Cuidado com o Carcará! Ele “pega, mata e come”…

Seguindo os "carcarás", Fábio Câmara poderá estar construindo o seu caminho para o ostracismo político

Seguindo os “carcarás”, Fábio Câmara poderá estar construindo o seu caminho para o ostracismo político

Há de se perguntar o que faz o vereador Fábio Câmara (PMDB), um parlamentar que a priori teria uma fácil reeleição para a Câmara Municipal, arriscar-se, politicamente, em uma disputa pela Prefeitura de São Luís com o apoio da queimada ex-governadora Roseana Sarney (PMDB) e do improdutivo senador João Alberto (PMDB), mais conhecido, nos bastidores, como “Carcará”, já que tem muito poucas chances de se eleger e tudo piora com os “padrinhos” que se deixou adotar. As últimas pesquisas realizadas o colocam em um patamar de 2% a 3%.

Claro que Fábio Câmara tem potencial de crescimento e ele apostará, sem dúvidas, no discurso duro contra o prefeito Edivaldo Holanda Jr (PDT), candidato à reeleição, para isso. Porém, o vereador precisa atentar para o fato de que, perdendo a eleição, estará sem mandato e à mercê do que decidirem João Alberto,  Roseana Sarney e cia, leia-se o grupo Sarney.

Sem mandato, Fábio Câmara correrá o sério risco de cair no ostracismo. E aí é que precisa lembrar do refrão de uma famosa música cantada pelo compositor maranhense João do Vale: “Carcará, pega, mata e come…Carcará, num vai morrer de fome…”

O ostracismo era uma punição existente em Atenas, no século V a.C, onde o cidadão, geralmente um político era votado para ser banido ou exilado, por um período de dez anos. O ostracismo foi criado por Clístenes, o “Pai da Democracia”.

Como em política, como diz o ex-prefeito João Castelo (PSDB), só ainda não se viu foi “boi voar”, é bom analisar para quem mais interessa o isolamento do vereador Fábio Câmara. Sim, exatamente, ao ex-secretário de Saúde, Ricardo Murad (PMDB), que pode não estar  assim tão “adversário” dos carcarás.

Pacto entre Câmara e Carcarazinho

Circula nos bastidores  que haveria um pacto entre o vereador e o deputado estadual Roberto Costa (PMDB), mais conhecido como “Carcarizinho” devido à ligação com Carcará, para que ele o apoie na próxima disputa por uma vaga na Assembleia Legislativa, caso venha sagrar-se vitorioso na eleição para prefeito de Bacabal. Mas aí é uma outra história, já que acordos se rompem e palavras nem sempre se honram. Seria contar com o “ovo no c… da galinha”, como diz o ditado popular.

Se há um pacto entre Fábio Câmara e Roberto Costa, visando à eleição para a Assembleia Legislativa, não dá para entender porque emissários do deputado resolveram lançar, na semana passada, uma falsa notícia de que o PMDB estaria pretendendo lançar a apresentadora Paulinha Lobão para a disputa majoritária em São Luís, esquecendo-se de que a jornalista, mulher do empresário Edinho Lobão, nem mais pertence às fileiras do partido.

Por isso, não é demais alertar! Todo cuidado é pouco em se tratando de Carcará e de sua cria: o “Carcarazinho”. Carcará, pega, mata e come e num vai é morrer de fome, segundo João do Vale. Se eu fosse Fábio, garantiria era minha vaga  na Câmara…

CONVENÇÃO – PMDB indefere candidatura de Andrea Murad e confirma votação com chapa única na próxima sexta-feira

Candidatura de Andrea Murad à presidência do PMDB foi indeferida

Candidatura de Andrea Murad à presidência do PMDB foi indeferida

De acordo com João Alberto, um dos motivos do indeferimento da candidatura foi o não pagamento das contribuições devidas ao partido por parte de Andrea Murad. Pai da parlamentar reage no Facebook e diz que documentação foi forjada.

O atual diretório estadual do PMDB declarou indeferida a chapa “Renovar é Preciso” da deputada estadual Andrea Murad na “cana de braço” pelo comando do partido no Maranhão. Com a decisão, a parlamentar, filha do ex-secretário de Saúde, Ricardo Murad, não poderá mais concorrer à Convenção Estadual, prevista para ser realizada na próxima sexta-feira (30), em São Luís. O anúncio foi feito, nesta  terça-feira (27), em coletiva de Imprensa, pelo presidente estadual do partido, senador João Alberto.

De acordo com a decisão, a chapa, presidida por João Alberto, será a única a concorrer no certame. Participaram da coletiva, além do senador, o secretário geral do partido, Carlos Augusto Macedo Couto, o primeiro vice e presidente em exercício, Remi Ribeiro Oliveira, e o presidente municipal do partido em São Luís, deputado estadual Roberto Costa.

Durante a coletiva,  Carlos Couto disse que a chapa, encabeçada pela deputada estadual, foi indeferida porque fere o estatuto do PMDB. Segundo ele, três membros não são filiados ao partido, além de um outro  não ter direito ao voto por ser integrante do Conselho de Ética e Disciplina. “Isso fere o estatuto. Nos termos do regimento, eles não têm direito a voto”, enfatizou.

Carlos Couto explicou ainda que o Conselho de Ética funciona como primeira instância e o diretório estadual como segunda nos processos administrativos internos.

Sobre a polêmica gerada com o pedido de candidatura de Andrea Murad, o senador João Alberto afirmou que “dentro do PMDB não há disputa interna e o intuito da candidatura foi apenas para causar tumulto”. Ele informou ainda que dos 79 nomes assinados na formação da chapa, 57 são da cidade de Coroatá. “A chapa só contemplava oito dos 217 municípios”, disse.

Ainda de acordo com João Alberto, outro motivo do indeferimento da candidatura foi o não pagamento das contribuições devidas ao partido por parte de Andrea Murad.

Disputa eleitoral

João Alberto e Roberto Costa reiteraram, durante a coletiva, que a intenção do PMDB “é lançar candidatura única” na disputa municipal em São Luís.“Temos como opção os nomes de Roseana Sarney e outros. Caso não aconteça desta forma, poderemos coligar”, afirmaram.

Sobre a postura do partido em relação ao governo Flávio Dino, o senador afirmou que as cobranças só podem podem ser feitas após, pelo menos, um ano de administração. “Antes disso, não temos como realizar uma oposição radical”, finalizou João Alberto.

RICARDO MURAD REAGE E DIZ QUE CERTIDÕES FORAM FORJADAS

Em sua conta no Facebook, o pai da deputada Andrea Murad, o ex-secretário Ricardo Murad (PMDB), disse que a direção estadual do partido teria forjado documentos para indeferir a candidatura da parlamentar à presidência do partido.

ricardo murad

CRISE NO PMDB – Roberto Costa contesta nota de Andrea e chama Ricardo Murad de “traidor”; Deputada rebate

“O deputado Roberto Costa e o senador João Alberto nunca traíram o grupo político deles como o seu pai. Essa é a nossa grande diferença. O seu pai, por muito tempo, traiu o nosso grupo político”, disparou Roberto Costa ao lembrar o período em que o ex-secretário de Saúde fez oposição ferrenha à oligarquia Sarney.

Roberto Costa:

Roberto Costa: “Não aceito, não admito e não deixarei que o senhor Ricardo Murad tente pautar o PMDB”

Andrea Murad não gostou do tom usado por Roberto Costa na tribuna

Andrea Murad não gostou do tom usado por Roberto Costa na tribuna

Mais um episódio da crise que se passa no PMDB do Maranhão foi visto, na sessão desta terça-feira (26), na Assembleia Legislativa. O deputado estadual Roberto Costa (PMDB) foi à tribuna contestar o teor da nota divulgada pela parlamentar Andrea Murad (PMDB) sobre articulações internas do partido com vistas à disputa pela Prefeitura de São Luís, nas próximas eleições municipais de 2016.

Ao se pronunciar como presidente do Diretório Municipal do PMDB de São Luís, Roberto Costa declarou que não concorda com a ideia de que o ex-deputado Ricardo Murad seja, no próximo ano, o candidato do partido à sucessão do prefeito Edivaldo Holanda Júnior (PTC). “Não aceito, não admito e não deixarei que o senhor Ricardo Murad tente pautar o PMDB”, detonou.

Esquentando o clima que já era tenso, Roberto Costa  lembrou que aprendeu, na verdade, inclusive, combater politicamente Ricardo Murad a mando da ex-governadora Roseana Sarney. “Quando eu me entendi como militante do PMDB, o seu pai fazia uma oposição feroz contra a ex-governadora Roseana Sarney, contra o presidente Sarney, contra todos”, alfinetou.

Além de manifestar sua discordância com a ideia de uma eventual candidatura de Ricardo Murad, Roberto Costa defendeu o senador João Alberto  (PMDB) de críticas que também lhe foram feitas pela deputada.

DISCURSO DE ROBERTO

Andrea critica Roberto Costa

Um tanto nervosa, Andrea Murad, por suas vez, foi à tribuna criticar o discurso de Roberto Costa contra a nota que lançou sobre a sucessão municipal. “Quero saber se não existem temas mais importantes para serem tratados do que uma discussão interna do PMDB. 30 minutos nunca utilizados nessa Assembleia pelo deputado foram para atacar a mim e a Ricardo Murad”, disse.

Além de manifestar sua discordância com a ideia de uma eventual candidatura de Ricardo Murad, Roberto Costa defendeu o senador João Alberto de críticas que também lhe foram feitas pela deputada Andrea Murad.

Na tribuna, Roberto Costa acrescentou que, se a ex-governadora Roseana Sarney tiver a intenção de sair candidata a prefeita de São Luís, terá o seu apoio total e do Diretório municipal.

CRISE NO PMDB – Andrea pede expulsão do prefeito de Bacuri do partido; e Roberto Costa, a de Ricardo Murad

Deputado disse que, se for por processo não concluído, a parlamentar teria que ter pedido, em primeiro lugar, a expulsão do próprio pai, Ricardo Murad, da sigla. Clima ficou muito quente e tenso!

Andrea Murad: "Eu creio que o senador João Alberto deve concordar comigo de que bandido não pode ficar no nosso partido"

Andrea Murad: “Eu creio que o senador João Alberto deve concordar comigo de que bandido, agiota, não pode ficar no nosso partido”

roberto costa

Roberto Costa: “Então que a deputada peça a expulsão do pai. Então, aí terá toda autoridade de pedir a saída de um membro do partido”

O clima foi tenso na Assembleia Legislativa durante e depois da sessão desta quarta-feira (06). Tudo começou quando a deputada estadual Andrea Murad (PMDB) foi à tribuna anunciar que pedirá ao presidente estadual do PMDB, João Alberto, a expulsão do prefeito de Bacuri, Richard Nixon Monteiro dos Santos, do partido, após prisão do mesmo em operação da Polícia Civil por suposto crime de agiotagem no Maranhão. A atitude mexeu com o também peemedebista, Roberto Costa, amigo do suspeito, que reagiu em forte pronunciamento.

“Eu creio que o senador João Alberto deve concordar comigo de que bandido não pode ficar no nosso partido. Ele, Roberto Costa, subiu hoje (06) à tribuna para defender o prefeito e eu vou voltar amanhã (07) para atacar. Não podemos aceitar esse tipo de gente no partido”, disse Andrea Murad em entrevista ao blog.

Segundo Andrea Murad, é inadmissível que o PMDB continue tendo, em seu quadro, um agiota, que inclusive faz acordos. Ela denunciou que o prefeito teria uma empresa “laranja” com a qual estaria prejudicando a Prefeitura de Zé Doca com contratos cruzados. “E quero saber aonde vamos parar com essa agiotagem aqui no Maranhão?”, indagou.

“Ninguém pode acusar, esquecendo dentro de casa”, diz Roberto

Na tribuna, Roberto Costa disse que o prefeito só pode ser responsabilizado ou punido com expulsão do partido quando for provado e condenado pela Justiça. “Se ele for culpado, tem que pagar quando o processo for concluso. Ninguém pode acusar todos aqui, esquecendo dentro de casa, o pai (Ricardo Murad). Não estou dizendo que ele (o ex-secretário de Saúde) é ocupado. Agora contra ele tem muito mais do que contra o prefeito de Bacuri. Então que a deputada peça a expulsão do pai. Então, aí terá toda autoridade de pedir a saída de um membro do partido”, disse.

À Imprensa, Roberto Costa reiterou o que falou na tribuna e disse que ninguém pode afirmar de nenhum cidadão a sua culpa até que o processo tenha o seu término final. No entanto, ele se disse favorável à investigação em relação a essa questão de agiotagem no Maranhão, que é um dos maiores problemas que afetam os  municípios do Maranhão.

ELEITORA DE LOBINHO? Ester Marques mantém estrutura do grupo Sarney na Cultura

* A pedido de Olga Simão e de Roberto Costa, nova secretária vem mantendo estrutura viciada do grupo Sarney na pasta da Cultura 

Ester Marques estrelou propaganda no horário reservardo à coligação de Lobinho

Ester Marques votou em Lobinho e se tornou secretária de Flávio Dino

Ester Marques pediu votos para a coligação de Lobinho e se tornou secretária de Flávio Dino

A ligação e a influência de figuras tarimbadas do falecido grupo Sarney, como a ex-secretária Olga Simão e o deputado Roberto Costa (PMDB), têm dado o tom dos primeiros atos da nova secretária de Cultura do Estado, a jornalista Ester Marques, que, nas eleições passadas, era cabo eleitoral da chapa encabeçada pelo suplente de senador e playboy, empresário Edinho Lobão (PMDB), o “Lobinho”. Na verdade, a indicação foi um belo “presente de grego” dado pela deputada federal Eliziane Gama (PPS) ao governador  do Maranhão, Flávio Dino (PCdoB).

E-mails e comentários chegam a este e a outros blogs relatando o que todos já sabiam. Ester Marques está mantendo a mesma estrutura viciada com velhos nomes conhecidos do governo Roseana Sarney a pedido de Olga Simão e de Roberto Costa, grandes aliados. Segundo os internautas, agindo assim, a nova secretária,  indicada por Eliziane Gama (PPS), tira a oportunidade de muitas pessoas ligadas à Cultura que suaram a camisa na campanha pela mudança no Maranhão.

Durante a campanha passada, Ester Marques estrelou programa eleitoral, no horário político dedicado à coligação de Lobinho (Veja vídeo). Enquanto centenas de lideranças culturais bradavam e se desdobravam, em todo o Estado, pela bandeira da mudança, a nova secretária estava empenhada em eleger a chapa encabeçada pelo grupo Sarney que tinha como candidato  Edinho Lobão.

Não há dúvidas sobre o perfil técnico de Ester Marques, o currículo e condições para assumir a pasta da Cultura. Ela realmente tem respaldo acadêmico e preparo para tal. O “x” da questão mesmo é político. Ester Marques mantém ligações fortes com sarneysistas e direciona nomes conhecidos e tarimbados do governo Roseana para cargos importantes e estratégicos em pleno governo Flávio Dino.

Alguma novidade?

Por enquanto, mudança mesmo é o que não ocorre na Secretaria de Cultura. Continua, praticamente, o mesmo comando com as velhas caras conhecidas de outrora, quando a oligarquia reinava no Maranhão. Novidade? Não. Isso já era esperado por conta do perfil político da titular da pasta.

Sarneysista de longas datas  e ligada a Olga Simão e a Roberto Costa, não é de se estranhar que Ester Marques mantenha a  estrutura e a política cultural viciada praticada durante o período oligárquico. Portanto, aqueles mesmos grupos culturais de sempre devem permanecer com os mesmos privilégios de anos. A mudança mesmo na Secretaria fica apenas por conta do nome da titular da pasta. Abra o olho, governador!