Projeto que obriga escolas a combaterem bullying é aprovado pelo Senado

A matéria entrará em vigor seis meses após ser sancionada pelo presidente Michel Temer, o que deverá ocorrer nos próximos dias.

O Senado aprovou, nesta terça-feira (17), o projeto que obriga as escolas a desestimularem seus alunos à prática do bullying. Em votação simbólica, os senadores aprovaram a proposta, que segue agora para sanção presidencial.

O projeto altera a Lei de Diretrizes e Bases da Educação para incluir, entre as competências dos estabelecimentos de ensino, a promoção de medidas de prevenção e combate a todos os tipos de violência, em especial a “intimidação sistemática”, mais conhecida como bullying. Além disso, coloca como atribuição das escolas o estabelecimento de ações destinadas à promoção da “cultura da paz” nas escolas.

Além das atitudes típicas de bullying, a matéria busca combater outros tipos de violência como agressão verbal, discriminação, práticas de furto e roubo, ameaças e agressão física.

Na mesma sessão, os senadores aprovaram a proposta que inclui o tema “Educação alimentar e nutricional” nos conteúdos das disciplinas de Ciências, no Ensino Fundamental, e Biologia, no Ensino Médio. Com o objetivo de diminuir os índices de obesidade infantojuvenil, a matéria entrará em vigor seis meses após ser sancionada pelo presidente Michel Temer, o que deverá ocorrer nos próximos dias.

Pastor Bel e sua inusitada pré-candidatura ao Senado

Pastor Bel assumiu o PSDC no Maranhão e agora articula ser o candidato a senador da chapa da pré-candidata Maura Jorge.

O suplente de senador, Pastor Bel (PSDC), está sendo protagonista de uma inusitada situação.

Ao assumir o lugar do senador Edison Lobão (MBD), que se licenciou para cumprir licença médica, Pastor Bel começou as articulações para ser pré-candidato ao Senado, juntamente com o titular da vaga e pré-candidato a reeleição, o senador Lobão.

Pastor Bel conseguiu assumir o PSDC no Maranhão e agora articula ser o candidato a senador da chapa da pré-candidata Maura Jorge (PSL), de olho também na popularidade nas redes sociais de Jair Bolsonaro, pré-candidato à presidência.

De olho nessa situação inusitada, Edison Lobão pretende voltar o mais rápido possível ao Senado Federal, reverter a candidatura do seu ex-aliado e tentar não perder o apoio de parte da Convenção das Assembleias de Deus no estado.

Waldir Maranhão continua seu projeto para o Senado e pode frustrar planos de Roberto Rocha e Madeira

Waldir Maranhão ladeado pelo pré-candidato a deputado federal Eduardo Sá, e a primeira-dama de Pinheiro, Thaiza Hortegal, pré-candidata a deputada estadual.

O deputado federal Waldir Maranhão, recentemente filiado ao PSDB, não desistiu de continuar seu projeto para o Senado Federal. Após uma tentativa de entrar no PT e ser barrado pela própria militância do partido, Waldir saiu do grupo do governador Flávio Dino (PCdoB) e se filiou ao PSDB, presidido pelo senador Roberto Rocha.

Acontece que no PSDB o projeto já estava todo desenhado. O ex-prefeito de Imperatriz, Sebastião Madeira, já tinha articulado a presença de uma liderança do Leste Maranhense na chapa majoritária e esta seria para o deputado estadual Alexandre Almeida. Com a entrada de José Reinaldo, as duas vagas já tinham sido preenchidas.

Mas Waldir Maranhão não desiste. Em vários blogs, circula uma foto em que Waldir aparece ao lado de um candidato a deputado federal e outra a deputada estadual, dando a entender que ele continua candidato a senador.

A pergunta que fica: será se o PSDB no Maranhão terá três candidatos ao Senado e prejudicar a eleição dos três? Waldir Maranhão vai bater de frente com toda a articulação já planejada por Roberto Rocha e Sebastião Madeira? Alexandre Almeida vai desistir da candidatura ao Senado por causa de Waldir Maranhão?

É aguardar para ver.

Eleições 2018: Pré-candidatos começam a definir nomes ao Senado no Maranhão…

Com o decorrer das articulações políticas, os principais grupos que irão se enfrentar nas eleições deste ano já começam a definir suas respectivas chapas ao Senado.

O governador do Maranhão, Flávio Dino (PCdoB), que tentará a reeleição, deverá ter como candidatos os deputados federais Weverton Rocha (PDT) e Eliziane Gama (PPS). O anúncio oficial ainda não saiu, mas, pelo andar da carruagem, esse é o quadro mais provável.

Primeiro a se viabilizar, Weverton diz ter garantidos 14 partidos, vários deputados estaduais e federais e centenas de prefeitos e prefeitas. Já Eliziane, nos últimos meses, movimentou-se em busca de apoios. Com o afastamento definitivo do deputado federal Waldir Maranhão (PSDB) da base, ela deverá ser anunciada, em breve, como a segunda opção dos dinistas para o Senado.

Tentando eleger-se pela quinta vez para o mandato de governadora, Roseana Sarney (MDB) tem como pré-candidatos definidos, em sua chapa, o deputado federal Sarney Filho (PV) e o senador Edison Lobão (MDB). Já o senador Roberto Rocha, até agora, caminha para ter, em seu grupo, o deputado federal José Reinaldo Tavares e o deputado estadual Alexandre Almeida, ambos do PSDB, como representantes tucanos.

Os demais pré-candidatos ao governo ainda costuram acordos com o objetivo de construir seus projetos senatoriais. A ex-prefeita Maura Jorge, do PSL, tem sete possíveis nomes, dentre eles o do pastor Bel (PRTB),  senador em exercício; e o do médico Alan Garcez, do movimento União da Direita Maranhense (UDM).

O vereador Marquinhos ainda não desistiu de entrar na disputa e avisou que acionará, judicialmente, o presidente do DEM no Maranhão, deputado Juscelino Filho, para que tenha a sua saída do Democratas autorizada e possa, mesmo com o fim da janela partidária, ingressar em outra sigla.

Já o deputado estadual Eduardo Braide, pré-candidato que aparece bem colocado nas pesquisas, ainda não definiu se sairá mesmo para a disputa pelo Palácio dos Leões, o que torna sua chapa ao Senado uma incógnita até as convenções, que serão realizadas no período de 20 de julho a 05 de agosto, quando todos os mistérios, em se tratando de candidaturas majoritárias, serão desvendados.

Comissão do Senado aprova ampliação de licença-maternidade

Por tramitar em regime terminativo, o projeto  segue agora para análise da Câmara dos Deputados.

A licença-maternidade para celetistas (trabalhadoras sob regime CLT) deve passar de 120 para 180 dias. Esta foi a proposta aprovada nesta última quarta-feira (4) na Comissão de Assuntos Sociais (CAS). Por tramitar em regime terminativo, o projeto  segue agora para análise da Câmara dos Deputados.

O relator Paulo Paim (PT-RS) ressaltou que o período de seis meses dedicado à amamentação exclusiva é indicado pela Organização Mundial de Saúde (OMS) e pelo Ministério da Saúde. Ele citou bons resultados que no seu entender já vem obtendo o programa Empresa Cidadã, que concede benefícios fiscais para empresas que já ampliam a licença-maternidade das funcionárias para 180 dias. Paim também disse que o aumento da licença-maternidade possui respaldo científico, além de ser o melhor para o país economicamente.

A proposta, entretanto, foi criticada pelo senador Cidinho Santos (PR-MT), que teme que a medida possa prejudicar as mulheres no que se refere às contratações no mercado de trabalho.

A presidente da CAS, Marta Suplicy (PMDB-SP), se definiu como feminista e disse perceber méritos no projeto, mas entende que a ponderação de Cidinho tem procedência, pois as condições econômicas do país ainda são difíceis. Marta lembrou, no entanto, que os seis meses de licença-maternidade já fazem parte da rotina de diversos países europeus e que talvez este seja o momento de encarar o desafio de implantá-la também por aqui.

Eleições 2018: José Reinaldo filia-se ao PSDB

O próximo que deve se filiar ao PSDB e também disputar uma vaga ao Senado é o deputado Alexandre Almeida.

Agora é pra valer! O ex-governador do Maranhão, deputado federal e pré-candidato ao Senado, José Reinaldo Tavares, está mesmo filiado ao PSDB.

Na quarta-feira (3), em Brasília, José Reinaldo assinou a sua ficha de filiação e confirmou o ingresso no ninho tucano, onde terá a legenda à sua disposição para disputar o Senado Federal.

Participaram do ato de filiação o presidente nacional da sigla, Tasso Jereissati; o presidente do PSDB no Maranhão e pré-candidato ao Governo do Estado, Roberto Rocha, e o ex-prefeito de Imperatriz, Sebastião Madeira.

A presença de Roberto Rocha na filiação demonstra que os dois políticos parecem ter superado algumas desavenças quando estavam no PSB e agora seguem num único objetivo, vencer as eleições 2018.

O próximo que deve se filiar ao PSDB e também disputar uma vaga ao Senado é o deputado Alexandre Almeida.

É aguardar e conferir.

Alexandre Almeida quer disputar Senado pelo PSDB

A data oficial da filiação do deputado ao PSDB será definida nos próximos dias.

Em entrevista a veículos de comunicação, o deputado estadual Alexandre Almeida confirmou sua filiação ao PSDB para tentar disputar o Senado. Segundo ele, a data oficial será anunciada após algumas definições com suas bases de Timon.

A filiação de Alexandre Almeida e sua pré-candidatura ao Senado já haviam sido confirmadas pelo ex-prefeito de Imperatriz, Sebastião Madeira, uma das principais lideranças políticas do PSDB.

Com a confirmação de Alexandre, a chapa do pré-candidato ao governo, Roberto Rocha, dependerá agora apenas do segundo candidato a senador e do postulante a vice.

De acordo com o ex-prefeito Madeira, estas duas questões estão sendo discutidas com lideranças e outros partidos.

Em nota, José Reinaldo Tavares anuncia filiação ao PSDB

José Reinaldo e Geraldo Alckmin.

Na manhã deste sábado (31), o deputado federal e ex-governador José Reinaldo Tavares, divulgou uma nota à imprensa confirmando sua filiação ao PSDB e explicando os rumos que pretende tomar com a sua campanha ao senado, além dos nomes que terão seu apoio na eleição para presidente e governador.

Veja a nota abaixo na íntegra:

COMUNICADO À IMPRENSA

Com o respeito e a cordialidade que sempre mantive com a imprensa maranhense e por entender que o compromisso fundamental dos comunicadores profissionais é com a responsabilidade na divulgação da verdade dos fatos, acima de especulações, faço os esclarecimentos que seguem.

Tenho uma antiga e sólida ligação com o governador de São Paulo, Geraldo Alckmin. Fomos colegas na Câmara dos Deputados, fomos vice-governadores e, em seguida, governadores de nossos estados, na mesma época. Possuo muito respeito pelo homem e pelo político Alckmin. Conservo também uma amizade muito antiga e forte com o coordenador da campanha do governador Alckmin à Presidência, senador Tasso Jereissati, pois vivemos juntos grandes episódios da história política brasileira e isso permitiu que, por diversas vezes, conversássemos sobre o Maranhão.

Na última terça-feira (20), encontrei com o governador Alckmin, na posse da deputada Tereza Cristina, minha amiga do PSB, agora no DEM, na Frente Parlamentar em Defesa da Agricultura. Ele me viu e veio falar comigo sobre o Maranhão e eu disse que estou sempre pronto a ajudá-lo. Na terça feira à noite, recebi uma ligação do governador me convidando para ir a São Paulo conversarmos, convite que eu prontamente atendi na quarta-feira passada (21).

Tivemos um longo e produtivo diálogo. Ao final, o governador informou que iria ouvir o senador Roberto Rocha, presidente do partido no Maranhão sobre o que discutimos. Ontem (30), sexta-feira, logo cedo pela manhã, ele me ligou para dizer que tinha conversado com Roberto Rocha que, por sua vez, teceu elogios à minha pessoa, o qual agradeço agora, publicamente. Roberto armou que não havia impedimento da parte dele para que esse entendimento pudesse se concretizar.

Com essa compreensão, esclareço o que ficou decidido: o governador Alckmin terá, como em São Paulo, dois palanques no Maranhão, um, do seu partido, o PSDB, que terá como candidato a governador Roberto Rocha e o palanque de Eduardo Braide, futuro candidato ao Governo do Maranhão, também com o apoio de Alckmin.

Eu, portanto, me liarei ao PSDB, serei candidato ao Senado e apoiarei Alckmin nos dois palanques. Além do apoio que recebi do governador paulista, discutimos muito a sua campanha no Estado e z um acordo com ele. Se eleito presidente do Brasil, Geraldo Alckmin apoiará os projetos estruturantes do Maranhão, bem como viabilizará o programa proposto pelo Nobel de Economia, James Heckman, a ser transformado em projeto social por mim e outros, com objetivo de diminuir a desigualdade e a pobreza, preparando melhor as novas gerações de maranhenses.

Consegui ainda o compromisso de Alckmin com a nossa refinaria e com o polo petroquímico, que trará milhares de empregos e empresas para o Maranhão. Firmamos compromisso também com o Centro Espacial Brasileiro de Alcântara, com o Programa Espacial Brasileiro, com o apoio à vinda de um parque industrial da indústria espacial e com o Fundo de Desenvolvimento das Comunidades Quilombolas de Alcântara, que estou propondo.

O governador prometeu uma Cooperativa de Microcrédito para homens e mulheres pobres poderem ter acesso a dinheiro barato e, assim, abrirem seus pequenos negócios, além de apoio técnico de São Paulo para qualificar professores, capacitar trabalhadores maranhenses para o trabalho, apoio firme para o nosso Sistema de Saúde e da nossa Segurança.

Desta forma, meus amigos, entraremos firmes na campanha, não apenas a eleitoral, mas na mais importante de todas, a de combater as causas ainda intocadas da pobreza em nosso Estado – a minha maior aspiração como homem público. Vamos juntos colocar o Maranhão em novo patamar de desenvolvimento.

Com minhas cordiais saudações,

José Reinaldo Tavares

Deputado Federal

Waldir Maranhão protocola pedido de filiação ao PT, mas petistas não o querem na sigla

A militância do partido também não gostou nenhum pouco dessa articulação do pré-candidato ao Senado.

O deputado federal Waldir Maranhão protocolou,  na tarde de segunda-feira (26), documento onde pede a filiação no Partido dos Trabalhadores (PT), visando disputar uma vaga para o Senado Federal pelo Maranhão.

No documento, Waldir lembra o momento crucial da sua carreira política, quando resolveu anular o impeachment da ex-presidebte Dilma Rousseff (PT), na condição de então presidente da Câmara dos Deputados. Agora, o pedido de filiação do parlamentar será submetido às instâncias locais e nacionais do PT.

O pedido de Waldir não foi bem recebido pelo presidente do Diretório Municipal da sigla em São Luís, vereador Honorato Fernandes, que utilizou as redes sociais para ratificar que é contra a filiação do deputado ao PT.

A militância do partido, em sua maioria, também não gostou nenhum pouco dessa articulação do pré-candidato ao Senado.