Flávio Dino esclarece que pagou passagem a Curitiba do próprio bolso e critica “politização” no caso das enchentes

Dino aproveitou para criticar aqueles que tentam politizar o caso das enchentes que afetaram alguns municípios maranhenses.

Desde que começou a ser alvo de julgamentos, o ex-presidente Luís Inácio Lula da Silva tem recebido uma série de manifestações favoráveis devido aos excessos cometidos pela Justiça contra ele. Embasado em posicionamentos com  conhecimentos jurídicos, o governador do Maranhão, Flávio Dino, tem sido um dos mais ferrenhos defensores do petista.

Em postagem no twitter sobre a viagem que fez a Curitiba, Flávio Dino esclareceu  que pagou do próprio bolso a passagem de avião que o levou até a cidade para tentar visitar Lula e foi impedido junto com outros governadores do Nordeste.

Nos posts, o governador também  aproveitou para criticar aqueles que tentam politizar o caso das enchentes que afetaram alguns municípios maranhenses.

Flávio Dino comenta morte da vereadora Marielle Franco

O governador Flávio Dino (PCdoB) usou suas redes sociais para comentar a morte da vereadora do Rio de Janeiro, Marielle Franco (PSOL). A principal linha de investigação da Delegacia de Homicídios é que a vereadora foi assassinada.

Em seu perfil no Twitter, o governador escreveu: “Três absurdos cumulativos: 1) O bárbaro assassinato da vereadora Marielle e do Anderson; 2) A situação gravíssima e anômala que contextualiza o crime; e 3) Pessoas que comemoram uma morte e pretendem dar “lição” aos defensores dos direitos humanos”.

A vereadora Marielle Franco foi morta a tiros dentro de um carro no bairro do Estácio, na Região Central do Rio, por volta das 21h30 desta quarta-feira (14). Além da vereadora, o motorista do veículo, Anderson Pedro Gomes, também foi baleado e morreu. Uma outra passageira, assessora de Marielle, foi atingida por estilhaços.

A morte da vereadora e seu motorista criou uma grande comoção nas redes sociais, todos os comentários pedindo a rápida investigação sobre o crime. Coletivos femininos já preparam uma manifestação em frente à Câmara Municipal de São Luís se solidarizando com a morte da militante.

“Até os paralelepípedos da Praia Grande sabem o quanto Sarney é vingativo e perseguidor”, dispara Márcio Jerry

O secretário de Comunicação e Articulação Política do Maranhão, Márcio Jerry, fez duras críticas, por meio do Twitter, ao artigo escrito por José Sarney e publicado, na edição deste sábado, no jornal O Estado.

De acordo com Márcio Jerry, o oligarca Sarney expele a baixeza que o caracteriza como sendo dos adversários e o secretário faz referência, ainda, à baixa política de vingança e perseguição que, segundo ele, Sarney insiste em cometer.

“Até os paralelepípedos da Praia Grande sabem o quanto Sarney é vingativo, perseguidor, contumaz agressor da verdade, entre outras ‘qualidades'”, disparou.

Flávio Dino diz que oposição faz muito barulho, mas é oca igual tambor…

O governador do Maranhão, Flávio Dino (PCdoB), usou o seu perfil no Twiiter para mandar alguns recados ao grupo Sarney, leia-se oposição ao governo, nesta segunda-feira (20). Em uma das tweetadas, ele diz que, no Maranhão,  “os saudosistas e viúvas são iguais a tambor: fazem muito barulho, mas são totalmente ocos”.

Flávio Dino se refere às investidas da oposição que tentam criar fatos, destorcer daqui e dali na tentativa de colocar a população contra o governo Flávio Dino (PCdoB), visando às eleições de 2018 e de olho no comando do Palácio dos Leões, que foi controlado pela oligarquia durante mais de cinco décadas.

Em outra tweetada, Flávio Dino diz que o povo do Maranhão não vai querer a volta do império dos negócios familiares, das lagostas e dos privilégios aos empresários amigos.

O governador toca, sutilmente, nas próximas eleições e afirma que o debate em 2018, no Maranhão, vai ser em torno da forma de aplicação dos recursos no presente e no passado. “Mas o debate em 2018 no Maranhão vai ser bem simples: como eles aplicavam o dinheiro público e como nós aplicamos. Diferenças imensas”, alfinetou.

Segundo Flávio Dino, a oligarquia acha que vai voltar ao poder no Maranhão com base em factoides, mentiras e agressões. “Todos os dias inventam um disparate”, disse.

No Twitter, Flávio Dino condena atitude de Sérgio Moro

IMG-20160317-WA0000

O governador do Maranhão, Flávio Dino ( PCdoB),  condenou, em sua conta no Twitter, nesta quinta-feira ( 17), a atitude do juiz da operação Lava Jato, Sérgio Moro, por ter liberado áudios de grampos no telefone do ex-presidente da República,  Luís Inácio Lula da Silva (PT).

“Lutamos tanto para ter Constituição e leis, o que chamamos Estado de Direito. Não podemos destruir isso por paixões e interesses”, disse Flávio Dino na rede social.

O governador do Maranhão também repreendeu críticos de suas manifestações no Twitter e disse que é uma pessoa de princípios políticos e jurídicos. ” Aos que me mandam ficar em silêncio. ..tenho biografia e não folha corrida” , respondeu.

“Não fez e agora reclama”, diz Márcio Jerry sobre declarações de Sarney

jerry

O secretário estadual de Articulação Política, Márcio Jerry, utilizou sua conta no Twitter para responder aos recentes ataques da oposição e do ex-senador José Sarney (PMDB) contra o governo Flávio Dino (PCdoB) em relação às obras, iniciadas pela ex-gestão, e que estão tendo andamento na atual administração.

“Não fez e agora reclama porque o governo Flávio Dino faz”, disse Márcio Jerry ao direcionar a declaração à oposição oligárquica.

Segundo Márcio Jerry, o governo está concluindo obras e iniciando outras de fundamental importância para o Maranhão com distribuição de renda. Ele disse ainda que a administração está “assegurando a correta aplicação dos recursos emprestados pelo Banco Nacional de Desenvolvimento (BNDES)”.

Índio não quer mais apito, índio agora quer é twitter, redes sociais…

Acorrentados na Assembleia em protesto, índios não largam, um só minuto, o smartphone e as redes sociais

Acorrentados na Assembleia em protesto, índios não largam, um só minuto, o smartphone e as redes sociais

Os índios Guajajaras, que resolveram se acorrentar, em protesto, na galeria da Assembleia Legislativa, acabaram com a “tese”, levantada na tribuna pela deputada Andrea Murad (PMDB), nesta quarta-feira (08), de que os indígenas não se ligam no Twitter, nas redes sociais. Muito pelo contrário, eles foram flagrados por nossos paparazzi, “grudadinhos” e conectados em seus smartphones durante pronunciamento da parlamentar.

Como disse um jornalista, no Comitê de Imprensa, índios hoje estão muito é por dentro das coisas. Por fora, nem a “bunda” mais. Eles mostraram à deputada oposicionista que estão mais antenados e modernizados do que ela com as redes sociais.

Isso evidencia que “índio não quer mais apito”, índio quer agora é smartphone, saber das coisas, conectar-se, seja pelo WhatsApp, Twitter, Facebook, todas as redes sociais. Quem tem que se ligar mesmo é Andrea Murad que ainda pensa que o microblog é “coisa do outro mundo” ou instrumento reservado só ao “homem branco”.

Twitter não morde, deputada. Até índio tá ligado! Tempos são outros. E já dizia Chacrinha: “Quem não se comunica, se trumbica”! Eles é que tão certos!

Cunha sentencia: “Aliança entre PT e PMDB não se repetirá”

Globo.com

Presidente da Câmara, deputado Eduardo Cunha

Presidente da Câmara, deputado Eduardo Cunha

Neste domingo (14), por meio doTwitter, o presidente da Câmara Federal, deputado Eduardo Cunha (PMDB-RJ), disse que o PMDB está “cansado de ser agredido pelo PT constantemente”. “É por isso que declarei ao Estadão que essa aliança não se repetirá”, escreveu em seguida, também pela rede social, numa referência à entrevista publicada pelo jornal “O Estado de S. Paulo”.

“Talvez tivesse sido melhor que eles aprovassem no congresso o fim da aliança e não sei se num congresso do PMDB terão a mesma sorte”, completou Cunha.

O presidente da Câmara também usou o Twitter para “agradecer” a petistas por vaias e críticas dirigidas a ele durante o 5º Congresso Nacional do PT no sábado (13) em Salvador. Com ironia, ele disse que “ficaria preocupado é se fosse aplaudido lá”.

“Quero agradecer as manifestações de hostilidade no congresso do PT. Isso é sinal que estou no caminho certo”, escreveu o deputado na rede social na noite deste sábado.
Talvez tivesse sido melhor que eles [petistas] aprovassem no congresso o fim da aliança e não sei se num congresso do PMDB terão a mesma sorte”, disse
Eduardo Cunha.

Durante o encontro do PT, militantes e dirigentes gritavam “Fora Cunha! Fora Cunha!” antes da votação de um trecho da resolução final do congresso – documento que consolida as posições do partido sobre a atual situação da política e da economia. Durante as discussões, várias lideranças propuseram fim da aliança com o PMDB.

Em defesa do rompimento, Julio Turra, que também é dirigente da CUT, disse que na Câmara o partido é tratado como se fosse “reles partido minoritário” pelo PMDB. Ele citou Cunha como “alvo de mobilizações, de denúncias e de ataques de todos os movimentos sociais aliados”. CONTINUE LENDO AQUI.