Medo do desemprego diminui para 65,7 pontos, informa pesquisa da CNI

Maranhão se destacou no crescimento de empregos no Nordeste

O Índice de Medo do Desemprego caiu para 65,7 pontos em dezembro de 2017 e ficou 2 pontos abaixo do registrado em setembro. Mesmo assim, continua muito acima da média histórica, que é de 48,8 pontos. Isso indica que os sinais de recuperação da economia ainda são insuficientes para afastar a insegurança dos brasileiros em relação ao emprego, informa a pesquisa divulgada nesta sexta-feira, 5 de janeiro, pela Confederação Nacional da Indústria (CNI).

“Em comparação com dezembro de 2016, o índice de medo do desemprego apresentou alta de 0,9 ponto, indicando persistência da insegurança em relação à recuperação do mercado de trabalho”, afirma a CNI. “O emprego reage à recuperação da economia de forma defasada. As empresas contratam somente quando têm segurança de que o crescimento será sustentado, pois elas arcam com custos de contratação e treinamento de novos trabalhadores, e com custos de demissão se a recuperação da economia não se sustenta”, explica a economista da CNI Maria Carolina Marques.

“A população percebe essa demora na reação do mercado de trabalho e o medo do desemprego continua elevado. À medida que o crescimento econômico se mostrar sustentado, o resultado no emprego deve aparecer com maior intensidade e o medo do desemprego deve ceder”, completa Maria Carolina.

A pesquisa também mostra que a satisfação com a vida diminuiu entre setembro e dezembro do ano passado. O Índice de Satisfação com a Vida atingiu 65,6 pontos em dezembro, 0,4 ponto menor do que o de setembro e inferior à média histórica, que é de 69,9 pontos.  O indicador ficou 1,2 ponto inferior ao de dezembro de 2016.

O levantamento foi feito entre 7 e 10 de dezembro de 2017 com 2 mil pessoas em 127 municípios.

Maranhão tem o 2º maior saldo de empregos formais do Nordeste

Em junho deste ano, o Maranhão teve a segunda maior geração de empregos formais entre os estados do Nordeste. Levando-se em consideração todo o país, foi o quinto melhor resultado.

Segundo dados do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged), em junho foram criadas 1.531 vagas com carteira assinada no Maranhão. Foi o segundo mês seguido de resultado positivo no Estado.

O setor de Serviços já começou a reagir. Foram 768 novas contratações no semestre, com destaque para São Luís, Paço do Lumiar, Campestre do Maranhão e Balsas. A Agropecuária também tem tido desempenho positivo.

Para reduzir os efeitos negativos da crise nacional, o Maranhão vem adotando programas para garantir a criação de trabalho e renda, como o Mais Empregos, o Juros Zero e diversas ações de atração de investimento.

ARTIGO DE FLÁVIO DINO – Pai, lar e trabalho…

Pai, lar e trabalho

Governador Flávio Dino

Governador Flávio Dino

Este domingo é dia de saudar todos os pais do Maranhão, que batalham diariamente pela felicidade e proteção das suas famílias. Tenho muita alegria de Deus ter me confiado quatro filhos, a quem amo com o amor incondicional e sem limites que deve unir pais e filhos. E sempre procurei honrar o nome do meu pai, forte e lúcido aos 84 anos.

O florescimento pleno desse amor depende de uma série de fatores, a maioria relativos a cada núcleo familiar, nas fronteiras de cada lar. Mas é impossível que os pais consigam realizar os sonhos dos seus filhos sem que a sociedade funcione em bases justas, fraternas, solidárias.

Por isso, lamento muito que, na atual quadra econômica que vivemos no Brasil, muitos pais encontrem-se à procura de condições de trabalhar para sustentar suas famílias. Essas crises atingem a todos, mas, infelizmente, sempre cobram mais de quem tem menos.

Visando amenizar os impactos dessa recessão nacional que já se estende por dois anos, temos adotado uma série de ações em nível estadual. Por exemplo, mantemos mais de 500 obras, que hoje geram milhares de postos de trabalho em todas as regiões. Estamos modernizando equipamentos públicos essenciais, como o Porto do Itaqui, que vive o melhor momento da sua história, mantendo cerca de 14.000 empregos diretos e indiretos.

E nesta semana anunciei quatro medidas que, juntas, vão injetar R$ 100 milhões na economia maranhense e gerar 10 mil postos de trabalho. Três delas são os programas Mais Empregos, o Cheque-Minha Casa e o Mutirão Rua Digna, que foram enviados como projetos de lei à Assembleia Legislativa.

Assim que as leis forem aprovadas, o governo vai dar desconto de R$ 500,00 de imposto aos empresários, para cada nova carteira assinada no estado, por mês.

O Cheque-Minha Casa garantirá crédito de R$ 5 mil para compra de material de construção para famílias de baixa renda. E no Mutirão Rua Digna, o Governo do Estado irá firmar parceria  com sindicatos e associações comunitárias, arcando pelos serviços para recuperação de vias urbanas.

Juntas, essas medidas vão colocar R$ 50 milhões na economia maranhense. Os outros R$ 50 milhões virão do Bolsa Escola, o benefício que o “Governo de Todos Nós” concede aos beneficiários do Bolsa Família, para compra de material escolar, que será pago em janeiro com reajuste de 12,5%. Além do ganho em dignidade para 1 milhão de crianças e jovens, essa medida ativa o comércio de todas as cidades do Maranhão.

Aos que recentemente ingressam no mundo da paternidade, desejo que aproveitem muito o seu primeiro Dia dos Pais, refletindo sobre as demandas de cuidado que os filhos exigem. Ciente dessas necessidades, enviei projeto de lei, que a Assembleia aprovou, ampliando para 20 dias a licença paternidade para servidores públicos estaduais. Espero que progressivamente também as empresas passem a adotar esse mesmo benefício.

Finalmente, o meu abraço muito especial e compartilhado aos pais que tem seus filhos perto-longe, bem guardados no coração e em cada milímetro do corpo, mesmo que não seja possível abraçá-los fisicamente. Feliz domingo a todos os pais maranhenses.