Maranhão reduz homicídios por armas de fogo, mostra Atlas da Violência

Segundo o Atlas – uma das principais referências estatísticas sobre a violência no Brasil –, o Maranhão teve queda de 5,4% nos homicídios por arma de fogo entre 2015 e 2016

Além de reduzir o número geral de homicídios entre 2015 e 2016, o Governo do Maranhão também conseguiu diminuir a taxa de mortes por armas de fogo, de acordo com o Atlas da Violência 2018, elaborado pelo Ipea e pelo Fórum Brasileiro de Segurança Pública.

Além do Maranhão, apenas sete Estados conseguiram baixar esse índice. As demais 19 unidades federativas tiveram aumento.

Segundo o Atlas – uma das principais referências estatísticas sobre a violência no Brasil –, o Maranhão teve queda de 5,4% nos homicídios por arma de fogo entre 2015 e 2016.

A queda também se verifica quando é levada em conta a taxa de homicídio por arma de fogo por 100 mil habitantes. Esse índice mostra redução de 6,1% entre 2015 e 2016. A taxa passou de 24,9 para 23,4 casos por 100 mil habitantes.

Os reflexos dos investimentos na Segurança Pública e da mudança de estratégia no combate ao crime podem ser verificados em diversos números trazidos pelo Atlas da Violência.

Enquanto a média de homicídios no Nordeste subiu em 2016, a do Maranhão caiu. O Estado foi um dos únicos três da região a registrar queda. E um dos oito Estados no país todo.

A taxa do Nordeste aumentou de 41,84 para 44,15 homicídios por 100 mil habitantes entre 2015 e 2016. Já o índice do Maranhão caiu de 35,3 para 34,6.

Durante coletiva, Jefferson Portela garante punição a responsáveis por documento ilegal

Secretário Jefferson Portela durante coletiva.

O secretário de Segurança Pública do Maranhão (SSP-MA), Jefferson Portela, concedeu uma entrevista coletiva, na manhã desta quarta-feira (25), para falar sobre os acontecimentos dos últimos dias envolvendo a cúpula da segurança no Estado.  Afirmou que a sindicância aberta para apurar o documento ilegal, com suposta determinação para identificar lideranças políticas, vai apontar nominalmente os responsáveis pelo ato – sejam eles quantos forem. Ele acrescentou ainda que o memorando, emitido sem o conhecimento do comando da Polícia Militar, não produziu nenhum efeito.

Jefferson acrescentou que “na vida pública, só podemos fazer o que a lei manda; nosso raio de ação é delimitado pela legalidade. Se alguém erra, responderá como servidor público do ponto de vista penal, cível e administrativo”.

Uma sindicância já foi aberta e está apurando as responsabilidades. O prazo é de 30 dias, mas o secretário afirmou que pediu maior brevidade na medida do possível, sem prejuízo das investigações.

O comandante geral da Polícia Militar, coronel Jorge Luongo, afirmou que a sindicância vai identificar os responsáveis pelo documento, de onde ele partiu e por que ele foi emitido.

Tanto Portella quanto Luongo esclareceram que o documento ilegal não produziu efeitos. O ato, com a data do dia 6 de abril deste ano, só começou a circular no dia 9, com a determinação para que as informações fossem prestadas até o dia 10. Logo, não houve tempo para que pudesse ter sido produzido qualquer efeito.

Um outro documento, do dia 19 de abril, foi anulado prontamente no mesmo dia, quando o caso chegou ao conhecimento do comando da PM. Ou seja, ambos os papéis ilegais de nada valeram.

Maranhão é o segundo estado que mais investiu em Segurança

Em fevereiro deste ano, a queda foi de 60% na comparação com o mesmo mês de 2014.

Segundo reportagem publicada no jornal Folha de São Paulo, o Maranhão foi o estado que mais aumentou os investimentos em Segurança Pública.

Entre 2015 e 2017, o Governo do Maranhão ampliou em 26% os investimentos na área, atrás apenas do Piauí. Em números absolutos, foram mais de R$ 1,5 bilhão investidos pelo Maranhão no combate à violência em 2017.

Os 26% de aumento são bem maiores do que a média nacional de 1% de ampliação dos investimentos na área no mesmo período. Além disso, 11 estados tiveram redução de gastos com a Segurança Pública, ainda segundo a Folha de S.Paulo.

Os investimentos do Maranhão na área têm se refletido na expressiva redução da criminalidade. O número de homicídios na Grande São Luís, por exemplo, caiu 40% em 2017 em comparação com 2014. Em fevereiro deste ano, a queda foi de 60% na comparação com o mesmo mês de 2014.

Hoje, o Maranhão tem a maior tropa de policiais da história, passando de 12 mil profissionais. Desde 2015, mais de 800 viaturas foram entregues.

Sistema da Segurança Pública lança ferramenta para boletins de ocorrência online

Já está no ar a Nova Delegacia Online do Maranhão. A ferramenta foi desenvolvida pelo Núcleo de Desenvolvimento de Sistemas da Secretaria de Segurança Pública (SSP/MA) e está disponível tanto no site da SSP, quanto no da Polícia Civil.

Por meio da Delegacia Online é possível registrar ocorrências de extravio de documentos, furto simples e preservação de direito, evitando a necessidade de deslocamento do cidadão até uma delegacia física.

O Boletim de Ocorrência será enviado ao e-mail do solicitante, depois de analisado por uma equipe especializada, desde que as informações tenham sido preenchidas corretamente.

Dados registram queda de 60% de homicídios em São Luís

Em 2014, os registros apontavam 910 casos destes. Em 2015, caíram para 800. Em 2016, para 693 homicídios. Em 2017, para 540 casos.

O número de homicídios em São Luís diminuiu 60% em fevereiro deste ano, quando foram registrados 27 casos, no comparativo com o mesmo período de 2014, quando ocorreram 68 crimes desse tipo. O mês é um dos mais movimentados do ano devido às concentrações e deslocamentos no período de Carnaval.

A redução acontece também se comparado o número de fevereiro deste ano com o de fevereiro de 2017, quando ocorreram 58 casos de mortes violentas. Nesse caso, a redução foi de 53%. Os dados são da Secretaria de Estado de Segurança Pública (SSP-MA).

Segundo o superintendente Estadual de Homicídios e Proteção à Pessoa (SHPP), por quatro anos consecutivos o circuito oficial das festas de carnaval, organizadas pelo Governo do Estado, não apresentou nenhuma ocorrência.

As estatísticas são utilizadas pela Secretaria Nacional de Segurança Pública (Senasp) para medir os índices de violência no país. A redução deste conjunto de crimes se mostra desde o primeiro ano da gestão Flávio Dino.

Em 2014, os registros apontavam 910 casos destes. Em 2015, caíram para 800. Em 2016, para 693 homicídios. Em 2017, para 540 casos.

Nilmar da Gama e a Superintendência de Investigações Criminais…

Em entrevista, a nova superintendente afirmou que dará continuidade aos trabalhos de investigações realizados na Seic.

Desde sexta-feira (23), a delegada Nilmar da Gama Rocha foi empossada superintendente de Investigações Criminais (Seic) da Polícia Civil do Maranhão pelo secretário de Segurança, Jefferson Portela. Ela passa a ser a mulher forte do Sistema de Segurança do Estado, cargo que era ocupado pelo ex-diretor Thiago Bardal, exonerado após estouro de uma operação que descobriu uma organização criminosa que atuava no contrabando.

Durante apresentação, Portela destacou que a delegada é uma profissional respeitada pela sociedade, que tem uma larga experiência na polícia judiciária e agora vai comandar a Seic para fazer o serviço continuado em todo o Maranhão. Nilmar da Gama é uma das mais experientes da Polícia Civil e também já comandou outras delegacias e superintendências da SSP, como a de Homicídios, Superintendência da capital, Roubos e Furtos, e do Interior.

O delegado Thiago Bardal, ex-superintendente citado em investigações, foi exonerado no Diário Oficial da última quinta-feira (22). Um pedido de prisão preventiva para ele foi feito pelo Sistema de Segurança, que aguarda decisão judicial.

Ministério da Segurança Pública será anunciado após o carnaval

Proposta pelo ministro da Justiça, Torquato Jardim, a criação da pasta vem sendo debatida desde novembro de 2017.

Após o carnaval, o presidente Michel Temer planeja anunciar a criação do Ministério Extraordinário da Segurança Pública. A nova pasta deverá ser criada por medida provisória (MP). Uma das atribuições do ministério será desenvolver ações de combate à criminalidade.

Proposta pelo ministro da Justiça, Torquato Jardim, a criação da pasta vem sendo debatida desde novembro de 2017. Além de Torquato e Temer, participam das discussões os ministros Raul Jungmann (Defesa) e Sergio Etchegoyen (Gabinete de Segurança Institucional).

Pela proposta, Polícia Federal (PF), Polícia Rodoviária Federal (PRF), Departamento Penitenciário Nacional (Depen) e Secretaria Nacional de Segurança Pública (Senasp) saem da alçada do Ministério da Justiça e ficarão subordinados ao novo ministério. A pasta contará com a estrutura já existente no Ministério da Justiça. Já o Ministério da Justiça, seguirá desenvolvendo políticas preventivas de combate às drogas e programas de recuperação de ativos no exterior, de política de estrangeiros e refugiados, defesa do consumidor e políticas antipirataria.

A criação de uma pasta exclusiva para cuidar da segurança pública é incentivada por parlamentares da chamada “bancada da bala” no Congresso Nacional. Em janeiro de 2017, após registros de chacinas em presídios, parlamentares da comissão de segurança pública da Câmara pediram a Temer a criação desse ministério.

Apesar de a segurança pública, em sua maior parte, ser de competência dos estados, o Palácio do Planalto tem sido cobrado pela crise no setor.

Internautas elogiam governo por inauguração do Centro Tático Aéreo de Presidente Dutra

Nas redes sociais, muitos internautas parabenizaram Flávio Dino por mais essa ação.

A entrega da primeira base descentralizada do Centro Tático Aéreo (CTA), inaugurada pelo governador Flávio Dino nesta quarta-feira (31), foi um dos assuntos mais comentados das redes sociais.

O novo CTA contará com um helicóptero modelo esquilo, viaturas e caminhão de abastecimento. A base vai atender 74 municípios. Todos eles em um raio de 100 milhas náuticas, o que significa que a aeronave vai levar no máximo uma hora para chegar ao ponto mais distante atendido. Em muitos pontos, o helicóptero vai chegar em questão de minutos.

Outros investimentos na região central também foram destacados pelo governador Flávio Dino. “Temos duas viaturas novas para o CTA, porque eles atuam simultaneamente em terra, além de todo o contingente da Polícia Militar e da Polícia Civil aqui na região. Esse é um instrumento poderoso da melhoria da segurança pública”, afirmou.

Nas redes sociais, muitos internautas parabenizaram Flávio Dino por mais essa ação. O internauta Isac Caldas se manifestou pela página do governador no Facebook. “Dentro de um raciocínio lógico fico a pensar e imaginar que um trabalho bem feito como está sendo realizado no Estado do Maranhão pelo Governador Flávio Dino, tenho a nitidez e porque não dizer a certeza que esse belíssimo trabalho que está sendo realizado com muita competência no Maranhão, pode e deve ser realizado a nível federal, claro. Metas, planejamento, objetivos, competência e comprometimento”, escreveu.

Outros internautas também parabenizaram o governador por mais esse investimento inédito na segurança pública do Estado.

Chacina de Fortaleza expõe aumento da criminalidade no país e Maranhão na contramão nacional

Na grande maioria das capitais brasileiras, a criminalidade vem aumentando exponencialmente. Na contramão dessa realidade, que está diretamente relacionada com a crise econômica, São Luís tem diminuído, drasticamente, os índices de violência.

Do blog do Clodoaldo Corrêa

A maior chacina do Ceará, que deixou 14 mortos na periferia de Fortaleza, evidenciou o principal problema nacional atualmente: a segurança pública. Na grande maioria das capitais brasileiras, a criminalidade vem aumentando exponencialmente. Na contramão dessa realidade, que está diretamente relacionada com a crise econômica, São Luís tem diminuído, drasticamente, os índices de violência.

Os dados do Ceará confirmaram que o Estado atingiu em 2017 um número recorde de homicídios em toda a história. No ano passado, foram 5.134 assassinatos, ante 3.407 em 2016. O crescimento é de 50,7%. O maior aumento ocorreu em Fortaleza, que registrou salto de 96,4% na quantidade de homicídios. No ano passado, foram 1.978 assassinatos; em 2016, houve 1.007 registros.

O aumento da criminalidade é tendência em todo o Brasil. Estados como Rio de Janeiro e São Paulo também apresentaram crescimento da violência nos últimos anos. Mas no Maranhão a realidade tem sido completamente diferente. Com grandes investimentos na contratação de policiais, viaturas e reestruturação da infraestrutura das forças de segurança, o governo Flávio Dino tem diminuído a criminalidade.

Os homicídios na Grande São Luís caíram 40,65% no ano de 2017 em relação a 2014, representando centenas de vidas salvas. Em 2014, foram 910 homicídios. Já em 2017, foram 540 casos. Isso significa 370 vidas salvas em apenas um ano.