A passagem da caravana de Roseana Sarney por Pedreiras…

Na cidade de Pedreiras, os dois maiores grupos políticos apoiam a reeleição do governador Flávio Dino (PCdoB)

A ex-governadora Roseana Sarney (MDB) esteve na cidade de Pedreiras com sua caravana e passou por uma situação um tanto quanto desconfortável. Na maior cidade da região do Médio Mearim, ela reuniu poucas pessoas no seu evento de pré-campanha.

A ex-governadora esteve na cidade na quarta-feira (04) e pôde conferir de perto o descrédito da população e da classe política.

Na cidade de Pedreiras, os dois maiores grupos políticos apoiam a reeleição do governador Flávio Dino (PCdoB).

Tanto o grupo do ex-secretário de Indústria e Comércio e presidente do Solidariedade, Simplício Araújo, quanto o de Raimundo Louro e do deputado estadual Vinícius Louro, estão com Flávio Dino.

 

Leia mais: Saiba quem são os seis pré-candidatos ao Governo do Maranhão

Leia mais: Partidos da base de sustentação de Flávio Dino farão grande Convenção no próximo dia 28

Roseana inicia segunda etapa de sua caravana com pouco apoio político

Em Lago do Junco, Roseana foi recebida pelo ex-prefeito Haroldo Léda e fez seu evento na Câmara Municipal

A ex-governadora Roseana Sarney (MDB) iniciou, nesta terça-feira (03), a segunda etapa de sua caravana pelas cidades maranhenses. Após prometer percorrer mais 50 municípios, a ex-governadora teve que diminuir o número de cidades visitadas por falta de apoio político.

A primeira cidade visitada foi Lago da Pedra, onde a ex-governadora foi recebida pelo ex-prefeito Luiz Osmani. A reunião teve a presença dos deputados estaduais Edilázio Júnior (PSD) e César Pires (PV) e do senador Edison Lobão (MDB). Lá, ela não pode contar com a presença de sua antiga aliada, a ex-prefeita Maura Jorge (PSL), que também lançou seu nome como pré-candidata ao Governo do Estado.

Em Lago do Junco, Roseana foi recebida pelo ex-prefeito Haroldo Léda e fez seu evento na Câmara Municipal. Neste primeiro dia, a ausência do deputado federal e pré-candidato ao Senado, Sarney Filho (PV) foi sentida.

Ainda com movimentos e reuniões apáticas, Roseana tenta diminuir a larga diferença para o governador Flávio Dino (PCdoB) nas pesquisas eleitorais. Mas sem o apoio de prefeitos e vereadores, ela sente na pele a falta da presença da classe política e da população, que decidiu em 2014 acabar com as longas décadas de domínio da família Sarney.

 

Leia mais: Roseana evita associação com o aliado Michel Temer, reprovado por 90% da população

Leia mais: Sem apoios, Roseana Sarney diminui número de cidades de sua caravana de 50 para 11

Leia mais: Edison Lobão e a tentativa de carona na popularidade de Lula

Saiba quem são os seis pré-candidatos ao Governo do Maranhão

Palácio dos Leões, sede do Governo do Maranhão

Com o lançamento da pré-candidatura de Ramon Zapata, pelo PSTU, ao Governo do Estado, a corrida para o comando do Palácio dos Leões já tem seis nomes na disputa.

Já está confirmado o nome do senador Roberto Rocha (PSDB), que teve sua pré-candidatura anunciada em evento com a presença do ex-governador Geraldo Alckmin.

Leia mais: Declaração de Roseana sobre Lula irrita petistas maranhenses

O governador Flávio Dino (PCdoB) também já iniciou sua pré-candidatura com a realização dos ‘Diálogos pelo Maranhão’. Ele conta com o apoio de 14 partidos e tem a sua chapa fechada com a indicação do atual vice-governador Carlos Brandão (PRB) para a mesma vaga.

A ex-governadora Roseana Sarney (MDB) também teve seu nome lançado no mês de maio. Roseana que, nos últimos anos, perdeu o apoio de vários partidos, ainda não divulgou o nome de seu vice.

A ex-prefeita de Lago da Pedra, Maura Jorge, teve seu nome lançado como pré-candidata ao governo do Maranhão pelo PSL. O evento contou com a presença do presidenciável Jair Bolsonaro.

O nome do engenheiro Odívio Neto também foi anunciado como pré-candidato a governador pelo PSOL. A chapa ficou fechada com a indicação da professora Helena como pré-candidata a vice, pelo PCB.

Leia mais: Maura Jorge e o dilema com o Podemos de Aluísio Mendes

Leia mais: Sem apoios, Roseana Sarney diminui número de cidades de sua caravana de 50 para 11

Roseana evita associação com o aliado Michel Temer, reprovado por 90% da população

Após dois anos do golpe e três meses da prisão do ex-presidente Lula (PT), Roseana, ao notar a rejeição de Michel Temer e de seu partido, faz manobras para tentar aliar sua imagem à do ex-presidente Lula

Sem a menor cerimônia, a ex-governadora Roseana Sarney (MDB) passou a esconder seu companheiro de partido e aliado, o presidente mais rejeitado da história brasileira, Michel Temer (MDB).

Após o golpe dado na ex-presidente Dilma Rousseff (MDB), Michel Temer passou a praticar medidas impopulares como a Reforma Trabalhista e o aumento dos impostos sobre os combustíveis e o gás de cozinha.

Leia mais: Sem apoios, Roseana Sarney diminui número de cidades de sua caravana de 50 para 11

Somente agora, após dois anos do golpe e três meses da prisão do ex-presidente Lula (PT), Roseana, ao notar a rejeição de Michel Temer e de seu partido, faz manobras para tentar aliar sua imagem à do ex-presidente Lula, na tentativa de angariar um pouco da sua popularidade no estado, deixando Michel Temer de escanteio.

As últimas atitudes do grupo Sarney deixam o pré-candidato à Presidência da República pelo MDB, o ex-ministro Henrique Meireles, em uma situação complicada. Mesmo patinando na margem de 1% nas pesquisas, ele não pode mais contar com a ajuda do clã Sarney no Maranhão, pois a ex-governadora tenta passar a imagem de ser aliada de Lula e do PT e o deixa à deriva na pré-campanha, juntamente com o companheiro de partido Michel Temer.

Leia mais: Declaração de Roseana sobre Lula irrita petistas maranhenses

Leia mais: Edison Lobão e a tentativa de carona na popularidade de Lula

Sem apoios, Roseana Sarney diminui número de cidades de sua caravana de 50 para 11

O número menor de cidades frustra mais ainda aliados do grupo Sarney que não veem ações de Roseana para reagir à diferença que a pré-candidata tem do governador Flávio Dino (PCdoB), nas pesquisas eleitorais

Com o sumiço de 42 dias após o lançamento oficial de sua pré-candidatura, a ex-governadora Roseana Sarney anuncia, finalmente, a segunda etapa de sua caravana que vai percorrer novos municípios.

O momento apático de Roseana fez diminuir o número de cidades visitadas. Das 50 divulgadas anteriormente, agora a ex-governadora percorrerá apenas 11 municípios. A partir de terça-feira (03), Roseana vai a Lago do Junco e Lago da Pedra. Na quarta-feira (04) é a vez de Lago dos Rodrigues, Igarapé Grande, Bernardo do Mearim, Pedreiras, Trizidela do Vale e Lima Campos. E termina na quinta-feira (05), nas cidades de Timon, Caxias e Codó.

O número menor de cidades frustra mais ainda aliados do grupo Sarney que não veem ações de Roseana para reagir à diferença que a pré-candidata tem do governador Flávio Dino (PCdoB), nas pesquisas eleitorais.

Ao mesmo tempo em que cobram o aumento das ações de pré-campanha, os aliados da família Sarney temem que novamente as reuniões de Roseana nas cidades visitadas seja resumida a encontro em varandas de casas e com pouca presença popular.

O fracasso da primeira etapa da ‘Caravana da Guerreira’, certamente, é o motivo da diminuição do número das cidades. Agora é esperar para ver como os eventos de Roseana acontecerão nesta segunda fase.

Declaração de Roseana sobre Lula irrita petistas maranhenses

Passados quase três meses da prisão de Lula, somente agora, Roseana mostra sua solidariedade ao ex-presidente, evidenciando seu oportunismo

Causou revolta entre a militância do PT e simpatizantes do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) a declaração da ex-governadora Roseana Sarney (MDB) sobre sua “solidariedade” a Lula.

Com a frase “O Maranhão está com Lula, eu também estou”, Roseana parece brincar com a inteligência dos maranhenses, admiradores do trabalho de Lula e tenta buscar na popularidade do ex-presidente formas de subir nas pesquisas de intenções de voto e voltar ao Governo do Estado.

Em abril de 2016, durante uma festa na casa do deputado Heráclito Fortes, logo após o impeachment da ex-presidente Dilma Rousseff (PT), Roseana se referiu ao golpe dado em Dilma como uma corrida de cavalos e afirmou ao jornal O Globo que apostou “no cavalo certo” referindo-se ao apoio dado a Michel Temer.

“Meu pai disse que apostei no cavalo certo. Como pode tudo isso? Fui duas vezes coordenadora do impeachment”, completou Roseana.

Roseana viajou para Brasília e por lá ficou por vários dias, encarregando-se de conseguir apoio dos deputados federais maranhenses para o impeachment de Dilma Rousseff, consequentemente, um ato contra Lula. A ex-governadora apostou que, com a chegada do MDB ao Governo Federal, suas chances de derrotar o governador Flávio Dino (PCdoB) fossem potencializadas.

Mas o destino mostrou que Roseana estava errada. Passados dois anos do golpe, a ex-governadora vê a popularidade de seu companheiro de partido, Michel Temer, despencar e ser considerado o governo mais impopular da história.

Passados quase três meses da prisão de Lula, somente agora, Roseana mostra sua solidariedade ao ex-presidente, evidenciando seu oportunismo.

Falta um mês para o início das convenções partidárias

De acordo com o calendário das eleições de 2018, publicado pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE), as convenções poderão ser iniciadas no dia 20 julho e vão até o dia 5 de agosto. Nelas também serão escolhidas as coligações

As eleições gerais de 2018 estão chegando e os preparativos para o pleito já começam a ser planejados. As convenções partidárias definirão os candidatos ao Governo do Estado, ao Senado Federal, à Câmara dos Deputados e à Assembleia Legislativa.

De acordo com o calendário das eleições de 2018, publicado pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE), as convenções poderão ser iniciadas no dia 20 julho e vão até o dia 5 de agosto. Nelas também serão escolhidas as coligações.

O atual governador e pré-candidato à reeleição, Flávio Dino (PCdoB), encaminha-se para realizar a maior convenção deste ano no Maranhão. Ele já tem o apoio do PDT, PSB, PT, PPS, DEM, PP, PR, PRB, PTB, PROS, PTC, PEN, Solidariedade, além do próprio PCdoB.

A ex-governadora Roseana Sarney conta com o apoio do seu partido MDB, além do PSD, PV e PMB.

A pré-candidata Maura Jorge já tem declarações de apoio do PRTB, PSDC, Podemos, além do PSL, seu partido.

O senador Roberto Rocha, até o momento, conta apenas com o PSDB. Ele espera a convenção tucana no estado para definir seu nome na disputa ao governo do estado.

Professor Odívio Rezende teve seu nome definido pelo PSOL, o pré-candidato terá ainda o apoio do PCB.

Outros dois pré-candidatos seguem indefinidos. O deputado estadual Eduardo Braide (PMN) e o ex-secretário Ricardo Murad (PRP) terão, nas convenções partidárias, a oportunidade para definirem seus destinos.

Alguns partidos também seguem indefinidos. São eles: Avante, Rede, Novo, PSC, PHS, PPL, PSTU e PCO.

Roseana se distancia de Lobão e João Alberto

A manobra dos dois filhos de José Sarney evidencia a guerra silenciosa entre Sarney Filho e Edison Lobão

Causou estranheza a ausência dos senadores Edison Lobão e João Alberto, ambos do MDB, na caravana de Roseana Sarney realizada nas cidades de Mirinzal, Central do Maranhão e Pinheiro, na Baixada Maranhense.

Roseana foi acompanhada de seu irmão, o deputado federal Sarney Filho (PV). Ele tenta viabilizar sua pré-candidatura ao Senado Federal e cola em sua irmã para conquistar novas bases políticas.

A manobra dos dois filhos de José Sarney evidencia a guerra silenciosa entre Sarney Filho e Edison Lobão. Ambos os pré-candidatos ao Senado pelo grupo sabem que quem melhor estiver articulado com suas bases pode levar a disputa.

Outra figura do MDB maranhense rifado por Roseana e Sarney Filho foi o senador João Alberto. Para garantir Sarney Filho na disputa, ele foi convencido de desistir de sua reeleição. O senador também sofre resistência da própria ex-governadora em ser aceito como candidato a vice-governador.

Tais movimentações mostram como o grupo Sarney chega fragilizado às eleições de 2018.

Pré-campanha! Roseana Sarney faz nova investida em três municípios

Roseana sentiu na pele novamente as mudanças do novo cenário político e o desprestígio

A ex-governadora do Maranhão, Roseana Sarney (MDB), ensaiou o retorno de sua caravana por cidades do interior do estado, mas presenciou novamente reuniões caseiras com poucas pessoas. Ela percorreu os municípios de Mirinzal, Central do Maranhão e Pinheiro, na Baixada Maranhense, e viu como seu grupo político está desprestigiado na classe política e na própria população, diferente de outrora.

A primeira cidade visitada foi Mirinzal, onde a ex-governadora falou para um grupo pequeno de pessoas. Ela foi recebida pelo ex-prefeito Amaury Santos Almeida, derrotado nas eleições de 2016.

Em Central do Maranhão, o público não compareceu e a reunião foi transformada em uma conversa informal com algumas lideranças. Nem fotos oficiais foram tiradas para não registrar o fiasco que foi a passagem de Roseana pela cidade.

Já em Pinheiro, cidade natal de seu pai, o ex-presidente José Sarney, a decepção foi ainda maior. Mesmo com a presença do deputado federal Victor Mendes e de seu pai Filuca Mendes, ex-prefeito de Pinheiro, Roseana reuniu poucas pessoas para o lançamento de sua pré-candidatura. Na maior cidade da Baixada Maranhense, ela não reuniu uma multidão, como era de se esperar e teve que se contentar com a presença de um pouco mais de 50 pessoas no auditório da igreja católica Nossa Senhora da Conceição.

Roseana sentiu na pele novamente as mudanças do novo cenário político e o desprestígio. O resultado das reuniões nas três cidades da Baixada pode adiar o anúncio de novas cidades para onde a “Caravana da Guerreira” pretende passar, ou quem sabe, o anúncio da desistência de Roseana na disputa pelo Governo do Maranhão.