Rebelião em Pedrinhas – Segurança age rápido para controlar motim…

Rebelião no Centro de Detenção Provisória de Pedrinhas na noite deste domingo  (21) está sendo controlada pelo Sistema de Segurança do Estado.

Parte de um muro foi derrubada com explosivos para resgate dos presos e houve 25 fugas. Os fugitivos estão sendo recapturados, após ação rápida das forças policiais.

Até o momento, pelo menos sete presos já foram rapidamente recapturados. Dois internos morreram.

Acima as fotos dos fugitivos já sendo rendidos por policiais e de parte do muro derrubado. A qualquer momento, novas informações.

Centenas de policiais militares e civis participam, em toda a região metropolitana de São Luís, da operação de recaptura de mais de 20 detentos que fugiram do Complexo Penitenciários de Pedrinhas.

A operação está sob o comando de um grupo, fortemente, armado que usou dinamite para explodir o muro dos fundos do Centro de Detenção Provisória de Pedrinhas (CDP), conhecido como Cadeião.

Entenda o caso

A fuga se deu depois que parte do muro da unidade prisional foi explodido pelo lado de fora, por pessoas ainda não identificadas, e detentos de duas celas do Pavilhão Gama, que serraram as grades e conseguiram passar pelo buraco causado pela explosão.

Após troca de tiros entre bandidos e agentes penitenciários do Geop de plantão, dois internos vieram a óbito, um no local e outro no hospital. Policiais civis e militares também foram acionados, e seguem no encalço dos evadidos.

Em nota enviada à Imprensa, a gestão prisional ressaltou que, por estar separada do Complexo Penitenciário de São Luís, a UPSL 6 é a única unidade prisional masculina que ainda não dispõe de Portaria Unificada e inspeção por BodyScan, a exemplo das demais que compõe o complexo carcerário.

O caso é investigado pela Secretaria de Segurança Pública (SSP), por meio do Departamento de Combate ao Crime Organizado (DCCO) da Superintendência de Estado de Investigações Criminais (Seic), que terá 30 dias para a conclusão do inquérito policial.

Nos últimos dois anos, de acordo com a nota enviada à Imprensa, o governo do Estado investiu forte na segurança e na revitalização do complexo, e conseguiu zerar o número de homicídios intramuros, tirando o Maranhão do topo para último no ranking que mede a taxa de violência nos presídios do país

Herança maldita! Maranhão paga o preço da irresponsabilidade do governo Roseana em Pedrinhas

Folha de São Paulo

Complexo Penitenciário de Pedrinhas

Complexo Penitenciário de Pedrinhas ainda paga as consequências dá má gestão do governo Roseana

As famílias dos 64 presos mortos no sistema prisional maranhense de janeiro de 2013 a janeiro de 2014 receberão R$ 100 mil cada uma de indenização do Estado.

A decisão, em primeira instância, é da 3ª vara do TRF (Tribunal Regional Federal) da 1ª região. De acordo com o texto do juiz Clodomir Sebastião Reis, o valor é por danos morais.

A reportagem procurou o governo maranhense na noite de quinta-feira (9) para comentar a decisão, mas não conseguiu contato.

A decisão segue o entendimento do STF (Supremo Tribunal Federal) de que o Estado é o responsável pela morte de detentos dentro de presídios. A votação do Supremo, de 2016, foi unânime.

Em janeiro de 2014, foi divulgado um vídeo em que presos do complexo de Pedrinhas filmam outros detentos decapitados após motim na prisão, que fica na capital maranhense, São Luís.

Em 2015, Pedrinhas foi considerada uma das cinco piores prisões do país em condições para os detentos, ao lado do complexo do Curado, no Recife, da Penitenciária Lemos Brito, em Salvador, do Presídio Central de Porto Alegre e do presídio Urso Branco, em Porto Velho (RO).

Só em 2017, a guerra de facções criminosas dentro de penitenciárias já deixou mais de 120 mortos no Amazonas, em Roraima e no Rio Grande do Norte, expondo a crise do sistema carcerário brasileiro.

Houve ainda mortos em prisões de Goiás, Pernambuco, São Paulo, Alagoas e Paraíba. No Paraná, dois presos morreram durante fuga.

Forças policiais já detiveram 73 suspeitos dos ataques criminosos em São Luís

Segurança do estado desarticula ação de bandidos do Bonde dos 40

Segurança do estado desarticula ação de bandidos do Bonde dos 40

Em entrevistas concedidas na noite desta sexta-feira (30) e na manhã deste sábado (1º), o governador do Maranhão, Flávio Dino (PCdoB), falou das ações do Sistema de Segurança do Maranhão para combater as facções criminosas, que promoveram incêndios a ônibus e prédios públicos em São Luís nos últimos dias.

Além de divulgar resultados como a identificação, prisão e apreensão de 73 pessoas, entre adultos e adolescentes, o governador falou das providências tomadas contra os mandantes dos crimes, como a transferência para presídios federais e o reforço das tropas para garantir a segurança durante a realização das eleições municipais em todo o Estado.

Sobre os atentados, o governador garantiu que as operações serão intensificadas e todas as providências possíveis tomadas de acordo com a legislação. “Eu quero transmitir a convicção que nós temos coragem, firmeza e determinação, o que não acontecia em governos passados e que deixou que a situação chegasse a esse ponto. Mas nós não vamos ceder, não negociamos com criminosos e não vamos ceder a chantagens, e, sobretudo, estamos atuando para garantir o direito de ir e vir da população”, afirmou Flávio Dino.

O governador detalhou, ainda, o esquema de segurança reforçado para garantir as eleições em todo o estado. “Dou garantias plena e total de que teremos ônibus para realização das eleições em São Luís. Desde ontem recebemos o apoio do Exército que já está ocupando os postos de votação para garantia da segurança, em paralelo, a polícia militar está nas ruas realizando as operações ostensivas para garantir o direito de ir e vir da população”, explicou.

Ao final, Flávio Dino destacou as ações tomadas desde o ano passado que tem permitido a rápida ação das polícias na identificação, prisão e transferência de criminosos.

Mensagem

Em mensagem divulgada nas redes sociais, o governador Flávio Dino reitera todo o trabalho das Forças de Segurança do Estado na ‘Operação Eleições 2016’, deflagrada para assegurar o direito de cada cidadão maranhense de votar. “O Governo do Maranhão está numa luta firme, sem tréguas, contra organizações criminosas que querem amedrontar a sociedade para tentar retomar privilégios que tiveram no passado”, disse o governador informando à população que cerca de nove mil homens das Forças Policiais do Maranhão e das Forças Armadas estarão nas ruas para garantir o exercício da cidadania.

Presos por ataques a ônibus serão encaminhados para presídios de segurança nacional

Suspeitos foram apresentados na sede da SSP.

Suspeitos foram apresentados na sede da SSP.

A polícia confirmou o envolvimento de 35 detentos do Complexo Penitenciário de Pedrinhas com os ataques contra ônibus e prédios públicos na capital, na quinta-feira (29). Destes, 23 foram identificados como líderes de grupos criminosos e serão enviados a presídios federais. A medida foi confirmada pelo secretário de Estado de Segurança Pública (SSP-MA), Jefferson Portela, durante coletiva à imprensa, na tarde desta sexta-feira (30).

“Iniciamos essa operação ‘pente fino’ para retirar qualquer tipo de ilícito de dentro das unidades e reforçamos o policiamento em todas as unidades prisionais do sistema para evitar fugas, motins ou rebeliões neste período eleitoral. Não vai prevalecer ato violento que venha a dar alguma ordem ao cidadão maranhense. A polícia está com sua força nas ruas para impedir esses criminosos”, enfatizou o titular da SSP-MA.

Portela afirmou que a motivação dos criminosos para os ataques foi prejudicar o processo eleitoral e acrescentou que a declaração foi confirmada pelas próprias mulheres durante a manifestação que tentou interditar a Avenida Beira Mar. “Foi comprovado, ainda, que esses criminosos determinaram a ordem de ataque para integrantes dos grupos aqui fora. Todos foram criminalmente responsabilizados. E o importante é que, considerando a gravidade dos atos cometidos e as reiteradas práticas criminosas, o Poder Judiciário deferiu a solicitação da Segurança e vamos transferi-los para presídios federais”, enfatizou o secretário de Segurança.

Os detentos foram autuados por organização criminosa e depredação de patrimônio público. Todos ficarão em regime de isolamento até que a transferência seja realizada para Catanduva, Mossoró e Acre, onde cumprirão pena em regime isolado. O Ministério da Justiça já disponibilizou um avião para o transporte dos presos. Os demais, que permanecem nos presídios da capital, ficarão sob monitoramento irrestrito. O secretário Jefferson Portela destacou que as vagas no sistema federal foram garantidas após reunião entre o governador Flávio Dino e chefes da Justiça – Ministério da Justiça, Superior Tribunal Federal e Tribunal de Justiça do Maranhão. O Ministério da Justiça comunicará à SSP-MA a data para envio dos criminosos.

Ataques

Durante a coletiva, Portela anunciou ainda que as operações nas ruas, iniciadas imediatamente após os ataques, continuam e serão intensificadas até a próxima segunda (3), para garantir a segurança do processo eleitoral. Os ônibus permanecem com escolta policial dentro e também fora dos coletivos; e os bairros onde ocorreram casos e locais de votação terão prioridade no deslocamento da segurança. Em apoio à Polícia Militar, Civil e Corpo de Bombeiros, está ainda a Guarda Municipal. Serão 170 policiais que farão monitoramento nos Terminais de Integração, durante 24 horas.

A operação continua para dar cumprimento a outros mandados de prisão já autorizados pela Justiça.

A operação policial decorrente dos ataques culminou ainda com a prisão de outros 14 envolvidos, que foram autuados e encaminhados ao Complexo de Pedrinhas; e mais 16 adolescentes, que cumprem regime de internação. A Segurança vem trabalhando incansavelmente, desde os primeiros ataques, com prisões de envolvidos em tempo recorde.

Sejap vai investigar fuga de presos em Pedrinhas…

Complexo Penitenciário de Pedrinhas

Fugas e tentativas reduziram, consideravelmente, no Complexo Penitenciário de Pedrinhas

A Secretaria de Estado de Administração Penitenciária (Sejap) informa que o detento Francielton Gonçalves dos Santos fugiu, na manhã desta quarta-feira (24), da Central de Custódia de Presos de Justiça (CCPJ) de Pedrinhas. Outros dois tentaram escapar também, mas foram contidos. O órgão já abriu sindicância para apurar se houve facilitação de fuga e afastar possíveis responsáveis, caso seja confirmado o envolvimento de servidores.

O interno Francielton aproveitou o horário do ‘banho de sol’ para correr em direção uma parte do muro da unidade prisional, onde é feita uma ampliação de 2 metros de altura, e que, portanto, estava sem as concertinas de arame farpado em função da obra.

Outros dois internos, que estavam na quadra e também tentaram empreender fuga, ao lado Francielton, foram alcançados a tempo pela segurança interna.

E SERÁ QUE VOLTAM PARA PEDRINHAS? 337 presidiários soltos para o feriadão do “Dia das Crianças”

Presos receberam recomendações e determinações da Justiça do Maranhão

Presos receberam recomendações e determinações da Justiça do Maranhão

A Justiça soltou, concedeu indulto ou saída temporária, nesta sexta-feira (09), a 337 presos do Complexo Penitenciário de Pedrinhas  que tiveram reconhecido o direito de passar o Dia das Crianças com suas famílias. Mas a pergunta que não quer calar é esta: será que todos retornarão à prisão? Ou farão como da vez passada, quando grande parte não voltou à cadeia e permaneceu foragida?

A liberação temporária consta na portaria assinada pela juíza Ana Maria Vieira e estabelece as regras a serem cumpridas por eles, dentre elas não ingerir bebidas alcoólicas, não portar armas e não frequentar bares, festas e/ou similares. O recolhimento dos presos às respectivas residências durante o período da saída deve acontecer até as 20h.

Segundo a portaria 26/2015, o prazo para que os presos retornem a Pedrinhas se encerra às 18h do dia 15 de outubro. Uma das penas a serem aplicadas é a perda do benefício e o preso que não retornar fica considerado fugitivo, cabendo à juíza expedir mandado de prisão.

No fechamento do prazo, os dirigentes dos estabelecimentos prisionais devem realizar o levantamento e informar à 1ª Vara de Execuções Penais sobre o retorno ou não dos presos.

Mas será que tudo será assim como a Justiça determina, recomenda e espera? Enquanto isso, sociedade e policiais, que os prenderam, vivem o dilema do perigo e da ameça de crescimento da violência no Maranhão.

Presos suspeitos de assalto a restaurante no Vinhais

Dinheiro, telefones, arma e máscaras apreendidas pela Polícia Militar com os suspeitos do assalto a restaurante no Vinhais

Dinheiro, telefones, arma e máscaras apreendidas pela Polícia Militar com os suspeitos do assalto a restaurante no Vinhais

Uma ação do serviço de inteligência do Batalhão de Choque e do 8º Batalhão de Polícia Militar (8º BPM) culminou, na manhã desta terça-feira (1º), na localização e prisão de três suspeitos de participarem de assalto a restaurante no bairro do Vinhais, fato registrado à noite do último sábado (29). Para a Polícia Militar, o crime foi cometido por Matheus Trindade Dias, de 19 anos, morador da Avenida Moisés Cutrim, na Vila Conceição; Lycon Keoma Pinheiro Costa, de 23 anos, residente na Rua Nova Jerusalém, e Ronilson Roberto Cardoso, de 25, ambos moradores do Alto do Calhau.

O trio também é apontado como autor de diversos assaltos na região metropolitana. Só no último sábado, além do restaurante no bairro do Vinhais, os três suspeitos também teriam assaltado uma lanchonete localizada na mesma região. Dois comparsas do trio, identificados como Clemilson Pires, o “Crek”, e Thiago Dias, o “Parentinho”, estão sendo procurados pela polícia também como suspeitos de práticas criminosas.

Durante a prisão, os policiais militares recuperaram a arma do policial militar roubada no assalto de sábado, e ainda diversos pertences roubados nos dois assaltos, entre eles, aparelhos celulares e dinheiro; mais duas máscaras que, de acordo com a polícia, eram utilizadas nos assaltos.

O trio foi encaminhado para a Superintendência Estadual de Investigações Criminais (Seic), onde foram autuados no Artigo 157 – subtrair coisa móvel alheia, para si ou para outrem, mediante grave ameaça ou violência a pessoa.

Presos de Pedrinhas estão sendo monitorados por vídeo

Equipes monitoram presos no Centro de Detenção de Pedrinhas

Equipes monitoram presos no Centro de Detenção de Pedrinhas

Os presos do Centro de Detenção Provisória (CDP) de Pedrinhas, em São Luís,  estão sendo monitorados, em tempo integral, nos pavilhões, pátio para visitas, banhos de sol e nos terrenos de capina e de coleta de lixo. Foi instalado, agora no governo Flávio Dino, um serviço de videomonitoramento.

As câmeras foram instaladas em pontos estratégicos e garantem a vigilância interna e na área externa do presídio. O sistema, operado por quatro funcionários, capta imagens por meio de 28 câmaras de alta resolução com alcance de até mil metros de distância e perímetro de 360°.

Segundo o superintendente de Estabelecimentos Penais da Sejap, Gustavo Moreira, antes, quando era detectado um suspeito, os operadores usavam telefone para acionar a segurança em Pedrinhas. “”Agora, ganhamos tempo e mais agilidade””, disse.

O Estado dispõe de 220 câmeras nas unidades prisionais do Maranhão, sendo 150 em presídios da Região Metropolitana de São Luís. Destas, 110 estão no complexo de Pedrinhas

No Fantástico, líder de agentes admite que quem comanda Sistema Penitenciário no Maranhão são os presos

Editado com informações do Globo.com

Pedrinhas: O inferno é lá mesmo!

Pedrinhas: O inferno é lá mesmo!

“Hoje quem comanda o sistema penitenciário do estado do Maranhão chama-se preso”, admitiu em entrevista ao Fantástico da rede Globo, neste domingo (12),  o vice-presidente do Sindicato dos Agentes Penitenciários do Maranhão, Cézar Castro Lopes.

O Fantástico deste domingo mostrou imagens exclusivas de  vistoria no presídio de Pedrinhas, no Maranhão. Além das armas, os policiais encontraram celulares, drogas e até caderno de contabilidade dos criminosos. Superlotação chama a atenção.

A morte da menina Ana Clara comoveu o país e chamou a atenção para a extrema violência que toma conta dos presídios no Maranhão. O Governo Federal esteve em São Luis esta semana e anunciou medidas para ajudar na crise.

Uma crise que, segundo os especialistas, ia mesmo acontecer, mais cedo ou mais tarde.

Facas de todos os formatos e tamanhos. Essas eram algumas das armas usadas pelas facções criminosas para controlar o presídio de Pedrinhas.

As imagens, obtidas com exclusividade pelo Fantástico, são de uma vistoria feita em 31 de dezembro de 2013. A repressão policial, com a participação da Tropa de Choque e a Força Nacional, começou depois de uma série de mortes dentro dos presídios.

Além das armas, os policiais encontraram celulares, drogas e até caderno de contabilidade dos criminosos.

Chefe de facção ordenou ataques a ônibus e militares

Três dias depois da inspeção, uma conversa telefônica mostra a revolta de Wallison dos Santos, chefe de uma das facções, com a repressão policial.

“O choque hoje invadiu aqui, levou uma 380 nossa, tá ligado? Levaram vento, televisão, fogão”, diz Wallinson.

De dentro da cadeia, ele orienta Hilton John Alves Araújo, conhecido como Praguinha, que é foragido da polícia.

Wallinson: Nós tamo dando um alô geral, pra todo mundo se organizar. Quando der mais tarde, rolar aqueles ataques novamente pra cima deles. É ônibus, é polícia, é bombeiro, é tudinho, entendeu? Tá ligado?

Praguinha: Eu tô.

Em uma mensagem de celular, a ordem é incendiar. “Tem que botar pra queimar ônibus e atacar os vermes, vê aí a casa do Vermão do Ivaldo e dá ataque soviético lá também”.

Ivaldo é o comandante da Tropa de Choque da Polícia Militar. A casa dele não foi queimada, mas no dia seguinte, 04 de janeiro, vários tiros atingiram duas delegacias, um posto de polícia e quatro ônibus foram incendiados.

Cinco pessoas ficaram feridas, entre elas a menina Ana Clara, seis anos, que, infelizmente, faleceu. A mãe da garota teve 50% do corpo queimado. Ela foi transferida para um hospital de Brasília. O estado de saúde dela é grave, mas estável. A irmã já está fora de perigo.

Uma história que fez com que o país inteiro prestasse atenção na penitenciária de Pedrinhas. Mas que lugar é esse?

Presos são obrigados a seguir facções

Esta semana, o Fantástico entrou no complexo com a Comissão de Direitos Humanos. Em conversa com nosso produtor no centro de triagem, um preso explica como se dá a atuação das facções.

Fantástico: Quem não faz parte de algum tipo de facção sofre algum tipo de pressão aqui dentro?
Preso: Direto, direto.
Fantástico: Que tipo?
Preso: Rapaz, até mesmo pra assinar papel, ou joga com eles ou morre.
Papel é o estatuto que cada uma das facções criou para determinar regras de conduta e lealdade ao crime.
Preso: Tem um estatuto, um livro que eles assinam. Olha e se não fizer mata família, mata parente, mata inocente, é o que tá acontecendo aí.
Fantástico: Aí todo mundo acaba entrando em uma facção?
Preso: Tem que entrar forçado.
Desde 2007, Pedrinhas já registrou a morte de 171 presos. Só em 2013, foram 60 mortos, 169 fugas.
Em Pedrinhas, também faltam agentes penitenciários.

CONTINUE LENDO AQUI