Falta um mês para o início das convenções partidárias

De acordo com o calendário das eleições de 2018, publicado pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE), as convenções poderão ser iniciadas no dia 20 julho e vão até o dia 5 de agosto. Nelas também serão escolhidas as coligações

As eleições gerais de 2018 estão chegando e os preparativos para o pleito já começam a ser planejados. As convenções partidárias definirão os candidatos ao Governo do Estado, ao Senado Federal, à Câmara dos Deputados e à Assembleia Legislativa.

De acordo com o calendário das eleições de 2018, publicado pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE), as convenções poderão ser iniciadas no dia 20 julho e vão até o dia 5 de agosto. Nelas também serão escolhidas as coligações.

O atual governador e pré-candidato à reeleição, Flávio Dino (PCdoB), encaminha-se para realizar a maior convenção deste ano no Maranhão. Ele já tem o apoio do PDT, PSB, PT, PPS, DEM, PP, PR, PRB, PTB, PROS, PTC, PEN, Solidariedade, além do próprio PCdoB.

A ex-governadora Roseana Sarney conta com o apoio do seu partido MDB, além do PSD, PV e PMB.

A pré-candidata Maura Jorge já tem declarações de apoio do PRTB, PSDC, Podemos, além do PSL, seu partido.

O senador Roberto Rocha, até o momento, conta apenas com o PSDB. Ele espera a convenção tucana no estado para definir seu nome na disputa ao governo do estado.

Professor Odívio Rezende teve seu nome definido pelo PSOL, o pré-candidato terá ainda o apoio do PCB.

Outros dois pré-candidatos seguem indefinidos. O deputado estadual Eduardo Braide (PMN) e o ex-secretário Ricardo Murad (PRP) terão, nas convenções partidárias, a oportunidade para definirem seus destinos.

Alguns partidos também seguem indefinidos. São eles: Avante, Rede, Novo, PSC, PHS, PPL, PSTU e PCO.

Geraldo Alckmin no centro da confusão do PSDB maranhense

Se já não bastasse ter de viabilizar sua campanha, o pré-candidato do PSDB ao Planalto, Geraldo Alckmin, ainda terá de gerenciar uma crise no partido no Maranhão. Foto: Karlos Geromy

A Revista Época noticiou, nesta segunda-feira (18), a briga interna que vive o PSDB no Maranhão, tendo o senador Roberto Rocha de um lado e o deputado federal José Reinaldo na outra ponta.

“Se já não bastasse ter de viabilizar sua campanha, o pré-candidato do PSDB ao Planalto, Geraldo Alckmin, ainda terá de gerenciar uma crise no partido no Maranhão. O senador Roberto Rocha, candidato ao governo do estado, e o deputado federal José Reinaldo, candidato ao Senado, estão se bicando. Reinaldo estimula a candidatura do deputado estadual Eduardo Braide (PMN) ao governo estadual, o que irrita Rocha”, escreveu a colunista Murilo Ramos.

A matéria destaca outra disputa que envolve a escolha do segundo nome da chapa tucana para o Senado Federal. “Quem acompanha tudo com atenção é o ex-presidente da Câmara Waldir Maranhão, recém-filiado ao PSDB e interessado em disputar uma vaga no Senado. O ex-reitor torce para que Reinaldo fique fora do páreo”.

Em meio à crise e disputa interna, Roberto Rocha faz pouco caso de Zé Reinaldo e já está se movimentando e realizando reuniões em cidades do interior e tem carregado Waldir Maranhão em suas andanças.

A aproximação de Rocha e Waldir mostra a manobra de Rocha em tirar José Reinaldo da disputa para o Senado.

Já José Reinaldo tenta levar o PSDB para apoiar a pré-candidatura do deputado estadual, Eduardo Braide (PMN), o que também irrita outra figura do PSDB, o ex-prefeito de Imperatriz, Sebastião Madeira. A briga interna vai tomando proporções cada vez maiores, o que deixa o PSDB com um destino incerto no Maranhão

Os dois lados do PSDB no Maranhão

Após vários anos de crescimento do PSDB no comando do vice-governador Carlos Brandão, hoje no PRB, o partido encontra-se dividido

O PSDB no Maranhão passa uma situação um tanto quanto inusitada. Após vários anos de crescimento no comando do vice-governador Carlos Brandão, hoje no PRB, o partido encontra-se dividido.

Às vésperas de uma eleição, o PSDB está dividido em apoiar uma candidatura própria, encabeçada pelo senador Roberto Rocha, ou apoiar a candidatura do deputado Eduardo Braide, projeto capitaneado pelo deputado federal e pré-candidato ao Senado, José Reinaldo.

Na última quinta-feira (14), em uma reunião realizada na sede estadual do PSDB, pré-candidatos reuniram-se para discutir questões eleitorais como tempo de televisão e coligações. O alinhamento ao projeto do partido como a pré-candidatura do senador Roberto Rocha ao governo do estado, também foi debatido.

Na reunião que foi comandada por Sebastião Madeira, Clodomir Paz, Waldir Maranhão e Alexandre Almeida foram recolhidas assinaturas dos pré-candidatos presentes em apoio à candidatura de Roberto Rocha e repudiando outro posicionamento que não seja o projeto próprio do PSDB.

Na outra ponta, José Reinaldo continua articulando levar o apoio do PSDB à pré-candidatura de Eduardo Braide. O ex-governador considera Roberto Rocha fraco para a disputa ao governo.

No início do mês José Reinaldo anunciou o nome do primeiro suplente de sua candidatura, o advogado Catulé Júnior, de Caxias. A indicação não teve o conhecimento de membros do PSDB maranhense.

José Reinaldo também faz questão de não participar dos eventos promovidos por Roberto Rocha, evidenciando o clima de disputa da legenda.

Roberto Rocha ganha força e dificulta articulações de José Reinaldo

Roberto Rocha e Sebastião Madeira ganham uma força a mais para continuar defendendo uma candidatura própria do PSDB no Maranhão

O surgimento do nome do senador e pré-candidato ao governo Roberto Rocha (PSDB), em terceiro lugar, na pesquisa Instituto 3, realizada na cidade de Imperatriz, levou preocupação ao grupo do deputado federal José Reinaldo (PSDB).

Roberto Rocha aparece em terceiro lugar com 7,3% das intenções de voto, o colocando na frente dos pré-candidatos Maura Jorge (PSL); Eduardo Braide (PMN) e Ricardo Murad (PRP).

A boa pontuação de Rocha em Imperatriz deu fôlego ao senador e dificulta as articulações de José Reinaldo que defende que o PSDB apoie uma outra pré-candidatura.

Roberto Rocha e Sebastião Madeira ganham uma força a mais para continuar defendendo uma candidatura própria do PSDB no Maranhão.

Foram entrevistadas 397 pessoas, entre os dias 4 e 6 de junho. A pesquisa foi registrada no Tribunal Regional Eleitoral do Maranhão sob o número 09455/2018.

Flávio Dino e Weverton Rocha lideram pesquisa em Imperatriz

No segundo maior colégio eleitoral do Maranhão, o governador Flávio Dino (PCdoB) lidera a corrida para o Palácio dos Leões. O deputado federal Weverton (PDT) também aparece em primeiro na pesquisa para o Senado Federal

A TV Difusora divulgou, nesta quarta-feira (13), pesquisa de intenções de voto realizada pelo Instituto Data 3, em Imperatriz. Foram entrevistadas 397 pessoas, entre os dias 4 e 6 de junho. A pesquisa foi registrada no Tribunal Regional Eleitoral do Maranhão sob o número 09455/2018.

No segundo maior colégio eleitoral do Maranhão, o governador Flávio Dino (PCdoB) lidera a corrida para o Palácio dos Leões. O deputado federal Weverton (PDT) também aparece em primeiro na pesquisa para o Senado Federal.

Na espontânea, o governador Flávio Dino aparece com 45,6% das intenções de voto, contra 9,6% de Roseana Sarney (MDB) e 3% de Roberto Rocha (PSDB). Os candidatos Eduardo Braide (PMN); Maura Jorge (PSL) e Ricardo Murad (PRP) não chegaram a 1%.

Dados os nomes para os pesquisados, Flávio Dino aparece com 57,4%, Roseana Sarney com 17,1%, Roberto Rocha pontuou 7,3%, Maura Jorge 3%, Eduardo Braide 1% e Ricardo Murad, 0,8%.

Para o Senado, Weverton Rocha lidera a pesquisa com 24,7% das intenções de voto, em seguida aparecem Edison Lobão (MDB) com 18,4%, Sarney Filho em terceiro lugar com 9,8%, José Reinaldo com 9,1%, Eliziane Gama 4,3% e Alexandre Almeida com 4,0%.

Na mesma pesquisa foi medida a aprovação do governador Flávio Dino. Após três anos de mandato, 67,8% da população aprovam o governador.

O nível de aprovação é maior do que a votação do governador no ano de 2014, que pontuou naquele ano 63,52% do eleitorado maranhense.

Disputa para o governo do Maranhão já conta com cinco nomes

O nome do engenheiro Odívio Neto foi anunciado como pré-candidato a governador pelo PSOL

A eleição majoritária de 2018 para o governo do Maranhão se encaminha para ter, por enquanto, cinco candidatos.

O nome do engenheiro Odívio Neto foi anunciado como pré-candidato a governador pelo PSOL. A chapa ficou fechada com a indicação da professora Helena como pré-candidata a vice, pelo PCB.

Já estão confirmados o nome do senador Roberto Rocha (PSDB), que teve sua candidatura anunciada em evento com o presença do ex-governador Geraldo Alckmin.

A ex-governadora Roseana Sarney (MDB) também teve seu nome lançado no mês passado. Roseana que nos últimos anos perdeu o apoio de vários partidos, ainda não divulgou o nome de seu vice.

A ex-prefeita de Lago da Pedra, Maura Jorge, já lançou seu nome ao governo do Maranhão ainda no Podemos. Depois de filiada ao PSL, espera a vinda do pré-candidato à Presidência, Jair Bolsonaro, no próximo dia 14, para ter sua pré-candidatura oficializada.

O governador Flávio Dino (PCdoB) também já iniciou sua pré-candidatura com a realização dos ‘Diálogos pelo Maranhão’. Flávio conta com o apoio de 14 partidos e tem a sua chapa fechada com a indicação de Carlos Brandão (PRB) para a vice.

Pesquisa Exata: José Reinaldo sente reflexos de suas atitudes

Seu posicionamento já afastou de José Reinaldo bases em Imperatriz, Balsas e Caxias e o estrago pode ficar ainda maior

A situação do deputado federal e pré-candidato a senador José Reinaldo (PSDB) não é nada animadora e faz com que ele sinta o reflexo na corrida para o Senado Federal.

O deputado saiu do PSB após desentendimento com a cúpula nacional pelos votos a favor do presidente Michel Temer. Travou uma briga com o deputado Juscelino Filho para assumir o DEM no Maranhão. E agora cria uma guerra interna no PSDB com o presidente estadual da legenda, o senador Roberto Rocha, e com o secretário geral, Sebatião Madeira.

Esses acontecimentos fazem com que José Reinaldo apareça na penúltima colocação, com apenas 8% das intenções de voto, na pesquisa do Instituto Exata/Jornal Pequeno.

José Reinaldo, ao invés de agregar, cada vez mais, apoios políticos, está afastando possíveis aliados do PSDB e atraindo a revolta de mais pessoas ao defender a pré-candidatura do deputado Eduardo Braide (PMN) ao governo.

Seu posicionamento já afastou de José Reinaldo bases em Imperatriz, Balsas e Caxias e o estrago pode ficar ainda maior.

Mais um instituto aponta vitória de Flávio Dino no primeiro turno

O Instituto também fez o levantamento sobre a aprovação de Flávio Dino. Segundo a pesquisa, 62% dos entrevistados aprovam o governo

A pesquisa do Jornal Pequeno/Exata, divulgada neste domingo (03), aponta que, se as eleições fossem hoje, o governador Flávio Dino (PCdoB) seria reeleito com 57% dos votos.

A pesquisa foi registrada no Tribunal Superior Eleitoral (TSE) sob o nº 06478/2018. O instituto Exata entrevistou 1.400 pessoas em todas as regiões do Estado, entre os dias 25 e 30 de maio. A margem de erro é de 3,2 pontos percentuais para mais ou para menos.

A pesquisa aponta que o governador tem quase o dobro da segunda colocada, a ex-governadora Roseana Sarney (MDB). O deputado Eduardo Braide (PMN) aparece em terceiro lugar, nas intenções de voto, com 6%, Maura Jorge (PSL) e Roberto Rocha (PSDB) estão com 3% e Ricardo Murad (PRP) aparece apenas com 1%.

O Instituto também fez o levantamento sobre a aprovação de Flávio Dino. Segundo a pesquisa, 62% dos entrevistados aprovam o governo, 34% não aprovam e 4% disseram que não sabem ou não responderam.

O Instituto Exata é o segundo a registrar oficialmente no Tribunal Regional Eleitoral (TRE-MA) uma possível vitória de Flávio Dino. A pesquisa DataIlha/Difusora, divulgada em 15 de maio, também registrou a possibilidade vitória de governador com 60,03%.

À procura de um vice…

Brandão manteve-se leal ao governador e tem todas as condições de ser lançado vice na chapa governista novamente.

As eleições de 2018 apresentam algumas peculiaridades para o mundo político. Se em anos anteriores as articulações e os acordos eram mais claros, hoje se tornaram um cálculo bem difícil para alguns analistas políticos.

A composição de uma chapa com a escolha de um vice pode significar bastante. Em 2014, a escolha de Carlos Brandão, ainda filiado ao PSDB, deu uma larga vantagem para o então candidato Flávio Dino (PCdoB). O ex-tucano agregou tempo de TV e garantiu o apoio de outros políticos e das centenas de diretórios do PSDB no estado.

Neste ano, apesar de estar filiado ao PRB, Brandão ainda apresenta vários pontos positivos para a chapa de Flávio Dino. Uma situação totalmente diferente para os outros concorrentes.

A ex-governadora Roseana Sarney (MDB) ainda tem muita dificuldade em escolher seu vice. Muito se especula pela escolha do senador João Alberto (MDB) para a vaga, mas seu nome sofre muita resistência da própria, que busca um nome jovem para dar um gás ao seu tão rejeitado grupo político.

Roseana também não tem mais o PT para indicar seu vice. O partido garantiu, nas últimas eleições, um bom tempo de TV para o grupo Sarney, mas hoje já faz parte da base de apoio do governador Flávio Dino.

O pré-candidato Roberto Rocha (PSDB) também apresenta dificuldades para fechar sua chapa. Com três nomes disputando a vaga para o Senado, Roberto Rocha ainda não dá sinais de qual nome viável será indicado para vice de sua chapa. Nem mesmo a garantia da vaga e de uma estrutura num possível governo faz com que Roberto feche um acordo com outra legenda.

Com quatro meses para as eleições, a procura de um vice se tornou um dilema para os candidatos. E o tempo para o fechamentos dos acordos já está acabando.