Roseana “investe” em Roberto Rocha para tentar segundo turno, avalia cientista político

Nas redes sociais, o especialista se posicionou sobre a estratégia do staff de Roseana após o debate da TV Mirante

Com alta rejeição, sem apelo nas ruas e com uma identidade política ligada ao passado, a ex-governadora Roseana Sarney (MDB) tem como última estratégia, para arrancar um improvável segundo turno, distribuir votos entre Roberto Rocha e Maura Jorge. Essa é a avaliação do cientista político e professor da Universidade Federal do Tocantins (UFT), Hesaú Rômulo.

Nas redes sociais, o especialista se posicionou sobre a estratégia do staff de Roseana após o debate da TV Mirante. O professor acredita que, depois de apostarem em Maura Jorge (PSL), a mídia sarneysista tenta “vender” que Roberto Rocha foi o vencedor do debate.

“Já investiram em Maura Jorge e não funcionou. Agora colocam energia no tecnicismo que Rocha oferece”, pontuou.

“Pulverizar os votos entre Rocha e Maura Jorge parece a última estratégia pra evitar que Flávio Dino encerre as coisas no Maranhão ainda no primeiro turno”, acrescentou Hesaú.

Flávio Dino domina debate da Mirante

O governador Flávio Dino (PCdoB) se sobressaiu em todas as perguntas e mostrou com tranquilidade as obras e ações de seu governo. Foto: TV Mirante

A TV Mirante promoveu, na noite de terça-feira (2), o primeiro debate televisivo das eleições do Maranhão. Estiveram presentes os candidatos Flávio Dino (PCdoB), que dominou o embate com os adversários, Maura Jorge (PSL), Odívio Neto (PSOL), Roberto Rocha (PSDB) e Roseana Sarney (MDB). Apenas Ramon Zapata não participou, pois o PSTU não tem representação na Câmara Federal.

Dividido em quatro blocos, o debate teve tema livre no 1º e 3º bloco, enquanto o 2º e 4º bloco foram com temas determinados, além das considerações finais dos candidatos, no 4º e último bloco.

O governador Flávio Dino (PCdoB) se sobressaiu em todas as perguntas e mostrou com tranquilidade as obras e ações de seu governo. Líder em todas as pesquisas, ele pediu aos espectadores, mais uma oportunidade para continuar com as políticas sociais implantadas por sua gestão. Pelo seu status de governador, Flávio Dino não deixou de receber críticas da maioria dos candidatos.

A candidata Roseana preferiu dirigir suas perguntas na maioria das vezes à ex-prefeita Maura Jorge. Ela teve que responder perguntas polêmicas sobre a Casa de Veraneio, por exemplo. Roberto Rocha se mostrou aparentemente nervoso e exaltado, o candidato citou alguns dos suas propostas como os investimentos na área do meio ambiente. Odívio Neto do PSOL mostrou nervosismo ao gaguejar por diversas vezes e esquecer os temas selecionados das perguntas, mas reforçou que se eleito, investirá na valorização dos servidores públicos.

Maura Jorge por sua vez partiu várias vezes com críticas ácidas ao governador Flávio Dino. A candidata não deixou de exaltar por várias vezes a aliança com o candidato a presidente Jair Bolsonaro (PSL).

Os maranhenses irão às ruas no próximo domingo (7), e escolherão o gestor para os próximos quatro anos.

Denúncias podem complicar Roseana Sarney e Maura Jorge no debate da TV Mirante

Resta saber se as duas vão se livras das ‘saias justas’ ou se vão titubear ao vivo e a cores para todo o Maranhão

No debate que será realizado hoje (2) à noite pela TV Mirante, a candidata Roseana Sarney (MDB) provavelmente será convocada a explicar como a gráfica que imprime o jornal da sua família foi contratada para confeccionar material calunioso contra os candidatos ao Senado Eliziane Gama (PPS) e Weverton Rocha (PDT).

As publicações foram impressas na gráfica do jornal O Estado do Maranhão e a mando de um aliado do irmão de Roseana, Sarney Filho (PV), que aparece em queda nas pesquisas de intenção de voto ao Senado.

A candidata Maura Jorge (PSL) também deverá enfrentar forte pressão no debate. Maura terá que se defender da denúncia de que teria contratado funcionária fantasma quando era deputada estadual. A empregada doméstica Gercina Vieira contou ao Jornal Pequeno que foi vítima de um golpe de Maura Jorge e ficou impossibilitada de se aposentar ao descobrir que seu nome foi usado, sem o seu consentimento, para lotar u uma funcionária fantasma no gabinete de Maura. No esquema, quase R$ 200 mil foram desviados.

Resta saber se as duas vão se livras das ‘saias justas’ ou se vão titubear ao vivo e a cores para todo o Maranhão.

UOL: Roseana perde força e pode ter derrota inédita no 1º turno

Roseana Sarney (MDB) pode perder a disputa eleitoral no Maranhão

UOL

A menos de uma semana das eleições, Roseana Sarney, que foi governadora do Maranhão por quatro vezes e chegou a ser cotada para ser presidente no início do século, pode ser derrotada pela primeira vez em um primeiro turno. Segundo a última pesquisa Ibope, divulgada no dia 19 de setembro, a candidata do MDB ao governo do Maranhão está em segundo lugar, com 32% das intenções de voto totais. Ela está atrás do atual governador e adversário do clã Sarney, Flávio Dino (PCdoB), que possui 49%.

O levantamento indica que Dino tem chances de se reeleger já no primeiro turno, pois ele tem 55% dos votos válidos, quando são retirados da contagem os votos brancos e nulos, que somaram 12% na última pesquisa. Nos votos válidos, o percentual de Roseana vai a 36% das intenções de voto.

Ainda assim, o instituto pesquisou o cenário para um eventual segundo turno entre os dois rivais. O candidato do PCdoB fica com 54% e a representante do clã Sarney, 37%. A margem de erro é de três pontos percentuais, para mais ou para menos.

Se confirmadas as pesquisas, Roseana pode sofrer a sua segunda derrota nas urnas, mas a primeira em um primeiro turno. Em 1994, ela venceu Epitácio Cafeteira por 18.060 votos no segundo turno, obtendo 50,61% dos votos válidos, sendo a primeira mulher a governar o estado. Quatro anos depois, a então governadora pelo PFL foi reeleita no primeiro turno, com 66,01% dos votos válidos.

Com a popularidade em alta, Roseana chegou a ser lançada como pré-candidata à Presidência em 2002, mas teve de retirar a candidatura em março daquele ano, após uma operação da Polícia Federal ter apreendido R$ 1,3 milhão na sede da construtora Lunus, em São Luís. A empresa, de propriedade de Roseana e do marido dela, Jorge Murad, tornou-se o epicentro de uma crise política que modificou os rumos da campanha. Mesmo assim, ela se candidatou ao Senado e foi eleita.

Em 2006, a primeira derrota da carreira política. Ela foi superada por Jackson Lago (PDT) por 97.874 votos de diferença no segundo turno. Porém, Lago teve o mandato cassado em 2009 por abuso de poder político e econômico nas eleiçôes e Roseana assumiu o governo. Em 2010, ela foi reeleita, vencendo inclusive Flávio Dino, seu adversário que é apontado pelas pesquisas como possível vitorioso no primeiro turno deste ano.

Oito anos atrás, a briga entre o PCdoB e o clã Sarney era bem diferente. Em 2010, Roseana venceu o pleito no estado, com 50,08% dos votos válidos ainda no primeiro turno. Dino ficou em segundo lugar, com 29,48%, de acordo com o TSE. Naquele ano, a candidata do MDB conseguiu a maioria dos votos na capital e na grande São Luiz, além do interior do estado – Dino venceu apenas em duas cidades do interior.

Primogênita do ex-presidente José Sarney, que abandonou a vida pública após ficar quase 60 anos no poder, Roseana recebeu R$ 8 milhões do MDB para a campanha – o pai, que convocou a filha para disputar as eleições, doou R$ 95 mil para a campanha. Até agora, segundo o TSE (Tribunal Superior Eleitoral), mais de R$ 5,6 milhões já foram gastos, e a candidatura não decolou.

Segundo a professora Ilse Gomes, do departamento de Ciência Política da Universidade Federal do Maranhão (UFMA), há duas explicações para o desempenho da ex-governadora. “Roseana se desgastou muito nas últimas gestões, e a família Sarney não conseguiu apresentar uma liderança alternativa”, explicou.

Hoje a taxa de rejeição da candidata (40%) é a maior entre os postulantes ao governo, segundo o Ibope. O atual governador é o segundo na lista, com 22%.

Para Ilse, esse índice é fruto de dois aspectos: a escolha da família em apoiar o governo Temer e o trabalho de Dino em diminuir a força do clã nos redutos eleitorais da família com programas de assistência social: os municípios mais pobres do Maranhão.

Mas o eleitor típico de Roseana ainda parece vir de lá, segundo o Ibope. Ele mora fora da capital, tem entre 45 e 54 anos, ganha até um salário mínimo, tem até a quarta série do ensino fundamental, declara ser negro ou pardo e e possui a religião católica.

Outro ponto, salienta Ilse Gomes, é que os candidatos do Nordeste que apoiaram o ex-presidente Lula (PT)tiveram uma disparada nas pesquisas de intenção de voto.

Vitória de Flávio Dino no primeiro turno com 62% é confirmada pela Econométrica

A pesquisa foi feita entre os dias 27 e 30 de setembro, com 1.411 entrevistados em todas as regiões do Maranhão

A nova pesquisa Econométrica, divulgada nesta segunda-feira (1), mostra que o governador Flávio Dino está consolidado em primeiro lugar na corrida eleitoral, com ampla vantagem sobre a segunda colocada. Flávio aparece com 61,9% dos votos válidos.

É mais que o dobro de Roseana Sarney, que tem 29,9% das intenções de voto. Em seguida, vêm Maura Jorge (5,3%), Roberto Rocha (2,5%), Ramon Zapata (0,4%) e Odívio Neto (0,1%).

Senado

Para o Senado, os dois candidatos de Flávio Dino lideram com boa vantagem sobre os demais concorrentes. Neste ano, o eleitor vota em dois senadores.

Weverton Rocha tem 33,1% das intenções totais de voto, e Eliziane Gama aparece com 30%.

Atrás deles estão Sarney Filho, com 23,5%, e Edison Lobão, com 23,1%. A lista ainda tem Zé Reinaldo (9,8%), Alexandre Almeida (5,7%), Samuel Campelo (1,7%), Iêgo Brunno (1,3%), Preta Lú (1,1%), Saulo Arcangeli (0,8%) e Saulo Pinto (0,5%).

Brancos e nulos são 17,9%. E 51,5% não souberam responder. A soma total dá 200% porque o eleitor vota em dois senadores.

Registro

A pesquisa foi feita entre os dias 27 e 30 de setembro, com 1.411 entrevistados em todas as regiões do Maranhão. A margem de erro é de 2,6 pontos para mais ou para menos. O levantamento está registrado sob o número MA-01075/2018.

Coligação de Flávio Dino entra com ação na PGR após campanha de Roseana Sarney veicular informação falsa

A inserção dizia que Flávio Dino estava inelegível, o que é uma informação sabidamente falsa

A coligação do governador e candidato à reeleição Flávio Dino encaminhou à Procuradoria Geral da República (PGR) uma notícia-crime contra a campanha da candidata Roseana Sarney por ter veiculado informação falsa no horário eleitoral gratuito na TV nesse sábado (29).

A inserção dizia que Flávio Dino estava inelegível, o que é uma informação sabidamente falsa. Em nenhum momento, o governador esteve inelegível. O candidato é 100% Ficha Limpa, como atestam todos os registros na Justiça comum e na Justiça Eleitoral.

Na peça, os advogados da coligação de Flávio Dino pedem que sejam “tomadas as devidas providência com o necessário ingresso da Ação Penal cabível”.

Além de Roseana Sarney, também é alvo da notícia crime o representante da coligação da candidata, João Alberto de Souza.

“É de suma importância levar em conta que divulgar, na propaganda, fatos inverídicos, em relação a partidos ou candidatos e capazes de exercerem influência perante o eleitorado, recai em pena de detenção de dois meses a um ano, ou pagamento de 120 a 150 dias-multa”, afirma a notícia-crime.

Os advogados acrescentam que “é fato público e notório que o candidato Flávio Dino não está inelegível, até porque já teve seu registro de candidatura deferido pela corte deste Tribunal Regional Eleitoral”.

“Em um evidente ato de desespero, a inserção da representada dedica-se a tentar forçar a ausência de possibilidade do candidato a reeleição ao Governo do Estado de ser eleito”, diz a notícia-crime.

Crises nas campanhas de Roseana e Roberto Rocha marcam últimos dias da eleição

Com os diversos problemas nas chapas adversárias, o Maranhão caminha para eleger o governador Flávio Dino ainda no primeiro turno

A campanha eleitoral de 2018 chega à reta final e os maranhenses se preparam para escolher o seu representante que irá governar o Estado por mais quatro anos.

Na disputa maranhense, o governador Flávio Dino (PCdoB), pelo trabalho desempenhado nos últimos ano e com a desenvoltura política, é o favorito da disputa. Mas em duas campanhas específicas as coisas não estão indo bem.

No PSDB maranhense, os inúmeros problemas começaram desde a pré-campanha. Na reta final, até mesmo o deputado federal Waldir Maranhão, que andou de mãos dadas com Roberto Rocha para tentar viabilizar sua candidatura ao Senado Federal, parece ter esquecido do candidato ao governo. Waldir nem cita mais Roberto Rocha no seu material de campanha, mostrando que agora é cada um por si.

Na campanha de Roseana Sarney, as dificuldades também foram enormes, sobretudo para aglutinar apoiadores no interior. Na reta final, até mesmo seu ex-genro, o ex-deputado estadual Carlos Filho (PRTB) anunciou sua desistência na disputa por uma das vagas na Assembleia Legislativa, vislumbrando a derrota esmagadora de seu grupo político.

Com os diversos problemas nas chapas adversárias, o Maranhão caminha para eleger o governador Flávio Dino ainda no primeiro turno.

Pesquisa Exata mostra Flávio Dino com 63% dos votos, mais que o dobro de Roseana

A pesquisa foi registrada no TSE sob o número MA-05196/2018, a Exata utilizou 1402 questionários e ouviu a opinião de eleitores de todo o Maranhão entre os dias 25 e 28 de setembro

A nova pesquisa Exata/Jornal Pequeno confirmar a vitória do governador Flávio Dino (PCdoB), na disputa do próximo dia 7 de outubro. Os números mostram que se as eleições fossem hoje, Dino seria reeleito com 63% dos votos válidos, mais que o dobro de votos de Roseana Sarney (PMDB), segunda colocada, com 31%.

Em terceiro lugar aparece Maura Jorge (PSL), com 4%, seguido de Roberto Rocha (PSDB), com 2%. Os candidatos Odívio Neto (PSOL) e Ramon Zapata (PSTU), não pontuaram.

A pesquisa foi registrada no TSE sob o número MA-05196/2018, a Exata utilizou 1402 questionários e ouviu a opinião de eleitores de todo o Maranhão entre os dias 25 e 28 de setembro. A margem de erro da pesquisa é de 3,3 pontos percentuais para mais ou para menos e o intervalo de confiabilidade é de 95%.

Justiça nega pedido de Roseana contra propaganda de Rubens Jr

O juiz Alexandre Lopes de Abreu afirmou que é preciso garantir “em um Estado Democrático de Direito a realização de críticas contundentes, ainda que ríspidas, a um gestor público ou candidato

A Coligação O Maranhão Quer Mais, representada pela ex-governadora e candidata Roseana Sarney (MDB), teve um pedido de liminar negado pelo Tribunal Regional Eleitoral do Maranhão. Os advogados de Roseana pediam que fosse retirada do ar uma propaganda veiculada pelo deputado federal Rubens Júnior (PCdoB) em que trazia a mensagem que “os prejuízos que Michel Temer e o MDB de Roseana Sarney estão causando são inaceitáveis”. Numa tentativa de colar a imagem da ex-governadora ao atual presidente Michel Temer, de acordo com os advogados.

O juiz Alexandre Lopes de Abreu negou o pedido e afirmou que a “Justiça Especializada precisa zelar pelo direito do cidadão-eleitor em obter informações que possam influenciar, de forma legítima, na sua decisão no pleito eleitoral.”

Destaca ainda que é preciso garantir “em um Estado Democrático de Direito é a realização de críticas contundentes, ainda que ríspidas, a um gestor público ou candidato a cargo eletivo, mas, desde que sejam direcionadas a temas relativos à sua administração, de modo a preservar o equilíbrio e da igualdade entre os candidatos”, afirmou.

“Em que pesem os argumentos do Representante, e, após análise do vídeo impugnado, constato que a propaganda impugnada não merece ser retirada. Primeiro, porque, não obstante tenha referência à candidata da Coligação, observo que a menção formulada é tão-somente a de que o partido MDB é de Roseana Sarney e que tanto o partido, que também é do Presidente da República, quanto este, estão causando prejuízos inaceitáveis ao país. Noutro giro, não resta configurada a violação ao art. 58-A da Lei n.º 9.504/97, uma vez que o próprio artigo excepciona a possibilidade de candidatos majoritários comporem a propaganda eleitoral dos candidatos proporcionais, com uso de fotografias desses candidatos, ficando autorizada a menção ao nome e ao número de qualquer candidato do partido ou da coligação, o que, no caso, ocorre”, finalizou o juiz Alexandre Lopes de Abreu.