Na prática, o PP faria a intervenção e iríamos ter que passar a campanha toda na Justiça, em vez de cuidar do principal, que são as propostas para melhorar a cidade de Pinheiro. Ficaríamos preocupados com um embate judicial, que tiraria o foco principal da campanha”, disse.

Segundo o deputado, após o problema de intervenção no PP, todo o grupo, incluindo Luciano Genésio, reuniu-se com o  presidente do PCdoB, Márcio Jerry, e, diante do impasse e dos riscos, acertou que o candidato da oposição seria Leonardo Sá e que o suplente de deputado indicaria o vice.

“Mas, para nossa surpresa, quando chegou o horário da convenção, Luciano Genésio mudou de ideia e não confirmou o acordo. Quando não se cumprem acordos políticos, acaba que a reação não é a desejada”, comentou.

Diante do não cumprimento do acordo entre todas as partes envolvidas, o grupo, incluindo todos os partidos aliados, decidiu que o PCdoB lançaria candidato próprio em Pinheiro. Na composição, o PDT indicou a candidata a vice-prefeita, Ana Paula Lobato, esposa do deputado Othelino.

A Frente, que apoia Leonardo Sá, inclui partidos como DEM, PDT, PCdoB, PRB,  PR, PSC, PEN, PSB, etc. “Essa ampla Frente terá condições de mostrar para a cidade de Pinheiro que é possível ter outra alternativa”, disse o deputado.