Aventura pelo mar até a exuberante e política ilha de Curupu

Conhecida também como “Ilha do Sarney”, com toda sua exuberância natural, ela abriga duas únicas mansões de propriedade da família do ex-presidente do Senado


No vídeo, feito por esta editora, com exclusividade, um visitante denuncia a pesca irregular na ilha de Curupu e pede para que isto seja registrado pelo blog. Sem fiscalização, pescadores exterminam outras espécies, sem necessidade alguma, para obter o pescado.




Em uma hora e meia, chega-se ao paraíso de Curupu

Para quem gosta de aventura e de ecoturismo, uma boa pedida é sair do cais da Raposa, município da Grande São Luís, em uma embarcação por um braço de mar, passando por belezas naturais – que misturam mar, dunas e igarapés – até a exuberante ilha de Curupu, localizada na Baía de São Marcos, um pequeno paraíso de propriedade da família Sarney, no Maranhão.


Um dos portões de acesso à residência da família Sarney

Isso mesmo. Curupu é uma ilha privada brasileira. Politicamente, está integrada ao município de Raposa, no Maranhão, próximo à capital maranhense, São Luís. Por lembrar os Lençóis Maranhenses, o local, que hospeda a praia semi-deserta de Carimã, uma das mais bonitas do Maranhão, ganhou o apelido de “Fronhas Maranhenses”.


A ilha de Curupu é conhecida por abrigar duas mansões da família do senador José Sarney, político brasileiro, ex-presidente do Senado Federal e ex-presidente da República. A residência mais antiga é de José Sarney e sua esposa, Marly Sarney. Já a segunda, construída a partir de 2006, é de Roseana Sarney, governadora do Maranhão, e seu marido, Jorge Murad.

O maior contraste fica por conta do aspecto social. Ao lado do exuberante paraíso natural, o município da Raposa sobrevive em um cenário de pura pobreza. Na rua principal da cidade, estão lojinhas e as moradias sobre palafitas das mulheres que fazem artesanato de renda de bilro.

Esta editora registrou todo o percurso até a ponta da ilha de Curupu na companhia da publicitária e radialista Josélia Fonseca e de amigos.
Outras fotos na fanpage do blog www.facebook.com/Blogdasilviatereza



Trilha deserta e de belo cenário natural

Veja vídeo exclusivo feito por esta editora


Trilha mescla mar, mangues, rio, igarapés, praias e dunas

A Ilha de Curupu é densamente florestada, e seu território é cortado por  rios. Possui aproximadamente 14 km de praias, dunas e mangues, o que  destaca a região com grande potencial turístico.


O passeio até a ponta da ilha de Curupu custa R$ 40,00 por pessoa e dura o dia todo, com saída até, no máximo, 8:30h e retorno às 17h. As pessoas devem levar isopores com bastante água e bebidas, comida e protetor solar. Isto porque no percurso e no destino não há bares, restaurantes ou coisa parecida. As praias são desertas ou semi-desertas mesmo.
Durante a viagem, pode-se degustar ostras da região


Do cais da Raposa até a ponta de Curupu, onde estão localizadas as mansões de Sarney, gasta-se uma hora e meia em uma embarcação motorizada do tipo biana. O percurso é de aventura e o mar deve está cheio, caso contrário o transporte pode esbarrar nos balcões de areia. Mas nada de mau! Alguns minutos de espera e de descontração, enquanto tudo se resolve.

No meio do caminho, esbarra-se com  uma criação de ostras. Você pode degustá-las pelo preço de R$ 5,00 reais a dúzia no natural in loco.

Após este viveiro, a embarcação segue  por uma trilha ecológica com muito mangue e vegetação até esbarrar na ponta da ilha de Curupu, onde se pode apreciar  um belo espetáculo da natureza.

A todo instante, pássaros típicos da região e garças nos brindam com sons relaxantes. É bom levar também tendas para quebrar mais o sol.


Praia de Carimã, um belo detalhe de Curupu


Praia de Carimã, beleza à parte

Uma das praias mais bonitas que compõem o arquipélago de São Luís está localizada no município da Raposa, na ilha de Curupu, e se chama Carimã. Ela é semi-deserta, sem estrutura de restaurantes, quiosques e banheiros.


Por outro lado, é um cenário arrebatador de mar, manguezais e extensas dunas, que lhe valeram o apelido de “Fronhas Maranhenses”. Nos fins de semana e feriados, a praia é bem frequentada.

A região exuberante de Carimã

Para chegar à praia de Carimã, atravessa-se um braço de mar com barco regional motorizado (incluso no valor do passeio) em um tempo máximo de dez minutos, se a partida for do Porto da Raposa. No embarque, leva-se um isopor com bebidas, um guarda-sol (incluso) e um guia nativo (incluso).


O município de Raposa, integrante da Ilha de São Luís, abriga a maior colônia de pescadores do Maranhão, rendeiras (cujas lojas podem ser conhecidas no caminho) e bons restaurantes de frutos do mar.

A praia é mais bem aproveitada com maré cheia ou enchente. Mas deve-se ter atenção redobrada com as fortes correntezas do mar, que se abre para o Oceano Atlântico.
É recomendável levar bastante protetor solar, chapéus, bonés e cangas para estender na areia, pois não há bares, restaurantes e sombra nesta praia. 


PROTESTO: Moradores interditam avenida na Cidade Olímpica

Moradores interditaram avenida na Cidade Olímpica
A chuva que caiu desde a noite de terça-feira (12) até a madrugada desta quarta (13) causou vários estragos em São Luís. Bairros como Cidade Olímpica, Cohab, Cohatrac e Anil ficaram alagados com inúmeros prejuízos à população.

Na Cidade Olímpica, moradores resolveram protestar, na manhã desta quarta (13), e interditaram a Avenida Hum por conta do  alagamento de diversas casas. Eles alegam que a paralisação de uma obra de saneamento e pavimentação provocou o acúmulo de resíduos que entupiu as vias de escoamento de água e causou enchentes.

Os próprios moradores resolveram arregaçar as mangas para limpar algumas vias de escoamento na manhã desta quarta (13). Eles querem a construção de galerias, que estavam previstas na obra paralisada, para que haja um eficiente escoamento da água.

Máquinas da Prefeitura de São Luís foram enviadas para o local, mas, segundo os moradores, não iniciaram ainda os serviços.

Em tempo, o prefeito de São Luís, Edivaldo Holanda Júnior, – acompanhado dos secretários de Obras e Serviços Públicos, José Silveira Sousa; de Urbanismo, Felipe Camarão; e da Criança e da Assistência Social, Débora Baesse, – visita, nesta tarde, a área da Cohab (Córrego Cohab/Cohatrac), um dos pontos de alagamento durante a forte chuva desta madrugada.

A foto foi enviada a este blog por moradores da Cidade Olímpica.