Em São Bento, Othelino diz que obras inauguradas por Flávio Dino são marcantes para a Baixada Maranhense

Othelino Neto afirmou que a inauguração do primeiro módulo e do Complexo de Segurança Pública são duas obras marcantes para o desenvolvimento da região da Baixada Maranhense

O presidente da Assembleia Legislativa, deputado Othelino Neto (PCdoB), participou, na sexta-feira (29), em São Bento, ao lado do governador Flávio Dino (PCdoB) e do prefeito da cidade, Luisinho Barros (PCdoB), da inauguração do primeiro módulo do campus da Universidade Estadual do Maranhão (Uema) e do Complexo de Segurança Pública, compreendendo os prédios da 3ª Companhia do 10º Batalhão da Polícia Militar e da Delegacia da Polícia Civil.

A unidade da Uema, inaugurada na área da antiga Fazenda Escola, integra uma estrutura de seis prédios, que comporão o campus daquela instituição de ensino superior em São Bento. Ao se pronunciar, o deputado Othelino Neto afirmou que a inauguração do primeiro módulo e do Complexo de Segurança Pública são duas obras marcantes para o desenvolvimento da região da Baixada Maranhense. “Educação e segurança são marcas fortes do governo Flávio Dino e do nosso projeto de mudar o Maranhão para melhor. Estão de parabéns o governador, o prefeito e a população de São Bento e da Baixada Maranhense”, parabenizou.

O governador explicou que são duas ações congruentes com o objetivo do Governo do Estado de promover o desenvolvimento da Baixada Maranhense: o Complexo Policial e a expansão do ensino superior da Uema. “Os cursos estarão funcionando em sua plenitude no começo de 2019. Em julho deste ano, lançaremos edital oferecendo 450 vagas. Isso também é segurança pública, porque não se faz segurança só com repressão. É preciso também prevenção. E a educação representa exatamente isso. Vamos completar 31 escolas inauguradas somente no mês de junho. Nenhum governo no Maranhão fez isso”, declarou Flávio Dino.

O reitor da Uema, Luís Gustavo Pereira, disse que se trata de uma obra de transformação e de garantia de desenvolvimento da Baixada Maranhense. “Estamos inaugurando o primeiro prédio onde funcionarão a biblioteca e a parte administrativa. Por determinação do governador, depois de São Luís, a Uema de São Bento terá uma das maiores estruturas do Maranhão”.

O prefeito Luizinho Barros agradeceu ao governador Flávio Dino por tudo que seu governo tem feito por São Bento e pela região da Baixada Maranhense. “Agradeço, imensamente, ao governador e, também, aos deputados Othelino Neto e Rubens Júnior, por tudo que eles têm feito em favor do povo de São Bento. Não posso pedir mais, mas nunca deixamos de pedir. Por isso, solicito ao governador a instalação de um batalhão da PM e uma Ciretran em São Bento. Obrigado mais uma vez”, assinalou.

Os deputados Rubens Júnior (PCdoB), Eliziane Gama (PPS) e Weverton Rocha (PDT) elogiaram as ações do governo Flávio Dino, principalmente nas áreas de Educação e Segurança. “Nunca tinha visto um governo investir tanto em segurança”, frisou Rubens Júnior.

Já Eliziane Gama destacou que “Flávio Dino é o governador da educação e da segurança, e o melhor governador do Brasil”.

Weverton Rocha, por sua vez, foi enfático: “Enquanto Temer faz intervenção militar, Flávio Dino faz uma intervenção na educação do Maranhão, ao inaugurar mais de uma escola por dia”.

Nomeações e vestibular

Na entrega do Complexo de Segurança Pública, o segundo momento das inaugurações, o governador Flávio Dino anunciou a nomeação, em breve, de mais 1.200 policiais militares. “Já aumentamos de nove para 12 mil, o número de policiais militares. Já compramos mais de mil viaturas, entre carros e motos. Vamos aumentar o contingente policial de São Bento e doar mais 10 km de asfalto para o prefeito Luizinho fazer recapeamento e pavimentar bairros desta cidade que nunca receberam asfalto”.

Participaram do evento, entre outras autoridades, os prefeitos José Sisto (Bacurituba), Conceição Castro (São Vicente Férrer), Jorge Serra (Cajari), entre outros; o ex-deputado Marcelo Tavares; o secretário de Estado de Segurança Pública, Jefferson Portella; o comandante da Polícia Militar, cel. Jorge Luongo; os deputados federais Weverton Rocha (PDT), Eliziane Gama (PPS) e Rubens Júnior (PCdoB); o delegado geral da Polícia Civil, Leonardo Diniz; os vereadores de São Bento, Iranei Trinta, presidente da Câmara de Vereadores, Mário Barros, Henrique Vale, Flávio Barbosa (Gaúcho), Neto do Sindicato, Dárcio Pinto, Djalma Pereira, Beco Pinheiro e Apolo.

UFMA e UEMA suspendem aulas nesta segunda-feira devido à greve dos caminhoneiros

A atitude visa minimizar transtornos à comunidade universitária de forma preventiva e considera os efeitos causados pelo desabastecimento de combustíveis

A Universidade Federal do Maranhão (UFMA), anunciou por meio do seu portal, que vai suspender suas atividades acadêmicas nesta segunda-feira (28). De acordo com o comunicado, a medida foi tomada devido à falta de combustíveis, além de outras dificuldades em decorrência da paralisação dos caminhoneiros que completou uma semana neste domingo (27).

Seguindo a mesma decisão, a Universidade Estadual do Maranhão (UEMA), também resolveu suspender as atividades acadêmicas em todos os campi nesta segunda-feira. A atitude visa minimizar transtornos à comunidade universitária de forma preventiva e considerando os efeitos causados pelo desabastecimento de combustíveis.

As atividades de ambas as Universidades estão mantidas em todas as unidades.

A paralisação dos caminhoneiros nas rodovias estaduais e federais pelo país entrou no 7º dia neste domingo (27). Lideranças dos caminhoneiros começaram a organizar novas paralisações a partir de segunda-feira (28), às 8h. Num vídeo que está circulando nos grupos de WhatsApp, representantes chamam, além dos caminhoneiros, veículos de passeio para parar as BRs. Além disso, uma manifestação em pontos estratégicos das principais capitais também está sendo organizada.

Uema abre inscrições para pós-graduação em Marketing Digital e Gestão Universitária

Os horários de atendimento são de 9h às 18h, de segunda a sexta-feira.

A Universidade Estadual do Maranhão (Uema), abriu inscrições para o Curso de Pós-Graduação em Marketing Digital. Essa especialização possibilitará que os participantes compreendam melhor as tendências digitais, levando-os a buscarem soluções inovadoras no ciberespaço.

De acordo com a Universidade, podem participar da seleção profissionais graduados em Administração, Administração Pública, Contabilidade, Comunicação Social, Direito, Economia e áreas afins. As inscrições estão sendo realizadas na Sala de Pesquisa do Centro de Ciências Sociais e Aplicadas (CCSA), do Campus Paulo VI (São Luís), das 9h às 13h e das 14h às 18h.

Foi aprovada também a oferta do Curso de Especialização em Gestão Universitária. Os interessados em participar da seleção para preenchimento de 45 vagas podem fazer inscrições até o dia 9 de março. O pré-requisito é ter diploma de curso superior em qualquer área de conhecimento.

A taxa de inscrição no valor de R$ 50 deve ser transferida para a conta corrente da Fundação de Apoio ao Ensino, Pesquisa e Extensão (FAPEAD). O comprovante e outros documentos exigidos no edital serão apresentados na Secretaria da Pró-Reitoria de Planejamento (Proplan), no Campus Paulo VI. Os horários de atendimento são de 9h às 18h, de segunda a sexta-feira.

Marco Aurélio trava debate com César Pires sobre bonificação para ingresso na Ufma

Ele criticou o fato da oposição sarneysista querer criminalizar tudo, até mesmo coisas que são absolutamente legais

O deputado estadual César Pires (PEN) recebeu críticas do colega de parlamento Marco Aurélio (PCdoB), durante sessão plenária desta quarta-feira (29), na Assembleia Legislativa. Em um discurso no plenário, Pires criticou a bonificação aos alunos de escolas maranhenses para ingresso na Universidade Federal do Maranhão (Ufma), luta de vários parlamentares da casa.

Irritado com o colega por criticar uma política afirmativa, Marco Aurélio disparou que “não dá pra ouvir uma fala tão incoerente desse tipo e, sobretudo, de quem foi secretário de educação do Estado e nunca fez nenhuma escola de tempo integral pra mudar a qualidade do ensino, pra melhorar o IDEB do Maranhão”.

O deputado comunista saiu em defesa também da UemaSul, que também foi criticada por César Pires durante o seu processo de implementação. “A essa pessoa que foi contra a UemaSul e que continua dizendo que não vai dar certo, quero fazer um convite para ir a Imperatriz para ver o tanto que melhorou, para perguntar para um estudante e perguntar se não está valendo a pena”, desafiou Marco Aurélio.

César Pires respondeu dizendo que foi reitor da Uema e talvez tenha sido até o responsável por colar o grau de Marco Aurélio quando ele foi aluno. O que Pires não esperava era a resposta do deputado do PCdoB, que criticou o fato dele ter sido reitor, da área de veterinária, e nunca ter conseguido implantar o curso de veterinária na cidade, que só começou a funcionar após ele deixar a reitoria da universidade.

Foi quando Pires disparou a frase: “eu não coloquei porque não tinha cérebro qualificado para isso”.
A declaração, rebatida com revolta pelo deputado Marco Aurélio, que é da Região Tocantina, demonstra o preconceito com que César Pires e o grupo político do qual faz parte, a família Sarney, sempre tratou Imperatriz e região.

Agora os que tiveram décadas de oportunidades se doem porque nunca fizeram e presenciam um governo que está fazendo muito pela educação daquela importante região.

Tribunal de Justiça concede habeas corpus ao reitor da Uema

MA 10

A um jornal local, o reitor Gustavo Pereira da Costa afirmou que o candidato “zerou uma das provas” e que “não foi aprovado”

O desembargador Kleber Costa Carvalho, do Tribunal de Justiça do Maranhão (TJ-MA), concedeu, nesta quinta-feira (30), habeas corpus ao reitor da Universidade Estadual do Maranhão (Uema), Gustavo Pereira da Costa. Uma determinação da juíza da 1ª Vara da Fazenda Pública da Capital, Luzia Madeiro Neponucena, resultou, na tarde de ontem, na prisão em flagrante e função de descumprimento de decisão judicial.

De acordo com Kleber Carvalho, a falta de fundamentação para a prisão do reitor consiste no que classificou de “verdadeiro constrangimento ilegal”.

O magistrado Kleber Carvalho a prisão do reitor “carece de fundamentação e consiste em verdadeiro constrangimento ilegal”. Ele considerou que a atitude da juíza foi abusiva.

ENTENDA

A ação que culminou com a prisão do reitor tem como autor Thiago do Nascimento Gonçalves, aluno que concorreu à vaga do Curso de Medicina Bacharelado no Processo Seletivo de Acesso à Educação Superior (PAES), da Universidade Estadual do Maranhão, na modalidade universal, apesar de possuir deficiência física atestada em laudo médico. De acordo com o edital do processo seletivo, cursos como os de formação de oficial da Polícia Militar e do Corpo de Bombeiros, Arquitetatura e Urbanismo e os da área de saúde não têm 5% das vagas reservados para pessoas portadoras de deficiência.

Por julgar-se prejudicado com a restrição do edital, Thiago pediu a concessão de tutela urgência, que foi aceita pela juíza Luzia Neponucena, determinando a participação do aluno na condição de pessoa portadora de deficiência, conforme o item 2.4.2 do edital e, que em caso de aprovação, fosse efetuada a sua matrícula no curso de Medicina. Também foi determinado que, além disso, fosse disponibilizado o quantitativo de 5% das vagas do referido curso para pessoas com deficiência. Só que o reitor, devidamente intimado, não cumpriu a decisão judicial.

Thiago do Nascimento novamente peticionou a matrícula no curso de Medicina Bacharelado, no prazo de 48 horas. Pediu ainda a juntada do espelho de correção das provas discursivas e da cópia da prova aos autos. Novamente intimado, para cumprimento da liminar em 48 horas, o reitor, outra vez, deixou de cumprir a decisão, o que levou a juíza a decretar a sua prisão em flagrante.

A um jornal local, o reitor Gustavo Pereira da Costa afirmou que o candidato “zerou uma das provas” e que “não foi aprovado”.

Waldir Maranhão recebeu salário como ‘professor fantasma’ até 2015

EM

Waldir Maranhão se expôs para a Imprensa brasileira com nulidade do processo de impeachment de Dilma

Waldir Maranhão se expôs para a Imprensa brasileira com a nulidade do processo de impeachment de Dilma. Agora, virou saco de pancada e piada ao mesmo tempo no país

São Luís (MA) – Waldir Maranhão saiu do meio acadêmico para se tornar deputado federal, mas o meio acadêmico não saiu dele. Ao menos de sua conta bancária. Nos dois últimos anos o presidente interino da Câmara atuou paralelamente como “professor fantasma” da Universidade Estadual do Maranhão (Uema), recebendo salários mensais de cerca de R$ 16 mil, tudo de forma absolutamente irregular. Os pagamentos, realizados entre fevereiro de 2014 e dezembro de 2015, somaram R$ 368.140,09.

Por lei, qualquer servidor público que assume mandato de deputado tem que pedir o afastamento imediato de sua função inicial para, então, exercer seu cargo e ser remunerado exclusivamente por ele.
O deputado Waldir Maranhão (PP-MA) sabia disso. Tanto que, em 2006, quando foi eleito pela primeira vez, deixou a universidade estadual, onde foi professor e reitor por 21 anos, e teve salário automaticamente cortado. A situação permaneceu assim durante sua primeira legislatura, mas não chegaria ao fim da segunda, iniciada em 2010, quando foi reeleito: Maranhão voltou a figurar na lista de professores ativos da Uema.

Em fevereiro de 2014, o hoje presidente interino da Câmara voltou a receber seus vencimentos por serviços acadêmicos que não prestava. Quando foi eleito para o terceiro mandato, iniciado em janeiro de 2015, o deputado teve nova oportunidade de esclarecer que estava recebendo salários de forma irregular, mas não o fez.

Os salários só deixaram de ser pagos em dezembro, após uma auditoria interna da universidade. “Foi quando vimos que o nome do professor Waldir Maranhão estava lá, realmente de forma irregular”, disse o reitor da Uema, Gustavo Costa, que assumiu o comando da instituição em janeiro de 2015.

A Uema, segundo Costa, notificou Waldir Maranhão para que devolva aos cofres do governo, com juros e correção monetária, tudo o que recebeu de forma irregular. “Meu entendimento é de que ele realmente teria que ter comunicado que recebia os salários. Houve dano financeiro”, afirmou Costa.

Questionado pela reportagem sobre as irregularidades, o presidente interino da Câmara não se manifestou até o final da noite de terça-feira, 10.