“É melhor ficar calado e aguardar as investigações”, diz Cutrim sobre assassinato de Nenzim

Ele acrescentou que o mais importante é que no Maranhão há delegados de polícia qualificados para elucidar o crime

O deputado Raimundo Cutrim (PCdoB) lamentou, na sessão desta quinta-feira (7), o assassinato do ex-prefeito de Barra do Corda, Manoel Mariano de Sousa, mais conhecido como Nenzim.

“Lamento o assassinato do nosso amigo Nenzim com quem eu tinha uma amizade há mais de 20 anos, pessoa que sempre teve um carinho muito grande por mim. Agora eu estou ouvindo, na imprensa, nos blogs, fatos que é melhor a gente ficar calado e aguardar as investigações”, afirmou Cutrim, ao utilizar a tribuna.

Nenzim, assassinado na manhã de quarta-feira (6) por dois supostos pistoleiros que ocupavam uma moto, era pai do deputado estadual Rigo Teles (PV). “Esse crime que ocorreu em Barra do Corda, nenhum sistema de polícia pode evitar. Crimes dessa natureza, de pistolagem ou similar, a Polícia Judiciária não tem como evitar tampouco a polícia preventiva, que é a Polícia Militar. São fatos que ocorrem em qualquer sociedade e em qualquer estado ou país do mundo”, frisou Cutrim.

Ele acrescentou que o mais importante é que no Maranhão há delegados de polícia qualificados para elucidar o crime. “Vamos aguardar a investigação. Com certeza vamos torcer para que a polícia corra aqui, como se diz, no quente da história, das 72 horas, para que se possa já ter uma informação mais precisa sobre este fato”.

TIRIRICA

Em seu discurso, o deputado Raimundo Cutrim teceu comentários, também, sobre a atitude do deputado federal e palhaço Tiririca (PR-SP) que anunciou que não vai disputar a reeleição no ano que vem e afirmou que vai deixar a Câmara “triste” e “com vergonha” com o que viu durante o mandato.

“Ontem eu também ouvia o caso do Tiririca, um fato também emblemático e fico triste, porque ele não foi correto. Muita gente dizendo, falando cada um uma coisa e ele não foi correto com os seus eleitores. O deputado teve mais de um milhão de votos, então ele deve satisfação aos seus eleitores, aí de repente ele renuncia. Aí de repente sai dizendo que está decepcionado, mas ele tinha um compromisso. Então ali ele mostrou que é covarde e não teve compromisso com o país, com seu Estado e com seus eleitores”, ressaltou Cutrim.

Cutrim denuncia supostos crimes de extorsão e compra de votos entre vereadores…

Deputado Raimundo Cutrim fez graves de núncias na tribuna da Assembleia

O deputado estadual Raimundo Cutrim (PCdoB) alertou sobre possíveis extorsões que estariam ocorrendo em  municípios maranhenses, envolvendo, principalmente, a compra de votos durante os pleitos eleitorais. Um dos casos citados por Raimundo Cutrim, foi o de Centro Novo do Guilherme, onde, segundo ele, uma vereadora – de nome não revelado – afirmou que a eleição para a presidência da Câmara Municipal teria sido comprada.

“Eu acredito que o Ministério Público deve estar pedindo a anulação daquela eleição de presidente da Câmara, tendo em vista que a vereadora disse que foi uma eleição comprada, provada e comprovada mediante a própria declaração feita por ela”, afirmou Raimundo Cutrim.

Outra denúncia feita pelo deputado é referente ao município de Porto Franco. Ele contou que no dia 19 de abril deste ano, a vereadora Nalva (PSD), juntamente com  Rubens, Gedon, Elias;  os vereadores ligados ao prefeito Nelson (PDB); o presidente da Câmara Municipal,  Felipe, reuniram-se em um almoço na cidade de Imperatriz, onde foram debatidos vários assuntos referentes à administração municipal.

A principal reclamação se referia à ausência do prefeito Felipe. A professora e vereadora Nalva  disse que o prefeito estava ausente dos vereadores e precisavam conversar e forma harmoniosa.

Passados 36 dias, lembrou o deputado, o prefeito não cedeu àquela pressão e no dia 25 de maio desse ano, A vereadora Nalva  resolveu levar aquele fato à imprensa. “Ao analisar a conversa verificou-se que os fatos não passaram de uma tentativa de extorsão dela e de outro vereador querendo extorquir  o prefeito e o erário público”, finalizou Raimundo Cutrim.

Os casos denunciados são gravíssimos e carecem de investigação.

Cutrim quer reabrir apuração do caso Décio Sá

Deputado Raimundo Cutrim.

Deputado Raimundo Cutrim.

O deputado estadual Raimundo Cutrim (PC do B) cobrou, na tribuna, a reabertura do caso e rigor na apuração do assassinato do blogueiro e jornalista do Sistema Mirante de Comunicação, Décio Sá, ocorrido em 2012, em plena Avenida Litorânea, em São Luís.

Cutrim disse que leu a edição de hoje do Jornal Pequeno e viu uma matéria que cobra a reabertura do caso Décio Sá, que no mês de abril completa três anos de tramitação na Justiça. A matéria questiona: Quem mandou matar o jornalista e blogueiro Décio Sá?

Para o deputado, essa é uma pergunta que até hoje ninguém nunca respondeu com 100% de precisão, o que pode acontecer se a Secretaria de Estado de Segurança Pública, o Ministério Público Estadual e a Justiça acatarem sua sugestão de reabrir o caso.

MANDANTES SOLTOS

Na ocasião, Raimundo Cutrim informou que hoje a Justiça sabe apenas que a autoria do crime foi do pistoleiro Jhonatan de Sousa Silva, que continua preso, junto com alguns suspeitos do assassinato do jornalista contra os quais ninguém provou nada.

Em contato com o Jornal Pequeno, Cutrim manifestou o desejo de reabrir o caso Décio Sá, pois o parlamentar acredita que existem fatos novos e indícios de que os verdadeiros mandantes do crime, possivelmente, estão soltos e na impunidade.

No final do discurso, Raimundo Cutrim revelou que pediu novamente para o governador Flávio Dino (PC do B) mandar fazer uma auditoria nos equipamentos do Guardião, pois existem informações que estão sendo feitas dezenas de interceptações clandestinas.

CLIMA TENSO – Cutrim chama Edilázio Jr para a “porrada”…

Cutrim não gostou das provocações de Edilázio...

Cutrim não gostou das provocações de Edilázio…

Os deputados Raimundo Cutrim (PCdoB) e Edilázio Jr (PV) bateram boca, na sessão desta segunda-feira (26), no plenário da Assembleia Legislativa, depois que o comunista, em mais um discurso inflamado, bateu forte na Segurança Pública e no governo Roseana Sarney, cobrando, inclusive, apoio da Casa para a instalação de uma Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) que investigue crimes de agiotagem no Estado. No estremecer da discussão, o ex-secretário chamou o  colega de parlamento para terminar a conversa do lado de fora do Poder Legislativo em tom ríspido e chamativo para briga.

Edilázio Jr não gostou das críticas ao governo Roseana e nem de comentários direcionados por Cutrim à procuradora geral de Justiça do Estado, Regina Rocha, e minimizou o pronunciamento do comunista, chamando-o de repetitivo. “Se ele acha que está ganhando voto com essa ladainha dele esta é perdendo voto, porque tem um baixadeiro, que, inclusive, foi eleitor dele,  que estava me falando que, todas as vezes, que o  Cutrim sobe na tribuna, ele muda de canal”, provocou o jovem deputado do PV.

“Faça a sua campanha e deixe de saliência…”, reagiu Cutrim

Edilázio Jr disse que não tem medo de Cutrim

Edilázio Jr disse que não tem medo de Cutrim

A reação de Raimundo Cutrim aos comentários provocativos de Edilázio Júnior foi imediata e o comunista chegou a desafiar o colega para resolver o problema do lado de fora da Assembleia, fazendo menção para briga mesmo. “Rapaz, me respeite. Faça a sua campanha e deixe de estar com saliência, com alfinetada, que eu não aceito isso aí não. Eu não sou moleque para V. Exa. está me alfinetando e eu ficar olhando aqui, por que eu não tenho medo de V.Exa. não! Se tiver algum problema comigo, vamos resolver lá fora”, avisou.

Edilázio Júnior, por sua vez, disse que também não tem medo de Raimundo Cutrim e deu a resposta da tribuna mesmo em tom bem ríspido, mas demonstrando estar bastante nervoso. “Quem o senhor acha que usa palavreado ou jeito de moleque em uma tribuna? Sou eu ou V.Exa.? Chegar e chamar a procuradora geral de Justiça do Estado de pau mandado, ora bolas, isso nós devemos registrar. Essa Casa não pode aceitar esse tipo de coisa, esse tipo de palavreado. Quero deixar bem claro que não tenho medo de V.Exa”, retrucou o deputado do PV.

No final da sessão, curiosos esperaram um “para pra acertar” entre os dois do lado de fora da Assembleia, mas cada um tomou o seu rumo. No entanto, isso não significa “bandeira branca”. É aguardar!

IMPROBIDADE? Cutrim bate forte e cobra do governo e da Assembleia emendas para a Oposição…

Cutrim acusou governo de negociar

Cutrim acusou governo de favorecer, com uso da máquina, pré-candidatos ao Legislativo

O deputado estadual Raimundo Cutrim (PCdoB) cobrou, na sessão desta quinta-feira (20), da governadora Roseana Sarney a liberação de emendas para os parlamentares de Oposição e provocou o presidente da Assembleia Legislativa do Maranhão, Arnaldo Melo (PMDB), a se posicionar sobre a discriminação do Executivo que só  privilegia os governistas.

Cutrim acusou, abertamente, Roseana de favorecer, com o uso da máquina, pré-candidatos ao Legislativo Estadual. “Quer dizer que paga a emenda de trinta e poucos deputados, e os outros? São distribuídas para os candidatos? Nós não aceitamos isso”, disparou Cutrim com indignação.

Em um pronunciamento muito forte, Cutrim criticou a postura da procuradora geral do Estado, Regina Rocha. De acordo com ele, a procuradora geral “é uma vergonha para o Maranhão” e seria “um braço do governo”. Ele denunciou que ela engavetou as representações que fez contra a governadora. “Como é que eu posso acreditar em uma profissional representando uma instituição de tão alta responsabilidade?”.

Improbidade administrativa

O deputado do PCdoB disse que o governo, ao não liberar os recursos das emendas para alguns, diga-se aos parlamentares da Oposição, está praticando crime previsto na Lei Penal substantiva e atos de improbidade administrativa.

“Não podemos deixar que o governo seja tratado como patrimônio particular. Aprovamos um orçamento e as nossas emendas têm que sair”, disparou o deputado que hoje está no PCdoB, mas já fez parte da base governista.

Grupo Sarney e caso Décio

Da tribuna, Cutrim fez críticas também à governadora e ao grupo Sarney. “Hoje temos governadora, mas não temos governo. Eu não tenho medo de nenhum deles. Eu não tenho medo da família Sarney. Enfrentem-me, de peito a peito. O Cutrim não manda recado, eu falo”, afirmou. Voltou a cutucar o secretário de Segurança, Aluísio Mendes, de que teria montado seu envolvimento no caso Décio Sá e com agiotagem.

“O que Aluísio fez no Maranhão? Acabou com a segurança pública. Nós estamos agora com 160 assaltos a ônibus e até hoje, os homicídios de 100 a 120 por mês”, afirmou.

Edilázio saiu para o contra-ataque 

Deputado saiu em defesa  do grupo Sarney

Deputado saiu em defesa do grupo Sarney

O líder do Bloco Democrático na Assembleia Legislativa, deputado estadual Edilázio Júnior (PV), rebateu  as declarações de Raimundo Cutrim (PCdoB) em relação à governadora Roseana Sarney (PMDB) e sua família.

O governista considerou legítima a defesa pelo pagamento das emendas parlamentares – que são definidas pelo Executivo –, mas criticou a forma com a qual o comunista expôs às suas reivindicações. Disse que o colega foi incoerente, porque, até o ano passado, integrava a base do governo na Assembleia.

Para Cutrim, secretário de Estado não pode mais ser candidato em eleição indireta

Raimundo Cutrim disse que um secretário de Estado teria que se desincompatibilizar seis meses antes da eleição indireta, que pode ser em março, abril ou maio

Raimundo Cutrim disse que um secretário de Estado teria que se desincompatibilizar seis meses antes da eleição indireta, que pode ser em março, abril ou maio

O deputado estadual Raimundo Cutrim (PCdoB) contestou o projeto de Lei 11/2014, que dispõe sobre a eleição indireta para governador do Estado, no Poder Legislativo. O parlamentar disse que seria razoável que os deputados revoguem o PL e que a Assembleia disponibilize, de imediato, a resolução que disciplina o processo que poderá ocorrer não somente este ano, mas também nos anos vindouros.

Para Cutrim, secretários de Estado não podem ser candidatos na eleição indireta que poderá ser realizada na Assembleia, no caso de renúncia da governadora Roseana Sarney. Para ele, o que muda é a regra, mas a eleição é a mesma e a regra geral é a Lei Complementar nº 64.

Em outras palavras, para ser candidato, um secretário teria que se desincompatibilizar do cargo seis meses antes do pleito. O deputado citou um exemplo histórico das décadas de 80 e 90, quando o presidente do Tribunal de Justiça era o terceiro na linha sucessória e outra pessoa que não preenchia os requisitos ficou em seu lugar. O desembargador entrou na Justiça e a decisão só saiu depois de realizada a eleição.

Situação na Câmara

Raimundo Cutrim se referiu também à posse de Helena Duaillibe, que deixou o cargo de vereadora para assumir a Secretaria Municipal de Saúde. Assumiu em seu lugar Osmar Filho, mas o deputado entende que é preciso ter em mente que as coligações são válidas por um período de quatro anos, independente de qual seja o partido a que pertence o suplente. Para ele, o fato é absurdo e contraria o básico da lei.

Por fim, Raimundo Cutrim contestou os parlamentares que estão reivindicando para si a indicação do asfaltamento em qualquer município. Considera falta de profissionalismo do deputado que vai à tribuna dizer que indicou o asfaltamento de alguma estrada. Entende o parlamentar que as estradas que estão sendo feitas são fruto do empréstimo de R$ 6 bilhões que a Assembleia Legislativa autorizou para o governo do Estado.