A partir da próxima semana, rodoviários de São Luís poderão entrar em greve

A categoria retomou as discussões relacionadas aos atrasos de salários, além do não pagamento ou não fornecimento de outros direitos, entre eles o ticket alimentação, planos de saúde e odontológico e o décimo terceiro salário.

O Sindicato dos Rodoviários do Maranhão realizou uma nova Assembleia Geral, em dois turnos, nesta quinta-feira (1). A categoria retomou as discussões relacionadas aos atrasos de salários, além do não pagamento ou não fornecimento de outros direitos, entre eles, o ticket alimentação, planos de saúde e odontológico e o décimo terceiro salário, que ainda não teria sido concedido para uma parte dos trabalhadores do sistema.

Após discussões sobre os tópicos, ficou acordado que os rodoviários irão aguardar até o 5º dia útil do mês de fevereiro, que será ‪na próxima quarta-feira‬ (7), como prazo final para que os empresários realizem todos os pagamentos devidos. Caso contrário, será decretada greve no sistema de transporte público de São Luís no dia seguinte, por tempo indeterminado.

Rodoviários de três empresas de ônibus devem cruzar os braços nesta quarta

Rodoviários reclamam salários atrasados

O Sindicato dos Rodoviários do Maranhão, após reunião com toda a diretoria da entidade, informa que, nesta quarta-feira (10), os ônibus de três empresas ficarão sem rodar na capital. São elas: São Benedito (garagem no Recanto dos Vinhais); Matos (garagem no bairro de Fátima) e Marina (garagem na Vila Flamengo, Maiobão).

Essas três empresas, além de não terem pago os salários do mês, também não disponibilizaram, benefícios que os trabalhadores têm direito, como o plano de saúde que segue suspenso por falta de pagamento, assim como o plano odontológico, o ticket alimentação e parte do décimo terceiro.

São Benedito, Matos e Marina estão obrigando os funcionários a trabalharem sem a garantia de nenhum direito. Por este motivo, nas primeiras horas desta quarta-feira (10), os ônibus, por orientação do Sindicato, ficarão retidos nas garagens.

O sindicato informou que Isaías Castelo Branco estará, desde as sete da manhã, na garagem da empresa São Benedito, para os esclarecimentos necessários, conforme solicitação da imprensa.

De novo! Rodoviários ameaçam cruzar os braços em São Luís

Por falta do pagamento de salários e de outros benefícios, Rodoviários podem parar nesta quarta-feira (10) em São Luís

O Presidente e diretores do Sindicato dos Rodoviários do Maranhão estão reunidos nesta segunda-feira (08), realizando um levantamento detalhado. A intenção é verificar quais empresas que atuam no transporte público de São Luís, ainda não honraram os compromissos, pagando os salários e outros benefícios dos trabalhadores.

Logo após as festividades de Ano Novo, muitos associados procuraram o Sindicato dos Rodoviários, para denunciar as condições, em que estavam sendo obrigados a trabalhar. Sem receber os salários, benefícios como o ticket alimentação e em alguns casos, nem mesmo o décimo terceiro foi depositado nas contas dos funcionários, o que configura uma irregularidade. Tem situações em que o associado não está conseguindo nem se consultar através do plano de saúde, por falta de pagamento.

Hoje (08), é o quinto dia útil do mês e prazo final para que os trabalhadores recebam os salários e demais benefícios. Essa recomendação, inclusive, aparece como um dos pontos acordados entre a categoria e patrões, por meio de Convenção Coletiva de Trabalho. Com base neste direito dos trabalhadores, é que a entidade aguardará até o fim desta segunda-feira, para saber quais empresas não cumpriram com a determinação. A partir daí, o Sindicato confirma que tomará as medidas cabíveis.

“Nesta terça-feira (09), eu e os diretores da entidade, nos reuniremos para atualizar as informações, ou seja, saber quem pagou e quem não pagou. As empresas que não efetuarem o pagamento dos salários e de outros benefícios em atraso dos trabalhadores, essas terão os ônibus impedidos de rodar na quarta-feira (10). Iremos recomendar aos trabalhadores que cruzem os braços e permaneçam nas garagens, até que todos os pagamentos devidos sejam efetuados. Quanto aos empresários que realizarem os pagamentos, estes não precisarão se preocupar, já que não haverá qualquer tipo de manifesto nas portas das garagens. Esta é uma medida drástica, mas necessária. Entendemos que somente desta forma é que alguns patrões respeitam os direitos dos trabalhadores. A situação é desgastante para todos, mas ultimamente, só somos atendidos na base da ameaça. Por esta razão volto a dizer, as empresas que não pagarem serão impedidas de rodar na quarta-feira em São Luís”, ressalta Isaias Castelo Branco, Presidente do Sindicato dos Rodoviários do Maranhão.

Rodoviários programam paralisação de advertência para sexta-feira em São Luís…

O movimento de advertência é para reclamar de atraso de salários, descumprimento de acordos e contra a Reforma Trabalhista do governo Michel Temer (PMDB)

Os rodoviários de São Luís decidiram “cruzar os braços” por três horas, na capital, na próxima sexta-feira (25), para reclamar de atraso de salários, descumprimento de acordos e contra a Reforma Trabalhista do governo Michel Temer (PMDB). De nove da manhã ao meio-dia, os ônibus vão parar de rodar. A decisão foi tomada pelo presidente  do Sindicato dos Rodoviários, Isaías Castelo Branco, e por diretores da entidade, em reunião realizada na manhã desta quarta-feira (25).

Os principais motivos que levaram o Sindicato dos Rodoviários a incentivarem os trabalhadores a cruzarem os braços são os constantes atrasos nos pagamentos de salários e de outros benefícios, que a categoria tem direito, como o ticket-alimentação. As empresas têm ciência de que os salários devem ser pagos até o quinto dia útil do mês, esta, inclusive, é uma das cláusulas da Convenção Coletiva de Trabalho, mas, praticamente, todos os meses, os empresários descumprem a determinação.

Atualmente,  cerca de seis mil rodoviários exercem a atividade no transporte público de São Luís e sofrem as conseqüências por conta destes constantes atrasos. São motoristas, cobradores e fiscais que vão ao Sindicato todos os dias e denunciam a falta de compromisso dos empresários.

Além das questões que envolvem a pauta local, a paralisação por três horas, no dia 27, também é uma resposta à aprovação da Reforma Trabalhista, que deve entrar em vigor nos próximos dias. O Sindicato dos Rodoviários do Maranhão reivindica os interesses da categoria, mas também apoia o movimento, organizado em São Luís por diversas entidades, entre elas, a Confederação Nacional dos Trabalhadores em Transportes Terrestres – CNTTT, que deve ser marcado pela manhã, por um grande ato na Praça Deodoro, e à tarde, o Encontro de Entidades, que acontecerá a partir das 14 horas, na sede da entidade.

O movimento tem o intuito de defender as conquistas dos trabalhadores brasileiros e forçar o Governo Temer, a modificar as regras da Reforma Trabalhista, que mais parece querer escravizar os brasileiros.

PAGAMENTO – Rodoviários cobram empresários na Justiça…

Até o momento, somente as empresas Primor e Maranhense depositaram o salário dos trabalhadores; e a São Benedito que apenas fez o pagamento do tíquete alimentação.

Até o momento, somente as empresas Primor e Maranhense depositaram o salário dos trabalhadores; e a São Benedito que apenas fez o pagamento do tíquete alimentação.

O Sindicato dos Rodoviários do Maranhão deu entrada em representações contra os empresários que atuam no sistema de transporte público de São Luís. Os documentos foram encaminhados ao Ministério Público do Trabalho, Superintendência do Trabalho e Emprego e Tribunal Regional do Trabalho.

A medida, segundo nota disparada pela Assessoria de Comunicação,  tem o propósito de que estas instituições façam cumprir, agora pelos meios judiciais, o que rege a convenção coletiva de trabalho, que determina, em uma de suas cláusulas, que pagamento, que é quinzenal, dos trabalhadores que operam no transporte público, seja efetuado até o quinto dia útil, primeira parte; e até o dia 20, a última porcentagem a ser recebida.

Segundo ainda a nota, nos últimos meses, esse acordo vem sendo constantemente desrespeitado, fato que tem gerado inúmeros transtornos e prejuízos à categoria. A justificativa dos empresários é sempre a mesma, que faltam recursos para o pagamento dos funcionários nas datas estipuladas. Até o momento, somente as empresas Primor e Maranhense depositaram o salário dos trabalhadores; e a São Benedito que apenas fez o pagamento do tíquete alimentação.