Rebelião em Pedrinhas – Segurança age rápido para controlar motim…

Rebelião no Centro de Detenção Provisória de Pedrinhas na noite deste domingo  (21) está sendo controlada pelo Sistema de Segurança do Estado.

Parte de um muro foi derrubada com explosivos para resgate dos presos e houve 25 fugas. Os fugitivos estão sendo recapturados, após ação rápida das forças policiais.

Até o momento, pelo menos sete presos já foram rapidamente recapturados. Dois internos morreram.

Acima as fotos dos fugitivos já sendo rendidos por policiais e de parte do muro derrubado. A qualquer momento, novas informações.

Centenas de policiais militares e civis participam, em toda a região metropolitana de São Luís, da operação de recaptura de mais de 20 detentos que fugiram do Complexo Penitenciários de Pedrinhas.

A operação está sob o comando de um grupo, fortemente, armado que usou dinamite para explodir o muro dos fundos do Centro de Detenção Provisória de Pedrinhas (CDP), conhecido como Cadeião.

Entenda o caso

A fuga se deu depois que parte do muro da unidade prisional foi explodido pelo lado de fora, por pessoas ainda não identificadas, e detentos de duas celas do Pavilhão Gama, que serraram as grades e conseguiram passar pelo buraco causado pela explosão.

Após troca de tiros entre bandidos e agentes penitenciários do Geop de plantão, dois internos vieram a óbito, um no local e outro no hospital. Policiais civis e militares também foram acionados, e seguem no encalço dos evadidos.

Em nota enviada à Imprensa, a gestão prisional ressaltou que, por estar separada do Complexo Penitenciário de São Luís, a UPSL 6 é a única unidade prisional masculina que ainda não dispõe de Portaria Unificada e inspeção por BodyScan, a exemplo das demais que compõe o complexo carcerário.

O caso é investigado pela Secretaria de Segurança Pública (SSP), por meio do Departamento de Combate ao Crime Organizado (DCCO) da Superintendência de Estado de Investigações Criminais (Seic), que terá 30 dias para a conclusão do inquérito policial.

Nos últimos dois anos, de acordo com a nota enviada à Imprensa, o governo do Estado investiu forte na segurança e na revitalização do complexo, e conseguiu zerar o número de homicídios intramuros, tirando o Maranhão do topo para último no ranking que mede a taxa de violência nos presídios do país

Em nota, governo desmente falsa “notícia” de rebelião em Pedreiras

O governo do Estado, por meio da Secretaria da Administração Penitenciária, distribuiu nota para negar “notícia” de uma falsa rebelião, no domingo (12), no presídio de Pedreiras que foi plantada em setores da Imprensa. Segue a nota do governo.
Nota do governo
Sobre suposta rebelião no presídio de Pedreiras na noite deste domingo (12), divulgada em redes sociais, o governo do Estado, por meio da Secretaria da Administração Penitenciária, esclarece que:
1. É absolutamente falsa a informação. Nenhuma rebelião ocorreu neste domingo (12), no Centro de Ressocialização, localizado município de Pedreiras;
2. Na noite do último sábado, 11, houve tentativa de fuga do Presídio Pedreiras. O sistema de segurança do Estado agiu rápido e frustrou a fuga;
3. O Centro de Ressocialização em Pedreiras tem cerca de 200 presos e encontra-se em absoluta normalidade;
5. O governo do Estado repele os boatos maldosos disseminados na tentativa de instabilizar o sistema prisional do Estado, que passa por medidas firmes visando garantir a ressocialização dos apenados e a tranqüilidade da população.
São Luís, 12 de abril de 2015.
Secretaria de Estado da Administração Penitenciária

Mais um motim em Pedrinhas…

Parentes de pressos apreensivos com mais um motim

Parentes de pressos apreensivos com mais um motim

G1

Um princípio de motim foi registrado, nesta quinta-feira (6), nos Presídios São Luís 1 e 2, que fazem parte do Complexo Penitenciário de Pedrinhas, na capital maranhense. A informação foi confirmada pelo secretário estadual de Justiça e Administração Penitenciária, Sebastião Uchôa, que explicou que a tensão começou durante a revista de parentes de detentos para liberação das visitas. Vinte e dois celulares foram encontrados pelos agentes, além de várias armas brancas.

Em seguida, os detentos começaram o motim, quebraram as grades de algumas celas e atearam fogo em colchões. De acordo com o Uchôa, a situação foi rapidamente controlada, e o serviço de conserto das grades danificadas teve início.

De acordo com o comandante do Batalhão de Choque da PM, tenente-coronel Raimundo Sá, entre cinco e seis detentos tiveram ferimentos leves e foram atendidos no ambulatório do Complexo Penitenciário de Pedrinhas. Os ferimentos foram provocados por estilhaços e balas de borracha.

Também foi registrado um início de tensão entre os internos da Central de Custódias de Presos de Justiça (CCPJ ). A Secretaria de Estado da Justiça e Administração Penitenciária (Sejap) informou que a situação foi contida por policiais e que não ganhou repercussão dentro da unidade.

Veja abaixo a íntegra da nota que a Sejap emitiu uma nota sobre as apreensões de celulares:

“A Secretaria de Estado de Justiça e Administração Penitenciária (Sejap) informa que homens da Polícia Miliar e da Força Nacional controlaram um princípio de motim, ocorrido na manhã desta quinta-feira (6), nos Presídios São Luís I e II, do Complexo Penitenciário de Pedrinhas.
A PM realiza, nesse momento, vistoria nas duas unidades. Alguns detentos tiveram ferimentos leves e foram atendidos no ambulatório do complexo.
De acordo com a polícia, o movimento é uma reação ao trabalho de revista diário e mais criterioso que está sendo realizado nos estabelecimentos penais de São Luís.”