Temer e Sarney não queriam um aliado de Dino em Brasília, confirma G1

Sarney teria vetado Pedro Fernandes

O portal G1 confirmou, nesta terça-feira (2/jan), que o presidente Michel Temer e seu principal conselheiro, o ex-senador José Sarney, vetaram o novo ministro Pedro Fernandes (PTB-MA) por ele ser aliado do governador Flávio Dino.

Sarney não queria favorecer um deputado que irá fazer campanha para o seu principal adversário no Maranhão. “Aqui no Maranhão continuaremos com o governador Flávio Dino”, disse Pedro Fernandes ao Jornal Pequeno.

E Temer não queria favorecer “um de seus principais críticos”, o governador Flávio Dino, disse o G1.

Pedro Fernandes diz que foi vetado por Sarney e por isso não será mais ministro do Trabalho; Ex-senador nega veto…

O parlamentar maranhense disse que “não deu” para ser ministro porque seu nome criaria “embaraço” entre o presidente Michel Temer e Sarney

Do G1

Parlamentar do PTB, que havia anunciado na semana passada convite para comandar a pasta, afirmou que foi ‘vetado’ pelo ex-presidente José Sarney. Planalto ainda não se manifestou.

O deputado Pedro Fernandes (PTB-MA), que havia anunciado na semana passada ter recebido e aceitado convite para comandar o Ministério do Trabalho, afirmou nesta terça-feira (2) à TV Globo que não irá mais assumir a pasta porque foi “vetado” pelo ex-presidente José Sarney (PMDB).

O parlamentar maranhense disse que “não deu” para ser ministro porque seu nome criaria “embaraço” entre o presidente Michel Temer e Sarney, um dos políticos mais influentes do PMDB e do Maranhão, base eleitoral de Pedro Fernandes.

“Infelizmente, não deu, devido ao embaraço que eu crio na relação do presidente Temer com o ex-presidente José Sarney”, relatou Pedro Fernandes à TV Globo.

“Veto do Sarney”, complementou o deputado do PTB, ressaltando que não foi anunciado ministro do Trabalho por ter sido vetado pelo ex-presidente da República.

Em entrevista ao colunista do G1 e da GloboNews Gerson Camarotti, Sarney negou que tenha vetado o nome de Pedro Fernandes para o Ministério do Trabalho.

“Não fui consultado e não vetei”, disse Sarney.

“Ele [Pedro Fernandes] quer arrumar uma desculpa. Colocar a responsabilidade sobre as minhas costas. Se, no passado, não vetei Flávio Dino para a Embratur, não faria isso para alguém que foi nosso amigo”, complementou o ex-presidente da República, em uma referência ao atual governador do Maranhão, que presidiu a estatal do turismo durante o governo Dilma Rousseff.

Líder do PTB na Câmara, o deputado Jovair Arantes disse nesta terça à TV Globo que ninguém do Palácio do Planalto entrou em contato com ele para comunicar que Pedro Fernandes não seria mais ministro. Segundo ele, se houve realmente veto por parte de alguém do PMDB, seria uma “indelicadeza” e um “constrangimento” para a bancada do PTB na Câmara.

Arantes cobrou uma explicação por parte do Planalto. Jovair Arantes participou da audiência entre Temer e presidente do PTB, Roberto Jefferson, na qual Ronaldo Nogueira pediu demissão. Na mesma reunião, a cúpula do PTB apresentou ao presidente da República o nome de Pedro Fernandes para o Ministério do Trabalho.

“Não existe plano B, enfatizou o líder do PTB em relação a um novo nome do partido para o comando da pasta.

G1 entrou em contato com a assessoria do Palácio do Planalto, mas até a última atualização desta reportagem ainda não havia obtido uma resposta.

Roseana veta projeto que introduz assistentes sociais e psicólogos na Rede Estadual de Ensino

Governadora vetou projeto que beneficiava assistentes sociais e psicólogos

Governadora vetou projeto que beneficiava assistentes sociais e psicólogos

A governadora do Maranhão, Roseana Sarney, vetou projeto de lei, de autoria do deputado estadual Othelino Neto (PCdoB), que dispõe sobre a introdução de assistentes sociais e de psicólogos no quadro de profissionais de educação em cada escola da Rede Estadual de Ensino. O parlamentar lamentou e disse esperar que o Plenário da Casa derrube o veto governamental.

“Lamento muito a falta de sensibilidade e de compromisso da governadora com a melhoria da educação no Maranhão. Espero que a Assembleia cumpra com o seu papel e derrube o veto governamental ao projeto de lei”, disse Othelino Neto.

O deputado afirmou que irá agora sensibilizar os colegas de Parlamento para a importância do projeto e derrubada do veto de Roseana. Segundo Othelino, o objetivo é fazer com que a Rede Pública de Ensino possa, obrigatoriamente, ter um psicólogo e um assistente social, profissionais que vão dar uma assistência maior ao estudante, à criança, ao adolescente, que, em muitos casos, estão numa situação de risco.

De acordo com Othelino, é necessária a presença do assistente social na escola para fazer o acompanhamento daquelas crianças e adolescentes que forem vítimas de qualquer tipo de violência, seja ela doméstica ou social. Para o deputado, o profissional é uma figura essencial para fazer esse tipo de trabalho e encaminhar determinados casos para o Conselho Tutelar.

“Com a presença do psicólogo, por exemplo, a rede pública poderá cuidar dos aspectos subjetivos e emocionais, preparar a criança para que eventuais traumas provocados ou por violência ou por separação social muito forte não provoquem distúrbios emocionais no futuro”, defendeu Othelino Neto.

Othelino esclareceu que o projeto de Lei estabelece que essas vagas de assistente social e de psicólogo serão ocupadas através de concurso público. A proposição especifica, inclusive, um prazo para que o Estado se adeque e realize um certame para nomeação destes profissionais.

Entenda o projeto – Pelo Artigo 1º do projeto, as escolas públicas da Rede Estadual de Ensino do Maranhão terão, em seus quadros profissionais, pelo menos um assistente social e um psicólogo. A implementação deverá acontecer, gradualmente, até o prazo de dois anos.

Segundo o projeto, a função dos profissionais de Assistência Social e Psicologia estará voltada para o acompanhamento dos alunos na escola pública e em sua comunidade.

Segundo a proposição, além disso, a atuação dos assistentes sociais e psicólogos será, também, de grande importância na prevenção ao uso de drogas e à violência corporal ou psicológica, a exemplo dos casos de bullying, que precisam ser tratados de forma mais adequada por profissionais na escola e junto aos familiares dos estudantes.

Deputados derrubam veto a projeto que garante reposição salarial a servidores do TJ

Deputados derrubaram outro veto de Roseana

Deputados derrubaram outro veto de Roseana

Os deputados derrubaram, na sessão desta quarta-feira (22), veto aplicado pela governadora Roseana Sarney (PMDB) ao projeto que garante reposição de 4,3 por cento aos servidores do Poder Judiciário. Todos os 30 parlamentares presentes à sessão votaram pela derrubada do veto e 12 estavam ausentes.

Quem primeiro encaminhou pela derrubada do veto foi o deputado Zé Carlos (PT). O parlamentar disse que a mensagem encaminhada pelo Judiciário previa só a reposição de parte da inflação do período e que as despesas estão previstas dentro do Orçamento de 2014 do Tribunal de Justiça.

Depois foi a vez do deputado Edilázio Júnior (PV), pelo Bloco Democrático, encaminhar a votação. Ele afirmou que não podia haver dois pesos e duas medidas: “Como já derrubamos o veto ao projeto que garantia o mesmo benefício aos servidores do Tribunal de Contas do Estado (TCE) e esses servidores do Tribunal de Justiça já estão nesta peleja há anos brigando por esse momento de reconhecimento, nada mais justo do que derrubar o veto”.

O mesmo encaminhamento foi feito pelo deputado Neto Evangelista (PSDB) em relação à bancada de oposição. “Não há sustentação plausível do governo em vetar reajuste dos funcionários do Tribunal de Justiça do Estado. Não se fala em aumento, se fala em reajuste”, explicou.

Em seguida, foi a vez do deputado Alexandre Almeida fazer o mesmo pedido, na qualidade de líder do Bloco Parlamentar Democrático Progressista, lembrando relatório que fez na Comissão de Constituição e Justiça, quando opinou pela rejeição do veto.

O último a tratar do assunto foi o deputado Manoel Ribeiro (PTB), em substituição ao líder da bancada governista. Ribeiro lembrou que o Legislativo sempre derrubou os vetos aplicados pelo Executivo a reajuste para servidores, como aconteceu para a Polícia Militar, em 2012, e depois para o TCE.

Deputados querem derrubar veto de Roseana ao reajuste dos salários dos servidores do TJ

Deputados devem derrubar outro veto de Roseana

Deputados devem derrubar outro veto de Roseana

Os deputados Othelino Neto (PCdoB), Bira do Pindaré e Marcelo Tavares, ambos do PSB, Victor Mendes (PV), Alexandre Almeida (PTN), Roberto Costa (PMDB) e Magno Bacelar (PV) fizeram um apelo, na sessão desta terça-feira (16), no sentido de que a Assembleia Legislativa derrube o veto da governadora Roseana Sarney ao projeto que prevê reajuste salarial para servidores do Tribunal de Justiça do Estado.

Othelino Neto defendeu que a Assembleia tenha a postura crítica e independente que teve quando votou e derrubou, por unanimidade dos presentes, o projeto de lei que tratava do reajuste para os servidores do Tribunal de Contas do Estado do Maranhão (TCE-MA). “Que façamos o mesmo com relação ao Tribunal de Justiça, por que assim esta Assembleia vai fazer justiça e corrigir um erro técnico que foi o veto a este projeto de lei”, afirmou o deputado do PCdoB.

Marcelo Tavares e Bira do Pindaré também fizeram apelo pela imediata votação do veto dado pela governadora Roseana Sarney ao projeto do TJMA. “Eu espero que a Casa coloque logo em votação para que o plenário possa deliberar sobre isso, se possível antes das eleições, até para não parecer que determinada bancada tome essa decisão por revanchismo”, disse Tavares.

Mais apelos

Ao discursar na tribuna, o deputado Victor Mendes também fez o apelo, frisando que o plenário deve tratar da apreciação da remuneração dos servidores do Tribunal de Justiça, assim como foi feito também com os servidores do Tribunal de Contas do Estado (TCE).

“Assim como nós votamos com os servidores do Tribunal de Contas, que mantenhamos o nosso posicionamento em favor dos servidores do Tribunal de Justiça também”, declarou Victor Mendes, cujas palavras foram reforçadas pelos deputados Alexandre Almeida, Magno Bacelar e Roberto Costa.

Roberto Costa disse que, apesar de ser líder do Bloco do governo, também votará pela derrubada do veto para garantir o direito dos trabalhadores do Tribunal de Justiça. “Eu acho que esta Casa vai fazer justiça, assim como foi feito justiça também para o Tribunal de Contas do Estado. O TJ também merece todo respeito e apoio, principalmente dos funcionários desta Casa Legislativa”, disse.